Pink Martini

Publicado por André 15:54:00 74 comentários Links para este post  



Oceano Pacífico

Publicado por Carlos 13:43:00 7 comentários Links para este post  



Bebel

Publicado por André 02:28:00 7 comentários Links para este post  



Casa Branca

Quem quiser continuar a acompanhar os textos sobre política americana (que começaram a ser publicados na GLQL em 2004), poderá visitar o novo blog Casa Branca, em http://casabranca2008.blogspot.com

Enquanto isso, vamos continuando a ver-nos aqui na Loja, atentos ao que se vai passando no País e no Mundo...

Publicado por André 15:30:00 2 comentários Links para este post  



Deolinda no Pavilhão Atlântico

Se ainda não descobriu, vale a pena ouvir:



Vão estar na sexta-feira no Pavilhão Atlântico, num concerto onde também entram os Xutos e a Rita Redshoes, no décimo aniversário da FNAC. Só não vou porque não posso mesmo...

Publicado por André 20:26:00 0 comentários Links para este post  



Regresso a casa

Ainda nem sei bem porquê, mas cansei-me de escrever aqui.
Lembrei-me do meu albergue, onde comecei faz agora cinco anos e de onde saí, para vir para aqui, a convite do Manuel.
Apetece-me lá voltar e acomodei o lugar, modesto, para publicar o que escrevo sobre política, justiça e media; ou media, política e justiça; ou vice-versa.
Não tem comentários porque não arranjo lugar para os colocar, só por isso.

Passados mais de cinco anos de experiência em blogs, próprios e alheios, continuo convencido que isto não tem grande importância.
Tem apenas a importância de um reflexo, fugidio, de uma impressão que fica escrita num texto, num comentário ou num achado singular e que outros, podem encontrar e replicar. E isso acontece, efectivamente, sendo assim que as coisas vão mudando, lentamente.

Então, obrigado pela atenção.

Publicado por josé 12:43:00 24 comentários Links para este post  



O discurso de vitória de Barack Obama

Publicado por André 05:51:00 2 comentários Links para este post  



O discurso de concessão de John McCain

Um belo discurso, já agora. Digno, elevado, responsável.

Publicado por André 05:48:00 0 comentários Links para este post  



BARACK OBAMA PRESIDENTE

Barack Hussein Obama, 47 anos, foi eleito Presidente dos Estados Unidos da América.

Venceu John McCain, com uma votação popular de 51%, contra 48% do republicano.

No Colégio Eleitoral, com ainda 44 Grandes Eleitores por distribuir, Obama arrecadou já 338 e McCain 156.

Publicado por André 05:43:00 1 comentários Links para este post  



É HOJE (LXXI): Previsão final

Aqui vai a minha previsão final:

-- BARACK OBAMA 53.1%
-- JOHN MCCAIN 46.2%
-- Outros 0.7%

COLÉGIO ELEITORAL
-- OBAMA 322
-- MCCAIN 216

(é só um palpite, aguardemos pelos resultados...)

Publicado por André 13:47:00 0 comentários Links para este post  



A Grande Falha

Saldanha Sanches, casado com Maria José Morgado, figura de responsabilidade no MP, é citado hoje, no Público, a propósito da nacionalização do BPN e da falta de intervenção do supervisor Vítor Constâncio:
"
A decisão está tomada, agora falta saber quando e quanto é que o contribuinte terá de pagar o prejuízo. De resto, também já sabemos que no final vai ficar toda a gente absolvida"..
Quer dizer, Saldanha Sanches, afirma o que o senso comum, actualmente generalizado a uma esmagadora maioria de pessoas, já conhece: que toda a gente que vier a ser investigada e acusada, no caso, irá ser absolvida.
A afirmação é terrível, embora banal, porque qualquer pessoa, incluindo advogados, magistrados, juízes, professores universitários de Direito penal, e comentadores especialistas e até deputados e governantes, a podem fazer- e fazem.
É terrível, porque isso significa, a assunção generalizada de que o sistema de Justiça que temos, não funciona de todo, em casos como este.
O que parece uma evidência, no entanto, esbate-se, quando ouvimos as pessoas responsáveis pelo sistema. Quem o produziu, quem definiu as regras; quem aprovou as leis e as reformas e quem as aplica na prática dos casos concretos.
Ninguém, nesse caso, admite falhas no sistema, a não ser pontuais e eventualmente alheias e de passa-culpas.
Todos se justificam e todos se encolhem, na protecção de consciência, no resultado final: a absolvição de eventuais culpados, com um castigo geral a todos os inocentes.
Os polícias, porque investigaram as denúncias; os magistrados, porque acusaram, com base em indícios fortes de condenação provável; os juízes, porque julgaram e não encontraram provas, afinal, dessa indiciação fortalecida; os universitários e legisladores, porque aprovaram democraticamente as leis substantivas e processuais.
Restam depois os comentadores, como Saldanha Sanches e, quem sabe?, a própria Maria José Morgado que acabará por concordar com ele, devido à evidência dos factos que se impõe como indiscutível.
Afinal, onde reside a Grande Falha que provoca sempre estes pequenos terramotos de descredibilização da Justiça?
Em algum lugar deve estar. Em alguma acção, deve ter o seu início de abalo telúrico das instituições.
O problema é que a espeleologia, na descoberta dessa Grande Falha, também falha.
E por isso, vivemos num círculo vicioso em que todos se queixam e ninguém encontra a Razão...
Por mim, mero comentador, ela reside tão só e apenas em duas coisas: nas leis processuais, restritivas de um sucesso em julgamento, por motivos esconsos de protecção de interesses vários e também na organização de quem investiga os factos.
São essas as duas principais razões. Por isso, quem deve pôr as barbas de molho, são os universitários que gizam as leis; aqueles que as aprovam e também quem investiga os factos, incluindo no lote os que em vez de julgar, se demitem de o fazer devidamente. Ou seja, todo o sistema.
E assim ficamos na mesma...

