L de Laranjal

Merecem todos perder. TODOS. Porque de uma forma ou de outra confundem o que deve ser um Partido, e um projecto político minimamente sério e credível, com as grandes 'famílias' com um clube de Futebol. Provavelmente sem emenda. As coisas vão mesmo ter de ficar muito pior antes de melhorarem. Dito isto, e com toda a franqueza, na qualidade de militante com quotas em dia, e que não vai votar, nabice por nabice, incompetência por incompetência, indigência por indigência, sempre prefiro que esta seja cometida por quem não seja da tal 'família' que é suposto ser também minha. Não perceber isto, é não perceber nada.

Publicado por Manuel 17:01:00 19 comentários Links para este post  



a crise energética - versão especial para 'ceguinhos'

Why oil costs over $120 per barrel



Global Total Liquids production and oil price, January 2002 to present. Production data from the IEA, data files supplied by Rembrandt Koppelaar. Monthly average WTI oil prices from Economagic.

With oil reaching $135 / barrel, Oil Drum readership exceeding 30,000 unique visitors per day and many wild stories circulating in the MSM as to why oil prices are so high this post strives to explain why oil prices are rising exponentially.

Production and demand

The most significant feature of the chart up top is the dog leg in production growth in 2004. Prior to then the flow of new oil field projects combined with increasing utilisation of spare capacity allowed global oil production to grow and to meet much of the growth in demand.

In 2004, OPEC spare capacity fell close to zero (see below) and the world struggled for a number of reasons to bring on new supply to compensate for decline (see below). The slowing of production growth has meant new supplies are insufficient to meet growing demand and the price has gone up to balance the books. Higher prices stimulate conservation that may take the form of fuel efficiency (driving a smaller car) or abstinence (poor people being priced out of the energy market).

Every year a large number of new oil fields are brought on line. However, this does not directly translate to growth in supplies since amongst other things the production decline in existing fields needs to be replaced first:


new annual production capacity = consumption growth + annual decline + spare capacity growth

Decline

All oil wells, oil fields and oil provinces are exposed to a phenomenon called decline. Producing oil depressurises the sub-surface reservoirs and uses up the reserves. With time the proportion of water to oil that is produced in any well increases (increasing water cut) and this combined with depressurisation leads to declining oil flow rates.

Combined, these processes result in naturally declining production. It has been estimated that the global average decline rate is 4.5% per annum. (personal communication, Peter Jackson, CERA). What this means is that every year the global oil industry must bring on stream 3.8 million barrels per day new production just to compensate for decline (4.5% of 85 mmbpd). If less than 3.8 million bpd are commissioned then global oil production will fall and vice versa.


The higher global oil production rises, so rises the amount of new annual capacity required to compensate for decline.

As global oil production has risen, the annual new capacity required to offset decline has gone up too. Bearing in mind that all the best fields have already been produced, annual decline must be offset using second and third class oil fields. This task eventually becomes impossible and a production plateau is attained. That is where we are right now.

Net energy and energy density

The world has already used up a large proportion of its best oil reserves. These are the light sweet crude oil reserves produced on shore from first class reservoirs.



The proportion of low ERoEI liquids and low energy density liquids is growing exponentially. Source EIA and Oil Watch Monthly.

This chart shows that a growing proportion of world total liquid fuels production comprises second generation liquids - e.g. natural gas liquids, syncrude from tar sands and biofuels.. These are essentially synthetic liquids that need to be created and the process of creation uses energy. The term used to describe this concept is Energy Return on Energy Invested (ERoEI) and while historic oil production may have had large ERoEI numbers greater than 100, these synthetic liquids have low ERoEI. Around 1.2 in the case of temperate latitude ethanol and 5.0 in the case of syncrude produced from tar sand. The main point is that a steadily growing proportion of the global total liquids production is being used to produce these liquids leaving less for society to use than the bare figures may suggest.


ERoEI = (energy contained in fuel) / (energy used to produce fuel)

When the energy used to produce a fuel is larger than the fuel itself contains the ERoEI will be less than 1 and the whole exercise is rather pointless apart from in exceptional circumstances where energy quality is very important, e.g. in food production.

A second and equally serious issue lies in the energy density of the new liquids being produced. In energy terms, 1 barrel of ethanol or a barrel of liquefied natural gas is not the same as a barrel of crude oil. The latter contains significantly more energy. Hence measuring energy production by the volumes produced (barrels) is misleading and presents an over-optimistic picture.

As a rough approximation, the energy equivalence by volume of ethanol and LNG are as follows:


1 barrel of ethanol = 0.61 barrels of crude oil
1 barrel of LNG = 0.73 barrels of crude oil

In summary, the picture of rising liquids volume production up top is deceptive. With the passage of time the energy content of those liquids is falling steadily and the amount of energy used to produce them is rising. This means less energy for society to use at a higher cost.

31.8 billion barrels per year

The world now consumes 31.8 billion barrels of oil per year. 1978 was the last year that this volume of oil was discovered and more recently discovery has been running at less than 10 billion barrels per year. It is an utterly forlorn hope that exploration and new discoveries may alleviate the current supply crisis.

Mega projects

The inventory of past discoveries has not yet been used up and a list of new oil mega-projects first complied by Chris Skrebowski has been expanded and maintained by The OIl Drum in Wiki format.



Global crude + condensate + NGL + syncrude scenario based on TOD mega-projects database as of 27 May 2008. This is not a definitive forecast since there is uncertainty over decline rate, project slippage and there is no allowance made for small projects. Beyond 2012 there is a planning horizon for projects and so beyond that date is pure speculation based on 10% per annum decline in new production capacity - and this may contribute to the apparent peak at that time. The 4.5% per annum decline rate is based on a personal communication with Peter Jackson (CERA) who conducted a comprehensive study of oil field decline last year. This decline is applied also to new production.

At face value, these mega-projects should be sufficient to ensure some production growth in the coming years.

However, the pattern of recent years has been project slippage owing to global shortages of materials, manpower and rampant oil service sector inflation. The pattern of slippage may continue and the promise of an increase in new supplies may remain just that – a promise.

Spare production capacity and OPEC

It is a feature of natural resource depletion that there is either a glut or a shortage. Managing this during the early years of resource exploitation causes all sorts of problems. On planet Earth we need to be thankful to OPEC for trying to manage this problem via their production-sharing cartel. For much of the period since OPEC formed in 1960, the world had excess productive capacity, i.e. production potential was higher than was utilised. Withholding this reserve capacity helped bolster prices and reduce demand. But with erratic additions of non-OPEC supply and a tendency for certain OPEC members to cheat on their quota, oil prices tended to swing in an unpredictable manner through the period 1960 to 2000.

Since 2000 this situation has changed. Global demand for oil has continued to increase and to meet this demand much of the OPEC spare capacity has been switched on so that all but Saudi Arabia are now producing flat out.



Global spare production capacity from this presentation by Lawrence Eagles of the IEA (link lost). Note how 8mmbpd spare capacity in 2002 had all but disappeared by 2004. It has since then grown slightly but is once again in decline.



This more detailed and up-to-date picture from Rembrandt Koppelaar's excellent May edition of oil watch monthly shows spare capacity in sharp decline. Despite a healthy inventory of mega-projects, the world is quite simply not managing to bring on new supply fast enough to compensate for decline.

In order to grow spare capacity, the world each year must commission new capacity to compensate for decline and to accommodate increased demand:


spare capacity growth = new annual production capacity - (annual decline + consumption growth)

As demand continues to rise against static supply, the only solution is for prices to rise and to price poor people out of the oil consuming economy.

