A grande barrela

As extraordinárias revelações do professor Arouca, ex-futuro reitor da Independente, sobre o estranho fenómeno dos documentos curriculares dos alunos da universidade, terem ido parar à mão de um misterioso Maneta, suscitou a esta Loja curiosidade de investigação. Assim, estamos em condições de adiantar algumas pistas.


Após aturadas buscas de alguns minutos, nos confins da internet (que guarda os documentos por mais do que os cinco anos derradeiros, antes das grandes barrelas), estamos em condições de apresentar a foto do suspeito número um:



De seu nome Bill Raisch, era ele o verdadeiro Maneta da série O Fugitivo, que no final dos anos sessenta passou pela tv portuguesa.

Luís Arouca, o reitor que foi e ainda poderá vir a ser, deve lembrar-se bem do magano...

Outro suspeito apontado algures, seria este. Mas não tem grandes hipóteses: não é dos anos sessenta...

Publicado por josé 17:28:00  

29 Comments:

  1. zazie said...
    ahahaha

    Isto só em versão de tragi-comédia; palavra...
    hefastion said...
    »»»»»As extraordinárias revelações do professor Arouca, ex-futuro reitor da Independente»»»»»»»»

    »»»»ex-futuro reitor da Independente»»?

    Da mesma forma que Paulo Portas será Presidente do CDS/PP???

    Ahahah!
    Arrebenta said...
    Aos interessados em defenderem a permanência da entrada “Arrebenta”, na Wikipédia

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Arrebenta

    ----------------------------------

    Resposta de um leitor anónimo.
    Lê e passa aos teus amigos.
    Vamos todos lutar contra os golpes baixos do bando do Sócrates e da Câncio!...


    Wikipédia
    "Meus caros,

    Se tentarem arrebentar alguma coisa ao menos façam-no de forma inteligente.Eu bem tentei a brincadeira mas o sistema não gostou muito que eu tentasse reescrever a história... (vide Censurado76). É lamentável a minha ingenuidade.

    Registem-se (caso não estejam já registados-caso contrário o vosso IP pode aparecer em vez da assinatura), façam o login, dirijam-se à página em questão e escolham a opção de opinar ("neste link" em letras pequeninas)


    Na nova página poderão ver os votos actuais. Carreguem em edit e vão reparar que o texto (é confuso para quem não está habituado) está dividido nas secções;

    Apagar;
    Manter;
    Comentários;

    No final da secção desejada, comecem por digitar os caracteres

    #~~~~ (é mesmo assim, cardinal e 4 tiles)

    seguido do vosso comentário (e.g., Manter, porque ...). Podem tentar inserir a vossa entrada na parte dos votos mas se não cumprirem os requisitos o mais normal é aparecer um "vigilante" a fazer o devido corte."
    Constanza said...
    Alguém me pode fornecer a lista das licenciaturas da Independente com mais de 5 anos (as tais que já foram para o maneta)?

    É que gostava de as acrescentar ao meu curriculum...
    linfoma_a-escrota said...
    deixem o meu socratinho reinar em paz!!!!!!!!!! seus ingratos, votaram no alegre e no cavaco!!!


    WWW.MOTORATASDEMARTE.BLOGSPOT.COM
    o-espectro said...
    A única coisa que pode espantar é o PM não ter assumido o curriculum, logo à partida, como devia ser.

    Agora tudo o mais é pornografia do masoquista indígena e impotente nacional. Os partidos precisam de Licenciados. Para subir, para ter(...)visibilidade, para se tornarem verdadeiramente escravos do sistema de valores e interesses dominantes... Há que os fabricar, e depressa! O Sócrates fez esse percurso: e ao que parece ganhou o totoloto da promoção. E como está num partido de poder, subiu e ganhou a maioria depois dos três anos negros da coligação de Centro-Direita. Niet
    josé said...
    Como é que o PM, antes das eleições, iria assumir o curriculum?

    Diria assim:

    Fiz um bacharelato mixuruco em 1979. Estudei pouco, mas sou inteligente até dizer basta e para isso apresento colegas e amigos que me ajudaram e eu ajudei neste percurso político no partido.