Publicado por josé 12:51:00 2 comentários Links para este post  



É HOJE (LXXI): que a América escolha bem

Publicado por André 01:27:00 4 comentários Links para este post  



É HOJE (LXX): morre Madelyn Dunham, avó de Obama



O cancro levou Madelyn Dunham aos 86 anos, na véspera de o neto poder vir a ser eleito Presidente dos Estados Unidos da América.

Publicado por André 01:17:00 0 comentários Links para este post  



É HOJE (LXIX): Karl Rove prevê Obama 338-McCain 200

Karl Rove, o arquitecto das duas vitórias eleitorais de George W. Bush, prevê:

-- Obama 338
-- McCain 200

Nas previsões do «mago» da estratégia republicana dos últimos 8 anos, Obama arrecada Ohio, Florida, Virgínia, Colorado, Iowa, Nevada e Novo México.

Será mesmo assim?

Publicado por André 01:11:00 0 comentários Links para este post  



A União Cooperativa

Nota-se demasiado, o esforço unido da Cooperativa ambiente, em associar o BPN, a um partido político que execram com o afinco e porfia sectária habitual.

Acontece, porém, que o BPN é um exemplo daquilo que se convencionou chamar de bloco central. Até lá teve um ministro de Guterres.

Portanto, um bloco central, como um dos elementos mais esconsos dessa Cooperativa, anda a anunciar, como sendo a solução ideal, para os males do Estado.

Aditamento: E a Cooperativa unida, vai abrandar o júbilo cínico, quando perceber, quem, como e porquê, o bloco mais centralizado da Cooperativa, decidiu enterrar 500 milhões de euros, do Fundo de estabilização financeira da Segurança Social, no banco falido.

A pasionaria ( mudei o adjectivo para derivar do estilo da causa) do costume, já reclama prisões, acções punitivas, contra o "escroque" , "apontado", e a indiciação dos "compinchas".
Quando der com os jumentos na água, e perceber a real dimensão que lhe atinge a Cooperativa, mete a viola no saco, cala-se e sai pela habitual Esquerda baixa.

Publicado por josé 21:50:00 5 comentários Links para este post  



O capitalismo português I




Valerá a pena repescar memórias de mais de trinta anos, para percebermos o que se passa hoje em dia, em Portugal?

Depende. Se quisermos saber o que é o nosso capitalismo, que conduz a resultados económicos como os que temos e até fenómenos como a banca que temos e os grupos da nossa economia actual, talvez seja interessante perceber como chegamos aqui. De onde viemos, por isso mesmo.
No Portugal Contemporâneo, também está a fazer-se uma repescagem de algumas ideias e paisagens antigas que merecem atenção.

Em Outubro de 1974, meses após o 25 de Abril, a mentalidade de Esquerda, estava plenamente instalada, nos media, nomeadamente na imprensa.

A revista Vida Mundial, dirigida então, por Augusto Abelaira, tendo como redactores, nomes como Adelino Cardoso, Afonso Praça, Fernando Antunes, Fernando Dil , Miguel Serras Pereira, dedicou o número de 17.10.74, a uma entrevista com João Martins Pereira, ( e duas páginas à frente, aparecia um certo Carlos Carvalhas, então com 33 anos e a falar sobre a lei da greve...) João Martins Pereira, então com 42 anos, diplomado pelo Instituto Superior Técnico, engenheiro fabril com experiência internacional, formado até em Sociologia do Trabalho, assistente universitário, redactor da Seara Nova e do Tempo e o Modo, ensaísta e especialista do capitalismo português, integrava o MES de Sampaio, Ferro Rodrigues e Augusto Mateus, entre outros.

Numa entrevista de oito páginas, dirigida por Adelino Cardoso e que vou aqui reproduzir, hoje e nos próximos dias, João Martins Pereira, faz uma análise interessante do que era o capitalismo português, em 1974, e do que a Esquerda, pretendia que fosse...e ainda pretende, nos dias de hoje, pelo que se vai lendo.

(Clicar na imagem para ler).