Much of the spare capacity held in Saudi Arabia is heavy sour crude oil and the world currently lacks capacity in specialised refineries to handle this crude.

Peak exports

Another important concept is to consider is oil exports as described here by Westexas and Khebab. Oil exporting countries have increasing wealth and are attracting massive inward investment and migration resulting in steadily rising oil consumption. Indonesia provides a classic example of a former export land whose rising consumption has totally consumed their oil exports. Indonesia, once part of the oil supply solution has become part of the oil demand problem and has just left OPEC.



Rising demand and falling production has totally consumed Indonesia's oil exports in the space of 40 years. Indonesia's passion for bio-fuels is explained by this chart.

In 2006 Luis de Sousa produced this analysis of global oil exports. Those seeking an explanation for why oil now costs over $120 per barrel need look no further than this chart.



Luis de Sousa's analysis of net oil exports shows a peak in global oil exports in 2004/5 followed by a period of gradual decline until 2010. Net export decline then accelerates. If this analysis is correct then the current oil price / oil supply crisis will shortly get much worse. However, note that 4 important exporting countries - Iraq, Nigeria, Azebaijan and Kazakhstan - are not yet included in this analysis.

Oil is still cheap



At $2 per liter bottled spring water costs $318 per barrel.

Oil is still very cheap. Bottled spring water at $2 per litre works out at $318 per barrel. Oil is fundamental to our lives for transportation and a myriad products ranging from plastic to pesticides. Unlike spring water, oil is finite and costs significantly more to find and produce. The price of oil will continue to rise until the world as a whole decides it can do with less or until meaningful volumes of energy substitution take root.

Subsidies and taxation distort the market

Many of the world’s oil consumers do not pay the market price paid by the OECD. In Russia, the Middle East and China and many other countries oil and gasoline prices are subsidised. So the thirst of those consumers is not abated by current high spot price. Taxation in Europe and Japan also de-gears the impact of high oil price in those regions where high tax means that gasoline is already expensive. The impact of rising prices is felt less in these countries - though it is now beginning to bite.

Secondary factors and excuses

There are a range of secondary factors impacting the day to day fluctuations in oil price such as:

  • Speculation
  • Political unrest in producing countries
  • The depreciation of the $US
  • Prime exploration acreage that is off limits to OECD corporations

Speculation

Financial speculation in oil futures is being offered increasingly as the reason for high oil prices. True, speculation is rife. However, the futures market is a zero sum game. For every long position there is a short position and the price is ultimately struck by the individual who takes delivery of the oil - which is then refined and purchased by a consumer. For so long as consumers keep demanding oil at ever higher prices, the price will continue to rise.

The only way speculation could impact the oil price is under accumulation. Inventories of crude oil and refined products have been falling for a year (see figures 14 to 17).

Political unrest

True, political unrest in exporting countries such as Iraq and Nigeria means that less oil is being produced. But this situation has prevailed for many years now and is likely to get worse as energy poverty begins to bite.

The depreciation of the $US

True, the depreciation of the US$ has contributed to the rise in oil prices. But the oil price has risen in € too.



From Countdown to €100 oil by Jerome a Paris.

Off limits exploration

True, there are vast tracts of the USA that are under-explored in the ANWR and off the east and west coasts where the US has placed a high price on protecting their own environment. But it is not true that the Middle East and Russia are under-explored and that greater access to these areas by OECD companies would transform the current situation.

In summary these secondary factors touted by the MSM, politicians and oil companies are nothing more than an excuse and a distraction from the core problem which is demand growth running ahead of supply growth for over three years now. If the USA, Russia or Saudi Arabia could turn on the taps and produce an additional 3 mmbpd, the oil price would fall tomorrow. But they can't and the only way the oil price will come down is by reduced demand brought about by pricing poor people out of the energy market and by deepening recession.

Conclusion

We are now in the early stages of a full blown energy crisis that was predictable if not wholly avoidable. Politicians are awaking to the crisis now that escalating energy costs make its existence plain to see. It is highly unlikely that politicians will now grasp the gravity of the situation that the OECD and rest of the world faces and the responses will likely be ineffectual and too little too late.

The principal reason for current high oil price is the proximity of a peak in global oil production. Politicians must understand this and then grasp that natural gas and coal supplies will follow oil down by mid century. Reducing taxes on energy consumption right now is the wrong thing to do. Taxation structure needs to be adjusted to oblige energy producing companies to re-invest wind fall profits in alternative energy sources on a truly massive scale.

Energy efficiency should be the guiding beacon of all policy decisions and this must apply equally to energy production and energy consumption.

Publicado por Manuel 16:48:00 2 comentários Links para este post  



José Almada, um grande cantor português



Republicando uma notícia daqui, de um blog ié-ié:


É já no próximo dia 30 de Maio, sexta-feira, às 21H45, que a Contacto vai promover, em parceria com o cantor José Almada, o espectáculo musical “José Almada ao Vivo”.
Depois de uma breve apresentação no “Abril em Flor-2008”, que ocorreu no passado dia 24 de Abril, em que cantou um pequeno conjunto de canções de sua autoria, José Almada vai apresentar-se agora num espectáculo ao vivo e a solo que integra cerca de 18 canções e também contará com a presença de dois convidados, José Carlos Paiva e José Monteiro.

José Almada surgiu no final dos anos 60 integrando uma corrente musical designada por baladeiros.
Começou a cantar aos 18 anos, altura em que lançou o seu primeiro disco intitulado “Homenagem”, em 1970.

Actualmente, encontra-se a residir na praia do Furadou
ro, Ovar, e começa agora a reaparecer em público, após uma ausência de mais de 30 anos, mercê da acção da “blogosfera” e do impulso dos seus fãs.
Nasceu em Guimarães em 1951 e viveu os seus primeiros anos no Douro (entre a Régua e Lamego). Notabilizou-se também pelo cunho solidário e de preocupação social que imprimiu às suas composições musicais, de tal forma que para gravar um dos seus temas mais emblemáticos, “Mendigos”, foi viver durante uma semana com um mendigo, na Régua.
Este vai ser um serão diferente na Casa da Contacto, em Ovar, onde poderá ouvir, ao vivo, um dos cantores importantes que protagonizaram as mudanças ocorridas em Portugal no final dos anos 60 e início dos anos 70.

Marcações através do telemóvel 917 458 619.


in www.contactovar.com

José Almada, é o autor de um dos grande álbuns da música popular portuguesa, de sempre: Homenagem, de 1970, com esta capa.
O concerto de Ovar, na próxima Sexta-feira, é um acontecimento tão importante, como voltar a ouvir, sei lá...José Afonso, por exemplo.
A figura musical de José Almada, emparelha com a dos maiores autores-compositores da música popular portuguesa, com uma particularidade: é praticamente desconhecido do grande público que não teve oportunidade de escutar, na época, as suas músicas, cantadas numa voz portuguesa se raiz e com temas bem enraizados também, na tradição popular portuguesa.
Os seus discos, não foram reeditados e para os ouvir, actualmente, só mesmo em mp3. Por exemplo no blog do rato.



Publicado por josé 20:04:00 17 comentários Links para este post  



breve ensaio sobre a estupidez... (mais um)

para ler aqui...

Publicado por Manuel 14:36:00 0 comentários Links para este post  



"Everything that has a beginning... ...has an end, Neo"

Publicado por Carlos 00:46:00 0 comentários Links para este post  



Observatório 2008: escolham entre o apelo sedutor da mudança...



ou a força da experiência:

Publicado por André 00:02:00 0 comentários Links para este post  



O jornalismo de causas

O STJ, no caso Esmeralda, decidiu, não conhecer de um recurso interposto de uma decisão do tribunal da Relação que obriga o casal Gomes a entregar a menor ao pai.