    Depois, em 1995, quando se perfilou a perspectiva de entrada no governo do Guterres um bom serás que alinhou em muita aldrabice, fiquei com a pulga na orelha, porque ser governante e não poder ser tratado por título de academia, mesmo modesta, não se usa em Portugal.
    Tentei assim, perfazer o curso de engenharia técnica, para o qual já tinha algumas bases.
    Tal como centenas ou milhares de outros engenheiros técnicos que por aí andam a intitular-se engenheiros de faculdade, o meu Instituto sabia-me a pouco.
    Assim, procurei obter a almejada licenciatura.
    Mas como o iria fazer, se em 1995 a azáfama no Ministério era já muita?
    Aqui, para desfazer este mistério, entram os jornalistas coscuvilheiros, porque a versão de Sócrates, não condiz com a lógica das coisas.

    Um drama.
    zazie said...
    Pois é José.

    Diria também que para ser mais rápido e poder chegar a ministro não podia continuar à espera da demora em tanta cadeira que o ISEL exigia.
    Depois, chegado ao poder, tinha ali um colega mesmo à mão que até podia ser prof e um reitor mesmo ao pé e pronto, simplificou-se a coisa em horário nocturno de Secretário de Estado.

    A ver se no ano seguinte não chegou a Ministro. Depois bastou uns pozinos de pós graduação, que, afinal parece que era pré e à pressão e a ver se não chegou a Primeiro.
    o-espectro said...
    Hello; leiam hoje pf.a grande história de Max Frankel, um dos grandes editores do NY Times dos anos 70, sobre o caso Palme-Wilson-Libby e tutti-quanti. Peça magistral: de onde se safa Bob Woodward e Ted Russert da NBC. Parece um romance... de horror ou de supina e cirúrgica intervenção crítica. A história do Sócrates é coisa dispicienda, a não ser que saia algum candidato do jantar efectuado na casa de António Pinto Leite, e onde estiveram os casais JM Júdice, o M. Rebelo de Sousa, lançado pelo próprio MRS no blogue de O SOl... Niet
    o-espectro said...
    A referida peça pode ser lida ou impressa do NY Times On Line- Magazine. Niet
    naoseiquenome usar said...
    Bem, embora atrasada, permita-me que me pronuncie sobre a o "eng.º"/licenciatura de José Sócrates, acrescentando no entanto mais alguma coisa, tendo presente as palavras de Sebastião Cruz, Padre e Prof. de Direito Romano, da FDUC, já conhecido: "as palavras gastam-se pelo uso e prostituem-se pelo abuso".

    Assim:
    Todos os dias chamamos de "Eng.º" Engenheiros Técnicos, que fizeram um bacharelato e nunca, claroi, se inscreveram na ordem dos engenheiros.
    Ele são os Eng.ºs electrotécnicos (proliferam nas CM), ele são os Eng.ºs mec^`anicos (profileram na DGV), ele são os Eng.ºs civis, que cada vez mais saem dos politécnicos, sendo que, têm ao seu alcance, hoje, uma licenciatura (bietápica) mais que fácil.
    JS foi tido por "Eng.º" Técnico proveniente do ISTEC (Coimbra). Bem melhor do que a maioria dos politécnicos, portanto. Não digo isto por a minha formação inicial ter sido feita em Coimbra (ou será que sim?:)). Bem, adiante.
    Dizia que, todos os dias chamamos de "Eng.º" esta gente.
    O problema de JS (que detesto) foi, não ter assumido e afirmado esta particularidade. Só ganharia com isso. Isto em termos pessoais.
    Até porque, e em jeito de parentesis, com o acordo de Bolonha (indevidamente como direi a seguir), daqui a pouco, toda a gente em 3 anos, será dr. ou eng.º.
    Depois, em termos de colectividade, temos a vergonha das Universidades privadas.

    Vou por isso, falar um, pouco da origem do Dr (= lic. em Portugal):

    É uma abreviatura do termo Doutor, indevida, diga-se, já que se chama dr. aos lic. e, tal foi concedido, apenas, por despacho régio de D.ª Maria, aos médicos e advogados, eu não sigo assassintatos à lingua mater. Há modernices que não sigo, porque embora surjam por facilidade de adaptação à linguagem corrente, e por isso se aceitem como válidas, não são as mais correectas.
    Esses dr's resultam da banalização do título "Dr." conferida por sua majestade a todo o bicho careta que faz uma treta de uma licenciatura e quer ser dr. Até quereriam serem DOUTORES e tudo (se possível na secretaria) ... se pudessem. Por isso é que nos outros países só há Sir, Engenier, Lawer ou designação equivalente, à função, à excepção do Doctor (médico mesmo) e aqui é tudo dr...........)