Publicado por josé 21:15:00 1 comentários Links para este post  



B de Buraco

a propósito do BPNgate e do espantoso voluntarismo do 'Estado' (vide as declarações de Cadilhe) para tapar o 'buraco', talvez um dia se perceba realmente qual o 'buraco' que se pretende atabalhoadamente tapar... Quiçá uma parte substantiva da história recente, como esse negócio exemplar que foi o SIRESP...

Publicado por Manuel 20:24:00 9 comentários Links para este post  



É amanhã (LXVIII): as projecções finais

AQUI VÃO AS PROJECÇÕES FINAIS DAS PRINCIPAIS SONDAGENS:

GALLUP
-- Obama 55
-- McCain 44
(há quatro anos, na véspera das eleições, o Gallup deu empate: 49/49 para Bush/Kerry)

NBC/WALL STREEY JOURNAL
-- Obama 51
-- McCain 43

CBS
-- Obama 54
-- McCain 41

CNN/OPINION RESEARCH CORPORATION
-- Obama 53
-- McCain 46

PEW RESEARCH CENTER
-- Obama 49
-- McCain 42

MARIST
-- Obama 50
-- McCain 43

RASMUSSEN REPORTS
-- Obama 52
-- McCain 46

Barack Obama lidera todas as sondagens finais, com uma margem que oscila entre os seis e os 13 pontos.

Publicado por André 17:08:00 1 comentários Links para este post  



Uma questão de vergonha


Estas duas imagens, ( da autoria de Susan Walsh/Ap/SIPA) tiradas de duas revistas francesas, ( a de cima, da Marianne de 11 de Outubro e a de baixo, da Nouvel Observateur, de 30 de Outubro) resumem, toda a questão relacionada com a regulação e os organismos de tutela bancária: Vergonha. Ou a falta dela. Nas imagens, aparece Richard Fuld, antigo presidente do Banco Lehman Bros, à saída do Capitólio e jjá em plena Rocha Trapeia. As imagens não enganam. Não enganam?

A manipulação de imagem, é patente numa delas, apesar de idênticas, em tudo, excepto nesse pormenor semiótico. Numa delas, alguém apagou; noutra, alguém acrescentou...não sendo possível determinar a olho nu quem fez o quê.

Exactamente o que se passa com este nosso regulador do Banco de Portugal, o enguia Vítor Constâncio: a manipulação da vergonha. Da pouca-vergonha que está lá; e da falta dela, em dose completa, como se vê. Não dá por ela, mas ela está lá, em falta.

Camilo Lourenço, jornalista económico, antigo director da revista Exame, hoje no 24 Horas, escreve um artigo de opinião, demolidor, para esta nossa gente da regulação, em particular para essa figura, que só pode ser triste, neste momento. Para dar conta da palavra que falta no cartaz: vergonha.
Conta que em Março de 2001, a revista Exame que dirigia, colocou o BPN em capa, chamando a atenção para os problemas já então evidentes, da instituição. Conta que depois disso se seguiu um dos piores períodos da vida dele, por causa das pressões, dos processos em tribunal., etc.
E conclui que afinal, 7 anos depois, o Banco de Portugal dirigido pela tal figura, reconhece-lhe a razão.





PS. Esta questão da falta de vergonha, vai ser resolvida, como habitualmente, nos lugares da Cooperativa, da seguinte maneira: Vítor Constâncio é do PS; o BPN era banco grado ao PSD. Quem ataca agora Constâncio, é do contra o PS. E por isso, será do PSD.
Toda a trica vai passar por estas tristes figuras da política. Como sempre, aliás.

A vergonha, nem conta, para o caso. A falta dela, é generalizada.

Publicado por josé 13:49:00 2 comentários Links para este post  



Dinheiro do povo para o povo



A seguir ao 11 de Março de 1975, o Conselho da Revolução, recém saido do MFA e tornado o órgão máximo do poder político revolucionário, com poderes legislativos, nacionalizou toda a banca privada. O PCP aprovou então, o que consistia em "aniquilar a base material do fascismo".
Hoje, com a nacionalização do BPN, o PCP voltou a aprovar. Provavelmente, com o mesmo fundamento de princípio.

Publicado por josé 01:02:00 4 comentários Links para este post  



Faltam 2 dias (LXVII): McCain recupera em três estados decisivos

SONDAGEM NACIONAL ZOGBY:
-- Barack Obama 49.5%
-- John McCain 43.8%

PENSILVÂNIA: Obama 51-McCain 47

MISSOURI: McCain 48.0/Obama 47.3

CAROLINA DO NORTE: Obama 47.8-McCain 47.5

Obama mantém enorme vantagem no Colégio Eleitoral, mas, nas últimas 24 horas, McCain recebeu dados animadores em três estados que lhe são absolutamente cruciais. Parece ser tarde, mas é um pequeno sinal positivo para o republicano, no meio de todas as sondagens nacionais a colocá-lo como o «under dog»...

Publicado por André 18:53:00 0 comentários Links para este post  



Faltam 2 dias (LXVI): o tempo está a esgotar-se

OBAMA EVITA CANTAR VITÓRIA E MANTÉM DISCURSO CONTIDO


MCCAIN NO «SATURDAY NIGHT LIVE» COM A SÓSIA DE SARAH PALIN...