A SIC-Notícias, no jornal das 10, de Ana Lourenço, ocupou longos minutos, agora mesmo, num directo, de Torres Novas, a entrevistar o sargento Gomes.
A entrevista, destinou-se a saber a "reacção" de Luís Gomes, à decisão.

Num exercício jornalístico peculiar, a SIC-Notícias, está-se nas tintas, para saber a reacção do pai biológico, único pai da menor e que há anos luta nos tribunais pela criança que é sua filha e que o casal Gomes, decidiu adoptar, de facto.

Assim vai o jornalismo televisivo, em Portugal: manipulador, parcial, faccioso, sem objectividade, militante de causas obscuras.
Ana Lourenço, acaba de assinar uma das peças mais vergonhosas do jornalismo televisivo português.
O director de informação, aplaudiu, com toda a certeza.

Publicado por josé 22:51:00 3 comentários Links para este post  



Os socialistas de out sourcing

A pequena crónica de Manuel Pina, no Jornal de Notícia de hoje, é dedicada ao socialistas que já foram comunistas e agora, seguindo modas recentes, vestem a casaca liberal, sem qualquer pudor ou preconceito.
Agora, sem chapéu de coco, charuto esfumegante, ou calça riscada, caricaturam-se na mesma, na irrisão de uma quadratura do círculo, com prebendas a tiracolo:
A melancolia com que Vital Moreira, prevendo a vitória de Ségolène Royale na disputa da liderança socialista em França, escreve no seu blogue que "a modernização doutrinária e política do PS francês vai continuar adiada" pois a ex-candidata à presidência da República afirma que "ser liberal e socialista é totalmente incompatível" deixa à vista os limites (ou a falta deles) do revisionismo ideológico em curso em partidos socialistas como o português. Tendo-se em poucos anos "modernizado doutrinária e politicamente" a si mesmo, passando de sectário-geral do comunismo mais ortodoxo a sectário-geral, na imprensa e na blogosfera, do "socialismo neoliberal" dominante, Vital Moreira é um exemplo acabado de que os bons hábitos nunca se perdem, sobretudo aqueles que, juntamente com o ressentimento, estruturam a "mentalidade de escravo" de que fala Nietzsche. Não, nem sempre a "modernização doutrinária e política" que tem levado alguns intelectuais e nem por isso a saltar do PCP para os partidos do poder significa mudança. Escravo uma vez, escravo para sempre. Formados na fidelidade acrítica e no "centralismo democrático", a maior parte deles (salvo as honrosas excepções que escolheram a via mais difícil, a da solidão) não se libertou, apenas mudou de senhor.

Publicado por josé 14:51:00 2 comentários Links para este post  



O puto tem piada

Publicado por Carlos 12:49:00 1 comentários Links para este post  



A Esquerda, camarada.

(este texto demora cerca de três minutos a ler)

Na discussão sobre a Esquerda e a Direita, há um ponto de ordem que se torna mister seguir de início: a definição de uma ideia de Esquerda ou até uma de Direita.

Partir para a discussão, como se essas ideias fossem dados adquiridos, releva mais da imaginação criadora dos arguentes do que de uma verdadeira epistemologia do conhecimento ideológico.

Assim, como definimos hoje, a ideia de Esquerda? Que referências se podem buscar, para lhe traçar o contorno preciso e reconhecível pela generalidade dos observadores, na sua matriz original?

Há um lugar e uma referência básicas e imediatamente consensuais: o partido comunista português, o PCP, porque fiel depositário de todas as ideias de Esquerda, conforme as mesmas foram alinhadas ao longo de décadas e seguidas pelos seus defensores de ontem, hoje e possivelmente amanhã.

Hoje, o PCP, publica bimestralmente a revista O Militante, cujo teor é um roteiro seguro do pensamento ideológico dos comunistas, neste século XXI.

No número de Maio-Junho, agora saído, o Militante, do PCP, consagra um suplemento da revista, a...Marx, por ocasião dos 160 anos do Manifesto Comunista.

Nele se podem ler os fundamentos do marxismo, do leninismo e das bases do comunismo como o PCP o concebe, desde sempre e sem alterar uma vírgula ao discurso identitário que o define como o único partido de Esquerda, coerente e assente em ideias típicas da Esquerda, tal como a mesma se concebe, na matriz original e sem qualquer desvio social-democrata, para o chamado socialismo democrático.

O que espanta na leitura d´O Militante, é a colaboração de filósofos como Pedro Santos Maia ou José Barata-Moura que escreve sobre “A Actualidade do manifesto”, para concluir que “O Manifesto não perdeu actualidade , nem poder de actuação, porque fala de um modo estruturante de produzir e de reproduzir o viver económico e social que, transformadamente, persiste na sua matriz e lógica fundamentais- e para cujas contradições e assimetrias, crises e misérias importa preparar , e lutar por estabelecer, uma base de sustentação nova, nas condições e à altura das exigências do tempo, que, removendo e superando a existente, recoloque a humanidade em caminhos de desenvolvimento qualificante.” Ufa!

Domingos Abrantes a páginas tantas, escreve também sobre o Manifesto e o PCP e cita um prefácio de Engels à edição alemã do Manifesto, onde se esplanam as ideias fundamentais da Esquerda, sobre a sociedade e o Estado.

É nestas passagens que se nota a cristalização do PCP, nas ideias dos idos do século passado, sem uma ruga ideológica; sem uma prega do tempo que passou e com o lustro da luta anti-fascista sempre presente e associada ao capitalismo e à sempiterna luta de classes que no fim de contas sempre explicou o destino do Homem e do Mundo.

A História da Humanidade, para o PCP, continua a ser a história da luta de classes.

É essa a Esquerda que compreendo, respeito e combato ideologicamente, sempre que me ocorre. Como agora.

Depois de fixada esta noção taxionómica, outras distinções que se proponham cindir a Esquerda da Direita, com base em argumentos de relevo ao “social”, à “igualdade”, aos direitos sociais dos trabalhadores e ainda ao papel do Estado, na preservação dos direitos dos trabalhadores, sem os distinguir das empresas privadas e na defesa das empresas públicas, cada vez mais geridas segundo critérios da economia de mercado, é pura e simplesmente aldrabar os conceitos e introduzir na ideia de Esquerda o que nela não cabe, porque não precisa de caber. A Esquerda desmaiada do sangue vital do marxismo-leninismo fica uma ideia morta de sentido real e coerente. Mesmo assim, os desiludidos do catecismo velho e revelho, agarram-se aos despojos do muro , como a um soro identitário , fazendo desse ersatz, o seguro da sua vida política, perante os trabalhadores que ainda vêem, na velha perspectiva marxista-leninista.

A Esquerda, é o Socialismo e não é o democrático, mas apenas o que Marx, Engels e Lenine, defenderam como caminho para a Humanidade global.

A discussão de Vital Moreira e Cardoso Rosas neste contexto ( e que parece ter estiolado) é uma desconversa, um logro, um embuste, ao lermos a defesa da ideia de Esquerda por quem defende ( Vital Moreira) uma prática que não pertence à Esquerda nem pode pertencer, de acordo com a dicotomia clássica da luta de classes, entendida como aferidor máximo dessa definição.

