O esclarecedor

Segundo o Público de hoje, ( pág. 5), "Sócrates telefonou ao director do Diário Económico para esclarecer notícia sobre financiamento de partidos".

Segundo gabinete de imprensa de Sócrates, a dupla dinâmica, Luís & Bernardo inc. ( de incompet...glup, de inconveni..., glup glup, de incongruentes, assim é que é), informou o Público que sua Excelência, o Primeiro-Ministro de Portugal, se dignou esclarecer o jornal Diário Económico, por causa de uma incorrecção noticiosa. E não, nunca, jamais em tempo algum, para desmentir notícias.

Portanto, o telefonema, ao director do Diário Económico, foi apenas com uma intenção caridosa, manifesta, de esclarecimento. De quem? Pois, parece que afinal teria sido do próprio...Sócrates: "Fê-lo para esclarecer e no final até deu razão" ao director do jornal. Ou seja, em português que todos entendem: ia à lã e acabou tosquiado.

O jornal, tinha descoberto uma alteração capciosa e manhosa no Orçamento, à Lei de Financiamento partidário. As más línguas habituais, boateiros profissionais e outros eventuais da calúnia e delação difamatória da honra de um primeiro-ministro, atiraram a matar, mais uma vez, à seriedade de sua Excelência e su governo.
Vai daí, telefonema em marcha, directo ao director do Diário que o manchava na manchete.

O caso merecia atenção particular do PM, enfática até, por causa do pormenor orçamental que o PM achava despiciendo e tentou numa primeira abordagem passar como tal. Afinal, teve de inflectir direcção, desculpar-se, amochar, retrair-se e remendar o diploma mais importante do ano. A vergonha, nisto tudo?
A desfaçatez de se entender liberto de constrangimentos seja de que espécie for, para telefonar ao director de um dos poderes fácticos ( a imprensa), a fim de lhe puxar as orelhas, sob o eufemismo bacoco, do "esclarecimento".
Um Primeiro-Ministro que se preze, esclarece esses assuntos no lugar próprio, na sede própria e quando muito através dos seus assessores de imprensa. E nunca com conversetas que ficam reservadas e anódinas, a não ser que suscitem a anedota, como é o caso.

Paulo Rangel, o líder parlamentar do PSD, segundo o Público, acha o telefonema, um despautério, sendo até "inaceitável e inadmissível, numa democracia", este comportamento reiterado, porque o é.

Depois do caso triste com o director do Público, a propósito da ERC, o mesmo Sócrates, deu-se conta de uma investida televisiva no programa humorístico, dos Sábados à noite , na SIC-Notícias, com nome de Eixo do mal. Uma das participantes, Clara Ferreira Alves, deu conta pública que o mesmo PM lhe telefonou a esclarecer, mais uma vez, sobre coisas que não disse ao director do Público, e tinham sido repetidas no Eixo do Mal, com uma violência tal que até parecia um blog de boateiros maledicentes.

E assim o PM se deu à canseira de esclarecer a maga axiológica, desmentindo-a, com o sucesso relativo de nos tomar a todos como parvos e mentecaptos suficientes para entender a conversa com José Manuel Fernandes, como apenas e mais um "esclarecimento".

Um dia destes, telefona a um blog qualquer, para dar esclarecimentos ao blogueiro perplexo. Aliás, já fez pior do que isso: processou um blog - é verdade!- , por causa de uma pretensa calúnia...

Triste. Muito triste e é isto que vamos tendo na chefia de um Governo que se apresta a reganhar voto popular, porventura com maioria confortável, por falta de comparência de adversário à altura.
Revertendo para o lado mais patético, o que isto acaba por denotar é a profunda solidão deste PM que se acha pessoalmente incomodado com este tipo de notícias, ao ponto de achar necessário o telefonema pessoal, directo, ao autor da notícia, ou responsável por ela.
Em vez de suscitar a indignação, acaba por trazer pena. E não falo com ironia.

Portugal, de que é que estás à espera?

Publicado por josé 19:13:00  

7 Comments:

  1. Flash Gordo said...
    José Sócrates em 2004 dizia:

    “...e esse caso não é resolvido pelo seu silêncio. Esse é um caso a que não pode fugir. E é o caso seguinte: é o caso de um ministro do seu governo, que fez uma pressão ilegítima junto de uma estação privada e que conduziu à eliminação de uma voz incómoda para o seu governo. E o senhor primeiro-ministro desculpar-me-á, mas quero dizer-lho com clareza: esse episódio é um episódio indigno de um governo democrático e é um episódio inaceitável. E isso é uma nódoa que o vai perseguir, porque essa nódoa não vai ser apagada facilmente, porque é uma nódoa que fez Portugal regressar aos tempos em que havia condicionamento da liberdade de expressão. E peço-lhe, senhor primeiro-ministro: resista à tentação do controle da comunicação social. Não vá por aí, porque nós cá estaremos para evitar essas tentações.”

    http://www.youtube.com/watch?v=qbAaHcPnet8
    josé said...
    Este tipo é patético mesmo. Até teria pena, se não o soubesse vingativo e perigoso.

    Só me espanta como lhe dão corda nos areópagos internacionais.

    E os profs universitários todos, com aquela gravitas do costume, com as pregas do riso forçado...

    Beurrghh.
    Paulo said...
    Alguém tem de chamar a atenção dos mais ingénuos, que a alteração ao financiamento dos partidos incluída no orçamento de estado se destinaria a encobrir o financiamento estatal ao Partido Socialista nesta sua nova e longa campanha de propaganda enganosa de lavagem ao cérebro de muitos tugas que aparentemente gostam de ser enganados.
    Zé Luís said...
    Se já com Morais Sarmento me revoltei contra o anterior Governo e a tentativa e amordaçar a Comunicação Social, este Sótraques supera tudo o que de estrangulamento democrático existiu em 30 anos de democracia, descontados os do PREC...

    O Santos Silva está a sair pior que a encomenda e há cada mefistófeles no Governo, do enjoado Canas ao emproado Martins, que qualquer dia, qualquer dia...

    O Grande Líder está vigilante.

    Treme, Portugal!
    Post said...
    Um gajo que fabrica uma licenciatura com o sócio Morais e se autoproclama engenheiro (biografia oficial) é capaz de tudo.
    Eu só me admiro por vocês ainda se admirarem com a desfaçatez.

    Cesteiro que faz um cesto
    Faz um cento
    se lhe derem tempo e verga

    Importa que os eleitores não lhe dêem tempo porque verga já ele não tem
    Tino said...
    Trapaceiro, Mau Carácter, Mentiroso, Falsário... Qual o cognome mais adequado para caracterizar o engenheiro?
    josé said...
    tino:

    Tenha cuidado que ele telefona-lhe a "esclarecer".

    Já andou mais longe.

    Mas é verdade que nunca tivemos coisa assim, em toda a nossa história recente.

    Vai acontecer-lhe o que acontece agora ao Bush: completamente desacreditado, vai desaparecer do mapa, sem deixar qualquer marca, a não ser a negativa.

Post a Comment