Cantando e Rindo, a cantiga é uma arma.


Em Portugal, desde finais dos anos sessenta e até aos anos oitenta, a música popular, no seu maior espectro sonoro, cantou-se e tocou-se à esquerda e então virou-se o disco e cantou-se o mesmo, mas em coro com as editoras internacionais, que desconhecem outra cor política que não a do lucro. Trovante, Rui Veloso, UHF, Xutos e Pontapés, Delfins, e outros que se lhes seguiram, não apagam a imagem sonora dos anos precedentes.

Em 1974, Uma Gaivota voava, voava, num mar de rosas encarnadas e cravos de ocasião, pela voz esquecida de uma Ermelinda Duarte.

Nesse mesmo ano, a explosão de música popular dos cantores de intervenção, avassalou todas as ondas de rádio disponíveis e fixou músicas que se tornaram standards.

José Afonso, cantava a toda a hora, não só a Grândola Vila Morena, como as músicas antigas dos álbuns dos anos setenta, com destaque para o Venham mais cinco e a Formiga no Carreiro. José Mário Branco entoava a Ronda do soldadinho que não se pudera ouvir anteriormente e contava a história de uma mãe e dos seus dois filhos.

A par de José Afonso, José Mário Branco, Fausto, Sérgio Godinho, José Jorge Letria, Luís Cília GAC-Vozes na Luta, Francisco Fanhais, outros apareceram na onda de Manuel Freire e do sonho que comandava a vida desde o final dos anos sessenta.

Em 1970, os nomes sonantes no panorama musical de qualidade mínima, já são os mesmos de sempre: Manuel Freire a cantar Gedeão, os discos Movieplay a editar Nuno Filipe a trinar a Cantiga da Manhã e José Afonso com a canção de embalar. Com a chegada do Tempo Zip, na sequência do programa televisivo, aparecem Nuno Martins, Fernando Lopes, Joaquim Letria, Thilo Krassman, Urbano Tavares Rodrigues, para além do trio de fundadores e apresentadores do programa, Carlos Cruz, Raul Solnado e Fialho Gouveia.


Nesse tempo de zips, a toada geral da música portuguesa, soava à esquerda, mesmo nos festivais nacionais da canção, durante alguns anos menosprezados pelos promotores dos baladeiros e autores das letras das suas canções. Um deles, apresentador de rádio, João Paulo Guerra, definiu essas canções festivaleiras, protagonizadas nos anos sessenta por nomes como António Calvário, António Mourão, Madalena Iglésias, mesmo Paco Bandeira, como “nacional-cançonetismo”.

Seja como for, no início dos anos setenta, logo em 1971, as principais canções colocadas nos primeiros lugares, deviam tudo a autores de esquerda. José Carlos Ary dos Santos, comunista, era autor de várias letras, como o Cavalo à solta, cantado por Fernando Tordo que cantou depois a Tourada.

Foi nessa altura que ocorreu em Portugal o acontecimento da década, em matéria musical: o festival de Vilar de Mouros, em Julho-Agosto de 1971, no qual estiveram presentes Elton John e Manfred Mann e pelas cores nacionais uma série de grupos rock, de imitação da batida lá de fora, como os Psico, Sindicato, Pentágono com Paulo de Carvalho, Quarteto 1111, de José Cid, Objectivo, Pop Five music incorporated ( estes títulos!) e outros, como os Celos de Barcelos que levaram uma assobiadela monumental.

Ary dos Santos, fazia letras para músicas de Nuno Nazareth Fernandes e músicos como Pedro Osório e depois José Niza, durante anos a fio, concorreram ao Festival da Canção. Em 1970, Paulo de Carvalho, com Corre Nina; Fernando Tordo, com Escrevo às cidades; o Quarteto Intróito, com Verdes Trigais e Hugo Maia de Loureiro,com Canção de Madrugar, disputaram o primeiro lugar a um desconhecido Sérgio Borges, com Onde vais rio que eu canto que ganhou na votação popular dos representantes dos distritos nacionais. No ano seguinte, a vencedora Menina, interpretada por Tonicha, teve a concorrer, Paulo de Carvalho e Flor sem tempo ( a minha preferida ), Fernando Tordo e Cavalo à solta, (uma das preferidas); Hugo Maia de Loureiro e Crónica de um dia ( uma belíssima canção) e ainda a verdíssima Daphne e Verde Pino e Intróito dos Verdes Trigais e um EFE 5 com Rosa Roseira. Diga-se que na época, a vencedora Tonicha e a sua Menica, foram assimiladas pela bem-pensadoria da Esquerda, um perfeito exemplo do nacional-cançonetismo e disseram-no livremente, ao Mundo da Canção da época. A crtítica das canções concorrentes, feita no Mundo da Canção, é exemplar do espírito do tempo. Sobre a canção de Paulo de Carvalho, Flor sem tempo, escrevia o crítico Fernando Cordeiro:"claro que havia Paulo de Carvalho e toda a gigantesca máquina publicitária levantada pela Movieplay e que chegaram resolutamente a ser apontados de possíveis vencedores. (...)Mas a promoção foi demasiado gritada, quase agressiva, primitiva, em suma. E a própria canção não ajudou muito. Musicalmente incipiente ( estrutura harmónica monolítica, que é como quem diz limitada, pobre, mesmo em variedade e variações; de líricas." Resta dizer que a canção vencedora, Menina, era editada pelas produções Zip Zip, outra das majors da época