Aqui fica a prova de que o PCP não alterou uma vírgula ao seu discurso do século passado, baseado em ideias fixas, sobre o marxismo-leninismo. E se as apresentar ao público em geral, como deveria apresentar, na Assembleia da República, e como fazia Vital Moreira, nas bancadas de 1976, ficaria com o panorama claro e visível para toda a gente: um dos últimos partidos marxistas-leninistas em todo o mundo, incluindo os países em que tal modelo foi amplamente experimentado ao longo de longas décadas, mais longas que o período obscurantista do fascismo que tanto vituperam para se credibilizar por um contraste, inexistente, no que às mais amplas liberdades se refere.

( Basta fazer toc na imagem para aumentar e ler. O texto demora cerca de três minutos a ler. Os textos da revista um pouco mais, mas valem a pena ler.)
























Publicado por josé 19:43:00 6 comentários Links para este post  



Unforgettable

Publicado por Carlos 03:40:00 0 comentários Links para este post  



Observatório 2008: o discurso de aceitação do virtual nomeado dos democratas

Publicado por André 20:27:00 3 comentários Links para este post  



Coisas realmente importantes


Conselho Superior de Magistratura quer decidir em última instância a divisão dos lugares de estacionamento nos tribunais. Ouvido esta tarde no Parlamento sobre o novo mapa judiciário, o juiz-conselheiro Ferreira Girão disse que essa decisão «pelo seu melindre» pode desencadear «autênticas guerras».Por isso, reclama ter a última palavra

Publicado por Carlos 23:27:00 5 comentários Links para este post  



As provas proibidas

Lisboa, 20 Mai (Lusa) - O Procurador-Geral da República (PGR), Pinto Monteiro, defendeu hoje que o primeiro passo para combater a corrupção em Portugal é criar na opinião pública o sentimento de que esta prática deve ser condenada.
"A primeira medida para combater a corrupção é criar junto da opinião pública o sentimento de que deve ser punida, porque enquanto a opinião pública pensar que com a corrupção todos se governam ou todos fazem nunca haverá punição", disse Pinto Monteiro aos jornalistas, em Lisboa.

Segundo o Público, de hoje, o juiz conselheiro, jubilado, Almeida Lopes, depôs ontem, no tribunal de Felgueiras, a propósito do caso com o mesmo nome e que está obviamente relacionado com actos de corrupção.
Apresentou, segundo o jornal, uma explicação curiosa para os acontecimentos que levaram Fátima Felgueiras ao banco dos réus: despeito amoroso dos denunciantes do saco azul.
Perante a explicação, tida como aceitável pela própria arguida e o seu advogado, um dos visados, referiu que a mesma “é imprópria e indelicada para a própria Fátima Felgueiras.”

Almeida Lopes, foi juiz no tribunal Administrativo e Fiscal do Porto. Presidente de tribunal. As referências à sua passagem pelo lugar de Conselheiro, depois de ter sido divulgado o teor das escutas, produzidas no processo do saco azul de Felgueiras, não são famosas para a reputação pessoal do visado.
Ainda assim, nada aconteceu que tivesse repercussão pública, em modo de justiça penal ou disciplinarmente relevante. A PGR arquivou os processos e o CSM arquivou, também.
Aliás, esses inquéritos foram arquivados, essencialmente, por questões processualmente relevantes e por interpretações restritivas do valor das provas obtidas em processo penal, ( escutas telefónicas).

Porém, ficou a sensação na opinião pública de algo impublicável e ainda assim, inadmissível para o senso comum, derivado da impossibilidade de uma escuta, servir como prova, em processo penal, ou administrativo, mesmo que apresente factos da vida real, como sendo o que parecem.

Agora, passados quatro anos, o mesmo Almeida Lopes, apresenta-se como vítima do sistema jurídico-penal, dizendo-se mesmo “vítima de vários crimes das autoridades judiciárias", e assestando baterias críticas, contra os agentes da PJ que investigaram o caso, e o Ministério Público que o apreciou. Imputa mesmo a esses agentes do Estado, factos graves, como falsificação de documentos e insurge-se, de caminho, contra tutti quanti ousem beliscar a honra impoluta de magistrado, escutado no saco azul, cujas escutas, o mesmo entende deverem ser destruídas, por serem “prova proibida”.
É este o sinal que a opinião pública recebe em casos idênticos: há provas, mesmo indiciárias, que sendo proibidas, são inexistentes.

Publicado por josé 15:33:00 2 comentários Links para este post  



Observatório 2008: Obama «vs» McCain já começou

Publicado por André 23:57:00 4 comentários Links para este post  



Obrigado Olegário

Publicado por Carlos 23:23:00 7 comentários Links para este post  



Pulido Valente na tv

O novo telejornal da TVI, às Sextas-feiras, à noite, com Manuela Moura Guedes, vale a pena seguir.
Um dia destes, ainda sai escândalo de arregalar o olho colectivo e entretanto, há na parte final, uma participação que começou por ser escrita e ontem, mudou para falada e vista.
Vasco Pulido Valente, um dos críticos modernos que está sempre do contra, como convém à crítica, apareceu ontem no programa e fez boa figura.
Vasco Pulido Valente, arrastava consigo, há largos anos, o fardo do homem que passa mal na tv.
Ontem, demonstrou que é um fardo alijado e a sua prestação televisiva e telegénica, passou bem. Falou de modo compreensível e articulado; mostrou atenção à focalização e apresentou boa imagem para televisão.
Gostei de ver.

Publicado por josé 11:57:00 1 comentários Links para este post  



FIM de 68

Contemplei da lua, ou quase,
o modesto planeta que contém
filosofia, teologia, política,
pornografia, literatura, ciências
exactas ou arcanas. Nele há mesmo o homem,
e eu entre eles. E tudo é muito estranho.

Dentro de poucas horas será noite e o ano
terminará entre explosões de espumantes
e fogos de artifício. Talvez de bombas e coisas piores,
mas não aqui onde estou. Se alguém morre
ninguém se importa desde que seja
desconhecido e longe.

Eugenio Montale

Publicado por contra-baixo 23:38:00 0 comentários Links para este post  



D de Dúvida

Ainda 'há' condições para descer o IVA ?

Publicado por Manuel 12:25:00 4 comentários Links para este post  



Asae na mira

Este primeiro-ministro que nos saiu em rifa e que por vezes nos envergonha, criticou hoje aqueles que o atacaram por fumar, ao classificar os seus comportamentos de "calvinismo moral radical".
Calvinismo moral radical, contudo, poderá ser algo, mais ou menos como isto, de que o primeiro-ministro se orgulha:


Publicado por josé 11:48:00 4 comentários Links para este post  



O ópio da intelectualidade lusa

Como leitura de fim de semana, e para destoar um pouco das habituais catilinárias aqui publicadas, contra o agente da agit-prop, da causa pró-governamental, ficam dois textos sobre um assunto interessante, mas ainda assim, desprezado pela intelectualidade lusa: as diferenças entre a esquerda e a direita, à luz das ideologias fenescentes.

