A distinta lata de hoje

Estrela Serrano, em entrevista ao Público de hoje, por ocasião da apresentação da sua tese de doutoramento, cujo título ficou no tinteiro do jornalista Adelino Gomes, mas que versa sobre " a cobertura das eleições presidenciais portuguesas, entre 1976 e 2001, no Diário de Notícias, RTP, SIC e TVI" ( porque não, também, o O Jornal; e a Grande Reportagem de Barata Feio; e a Visão; e o Expresso e o Independente e os jornais e revistas que um certo PS que a autora eventualmente conhece bem, lançou e se afundaram pouco tempo depois?!):

" -Adelino Gomes: A qualidade do jornalismo: piorou ou melhorou nestes últimos 25 anos?
- Estrela Serrano: Depende do que considerarmos qualidade. Posso concluir, talvez, que há um jornalismo mais ligeiro, o que prejudica a qualidade. Mas não que hoje haja um jornalismo mais pobre. Pelo contrário. Há um esforço maior do jornalismo para vencer as dificuldades."

Publicado por josé 14:34:00  

11 Comments:

  1. Blogger said...
    É assim ou antes pelo contrário ou antes assim
    josé said...
    Talvez assim-assado; mais para o frito que cozido ou talvez mal passado.
    A clareza de linguagem e conceitos precisos sempre foi apanágio de bonzos estudiosos de ideias alheiras, perdão, alheias.
    Arid Monk said...
    É de realçar, no entanto, que a entrevistada aprendeu uma coisa ou outra com Bill Clinton... (quote: "depends on what the meaning of 'is' is", unquote)
    CCz said...
    "Depende do que considerarmos qualidade. Posso concluir, talvez, que há um jornalismo mais ligeiro, o que prejudica a qualidade."

    Há qualquer coisa nesta frase que não soa bem.

    O primeiro período remete para um se, para um depende, para uma liberdade no uso da palavra qualidade.
    O segundo periodo parece remeter para o uso da palavra qualidade sem hesitações.

    Se trabalhasse num jornal que assumisse que queria satisfazer sobretudo, leitores que procuram um jornalismo ligeiro, então esse jornalismo, ainda que ligeiro poderia ter qualidade, se satisfizesse os leitores-alvo.
    A qualidade está nos olhos do cliente/utilizador/leitor.

    È a velha estória sobre o que é que tem mais qualidade, um Fiat Panda ou um Mercedes. Tudo depende do que é que o comprador procura.
    Mais Notas Soltas said...
    Durante quantos anos trabalhou a doutora Estrela como jornalista? A fazer notícias, reportagens, a sair para a rua, a entrevistar pessoas, etc, etc...
    josé said...
    Pois, mas o artigo de Adelino Gomes começa assim: " Magnífico; um marco fundamental para a compreensão da história social do jornalismo político em Portugal".

    Então digam lá, vocês jornalistas que aprenderam os tricks of the trade- quem são os vossos mestres, actualmente?

    Refiro-me aos verdadeiros,não aos bonzos e bonzesses habituais...
    sniper said...
    José, o jornalismo em Portugal é tão miserável, que nem mestres tem. Vão-se clonando..
    Mais Notas Soltas said...
    Hummm...Pois. Mas os clones são como as mulas: estéreis.
    Mais Notas Soltas said...
    Hummm...Pois. Mas os clones são como as mulas: estéreis.
    Mais Notas Soltas said...
    Hummm...Pois. Mas os clones são como as mulas: estéreis.
    sniper said...
    Uma corporação de estéreis.

Post a Comment