Publicado por André 17:36:00 0 comentários Links para este post  



A insustentável leveza dos deputados





































No Portugal Contemporâneo, Pedro Arroja, atira-se a um whizz-kid, sem grandes maneiras no vestir, do grupo parlamentar do Bloco de Esquerda que ocupa lugar em S. Bento, por designação partidária, sem ter sido eleito. Atira-se ao kid, pelas figuras que o mesmo faz, em público na tv, com ar de "maltrapilho" e de queque da comunidade urbana do Porto.

O problema aflorado no postal de PA, no entanto, é muito mais vasto e preocupante do que o de um tal whizz-kid de 24 anos, a debitar ideias feitas, para a nova juventude de uma Esquerda florida.

A Visão da semana passada, trazia um tema sobre os deputados que elegemos, para perguntar onde estariam e para concluir que apenas três dos deputados eleitos nas últimas legislativas, mantiveram o lugar cativo. Os demais, deambularam por aqui e ali, no aerópago político do sistema que temos e que eles mesmos delinearam.

A reportagem, assinada por Sónia Sapage, ( que se pode ler acima, com clique na imagem), dava conta de 227 substituições de parlamentares, desde que o actual Governo tomou posso, ou seja, na presente legislatura.

Dos 227 indivíduos que não foram escolhidos directamente pelo povo, em eleições legislativas, com listas connhecidas, onde os nomes que figuravam eram considerados como "elegíveis ou não ilegíveis", alguns acabaram mesmo eleitos...pelos directórios partidários que se crêem autorizados democraticamente a decidir, em nome do povo.

A substituição e escolha serôdia destes deputados de lugares recuados na lista, depende da vontade dos parlamentares, e dos directórios partidários que neles mandam, porque a lei, generosa e que os mesmos gizaram, o autoriza e permite, mesmo eticamente.

A Comissão de Ética, tem a palavra e geralmente, a escolha é ratificada pelo grupo que se substitui assim, ao povo eleitor. Na maior das legalidades. E na maior das desvergonhas, é preciso dizê-lo, porque os próprios o assumem.
Pedro Mota Soares, nem tem dúvidas: É preciso acabar com o deputado-locomotiva que surge à frente nas listas e depois desaparece". O CDS, partido de que faz parte, entretanto, já mudou 11 vezes, o nome do único deputado que elegeu por Viana do Castelo, por exemplo...

As razões da saída dos deputados inicialmente eleitos, foram elencadas pela Visão, com direito a retrato dos mais notórios e que acabaram por ir para outros lugares, políticos e de relevo institucional, ou mesmo para " a privada" que rende sempre um pouco mais, quando rende através da experiência adquirida.
A maioria desses deputados, são conhecidos, não fizeram outra coisa na vida senão deputar, administrar em nome do Governo, politizar gestões públicas e convocar boys and girls para a polinização do sistema.

Um caso singular, é o de Paulo P., deputado escolhido da lista de não eleitos, hoje figura de capa da revista Pública, do Público. A entrevista parece definitiva quanto ao "problema" e a entrevistadora é outra da para-classe política: Anabela Mota Ribeiro, um dos elementos da grande Câmara Cooperativa da actual inteligentsia nacional.

Torna-se interessante a introdução à conversa com Paulo P., assim:

" Entrou na vida política por via das associações de estudantes e teve no irmão um modelo. O resto é do domínio público. Estudou sociologia. Foi delfim de Ferro Rodrigues. Foi Secretário de Estado, ministro do Trabalho e da Solidariedade, porta-voz do PS. Tinha uma carreira promissora. Teve a vida interrompida. Foi envolvido num escândalo sexual que abalou o país .Esteve preso quatro meses e meio. Voltou ao Parlamento . Deprimiu. Saiu de um país que então lhe era demasiado pesado .Há cerca de quatro meses o Estado foi condenado a pagar-lhe uma indemnização de cem mil euros. Ganhou a Acção que interpôs por prisão ilegal no âmbito do processo Casa Pia. Um erro grosseiro.

Portanto, Paulo P. acha-se completamente reabilitado no espaço público, político, para assumir funções de representação do povo. Não foi eleito, em lugar elegível, mas entende-se com direito próprio a ocupar lugar de eleitos. Não foi ainda completamente ressarcido de coisa alguma, pelo Estado, porque o Estado ainda não foi condenado em nada. Não ganhou a acção, ainda. A condenação é provisória, pode ser anulada e o Estado nada ter que pagar, por a nada poder ser condenado, e afinal não haver erro grosseiro algum, a não ser de quem condenou o Estado.

Por outro lado, não ficou desvanecida a dúvida que, bem ou mal, ficou lançada na reputação pessoal, porque a decisão da Relação que o libertou definitivamente do fardo de ter de responder penalmente, considerou, com um voto de vencido de um desembargador, que subsistia no seu caso uma "dupla e insanável dúvida" "quanto à veracidade das imputações feitas ao arguido" e "quanto à pretendida inocência deste"."Assim sendo e porque na dúvida, o MP não deve acusar nem o juiz deve pronunciar, tem de concluir-se que não se encontram reunidos indícios suficientes de o arguido haver cometido os imputados crimes".