Vital Moreira, como é sabido, assume o fato de esquerda, quase todos os dias. Fato-macaco, claro; e que despia, logo que tomava assento no Conselho Geral e de Supervisão da EDP, ao lado de Vasco Melo e outros dignos próceres da Direita mais retintamente inclassificável: a dos negócios. Isso, antes de o senhor Khalifa, ter tomado o lugar do nosso califa da causa.
Nessa área de penumbra, ninguém sabe onde fica a Direira e a Esquerda e Vital, sente-se manifestamente à vontade no meio. É uma espécie de pezinho que põe para mostrar à-vontade na dança dos notáveis nos negócios. O pezinho direito, porquanto o esquerdo fica sempre atrás…
Logo que abandona a sala, recolhe o pezinho maroto, veste novamente o fato-macaco e põe o auto-colante de Esquerda. Passa a ser de Esquerda, porque sim e que ninguém afirme o contrário- porque não?
A Esquerda, para Vital, como se pode ler a seguir, é um lugar de eleição, literalmente.
Para um outro,para João Cardoso Rosas, intelectual e professor dessas coisas, desiludido da dicotomia velha, deixou de existir qualquer diferença entre a Esquerda do PS e a proclamada Direita do PSD e CDS, porque são todos da social-democracia, com assento seguro no liberalismo económico e nos caminhos que lá conduzem, pelo pragmatismo que já invadiu a área ideológica.
Ora leiam, sff, que vale a pena.




Por Vital Moreira

No seu último artigo no Diário Económico, intitulado "Adeus socialismo", o filósofo social João Cardoso Rosas defende que as ideias socialistas caducaram no mundo de hoje, mesmo para as correntes políticas que se reclamem delas, dada a conversão universal ao capitalismo de mercado. Sem ser inédita nem destituída de aparente sentido, a tese não é, porém, convincente.

Em primeiro lugar, o "socialismo democrático" não se afundou juntamente com o desabamento quase universal do comunismo há duas décadas. Desde a dissidência leninista a seguir à revolução russa de 1917, que deu origem à cisão do movimento socialista e à criação dos partidos comunistas em numerosos países, foi sempre óbvia a diferença entre o "socialismo socialista" e o "socialismo comunista", quer quanto ao modo de transformação social, quer quanto ao modelo da sociedade socialista a erigir. Como é bom de ver, a queda do Muro de Berlim significa metaforicamente "adeus Lenine" e o fim do comunismo, mas não afecta essencialmente o socialismo democrático, que aliás viu vindicada a sua crítica histórica ao leninismo e ao socialismo soviético.

Em segundo lugar, foi muito antes do fim do comunismo que os partidos socialistas e social-democratas - a começar com o SPD alemão, no célebre congresso de Bad Godesberg de 1959 - abandonaram a ideia da "economia socialista", enquanto sistema económico alternativo ao capitalismo, baseado na "socialização" generalizada dos meios de produção. Aliás, isso mesmo resulta da adesão de todos eles à UE, desde o início baseada numa "economia de mercado assente na livre concorrência" (como estabelece o Tratado de Roma, de 1957). O próprio Partido Socialista francês, um dos mais conservadores nesse aspecto, acaba de propor uma nova declaração de princípios onde não existe o mais leve traço de socialismo económico, substituído pela adesão a um projecto de "economia ecologista e social de mercado". Por isso, hoje ninguém espera, ou teme, que um governo socialista desate a fazer nacionalizações a eito. Portanto, não há nenhum engano ou equívoco quanto a esse ponto.

Por último, mas não menos importante, apesar do abandono da "economia socialista" pelas correntes e partidos socialistas na actualidade, não é ilegítimo que conservem a antiga denominação, dado que continuam a lutar pelas suas principais bandeiras na esfera social, designadamente direitos sociais, inclusão social, coesão social, Estado social, enfim, justiça social. Essa "marca de água" das ideias e dos partidos socialistas permanece. Liberal na política e nos costumes, mas agora também na economia, o socialismo contemporâneo continua porém a ser caracterizado pelos seus objectivos de maior igualdade e justiça social, que se reflecte em especial na política social, na política fiscal, na política educativa, nas "políticas afirmativas" de igualdade, etc.
Em suma, os partidos socialistas há muito abdicaram do "socialismo económico", mas os ideais socialistas nunca se limitaram a isso. Por isso, dizer "adeus ao socialismo" seria, por um lado, redundante e, por outro lado, injustificado.

É evidente que não existe equivalência absoluta entre esquerda e socialismo. A noção de esquerda é um conceito relativo, tendo como contraposição a direita, num continuum posicional gradativo que vai desde a extrema-direita à extrema-esquerda. Já a noção de socialismo tem a ver com objectivos identificados de transformação e de justiça social, pelo que tem um sentido mais preciso e menos relativo, embora se possa ser mais ou menos socialista. Pode, portanto, haver uma esquerda não socialista, que, defendendo embora tradicionais valores de esquerda - como a igualdade, a democracia participativa, a laicidade do Estado, a escola pública, a liberdade dos costumes, etc. -, não compartilhe, porém, dos objectivos sociais típicos do socialismo.

Todavia, embora a hipótese de uma esquerda não socialista não seja irrealista, com mostra o caso do Partido Democrata nos Estados Unidos, partido de esquerda liberal sem grandes traços socialistas - ressalvadas as políticas sociais de presidentes democratas como Roosevelt, Johnson, Kennedy e Clinton -, já na Europa, por razões ligadas às suas tradições políticas e culturais, bem como às vicissitudes da sua história económica e social, não se afigura sustentável uma esquerda politicamente relevante fora do quadro socialista. O recente insucesso do novel Partido Democrata italiano, aliás herdeiro do antigo Partido Comunista italiano, que tentou emular o paradigma norte-americano (até no nome), revela os limites da reconstrução política à esquerda com abandono da herança e dos referenciais socialistas.

Sem dúvida que os partidos socialistas e social-democratas em geral, sobretudo os de vocação governamental, estão a passar por um processo de modernização que inclui a adopção de muitos valores alheios à tradição socialista, desde a conversão à economia de mercado e à concorrência até à liberalização das utilities, desde a disciplina monetária e financeira até à "nova gestão pública", desde o valor da segurança pública até à competitividade empresarial. Mas, para além dos bons fundamentos desta modernização - que, em geral, não é de esquerda nem de direita, mas apenas exigência de bom governo -, nada disso exige o abandono dos traços propriamente socialistas da esquerda. Pelo contrário, sem bom desempenho económico e sem eficiência na gestão pública não pode haver margem para políticas sociais de esquerda.

E, acima de tudo, a realidade política mostra que, para além de injustificado, o abandono das ideias e propostas socialistas teria por consequência deixar à extrema-esquerda o monopólio de um património de representações e de referências que pertencem à memória e à identidade da esquerda socialista, e cujo valor ainda não se esvaiu.

(Público, terça-feira, 13 de Maio de 2008)

Por João Cardoso Rosas

Na sua crónica de anteontem no “Público”, Vital Moreira critica, com a probidade e o rigor intelectual que são seu timbre, o artigo que aqui escrevi na semana passada “Adeus socialismo”. Nesse artigo, eu defendia que o projecto histórico do socialismo, nas suas diferentes formas, está hoje esgotado. Vital Moreira contrapõe que esse esgotamento afectou o socialismo comunista, mas não o socialismo democrático. Retomando os termos do próprio Vital Moreira, parece-me que a sua tese, não sendo embora inédita, não é convincente.

É inteiramente verdade que o socialismo democrático, sob a designação “social democracia”, se demarcou desde cedo do marxismo (com Bernstein). Este socialismo democrático abandonou a visão dialéctica da história e a ideia de revolução social, para passar a aceitar as liberdades básicas e o processo político democrático. É também verdade que o socialismo democrático abdicou, desde finais dos anos cinquenta (especialmente no PT britânico e no SPD alemão), da estatização da economia e da sua direcção centralizada como caminho para a sociedade socialista.

