Notícias de Medina Carreira ( Sic)

Ontem à noite dei atenção a uma prestação televisiva , na SIC-Notícias, num programa de entrevistas, com o apresentador Gomes Ferreira ( será filho do José Gomes Ferreira escritor, ou do médico- locutor?) .

O entrevistado foi Medina Carreira, o ilustre advogado, também fiscalista ( mas que nunca se atreveu a professorar para agregações, penso eu de que) que em tempos escreveu aqui mesmo neste blog.

Aquilo que ouvi, foi um massacre, uma chuva de impropérios civilizados e uma caterva de anátemas sobre a política geral deste governo e de outros que o antecederam.

Todas as áreas foram rastreadas e em todas elas, o advogado topou as maiores asneiras concebíveis pela mente organizativa portuguesa, para dar cabo deste pobre presente que nos toca e de um futuro radioso que nos devia esperar.
A Saúde? Um sorvedouro de dinheiro, gerido por alguém que mira a alguns meses de distância. Os medicamentos mais caros, os tratamentos mais caros e o envelhecimento gradual e progressivo da população, encarregar-se-ão de lhe dar razão.

A Educação? O pior sistema que andamos a estruturar há dezenas de anos, já não se aguenta nas premissas básicas a um qualquer sistema de ensino: ensinar algo a alunos que devem aprender, para formação de elites. Os professores não ensinam porque os manuais não prestam e os programas idem. Idem aspas, para os alunos que preferem a facilidade de passar sempre, porque os pais assim o exigem e as estatísticas também. Aprender alguma coisa? Um pormenor sem importância. Saber algo mais do que aquilo que se aprende na tv? Uma inutilidade.

A Justiça? Um desaforo. Anos e anos a penar para conseguir uma decisão, não é justiça: é simulacro puro e simples.

As obras públicas e o desenvolvimento do país? Uma asneira grossa, exemplificada com os casos práticos da OTA que sendo a opção mais cara, é a preferida pelo Governo, exactamente por isso. O TGV, é um projecto de ambição faraónica, destinado a ganhar meia hora de viagem de Lisboa ao Porto. Num país em que ninguém se preocupa em cumprir horários, uma extravagância, portanto e outro sorvedouro de dinheiro, apenas concebível por loucos.

Loucos, foi, aliás, a expressão usada, várias vezes, para classificar esta gente que em nós manda, faz orçamentos e distribui verbas e dinheiros. Por falar em dinheiro, vem aí o QREN! Medina Carreira, ontem, já lhe fez o epitáfio: vai ser outra desgraça maior.

Este discurso catastrofista, de Cassandra, normalmente é desvalorizado pelos bem-pensantes. No entanto, parece bem realista. Basta pensar duas vezes no que foi dito e analisar o tempo que corre e as políticas que se aprovam e aplicam.

Publicado por josé 15:35:00  

3 Comments:

  1. CCz said...
    Mas a verdade é que Medina Carreira coloca o problema numa dimensão, num tabuleiro distinto. Começa por calcular quanto se pode gastar, sem atrofiar o desenvolvimento da sociedade, para depois equacionar o que se pode fazer com esse montante. Como os nossos políticos nunca tiveram de gerir dinheiro ganho com o risco do amanhã, é tudo facilidades... até que...
    Alexandre Lagoa said...
    devia ter posto "bem-pensantes" entre aspas.
    josé said...
    Tem razão. Às vezes, aspeio de menos.

Post a Comment