Desde essa altura, Paulo P. ficou ilibado penalmente, não podendo ser responsabilizado por isso, em termos criminais. Agora, não se contesta a decisão sequer, e muito menos se afirma o contrário. Mas o contrário não é o que parece e Paulo P. imputa por vezes a quem sobre isso escreve, não admitindo outra coisa senão o atestado de ilibação completa, impingindo intenções torpes a quem o não segue.
Está enganado, e por muito que lhe custe, lá do seu banco corrido onde insulta pessoas, tidas como anónimas, tem de admitir essa discussão, porque se encontra no espaço público, e de lá parece não querer sair, assumindo lugar de representação popular.

E essa discussão, decorre não por causa da inocência comprovada ou pela culpabilidade por comprovar, mas apenas por causa do princípio de direito penal, interpretado de foma lata, do in dubio pro reo que nem sequer foi aplicada em sede de julgamento, lugar do tira-teimas penal, mas no âmbito da instrução decidida por uma única juiz, numa decisão sufragada depois por mais dois juizes de um colectivo de três.
No âmbito das acções penais que interpôs contra os acusadores, perdeu sempre o confronto. O que vale num caso, deve por isso valer no outro. Ou seja, se os acusadores, para Paulo P., são mentirosos e efabuladores, a justiça nunca lhe deu razão nesse ponto. E o empate, derivado da dupla e insanável dúvida, continua. Como aliás, o próprio confirma, ao referir que houve momentos em que até os cooperantes correligionários, duvidaram. Por causa dos media envenenados, segundo explica.

A propósito da investigação penal que a esse resultado conduziu, Paulo P. adianta algo mais interessante na entrevista a Anabela Mota Ribeiro. Acha que o nosso sistema de justiça funciona em última instância e que produz decisões justas, cinco, dez anos depois. Acha, provavelmente como o cidadão comum acha. Aliás, todos sentem isso, em todos os casos mediáticos que envolveram políticos, directa e indirectamente. Ou seja, que foi sempre feita justiça...em última instância. É esse o sentimento geral da população que Paulo P. corrobora, sem dúvida alguma.

Depois, coerentemente, acha que o mal, está na "cultura de investigação criminal". E exemplifica: " por que é que a investigação criminal construiu um caso, o meu caso, sem que houvesse quaisquer elementos que o justificassem; por que é que o manteve; e por que é que impediu que se investigassem as origens. (...) O sistema de investigação criminal é preguiçoso e negligente."

E termina a entrevista com uma declaração espantosa:

" Olho para a política como uma intervenção cidadã e sem qualquer ambição de nenhum género. Sou hoje de terceira, quarta linha partidária."

E deixa uma hipótese de desistência da política, por não pertencer à primeira.

Pois bem, já aqui o escrevi e reescrevo. Paulo P. devia abandonar definitivamente a actividade política, seja de primeira, seja de décima linha. A não ser que quem o acusou com factos, lugares e nomes, se retracte, pedindo desculpas e assumindo as consequências de uma mentira, como aconteceu em Outreau. E então, sim, questionar abertamente o sistema que tal tornou possível. Foi esse o sentido de um pedido de investigação aos métodos de investigação, efectuado pelo sindicato dos magistrados. Por causa do problema das cabalas que é recorrente e aconteceu no caso Camarate ( continua a saga das cabalas bombistas) , das FP25 ( Otelo achava que vinha tudo tocado do lado do PC) do sangue contaminado ( cabala imensa do MP de Cunha Rodrigues, contra a honra impoluta de uma ministra) , do ministério da saúde ( outra cabala do mesmo género e proveniência) e agora da Casa Pia, (com urdidura montada por forças obscuras de cabeleira loira).

Porém, até lá, haverá sempre quem acredite nos ofendidos, nos investigadores, ditos negligentes, nos magistrados ditos preguiçosos, e que afinal são dezenas, para desgraça de Paulo P. que tal não aceita nem compreende. Mas será sempre inevitável e perfeitamente legítimo, porque também é a honra dos mesmos que está em causa e a lógica processual assim o admite, não podendo Paulo P, impedir a discussão nestes termos.

E por isso, nada adianta sobrepor o princípio geral de inocência presumida, porque o princípio também funciona a favor de quem age de boa-fé, para apontar estas perplexidades fundamentadas.
Os seus apaniguados e correligionários da grande Cooperativa político-mediático-partidária, acham ainda que tudo se tratou de uma enorme e obscura cabala que um dia ainda vai ser esclarecida. Mas nada aparece de concreto e positivo, a não ser as denúncias tipo muito-mentiroso.

E então, enquanto esse dia não chega, do almejado esclarecimento geral e necessário, entendem o regresso de Paulo P. à actividade política, para já, de terceira linha, como natural e normalíssimo, nesta democracia.