Mas é precisamente devido a este processo secular de distanciamento em relação à matriz marxista que convém inquirir sobre o que distingue, afinal de contas, o socialismo democrático do liberalismo. Julgo que a única distinção possível reside na desconfiança do socialismo face às liberdades económicas e ao funcionamento do mercado livre (o que pode conduzir à socialização de alguns meios de produção, ou à resistência à sua privatização). Não é assim no pensamento liberal. Os liberais aderem às liberdades económicas e ao mercado por razões de eficiência, mas também por razões morais. Os liberais consideram que a economia capitalista, para além de ser a única que funciona bem, é também aquela que melhor assegura a autonomia individual e a manutenção de uma sociedade livre. Os socialistas, por seu turno, consideram que a liberdade económica e o mercado escondem a pura lógica dos interesses que nenhuma “mão invisível” consegue compatibilizar. Os socialistas podem aceitar a liberdade económica e o mercado por razões de eficiência, mas fazem-no com uma relutância baseada em princípios.

No entanto, até mesmo este socialismo residual deixou de fazer sentido depois do fim da Guerra Fria, num contexto de expansão da democracia liberal e de abertura de espaços de troca de bens e serviços e de circulação de pessoas cada vez mais vastos. Neste quadro, um país que queira ater-se ao que restou do socialismo está condenado ao isolamento, ao empobrecimento e, no limite, à sua autodestruição como entidade viável. Por isso, muitos partidos ditos socialistas adaptaram-se – e ainda bem – ao novo contexto. Como reconhece Vital Moreira, eles passaram a ser genuinamente liberais na política e na economia; mas associaram o seu liberalismo de base à defesa dos direitos sociais, da justiça social, etc. Ora, o grande equívoco de Vital Moreira consiste em pensar que a defesa deste conjunto de valores configura ainda uma forma de socialismo.

O programa político que Vital Moreira considera socialista é, na verdade, o programa do liberalismo social tal como foi pensado desde Stuart Mill e, muito especialmente, pelo chamado “novo liberalismo”, associado a autores como John Rawls, Ronald Dworkin, Bruce Ackerman, Amartya Sen, etc. Estes autores representam um pensamento inquestionavelmente de esquerda, mas que não é socialista. Parece-me que eles fornecem também o melhor enquadramento teórico possível para a acção política de muitos partidos ditos socialistas na actualidade. Neste sentido, também os argumentos que Vital Moreira costuma apresentar em defesa das políticas prosseguidas pelo actual Governo do PS se inserem muito melhor numa visão liberal social do que na tradição do socialismo democrático. A única vantagem inerente à utilização de uma linguagem socialista, como Vital Moreira acaba por reconhecer no final do seu artigo, é de natureza simbólica e estratégica: ela impede que a extrema esquerda se aproprie desse património. Porém, o meu argumento sobre o esgotamento do socialismo enquanto projecto político é de cariz substantivo e não meramente estratégico.
Vital Moreira, promete polémica. Veremos, então, a seguir, como a vai desenvolver. Aqui serão dados os resultados e comentados a preceito. O tema tem interesse; quase ninguém o debate publicamente; e no fim de contas, os polemistas, são professores universitários de ciências da política. Um, prefere por vezes a política da causa; outro, abandonou a causa da política.
Isto promete.

Publicado por josé 10:45:00 1 comentários Links para este post  



O melhor local para entender as eleições norte-americanas

Publicado por Carlos 10:19:00 0 comentários Links para este post  



Observatório 2008: com o apoio de John Edwards, ainda há dúvidas de que Barack Obama será o nomeado?

Publicado por André 20:13:00 2 comentários Links para este post  



A Justiça em editorial

O que é que uma pessoa que não tem dinheiro nem poder, que depende exclusivamente das polícia, do Ministério Público e dos tribunais, faz quando tem um problema? Perguntem a Baltazar Nunes, pai da “pequena” Esmeralda. Ou melhor, não perguntem; esta é capaz de não ser a melhor altura tendo em conta que há dias foi tomada uma decisão de um tribunal que não adianta nada e atrasa tudo.
Este longo processo mostra porque é que a justiça portuguesa não é justiça. Mas é muito portuguesa. Esmeralda nasceu a 12 de Fevereiro de 2002 e foi entregue pela mãe, à margem da lei, ao sargento Luís Gomes a 28 de Maio. A 13 de Julho de 2004 o tribunal decidiu atribuir o poder paternal ao pai biológico – há quatro anos, quando Esmeralda tinha apenas 2. Desde essa altura, o Estado não conseguiu fazer uma coisa básica: obrigar um sargento da GNR a cumprir uma decisão judicial. (…) Os juízes decidiram mais uma vez que a criança deveria ser entregue ao pai biológico. Mas permitiram que todo o processo se atrasasse novamente.
A última decisão foi de adiar a entrega da criança por mais 90 dias, o que deu tempo à mãe biológica de Esmeralda para pedir ao tribunal o exercício do poder paternal, com o objectivo confesso de depois entregar a filha a Luís Gomes. Esta semana o tribunal aceitou apreciar esse pedido.. São mais 15 dias para alegações e, depois, mais alguns para a abertura de um novo inquérito pela segurança social que vai avaliar as condições económicas das duas famílias-um inquérito igual a outro que já foi feito há anos pelas mesmas razões, pelas mesmas entidades, às mesmas pessoas e que se presume que tenha os mesmos resultados.
Por incompetência do Estado, Esmeralda entrou neste processo aos 2 anos e continua metida lá dentro aos 6- o “superior interesse da criança”, neste caso, é esperar.
Portanto, o que é que uma pessoa faz quando está dependente de uma decisão da justiça? O sargento Luís Gomes sempre soube a resposta e Baltazar Nunes de certeza que já aprendeu. É muito simples: ou desiste ou foge.

Este editorial da revista Sábado, merece um comentário alargado. A essência da tese editorial da Sábado é que a Justiça não funciona e não resolveu este, tal como não resolve outros casos semelhantes.
A pergunta que se engatilha a seguir, é do mesmo teor:
Poderia a Justiça, (compreendendo neste termo, os tribunais, stricto sensu), resolver este problema concreto, aliás semelhante a outros que não são alvo da atenção mediática?
Factos, apontados no editorial:
A pequena foi entregue pela mãe biológica, 3 meses depois de nascer, à revelia do pai.
Este logrou obter uma decisão da Justiça, favorável à sua pretensão em obter a guarda da menor, em 13 de Julho de 2004, dois anos depois do nascimento da menor.
Nesta altura, a menor deveria ter sido entregue pela família de acolhimento que a pretendia para adopção, à revelia da vontade do pai biológico. Luís Gomes e mulher, não entregaram a menor, fugiram e ocultaram a mesma, esquivando-se constantemente à acção da Justiça, lato sensu. Por causa disso, a Justiça dos tribunais actuou e submeteu o relapso, a julgamento por rapto de menor.
É nesta fase que deverá ser apreciada actuação da Justiça, lato sensu, incluindo, por isso os órgãos de polícia e demais instâncias de serviço social, incluindo a comunidade. Nesta fase, o interesse da menor, cingia-se a ficar com aquele que tinha o poder paternal e nunca desistiu de o ter de facto: o pai biológico.
Se isso tivesse acontecido, ou seja, se o sargento Luís Gomes, fosse efectivamente encontrado, e a menor recuperada, teria havido a história que se seguiu e os problemas subsequentes? Não, de todo.
Então, para se poder escrever que a Justiça falhou neste caso, é preciso saber o que fez a Justiça lato sensu, ou seja, o que fizeram as polícias que foram no encalço de Luís Gomes e mulher, para recuperarem a menor e o que fizeram as pessoas que em concreto lidaram com o problema.

