"Já chega..."

No caso Sócrates, o pessoal do "já chega!" é variado, multifacetado e algum dele, até insuspeito. Geralmente, quanto mais chegados a certos poderes, mais fastio sentem pelas achegas.
Para Valentim Loureiro "já chega". Para Freitas do Amaral, também "já chega". Duarte Lima, já chega. Aliás, quase todo o PS, chega. Só uma pequena parte do PSD achega. Para o resto, "já chega".
Já chegamos mesmo à Madeira, porque também por lá "já chega".

Curiosamente, no grupo selecto dos comentadores da opinião publicada, já são muitas as achegas que continuam a achar que não chega. Algum jornalismo, descobriu, felizmente mas se calhar por pouco tempo, que ainda é cedo para dizer "já chega" e talvez por isso, ainda estaremos longe do ponto de...chegada.

Publicado por josé 16:03:00  

4 Comments:

  1. Carlos Medina Ribeiro said...
    André Brun, que era um humorista de primeira apanha e que esteve na 1ª Grande Guerra, escreveu um saboroso livrinho intitulado «A Malta das Trincheiras».

    Pois aqui também temos a malta que se entrincheirou no «já chega», mas essas pessoas esquecem-se de uma coisa do senso-comum:

    É que, estando em causa esclarecimentos que alguém pede, é esse "alguém" que sabe se (e quando) está esclarecido.

    Eu, pelo menos, não me recordo de ter passado procuração a ninguém para decidir, por mim, quando é que os esclarecimentos «já chegam» ou não...
    Cronista Oficioso da 3R said...
    Neste lamaçal em que a sabujice impera, parece-me que a fuga dos atoleiros da 3ª República passa por não levar a sério a realidade criando uma twilight zone de conformação dos factos para sonâmbulos.
    Em suma resta espaço para o escarro, e para escrever de forma não séria a «Crónica dos Enriqucimentos Curriculares de Sua Excelência o Engenhoso», já que se trata de um enriquecimento não sério.
    É a alternativa ou complemento ao vómito a que me dedico em http://asneirar.blogspot.com/.
    Joshua said...
    Quem pede que se sustenha a força da verdade e do seu apuramento, no fundo, o que clama é por clemência e folga.

    Convém-lhes o entorpecimento e a anestesia que lhes não daremos de todo.
    Carlos Medina Ribeiro said...
    Retomando o que em cima se diz (que quem apresenta as dúvidas é que sabe se está esclarecido ou não), veja-se o inquérito do «Público online»:

    Até às 11h10m de hoje, apenas 1536 leitores de 4314 se consideravam esclarecidos...

Post a Comment