Há neste entendimento um problema que entronca naquele primeiro, enunciado no artigo da Visão: o modo de funcionamento do sistema político-democratico que temos.
Muitas são as vozes que proclamam já a falência desse sistema pelo descrédito que engendra e pelos escândalos que encobrem, contemporizando com práticas que mais tarde descobrem inadmissíveis: o caso das viagens-fantasma ( este ano, o Orçamento reserva-lhes verba substancial para conhecerem mundos e fundos), o caso das remunerações suplementares pela pertença a comissões e adjacências e ainda por reflexo, o caso das atribuições de casas e casinhas a quem não precisa, no âmbito autárquico, protagonizado por políticos saídos do mesmo alfobre e sistema. Isso para não falar, das compatibilidades éticas entre advocacia privada e negócios, públicos, de deputados
Estes problemas éticos, são relegados para a normalidade do funcionamento do sistema, tal como as renúncias, substituições e suspensões de mandatos, como os apontados.

As substituições, suspensões e admissões, na Assembleia da República, dependem por isso deste sistema que identifica a ética com a lei republicana e a moral com conceitos privados cada vez mais deletérios.
O resultado final de tudo isso, resume-se e assimila-se à retórica do Plenário e uma endogamia, cada vez mais evidente, no interior dos partidos representativos da democracia e do modo como designam os seus.

Se algo e alguém desacredita a democracia, como sistema de governo geral, é isso que se enuncia e enumera, por muito que isso custe a ler aos Paulos P. e a todos os que fazem parte da Cooperativa.
Mesmo aqueles que por distração sobre os princípios que enunciam, entendem haver imprescindíveis na política.

Publicado por josé 15:59:00 6 comentários Links para este post  



A informação que temos


O Expresso de ontem, titulava em manchete que "Prodi e Santer criticam Durão Barroso". Na pág. 8, explicava porquê, assumindo sempre ideias alheias, em artigo assinado por um correspondente em Bruxelas, Daniel Rosário.
A ideia base do artigo, a citar os dois ex-presidentes da Comissão Europeia, é a ausência, o absentismo de ideias e soluções. A inactividade prática e política que deixa o vazio das iniciativas, a ser ocupado por outros, mais afoitos, como é o presidente Sarkozy.

Independentemente do caso político e da repercussão pessoal, sobre Durão Barroso ( e que se torna uma marca de água, ao sabermos que também daqui saiu, abandonando o barco para se refugiar em águas mais temperadas e proveitosas, em busca do poder que é outra marca de água), o assunto merece destaque pelo desfasamento noticioso dos media portugueses.

Desde o início de Outubro que as revistas francesas, para não ir mais longe, escrevem e publicam artigos de opinião e reportagem sobre a crise financeira, a sua origem, responsáveis directos ( como Richard Fuld, CEO do Lehman Bros, na foto acima, em figura de bode expiatório) e não poupam nas palavras para apelidar aqueles que consideram culpados e acima de tudo, mentirosos e aldrabões, beneficiários directos de um sistema que afundaram, por ganãncia e incompetência, aproveitando a onda neo-liberal.

Desde essa altura que revistas como Nouvel Observateur e Marianne ( de onde se retiram todas as fotos, da edição de 11 de Outubro, sobre os "vrais responsables de la catastrophe") , publicam textos como o abaixo transcrito em que os repórteres e cronistas não hesitam em apontar os nomes aos "boys" que tramaram o esquem financeiro do sistema capitalista,. Escrevem alto e com destaque, o que bem entendem sobre a crapulice do sistema- que é o capitalista, convém não esquecer.
Durão Barroso, é aí apontado exactamente, nos mesmos termos que agora é criticado no Expresso. E as críticas francesas, apontam inclusivamente o desvio Sarkozy. E não se baseiam nas declarações dos dois antigos próceres da Comissão.

Por cá, no Expresso, com um Nicolau Santos de lacinho e um incorrigível e inacreditável director, a notícia só aparece quando surgem os nomes da caução,. No caso, os dois ex-presidentes de Comissão, ou outra circunstância extraordinária. Por eles, nunca chegariam lá, ao cerne da questão.

O jornalismo em Portugal, vive destas grandezas, por empréstimo de autoridade. A notícia , só assume relevância, quando aparecem os notáveis a apadrinhar ou tutelar as informações.
Os jornalistas portugueses, não se atrevem à descoberta, por si mesmos. Ficam à espera que lhes tragam a papinha feita, em sites na Net ou palpites oportunos, das "fontes", por vezes inquinadas.
Os directores de informação nos media, com destaque para os jornais, parecem indivíduos escolhidos a dedo, de um grupo de uma extensa aurea mediocritas, ainda mais rasteira. Todos, e quase sem excepção. Nas tv´s. é mesmo aflitivo, tal panorama.

Ocorre-me perguntar porquê e a resposta que ouço, interior, não varia de tom: porque o poder assim prefere e escolhe.
Em Portugal, os media, com destaque para a imprensa, não são livres, é preciso dizê-lo, cada vez mais.
O principal óbice, a essa liberdade, não reside em qualquer ERC desacreditada ou em censura externa dos patrões dos costumes.
Reside tão simplesmente, na mentalidade capada, tacanha, medíocre e medrosa, de quem os dirige, por opção consciente de quem os escolheu.
Basta ouvi-los falar quando aparecem nas tv´s e basta ler o que escrevem para se perceber o fenómeno.