Como e porquê, não conseguiram descobrir onde esta se encontrava e todo o enquadramento que se encontra ainda obscuro, neste procedimento notoriamente falhado e omissivamente suspeito, porque revelador de encobrimentos e favorecimentos pessoais, que impediram de facto, a Justiça stricto sensu de actuar.
É preciso saber, como é que os tribunais funcionaram neste caso, em que o tempo passava e era precioso agir, em todos os dias que passavam. E é preciso saber, como foi possível a um sargento do Exército, furtar-se à acção da Justiça stricto sensu e se esta tinha meios para actuar de modo diferente do que o fez.
Para se poder dizer agora, que a Justiça portuguesa não é justiça, será preciso recuar a esse tempo e perceber, como é que a Justiça falhou aí, nesses meses e anos cruciais para o destino de Esmeralda.
Uma coisa, sabe-se já: A partir de certo momento, a Justiça actuou e no modo criminal. O sargento Luís Gomes foi acusado, julgado e condenado em pena de prisão efectiva, tendo cumprido tempo como preventivo, pelo crime de rapto de menor.

Foi aliás, essa decisão da Justiça que desencadeou, paradoxalmente, toda a onda de solidariedade com o sargento, pai afectivo e extremoso, da menor e que a Justiça queria à viva força encarcerar, de modo injusto, iníquo e inadmissível, durante quatro anos.

Isso foi dito e escrito e o tribunal que o condenou, vituperado por praticar semelhante injustiça e crueldade. Foi proclamado publicamente em programas de televisão e figuras públicas da situação e do regime, defenderam publicamente o sargento recalcitrante, desobediente e desrespeitador das sentenças judiciais e afinal principal impedimento à entrega da menor ao pai que sempre a reclamou.
Nenhuma figura pública do regime, optou pela defesa pública do pai biológico da menor, detentor legítimo do poder paternal e no final de contas, vítima principal, a par da filha que reivindica, deste procedimento social e politicamente orientado por certas figuras da inteligentsia pátria. O teor dos escritos públicos dos apaniguados do regime, afina pelo mesmo diapasão: o pai afectivo, é o legítimo pai da criança. O pai biológico que se dane, mesmo que nunca tenha desistido de ter a filha consigo.

Depois de se saber disto, vir escrever que a Justiça é a culpada exclusiva da emergência do problema, só por miopia. Política, social ou ideológica. Ou então, numa versão mais suave, por ignorância militante. Quer dizer, desconhecimento de factos, leis, costumes e práticas sociais enraizadas há décadas na sociedade portuguesa.
Práticas essas que fundamentam, originam e explicam escritos como o da Sábado de hoje.
A Justiça, em termos quase ontológicos, significa dar a cada um aquilo que lhe pertence. Espera-se que os editores da revista percebam esse significado e atribuam a cada um aquilo que lhes pertence, neste imbróglio que entretanto se criou, por força das leis que há e dos costumes que se praticam. E ainda, principalmente, das pessoas que lidam com isso, incluindo as dos media.

Publicado por josé 15:42:00 14 comentários Links para este post  



T de Timing

Ontem, na Assembleia da República, assistiu-se a um dos momentos mais vergonhosos da sua história. Não foi o mais vergonhoso porque - registe-se - é provavelmente impossível bater a recepção apoteótica a Paulo Pedroso, mas andou-se por lá perto. Os deputados da República tem todo o direito de homenagear o FCP, e o seu Presidente, o que também tinham era a obrigação de saber que o podiam fazer em qualquer altura MENOS no EXACTO dia, e escassas horas depois, de Pinto da Costa ser acareado em Tribunal, com a sua ex - e uma das principais acusadoras.

Publicado por Manuel 13:45:00 7 comentários Links para este post  



Breaking news in tugalândia

Um retrato do país do espectáculo:
Os três canais televisivos, a passar em directo, nos telejornais da noite e durante largos minutos, a apresentação do jogador do Benfica, Rui Costa, como dirigente do clube. Sim, só isso.

Publicado por josé 20:44:00 3 comentários Links para este post  



Desculpas trôpegas

Estava convencido que não estava a violar nenhuma lei nem nenhum regulamento. Infelizmente há essa polémica em Portugal e eu quero lamentar essa polémica. Se por algum motivo violei algum regulamento, alguma lei, lamento e peço desculpa, não voltará acontecer", declarou José Sócrates, na qualidade de primeiro-ministro, à Lusa.

O problema deste primeiro ministro, já se viu, passa muito pelo desconhecimento da lei. Por isso, é que diligenciou por um Orçamento de 180 milhões de euros, para pareceres de eminências como Sérvulo Correia e afins. Em vez de ser a Assembleia da República a legislar, tem sido o Governo. Em vez do Governo, têm sido os escritórios de advogados notáveis.
Depois, dá nisto: um Inspector da ASAE que desconhecia a lei, viola indecentemente o seu espírito e depois ainda se põe a discutir publicamente a letra e agora um primeiro ministro que depois da polémica estourar e os jornais glosarem o tema e até os apaniguados do costume o vituperarem, ainda se põe com o discurso do coitadinho, desconhecedor dos rigores da lei e por isso -pasme-se!- pede desculpa.
Mas, desculpa a quem ?! À sua própria ignorância? Ao seu embotamento de raciocínio nestas questões?

Contudo, é este mesmo coitadinho que agora pede desculpa a uma entidade mítica na sua concepção mirabolante, que se prepara para controlar directa e pessoalmente, as forças de segurança, as polícias e a breve trecho todo o aparelho do Estado que se dedica à investigação criminal.

Disso, é que o indivíduo deveria pedir desculpa e arrepiar caminho.

Publicado por josé 17:35:00 11 comentários Links para este post  



G de Galpada

Anda por aí uma série de gente aos pulos por causa dos aumentos dos combustiveis. Atiram ao lado; Mais ou menos, estes estão a subir em todo o lado. O que convinha ser investigado e devidamente esclarecido é por que é que no rectângulo estes aumentos são assimétricos, isto é são sempre maiores no gasóleo que na gasolina. Como se sabe ambos são feitos da mesma matéria prima e o que 'parece' é que há quem esteja a aproveitar-se do aumento (real) do custo do petróleo para mais ou menos descaradamente aproximar o preço do gasóleo (cerca de 50% do consumo do mercado) do da gasolina, para assim maximizar receitas. Isso sim é a verdadeira golpada.

Publicado por Manuel 15:16:00 5 comentários Links para este post  



C de Cobradores

Não é que remanescessem grandes dúvidas sobre a seriedade, a importância e o relevo que o Estado Novo socrático dá às magistraturas, mas este pequeno anúncio do Ministro das Finanças é revelador. O Estado confia mais na sua máquina fiscal que nas magistraturas (que se quiserem seguro o fazem do bolso), ponto final.

Se o PGR, mais o Presidente do STJ, mais as sindicatas das magistraturas se levassem a sério, e levassem a Justiça a sério, tinhamos caso. Como - desde que não lhes tirem o palco - não levam, fica aqui a nota apenas.

Teixeira dos Santos anuncia criação de seguro para proteger funcionários da administração fiscal

O ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, confirmou hoje a criação de um seguro para cobrir os riscos inerentes à actividade de funcionário público da Administração Fiscal, tendo apelado a estes agentes para não se deixarem intimar com ameaças de contribuintes.

Diario Económico Online com Lusa

"O Estado vai de facto constituir um seguro que permite cobrir a sua [dos funcionários] responsabilidade civil extracontratual", disse hoje Fernando Teixeira dos Santos em Bruxelas à entrada de uma reunião dos ministros das Finanças da União Europeia, citado pela Lusa. O ministro lançou um apelo aos funcionários da administração fiscal para se "concentrarem" na tarefa de fazer com que os contribuintes cumpram as suas obrigações fiscais e de recuperarem os atrasados e as dívidas existentes.

