Uma questão de vergonha


Estas duas imagens, ( da autoria de Susan Walsh/Ap/SIPA) tiradas de duas revistas francesas, ( a de cima, da Marianne de 11 de Outubro e a de baixo, da Nouvel Observateur, de 30 de Outubro) resumem, toda a questão relacionada com a regulação e os organismos de tutela bancária: Vergonha. Ou a falta dela. Nas imagens, aparece Richard Fuld, antigo presidente do Banco Lehman Bros, à saída do Capitólio e jjá em plena Rocha Trapeia. As imagens não enganam. Não enganam?

A manipulação de imagem, é patente numa delas, apesar de idênticas, em tudo, excepto nesse pormenor semiótico. Numa delas, alguém apagou; noutra, alguém acrescentou...não sendo possível determinar a olho nu quem fez o quê.

Exactamente o que se passa com este nosso regulador do Banco de Portugal, o enguia Vítor Constâncio: a manipulação da vergonha. Da pouca-vergonha que está lá; e da falta dela, em dose completa, como se vê. Não dá por ela, mas ela está lá, em falta.

Camilo Lourenço, jornalista económico, antigo director da revista Exame, hoje no 24 Horas, escreve um artigo de opinião, demolidor, para esta nossa gente da regulação, em particular para essa figura, que só pode ser triste, neste momento. Para dar conta da palavra que falta no cartaz: vergonha.
Conta que em Março de 2001, a revista Exame que dirigia, colocou o BPN em capa, chamando a atenção para os problemas já então evidentes, da instituição. Conta que depois disso se seguiu um dos piores períodos da vida dele, por causa das pressões, dos processos em tribunal., etc.
E conclui que afinal, 7 anos depois, o Banco de Portugal dirigido pela tal figura, reconhece-lhe a razão.





PS. Esta questão da falta de vergonha, vai ser resolvida, como habitualmente, nos lugares da Cooperativa, da seguinte maneira: Vítor Constâncio é do PS; o BPN era banco grado ao PSD. Quem ataca agora Constâncio, é do contra o PS. E por isso, será do PSD.
Toda a trica vai passar por estas tristes figuras da política. Como sempre, aliás.

A vergonha, nem conta, para o caso. A falta dela, é generalizada.

Publicado por josé 13:49:00  

3 Comments:

  1. Flash Gordo said...
    O analista apresentou a capa na RTP às 13h. E disse mais: fomos processados [em milhões de euros?] por isto. É vergonhoso e em qualquer país da europa dava demissão imediata pelo próprio governador. Concordo com a análise final, mas falta aí um terceiro interveniente, a justiça, que como é óbvio nem sequer existe ou então isto já está tudo tão corrupto que existe conforme a direcção e força do vento.
    Gomez said...
    “Durou isto dois longos anos, em que ao mesmo tempo caí a fundo sobre certos banqueiros que tinham enriquecido á custa dos pobres, arruinando Bancos em proveito deles.”
    “Mas o resultado desta campanha, por ser gente poderosa (banqueiros, políticos, usurários!) foi a extinção do tribunal onde eu funcionava; e eu fiquei sem colocação…”

    Trindade Coelho, “Autobiografia” (em Abril de 1902), prólogo de Os Meus Amores.
    Jamal Mohamed said...
    I just keep visiting this blog from past two years. The posts here are unique and useful than other blog posts. Such a great info provided in this post. Keep providing useful post in this blog .I appreciate author for this valuable post. Culinary Schools in Dubai , International Centre for Culinary Arts

Post a Comment