Publicado por josé 11:44:00 3 comentários Links para este post  



Clichés a la minute

No blog Incursões, escreve-se sobre o fenómeno de um primeiro-ministro de Portugal, assaz inventivo e de imaginação fértil e que se recorda de um debate histórico, ocorrido quando tinha...três anos de vida. Citando uma recente entrevista de José Sócrates, entra assim:

"Sou, digamos assim, da geração Kennedy. Essa eleição representou já um momento histórico. Lembro-me do debate que houve na América quando, pela primeira vez, um católico se candidatou a presidente. O próprio Kennedy teve de vincar bem que nunca receberia ordens do Papa enquanto presidente dos EUA. Lembro-me bem do que isso significou."
Ora, sempre segundo as bífidas línguas que se acobertam no pantanoso terreno da calúnia gratuita, bolchevista e anti-nacional, se a biografia oficial está correcta, José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa nasceu no dia 6 de Setembro de 1957 em Vilar de Maçada, concelho de Alijó, distrito de Vila Real. E John F. Kennedy foi eleito presidente dos EUA em Novembro de 1960. Isto é, nesse tempo José Sócrates tinha três anos de idade.



Em 1961, Sócrates estava mais próximo desta foto ( tirada da Tabu de 10.3.2007) do que das seguintes e que lhe aparam os clichés da "geração Kennedy" que este indivíduo nunca viveu, a não ser de cor e por conveniência plasticamente escolhida. Esse mesmo Kennedy que lançou o programa New Frontier, foi o inspirador das Novas Fronteiras de uma originalidade assumida, da autoria do arquitecto Carrilho da Graça (Tabu, de 10.3.2007).



Em Dezembro de 2007, o El País, entrevistava Sócrates e o Expresso, através da Única, republicava o panegírico, com algumas frases que serviam de guia à leitura. Uma delas, era: "A perspectiva socialista é pôr o Estado à disposição dos mais pobres". Como se sabe, ao longo dos últimos anos, Portugal tem sido o país onde o fosse entre os ricos e os pobres tem aumentado mais.
Por outro lado, um indivíduo que tem passado os últimos anos, a ofender, vilipendiar e menorizar, grupos sociais inteiros e tão relevantes como os militares, as magistraturas, os professores e os médicos, em nome de uma putativa igualdade e combate a privilégios, destaca-se a si mesmo, nestes preparos que seguem, em figurino kennediano, de pacotilha, é certo, mas de imagem tirada e publicada. A la minute.

Acompanhado de outra frase rotunda, como esta:

"Tenho uma capacidade crítica muito severa, não me agrada fazer figuras ridículas".

Pois não, nisso acredito, como sendo a mais pura das verdades. A provas, podem muito bem ser estas, a preto e branco, do tempo das Novas Fronteiras e antes do Tintin e das rábulas avulsas:





















PS: o texto original foi ligeiramente modificado.

Publicado por josé 23:50:00 2 comentários Links para este post  



Os coronéis

O general Loureiro dos Santos, está agora mesmo na RTP2, a explicar os problemas com a tropa. São sempre os mesmos, antes e depois do 25 de Abril: estatuto sócio-profissional.
Sabe-se que o Movimento dos Capitães, no 25 de Abril, surgiu por causa de descontentamento desse tipo. Alguém passou a ganhar mais do que outros que mereciam ganhar igual.
Agora, o general Loureiro dos Santos, esclarece um pouco mais, mesmo sem saber exactamente, valores e referências exactas.
Citou o caso dos vencimentos de certos corpos especiais do Estado que no final dos anos oitenta foram actualizados e foram sendo actualizados, ficando a tropa para trás.
Apontou um caso paradigmático: o vencimento de um coronel, corresponderia ao de um juiz de círculo, nessa altura. Passados quase vinte anos, os coronéis ganham metade daqueles.

Se isto é assim, é simples de entender o problema: alguém andou a enganar os militares. E não foram os juízes, certamente.
Quem semeia ventos...

Publicado por josé 21:12:00 5 comentários Links para este post  



Faltam 3 dias (LXV): Obama 10 pontos à frente

BARÓMETRO DIÁRIO GALLUP:
-- Obama 52
-- McCain 42
(votantes prováveis)

ESTADOS INDECISOS:

OHIO: Obama 48-McCain 45

FLORIDA: Obama 51-McCain 47

MISSOURI: McCain 48-Obama 47

COLORADO: Obama 51-McCain 44

VIRGÍNIA: Obama 51-McCain 44

CAROLINA DO NORTE: Obama 48-McCain 46

PENSILVÂNIA: Obama 52-McCain 43

Publicado por André 17:43:00 2 comentários Links para este post  



Faltam 4 dias (LXIV): McCain tenta um milagre, Obama antecipa-se a ataques de última hora

MCCAIN NA ABC:


OBAMA EM DES MOINES, IOWA

Publicado por André 20:08:00 1 comentários Links para este post  



O imprescindível recurso

Do Sol:

O Ministério Público sustenta que não houve «acto temerário ou erro grosseiro» do juiz Rui Teixeira quando prendeu Paulo Pedroso, e considera «exorbitante» a indemnização atribuida ao deputado socialista.