    "E pela Tradição o Alvará Régio, de Maria I, a Pia, de Portugal, no Império de D. Pedro I, forma o Decreto Imperial de 01/08/1825, alterado pela Lei do Império de 11/08/1827, criando o Curso de Ciências Jurídicas e Sociais. Dispõe também sobre o grau de Doutor aos Advogados, declarando neste dia um feriado, que é comemorado até os dias de hoje."

    Manoel Santiago
    _____________
    Cláudio Moreno , esclarece que, no mundo académico, só pode ser chamado de "Doutor" quem cumpriu o doutorado e com defesa de tese. Com relação aos advogados e médicos acredita que deve se tratar de resquício do ensino colonial, quando os jovens com maiores recursos iam à Europa estudar Medicina ou Direito
    _________

    Gilberto Scarton , em estudo direcionado para diversas áreas, conclui, com fundamentos legais históricos, que o "Doutor" do advogado e do médico é legítimo, pois, surgiu, se fixou e se mantém por longa tradição, por especial e espontânea deferência dos cidadãos:

    "Os advogados
    O título de "Doutor" foi outorgado, pela primeira vez, por uma universidade, a um advogado, em Bolonha, que passou a ostentar o título de 'Doctor Legum'.
    josé said...
    Niet:

    Estive a ler cuidadosamente o artigo da NYTMagazine.

    Muito bom artigo, de um jornalista que por aqui fazia falta, se nós não vivêssemos num país pequenino em que o facto de todos se conhecerem capa a isenção de qualquer um.

    O papel de Woodward é apresentado com alguma sobriedade e integrado num esquema que o mesmo nunca sonharia quando era mero estagiário, em 1972. Woodward é actualmente uma superstar do jornalismo americano. A dizer a verdade prefiro outros que não o sejam.
    Alguns artigos das revistas americanas, revelam escritas muito mais interessantes.

    À medida que fui lendo o livro All President´s Men, percebi uma ética jornalística que por cá não existe, de modo que se conheça.
    É por isso que tenho vindo a colocar excertos.
    naoseiquenome usar said...
    (Fico triste. Passa ao lado do verdadeiro problema. E esse, disse-o Sebastião Cruz, e reproduzo-o de novo: "As palavras gastam-se pelo uso e prostituem-se pelo abuso" )
    outro manuel said...
    So many doctors and nobody gives a shot!...
    josé said...
    não sei que nome usar:

    Não compreendi o que disse. Quer dizer melhor?
    josé said...
    Ok. Who calls the shots?
    zazie said...
    Eu ainda não percebi essa detalhe do título. Também há licenciados em filosofia que se intitulam filósofos e licenciados em arquitectura que se intitulam arquitectos.

    A possível diferença é terem ou não terem estudado e feito o respectivo curso. Como qualquer pessoa, seguindo os mais simples trâmites legais.

    Geralmente, nestes casos normais, costumam lembrar-se do nome dos últimos professores e do orientador da dissertação.

    Como também se costumam lembrar que a pós graduação devia vir depois e não antes.
    josé said...
    O caso Sócrates não tem a ver com o uso do título. É muito mais grave do que isso, embora só isso chegue para achar esta história triste.
    zazie said...
    Eu estava a brincar precisamente com quem reduz a historieta a um trato. É claro que é muito mais grave. Mas também é estranha a ingenuidade das pessoas teime em a desviar para essa redução do "Sr engenheiro que afinal era só licenciado em engenharia".

    Ou pior, que é mais um preconceito do Sr. Doutor.

    Ou estão a zero e nem leram as entrevistas e o Público ou nem sei... Isso é que não entendo.

