Energia renovável assusta indústria nacional

Haverá um plano de evacuação e protecção das populações raianas em caso de acidente nuclear nas centrais espanholas de Almaraz, Aldeadávila e Saelices, a escassos quilómetros da fronteira? Teriam os hospitais distritais adjacentes capacidade de resposta? Como foram seladas as minas de urânio abandonadas no distrito da Guarda? Por que não se aprofundam estudos epidemiológicos sobre a incidência regional de cancros digestivos e hematológicos? São questões que se me levantam quando alguns empresários de ânimo leve arrazoam a solução nuclear em Portugal.

Publicado por Nino 09:27:00  

1 Comment:

  1. Adélio Pinho said...
    ... e espero, quando haja essses planos, não sejam como os espanhóis - havia uma aldeia em que a única fuga passava à frente da Central e quando havia alarmes a população dirigia-se para o portão desta...
    A hipótese nuclear é cara, perigosa e está fora de prazo... e atenção que o perigo vem de muitos lados (distritos de Viseu e Portalegre também). Agora nas energias alternativas (geotérmica, elólica e das ondas - Açores, eólica - serras do Continente e costa, solar - Alentejo e Algarve, mini-hídrica e biomassa - no continente, há muito para fazer.
    Quanto ao cancro causado por radão há estudos: uns de umns senhores de Lisboa que gastaram rios de dinheiro para dizer o que qualquer estudante de Geologia sabe e outros das Universidades que apontam locais de risco elevadissímo.

Post a Comment