A pressa de Paulo P. , em assumir lugar de destaque no panorama político e mediático, foi tanta que até já tem um banco corrido, onde senta correligionários e amigos de tendências do costume. Escreve, em roda livre, sobre coligações espúrias que o próprio partido enjeita, para se dar uma ar de voz audível no panorama político.
Alguns, acham-no imprescindível na política, como se esta fosse uma actividade de benemerência e ninguém pudesse ser afastado por ferrete algum, a não ser o de cuspir na sopa do chefe.
No Domingo, a Pública, já anunciou uma entrevista de fundo, com o regressado político que assim vê a sua imagem progredir na senda do futuro radioso da arena política.
O próprio MP que recorre da decisão e suspende os efeitos da sentença redentora, escreve nas alegações que «o seu futuro profissional na política se normalizou e se orientará agora sempre em sentido ascendente»(!!).
Tudo isto, parte de uma base e de um único facto relevante, como foi dado a conhecer logo que a decisão sobre o processo civil, foi conhecido: a condenação do Estado ao pagamento da indemnização, com regras e termos do processo civil.
Essa condenação do Estado, foi tomada pela generalidade dos apaniguados e correligionários, como a redenção última e o atestado indiscutível de ilibação completa e definitiva, sobre o assunto famigerado que teve origem cabalística, sob a forma de urdidura.
Assim, vendo este assunto como sendo de exclusiva relevância política, acolheram a decisão agora contestada e ainda não transitada nem definitiva, como o lamiré para a entrada auspiciosa, novamente, na senda política. A prudência destas pessoas, é proporcional à sua coerência política.
Como assim é, pergunta-se, como aliás outros já perguntaram:
Como é que vai ser, se o destino do processo, for invertido e o tribunal superior der razão ao MP e ao Estado?
Vai Paulo P. sair da cena política, pela esquerda baixa, para sempre, como aliás deveria, desde o início?

Publicado por josé 12:09:00 2 comentários Links para este post  



As regras da sensatez

Na Quadratura do Círculo discutiu-se há bocado, o assunto dos jornalistas-assessores de governos que se prestam ao trabalho que neste momento é apanágio da dupla Luís & Bernardo, inc.
Tanto Lobo Xavier como Pacheco Pereira, concordam no aspecto promíscuo e de falta de isenção desse tipo de jornalismo assessorial, criticando-o acerbamente. Pacheco Pereira até acha que a promiscuidade em Portugal é um assunto sério e preocupante, porque somos um pais pequeno e de escassez de lugares e bens, lançando uma nuvem de suspeita sobre os jornalistas -assessores que nem se sabem bem quem são...

A propósito deste assunto, nas revista Marianne da semana passada, um dos cronistas convidados, Edwy Plenel, da www.mediapart.fr, trata o caso do Nobel, a Paul Krugman, precisamente focado na presidência Bush, que Krugman sempre criticou.
Krugman, num livro intitulado A América derrapa, menciona o poder revolucionário que atribui a Bush, no sentido de ser detentor de um poder que mina a democracia pelo interior, porque está determinado a alterar-lhe as regras, em função de uma crença na virtude da justiça e do bem, encarnados nele próprio.
Plenel que foi director do Le Monde, cita cinco regras, apontadas por Krugman, para os jornalistas seguirem sempre, na relação dos media com o poder político, particularmente nesse caso que considera como um poder revolucionário, mesmo com um exagero semiótico:


1. Não julgar as propostas políticas em função dos objectivos proclamados.
2. Pôr as meninges a funcionar, para descobrir as verdadeiras intenções.
3. Não imaginar ou supor que as regras do jogo, são aquelas a que já estão habituados e são conhecidas.
4. Esperar que um poder revolucionário reaja à crítica pelo ataque.
5. Não imaginar que há limites ao que um poder revolucionário pode fazer.

Mutatis mutandis, é exactamente este o problema que temos actualmente, com este primeiro-ministro, Sócrates. Não são poucos a nomeá-lo, mas muito poucos o reconhecem verdadeiramente.
E no entanto, o paralelo, é flagrante: igorância, arrogância e poder executivo sem grandes freios., acompanhado de um convencimento obstinado em soluções criticadas. Estão aí, todos os sinais. Basta vê-los. Em França, Plenel, aponta directamente ao presidente bling bling, Sarkozy.

Aqui, não é preciso muito. O indivíduo que nos representa como primeiro-ministro, acaba de afirmar numa conferência no estrangeiro, em San Salvador que o pequeno computador Magalhães, é usado por todos os seus assessores que aliás nem precisam de outro. E que o aparelho é como o Tintin: destina-se aos jovens dos 7 aos 77.
O que diria Krugman, disto?

Publicado por josé 00:04:00 7 comentários Links para este post