    Como se andasse meio-mundo de tal modo intoxicado pelo descrédito da informação que já nem se seja capaz de destrinçar as coisas.De saber o que é objectivamente da ordem dos factos e o que é da ordem da opinião.
    naoseiquenome usar said...
    Caro José:
    Peço desculpa. Não tive oportunidade de responder e"em tempo".
    O que eu queria dizer no fundo é simples.
    Um qualquer sujeito Eng.º Técnico, habitua-se a ser tratado por Eng.º. Interioriza que é eng.º No curriculum escreve "eng.º Técnico de .. qualquer coisa". È mais que natural que, depois de fazer a etapa seguinte, do bacharelato para a licenciatura e, ainda que n~ºao faça o exame de acesso à ordemk nem naquela esteja inscrito, continue a considerar-se Eng.º. Isto não me parece grave.
    Em boa verdade nem os Juristas, nem os magistrados, nem os inspectores, nem outros do direito deviam ostentar o dr. como equivalente a lic. e no entanto toda a gente o usa.
    Um sociólogo é tratado por dr., uma licenciatura qualquer que não me passe agora pela cabeça também.
    Grave é o que se passa nas ditas "Universidades" onde esta gente obtém os diplomas; graves são os compadrios entre todos. Naturalmente grave é que o PM de Portugal seja um destes... (sabendo-se no entanto que os há aos molhos, sem a argúcia deste).

    (Outros há neste Governo, por ex. CC, que, não ostentando o grau académico de DOutor, pelos vistos o tem, embora também não transpareça facilmente como e onde o obteve (julgo que por equiparação de graduação obtida no estrangeiro sem equivalente em Portugal. O mesmo se passa com o seu título de Prof, desconhecendo-se-lhe qualquer agregação).


    De facto n~´ao tenho acompanhado todas as notícias nem a problemática, mas enfim...
    Também parece estranho que se obtenha uma pós graduação antes da licenciatura, pois parece. Mas já uma vez referi aqui que numa Universidade Portuguesa há alunos da licenciatura em Medicina, que podem antes do términus desta, fazer um doutoramento em determinada área...
    naoseiquenome usar said...
    Ah: :)
    rematar:
    A banalização do dr. é de tal ordem que, até JS, qualquer dia, na impossibilidade de poder usar um título profissional (de Eng.º, no caso), "pode", reivindicar para si, por uma questão de igualdade de tratamento (a provar-se ter a tal licenciatura), a utilização do dr. (afinal é licenciado!)

    Daí a minha reflexão, que partilhei, sobre a afirmação proferida por Sebastião Cruz.
    zazie said...
    Este comentário foi removido pelo autor.
    zazie said...
    Este comentário foi removido pelo autor.
    zazie said...
    Apaguei porque estava apenas a pensar alto. É estranho mas, se calhar é mesmo assim. Lê-se e se não der manchette no estranjeiro e prisão, é mais uma...
    josé said...
    Então vou pôr uma notícia que saiu no DN há uns meses atrás.
    Depois diga que o que vir, lhe parece a mesma coisa que um engº técnico assumir o título de engenheiro ( que eu percebo o que quer dizer), nesse caso concreto.
    zazie said...
    josé,

    Mas a questão é que este é o feed-back que eu recebo. E quer-me parecer que nós é que estamos "fora". Ou seja, como é que se lê uma notícia de jornal?

    Se calhar lê-se o título e procura-se saber o que aconteceu. Se não aconteceu nada, ´´e mais uma.

    E, a verdade, é que eles é que nos habituaram a que "seja mais uma".

    Pode ser tudo- se não há resultado imediato é mais um boato, é mais uma trica, tanto faz.
    E, o único resultado imediato era cadeia ali, ao sair de casa.

    Eu começo a pensar que por menos que isso ninguém reaje, ninguém quer saber, ninguém acha que precisa de saber ou de pedir contas.
    josé said...
    Não há sequência na investigação jornalística nem também noutra sede, pelos vistos.

    No pasa nada.

    Só o António Balbino Caldeira é que não larga. E parece-me suficientemente coriáceo para assustar esta gente.

    Digo até mais: tomara que no Ministério Público houvesse nos lugares chave, dois ou três indivíduos como o Caldeira, com o espírito de persistência e cuidado em ligar factos, números e datas e tirar as consequências lógicas que os mesmos revelam.
    zazie said...
    É verdade. E ele tem faro e rigor para isso.

    Quanto ao resto já nem digo nada. É que não é só o não pasa nada, fica tudo a olhar para nós com ar desconfiado. "esta está para aqui com moralismos mas na volta é só para aproveitar a confusão e bater no tipo porque não é dos seus".

    Como o jornalismo sério também não existe, quando aparece algo que é factual e não tem seguimento, passa por mais um boato.
    zazie said...
    Mas tratam-no mal por estupidez. Uma coisa impressionante este povo imbecil. Chamam-no de tudo. E não são analfabetos. É gente que sabe ler e pensar. Mas é o "justicialismo" como dizia o outro, que desta vez até nem se portou mal.

Post a Comment