Torna-se interessante, ler o que diziam os diversos músicos e intérpretes, no tempo de um "fascismo" em que havia censura e segundo o seu particular relato histórico, havia uma mão férrea sobre o direito de exprimir opinião. Na Mundo da Canção, isenta de exame prévio até muito mais tarde, segundo confissão dos seus mentores, era notória a liberdade de expressão sobre gostos musicais e de tendência. Ary dos Santos, uma das figuras de proa dos letristas de música popular, nem falava sobre o festival, apesar de assinar várias letras de canções.

A par desses nomes que se repetiram durante anos a fio, pouca gente ouvia falar e muito menos ouvia a música da Filarmónica Fraude e depois, no final de 1973, da Banda do Casaco. Como não se deu importância mediática à música de Luís Rego que no início dos setenta, gravou em França um single fora de série, com a canção Amor Novo. Ou ainda a um espantoso LP de José Almada de 1970, com músicas e líricas fora de tempo e que ainda hoje se pode ouvir como uma pequena maravilha de composição, a par dos melhores discos de sempre, da música popular portuguesa.

E fora dos circuitos de bem-pensantes, e das referências na imprensa, havia o fado. E as canções de grupos como o Conjunto Maria Albertina, Duo Ouro Negro, o conjunto António Mafra do eram p´raí sete e pico e outros êxitos do género da Igreja toda iluminada, do Trio Odemira. Estes contavam para os espectáculos em “serões para trabalhadores”, da FNAT e em romarias populares, num tempo em que ainda nem havia cassetes, mas singles em 45 rtm, e que não se ouviam nos lugares dos progressistas da canção e da cançoneta. Marco Paulo viria depois, com os seus Dois amores e durou até aos anos oitenta ou um pouco mais.

Nessa altura porém, o panorama que o Sete apresentava ao público leitor, era outro, como se evidencia por esta imagem do jornal de 29.12.1982.

Em 26 de Fevereiro de 2000, o Diário de Noticias, pelas teclas dos especialistas do DNMais, elencava os 100 mais da música popular portuguesa. Os primeiros dez, são, por ordem decrescente:

José Afonso e Venham mais cinco, de 1973.

Amália Rodrigues e Com que voz, de 1970.

Carlos Paredes e Movimento perpétuo, de 1971

António Variações e Anjo da Guarda, de 1983.

Sérgio Godinho e Pano Cru, de 1978.

Rui Veloso e Ar de Rock, de 1980.

José Mário Branco e Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, de 1971.

Pedro Abrunhosa e Viagens, de 1994.

Fausto, Por este rio acima, de 1982.

Madredeus, O espírito da paz, de 1994.

Quem disser que a Esquerda está mal representada ou que se equilibram as ideias do espectro político no campo musical, não está a ver bem o panorama ou não escutou esta banda sonora.


Imagens: de Vilar de Mouros, do livro Vilar de Mouros de Fernando Zamith, edições Afrontamento, 2003; Mundo da Canção, números de 1971 e 72 e do jornal Sete.

Publicado por josé 01:31:00  

10 Comments:

  1. Luis said...
    Porque é que será que a música "feita" pela direita, salvo raras excepções tipo "Madredeus" e "Heróis do Mar", é do género "Marco Paulo", "Duo Ouro Negro" e outras pimbices do género ou piores? Pois, é a cultura da direita, não têm mais, é o que têm e a mais não são obrigados coitados! A música a sério, a arte, fica para a esquerda.
    josé said...
    Não quero entrar por essa via redutora, ó luis.

    Wagner era de esquerda ou de direita? E Beethoven? Mozart, já sabemos que era mação. Seria da Esqurda, por isso?

    E Neil Young que apoiou Reagan quando ninguém do mundo artístico o fazia?
    E agora, mais recentemente, quando publicou um libelo cantado, contra Bush, chamado Living with war? E quando escreveu, com Stephen Stills, Ohio?