Os funcionários da Direcção Geral dos Impostos "podem estar descansados que têm todo o apoio do director-geral, secretário de estado, ministro e Governo", assegurou o ministro. Teixeira dos Santos pediu ainda aos funcionários da Administração Fiscal para "não se deixarem intimar" por "ameaças, muitas vezes de contribuintes e outras entidades", que "procuram dar a entender" que, se levarem a cabo esta ou aquela iniciativa, serão processados.

"Nós não podemos admitir que isso aconteça e portanto iremos proteger os nossos funcionários nesta matéria, para que possam continuar sem qualquer temor a exercer as funções da forma esforçada e competente como têm feito até agora", disse Teixeira dos Santos. A decisão do Ministério das Finanças surge após a entrada em vigor da nova lei da responsabilidade civil extra-contratual do Estado, que permite aos cidadãos que se considerem lesados o direito de processarem os funcionários públicos.

Publicado por Manuel 13:20:00 6 comentários Links para este post  



Lua de mel, lua de fel

São 12h21, e ainda não vi em lado nenhum um desmentido formal da Presidência da República à capa do Público de hoje, que diz que também Cavaco deixa fumar nos 'seus' voos. Todos mal na pintura. Sócrates porque fez o que fez. O Público, porque depois da notícia de ontem que 'viu', a relativiza e contextualiza metendo Cavaco ao barulho (o Público viu fumar e só se lembrou agora, foram as relações públicas da TAP que denunciaram o PR, ou foi a rapaziada de Sócrates a nivelar o jogo por baixo ?). Cavaco em qualquer caso tem um problema - se o que Público diz é verdade prova que não é tão melhor que Sócrates e a 'má moeda', se desmente - porque acaba definitiva e formalmente a 'lua de mel' com Sócrates. Temos todos aquilo que merecemos.

Publicado por Manuel 12:20:00 1 comentários Links para este post  



O agente da agit-prop

Nem a Constituição nem os princípios do Estado de direito requerem o "paralelismo" dos juízes e do Ministério Público ou impedem o exercício de funções de gestão judicial pelos juízes. -
Assim escreve Vital Moreira, no blog em que agita a sua causa de propaganda pró-governamental e a propósito das declarações do PGR em que este considera o desrespeito do paralelismo do MP em relação aos juízes, um "grave atentado ao Estado de Direito".

O que será um atentado ao Estado de Direito, para Vital Moreira? A subversão das regras constitucionais, por exemplo. O que não será o caso...
Não? Vejamos.
A Constituição, acerca do paralelismo dos magistrado do MP com os juízes, nada diz nem precisava de o dizer, a não ser para lembrar algo que parece óbvio no esquema organizativo do poder judicial que temos, definido precisamente pela Constituição. Quem estabeleceu esse paralelismo, afirmado por escrito, foi o Estatuto do MP. E com razões constitucionais, porque não foi considerado contrário à lei fundamental.

Aliás, Vital Moreira, chegou a anotar na Constituição, algo que agora parece querer renegar em cada escrito sobre o assunto. " O MP é, depois dos juízes, a segunda das componentes pessoais dos tribunais. Mas a Constituição é omissa quanto ao seu lugar nos tribunais enquanto órgãos de soberania. De resto, também é omissa sobre a organização do MP, inclusive sobre a sua estrutura hierárquica; nada diz explicitamente sobre o seu estatuto face ao governo, embora um regime de subordinação seja certamente incompatível com a autonomização funcional e orgânica do MP” . Foi assim que escreveu na anotação à Constituição. Estamos fartos de lho lembrar, mas o lente do blog da agit-prop, não se dá por achado.

Aliás, ainda segundo Vital Moreira, a Constituição “também pouco diz sobre o estatuto dos magistrados do MP”.
E no entanto, adianta o lente do causa nossa que há paralelismo do MP em relação aos juízes, assegurado constitucionalmente, no caso da inamovibilidade e ainda relativamente às funções de nomeação e gestão da magistratura do MP.
Portanto, ao contrário do que Vital Moreira escreve no blog, e que contraria o que escreveu na anotação à Constituição, esta garante paralelismo do MP com os juízes, nesses dois aspectos essenciais e de Estado: a inamovibilidade que significa a impossibilidade de transferência, aposentação, suspensão ou demissão, dos magistrados do MP, senão nos casos previstos na lei e aproxima inevitavelmente o estatuto dos juízes do do MP.
Cria uma paralelo indesmentível. Tal como existe na gestão dessas duas magistraturas, por órgãos próprios, onde o poder político, aliás, também está representado.

Sendo estes os princípios constitucionais, e estes ainda os princípios de Estado, porque é que Vital Moreira, continua a fazer de conta que não os conhece?

Para enganar papalvos? Para agitar ideias falsas sobre os princípios de Estado que antes não subscrevia e agora, agita em bandeira?
Para quê, afinal?
Ainda sobre Vital Moreira e os escritos de agit-prop, nada melhor, como exemplo, do que o postal sobre Angola.
Os encómios ao regime e à democracia angolana e ao mesmo tempo a vituperação dos maledicentes que insistem em acusar, malévola e sectariamente, o regime de José Eduardo dos Santos e do MPLA, dão que pensar, depois de um riso de senso comum, acompanhado de um triste abanar a cabeça, de indignação pelo aparente e inevitável frete.
Repare-se nesta pérola de antologia, contra as acusaões "malévolas e sectárias":
"Existe um parlamento pluripartidário, um estatuto de protecção da oposição, liberdade de imprensa, liberdade de religião, liberdade partidária, liberdade de deslocação e de residência, etc. Não existem presos políticos. Estão previstas para breve eleições legislativas e presidenciais, instaurando a normalidade democrática no País."

Publicado por josé 11:34:00 5 comentários Links para este post  



V de Vergonha

O Prof. Cavaco não percebe porque é que os 'jovens' não se interessam pela política. Não percebe porque há tanto descrédito nas 'instituições'. Ora bem, aqui, no Público Online, dá-se uma ajuda - mais uma - para o ajudar a perceber. Enquanto houver leis que uns tem que cumprir, e outros não, enquanto houver uma justiça para ricos e outra para pobres, um sistema fiscal a que uns não podem fugir, e outros podem, não há discurso presidencial que resista. Um dia Cavaco vai ter de se deixar de lamechices, que não disfarçam nada, nem sequer lhe compram tempo, e fazer ALGUMA coisa. Convinha que percebesse que quando esse dia chegar se calhar - a fazer fé nas tendências das últimas sondagens - já ninguém o vai levar a sério por já ser tomado definitiva e irreversivelmente como cúmplice de uma espécie de farsa. Quanto a Sócrates, o 'engenheiro' faxeado, nada de novo. Manifestamente igual a si mesmo, e a julgar-se infinitamente mais 'igual' que todos os outros. Chavez não faria de facto melhor.

Publicado por Manuel 19:08:00 10 comentários Links para este post  



Observatório 2008: já a olhar para o duelo com McCain, Obama pisca o olho aos republicanos moderados

Publicado por André 18:39:00 0 comentários Links para este post  



Na prática, Obama já é o nomeado: será 'isto' que o poderá tornar o próximo Presidente?

Publicado por André 18:31:00 1 comentários Links para este post  



Se o procurador geral vê isto....

Publicado por Carlos 02:50:00 7 comentários Links para este post