O Expresso acertou

Ontem, no Expresso, escrevia-se...


Todos os ministérios, além do da Justiça, têm serviços sociais –o que significa que todos os funcionários que trabalham para o Estado podem recorrer a um sistema alternativo de protecção social e de saúde, além daquele que é assegurado pela ADSE.


Enquanto existir no seio do Estado, o SSPCM o SOFE; o SSMTSS;o SSME; o SSMJ e outros pequenos nichos em subsistema social por conta de Estado, a notícia do Expresso é verdadeira e útil para esclarecimento do "público". E demonstrativa de que o primeiro ministro não disse a verdade ao "público". Escusam, por isso, de prestar qualquer atenção às cabriolas obsessivas de qualquer manipulador de tasca

Aditamento às 23h:

O senhor Abrantes do blog Câmara Corporativa resolveu desvanecer-se em atenções comigo, certamente em exercício terapêutico que passa pelo uso do insulto gratuito. Enfim...por mim pode continuar com as cabriolas no lugar que lhe é próprio.

Como quero alguma reserva a que julgo ter direito, prefiro utilizar o meu nome próprio como pseudónimo. Daí que me reserve o direito de julgar que o senhor Abrantes é apelido próprio.E para já, fazer de conta que também é pseudónimo.
Por isso, senhor Abrantes, veja por favor isto em relação ao SOFE e veja se aprende alguma coisa de contabilidade pública, porque de direito parece ser um mestre acabado:

"Uma vez que os encargos directos com o fornecimento das refeições atingiram a importância de € 1 746 066,41, não foi possível com as verbas oriundas do Orçamento do Estado suportar, não só o diferencial dos custos indirectos resultantes do fornecimento de refeições, como também as despesas com todas as outras regalias e as despesas com todos os sectores de apoio, pelo que transitaram para 2003 encargos com o fornecimento de refeições no valor de € 276 264,41."

E isto é só das refeições.
E ainda mais isto:
" Para pagamento das despesas de funcionamento e de realização de actividades, os SOFE têm disposto de receita própria e de dotações no âmbito do O.E., bem como, a partir de 1998 de verbas do PIDDAC, cujos montantes anuais figuram no quadro e gráfico constantes da folha seguinte."

Depois disto, dou a discussão por encerrada.

Publicado por josé 14:19:00  

3 Comments:

  1. pisca-pisca said...
    Alguns media, incluindo os do Estado (cujos gestores foram nomeados pelos governos anteriores), vêm produzindo alguns interessantes monólogos sobre o passeio pela avenida da liberdade de Cavaco Silva, para o que convidam vários participantes, todos fardados da mesma cor e todos direitinhos em frente dos pseudo-moderadores, não vá a pauta ser mal lida e a música desafinada.
    Um diz que CS deve fazer assim (para o passeio ser mais deslumbrante), outro diz que ele precisa de fazer assado (visto nem haver concorrência à sua altura...), outro diz que sendo CS o máximo, não precisa de fazer assim nem assado, basta-lhe o mínimo.
    E no fim desses monólogos todos sorriem uns para os outros e despedem-se dizendo uns para os outros, explicita ou implicitamente, que amanhã haverá mais sessões de propaganda (à custa do espaço hetziano e radioeléctrico, que é um bem público de todos).

    Querem assim levar CS ao colo para ser campeão num campeonato repleto de batota. Um nojo e um insulto aos portugueses!
    josé said...
    Meu caro cuco nonó:

    Se o Cavaco for eleito até eu que não gosto do tipo terei que engolir o resultado. É assim a democracia!

    Leia a crónica do Pulido Valente, hoje no Público, para perceber melhor por que razão aqui chegamos...
    josé said...
    O senhor Abrantes do blog Câmara Corporativa resolveu desvanecer-se em atenções comigo, certamente em exercício terapêutico que passa pelo uso do insulto gratuito. Enfim...por mim pode continuar com as cabriolas no lugar que lhe é próprio.

    Como quero alguma reserva a que julgo ter direito, prefiro utilizar o meu nome próprio como pseudónimo. Daí que me reserve o direito de julgar que o senhor Abrantes é apelido próprio.E para já, fazer de conta que também é pseudónimo.
    Por isso, senhor Abrantes, veja por favor isto em relação ao SOFE e veja se aprende alguma coisa de contabilidade pública, porque de direito parece ser um mestre acabado:

    "Uma vez que os encargos directos com o fornecimento das refeições atingiram a importância de € 1 746 066,41, não foi possível com as verbas oriundas do Orçamento do Estado suportar, não só o diferencial dos custos indirectos resultantes do fornecimento de refeições, como também as despesas com todas as outras regalias e as despesas com todos os sectores de apoio, pelo que transitaram para 2003 encargos com o fornecimento de refeições no valor de € 276 264,41."

    E isto é só das refeições.
    E ainda mais isto:
    " Para pagamento das despesas de funcionamento e de realização de actividades, os SOFE têm disposto de receita própria e de dotações no âmbito do O.E., bem como, a partir de 1998 de verbas do PIDDAC, cujos montantes anuais figuram no quadro e gráfico constantes da folha seguinte."

    Depois disto, dou a discussão por encerrada.

Post a Comment