    E Jacques Brel, era de esquerda, como era Jean Ferrat?
    E Georges Brassens que cantou Le déserteur, era de esquerda?

    E ainda os Mocedades ou os Aguaviva espanhóis?
    E os italianos da Premiata Forneria Marconi eram de esquerda como os Area?

    Cat Stevens era de esquerda? E Os Eagles ou Led Zeppelin?

    Poupe-nos à sua redução programada ideologicamente.
    A.Teixeira said...
    Lamento escrevê-lo, José, porque considero que tem forjado aqui na blogosfera uma reputação de conhecimento e rigor quando escreve sobre estes assuntos, mas a vitória de Sérgio Borges no festival que refere aconteceu em 1970 e não em 1971, por votação popular dos representantes dos dezoito (e não onze…) distritos do Continente (e não nacionais - havia mais quatro nas Ilhas…)
    rb said...
    É um excelente apanhado da música "pop" portuguesa, este post. A música é apolítica e ou é boa ou má ou se gosta ou não se gosta. Ponto final.
    As letras é que podem ter alguma conotação política, à esquerda ou à direita. E é evidente que muitos dos nomes citados, como por exemplo José Afonso e Sergio Godinho, tinha letras com discurso marcadamente de esquerda e também anti-direita. Penso que isto é irrefutável. Não é por acaso que a direita conservadora odiava estes artistas não conseguindo discernir sequer, por cegueira ideológica, a indiscutível qualidade musical que eles possuíam.

    PS: não faltará uma referência a Adriano Correia de Oliveira?
    josé said...
    "É preciso acreditar", caro rb que isto é mesmo um apanhado de trovas do vento que passa.

    VOu corrigir o postal e acrescentar algo, porque posso e devo fazê-lo, depois da correcção justíssima de a. teixeira. Eram mais de duas da manhã e já nem tinha pachorra para consultar os arquivos. E os anos 70 e 71, já se confundem na minha memória. Por isso, vou corrigir os erros.
    josé said...
    Era mais do que uma da manhã...queria dizer.
    JSC said...
    De facto é muito interessante o levantamento que faz. No essencial foram esses os grandes cantores, compositores e até autores. Anoto, porém, que mesmo ao lado corriam outros cantores, compositores e autores que, em muitos casos, terão tido maior impacto popular, com mais vendas e influência.

    José Cid, Ágata, As Doce, Ruth Marlene, Emanuel, Roberto Leal, Tony Carreiras, e o incontornável Quim Barreiros.

    Há que ter em conta que localmente, mesmo nos grandes centros urbanos, são as rádios locais e “popularuchas” que ganham em audiências e fazem o gosto musical mais global.
    josé said...
    Pois é. Esses que enumerou foram os pimbas da cassete pirata e do single a pataco que não passavam na rádio mas vendiam nas feiras, mercados e festas populares.
    AInda hoje é assim com os Tony Carreira e outros que tal.
    O Quim Barreiros é um fenómeno particular que explorou uma faixa de mercado que é ocupada hoje pelos Fernandos Rochas etc. O humor boçal do Fernando Rocha nem chega aos calcanhares da malícia popular de Quim Barreiros, herdeiro da tradição genuinamente popular do folclore.

    Mas estamos a falar de coisas ligeiramente diferentes da ideia inicial. Esta era relacionada com o predomínio das ideias de Esquerda mesmo na música popular mais falada e alvo de atenção nos media.
    E isso parece-me que é evidente que os artistas de Esquerda ou que assim se denominavam e associavam ( até Paco Bandeira acabou por aderir)dominavam por completo esse panorama no final dos sessenta, toda a década de setenta e oitenta e só depois disso, a ideia de lucro e atenção à carreira, passou a dominar a atenção.

    Mal por mal, até preferia o que dantes havia. Era mais genuíno e a música não tem política nas notas e mesmo nas letras, a sonoridade destas fazem esquecer o resto.

    Quem ouve a arcebispíade de José Afonso, fica espantado com a violência anticlerical e esquerdista, mas interessado na música que segue...
    Jawes said...
    José, não quero contrariar, mas Georges Brassens nunca cantou "Le déserteur". Mesmo se muitos intérpretes gravaram esta canção imortal, as versões mais conhecidas são a do autor, Boris Vian, a de Mouloudji e a do grupo pop dos anos 60, Peter, Paul & Mary.
    Ilídio Marques said...
    Olá,

    Sou de Barcelos e pretendo saber mais sobre os Celos. Até, caso seja possível, encontrá-los para reavivar memórias. Sabe me dizer mais alguma coisa sobre eles?

    Atenciosamente,
    Ilídio Marques

Post a Comment