a crú, sem corantes nem conservantes

1.Já o disse e repito: considero grave a busca feita ao jornal 24 Horas . Por poder pôr em causa a liberdade de imprensa e o segredo profissional dos jornalistas. E por escamotear o que devia ser o verdadeiro objectivo do inquérito conduzido pela PGR: a existência do já famoso "envelope 9" com a sua comprometedora lista de números de telefone e respectivos contactos. Na ausência de outras explicações, pode-se concluir que inquérito esqueceu o essencial e se centra apenas no acessório: ou seja, na forma como os jornalistas tiveram acesso às informações que publicaram.
2.Exigir pronunciamentos da parte do Presidente da República ou do Primeiro-Ministro, sem estar na posse de todos os elementos, revela, no mínimo, alguma irresponsabilidade. O que se pode (e deve) exigir, agora com maioria de razão, é que o inquérito chegue rapidamente ao fim, conforme foi exigido por Jorge Sampaio há um mês. Não é admissível que uma situação como esta se mantenha, por mais tempo, embrulhada nas teias confusas de um inquérito, que se tornaram ainda mais confusas depois da busca ao jornal 24 Horas.
3. Os erros e o desnorte que vingam no Ministério Público e na Procuradoria-Geral da República justificam que se peça, como tem sido pedida, a demissão de Souto Moura. Mas, até prova em contrário, não justificam que se ponha em causa a seriedade e a honestidade do Procurador. Souto Moura terá muitos defeitos e uma acentuada inabilidade para pôr ordem na casa e para lidar com determinados processos. Mas transformá-lo num "inimigo" da liberdade de expressão, capaz das maiores patifarias para salvar a "honra" da coorporação corre o risco de ser um erro tão ou mais grave do que todos os que ele cometeu.

Publicado por Manuel 18:26:00  

4 Comments:

  1. Anónimo said...
    Porque é que não sublinharam esta parte:

    "Por poder pôr em causa a liberdade de imprensa e o segredo profissional dos jornalistas. E por escamotear o que devia ser o verdadeiro objectivo do inquérito conduzido pela PGR: a existência do já famoso "envelope 9" com a sua comprometedora lista de números de telefone e respectivos contactos. Na ausência de outras explicações, pode-se concluir que inquérito esqueceu o essencial e se centra apenas no acessório: ou seja, na forma como os jornalistas tiveram acesso às informações que publicaram."

    Não convinha, pois não?
    Anónimo said...
    O problema desta loja é que em vez de assumirem de forma clara e equilibrada a defesa dos interesses de alguns dos seus membros que são magistrados, dando a mão à palmatória quando há que dar, demonstrando que não são os únicos responsáveis dos problemas da justiça, propondo soluções sensatas e equilibradas e, principalmente dando a cara, optam pelo estilo que tanto criticam, de verdadeiro tablóide. Fazendo insinuações, lançando boatos, escarnecendo, atribuindo intenções a outros, desferindo ataquezinhos pessoais soezes como este de hoje ao secretário de estado, que é tudo menos dignificante para quem o faz e para quem pretende ser um defensor de principio vários.
    Este estilo é obviamente mais grave quando é adoptado por magistrados. Mas é o que temos.

    aurora
    zazienometro said...
    ai que ainda cai o carrapito à dona Órora...

    onde é que esta alminha vive...

    ":O.

    onde é que ela viu insinuações, ou ataques pessoais? e quem lhe disse que está a provar a todo o mundo que não é anónima?

    acaso colocou morada, telefone, BI, foto de corpo inteiro e nº de cartão de crédito?

    já para não falar na ficha dentária...
    Anónimo said...
    veja lá não lhe caia é o dentinho a si!

Post a Comment