Medina Carreira na Sic-Notícias

Medina Carreira que tem o nome ali ao lado, porque chegou a autorizar a publicação de textos seus neste blog , está neste momento na Sic-Notícias, a dizer coisas simples e directas:
Uma das coisas que entende mais importantes, seria a realização de um programa de tv, na Sic-Notícias ou assim, com a participação de pessoas livres, independentes, sem necessidade de agradar ao poder, com seriedade intelectual suficiente e com capacidade para discorrer sobre os problemas portugueses.
Porquê, essa necessidade premente, segundo Medina Carreira?
Porque as televisões, são um meio de distracção, permanente e contínuo, com um discurso de assimilação ao poder, sem poder de crítica decente. E o paleio enrolado das tv´s, toda a gente o entende como um enfado, dali a um bocado. Apresenta o exemplo do Orçamento, cuja discussão passa completamente ao lado dos verdadeiros problemas, para se concentrar na propaganda, no acessório e no irrelevante.
Depois, a interpelação de Mário Crespo, passa a outros assuntos:

A Educação, em Portugal, actualmente, vale nada. Para Medida Carreira, se os pais tivessem a noção disso, vinham para a rua, reclamar, por causa dos filhos que nada aprendem ou que aprendem pouco. Mas não o fazem, por causa disso. Fazem-no, antes, por causa de empregada que não está lá, na escola ou coisas assim.

Falou no professor Grilo que esteve ali, um dia destes a falar na "escola inclusiva" e deu-lhe forte o feio: "escola inclusiva"? "Ficar lá o dia todo, todos os que querem e os que não querem"?

As Novas Oportunidades...bem, para Medina Carreiro, o programa, é igual a zero.
Distribuir computadores...não se pronuncia, mas se fosse responsável, não entregava aquilo a miúdos. Acha uma bebedeira de informática que não leva a nada, principalmente aos seis anos. Aos doze, talvez e mesmo assim, com dúvidas.

Medina Carreira, é um iconoclasta, neste Portugal que temos. É um desencantado, um crítico feroz de duas ou três coisas que repete e ninguém ouve:
A Educação, em Portugal é um logro. Um embuste, porque os jovens, com o 12º anos, hoje em dia nada sabem. Nem de prático, nem de teórico. E considera esse, o principal problema do país.
Depois, a propaganda de governo, é avassaladora e toma conta das redacções dos media principais.
Resultado: as pessoas estão mal informadas, são enganadas constantemente e não se vê evolução positiva nesse aspecto

O entrevistador Mário Crespo, não lhe perguntou, consequentemente, o que pensava desta ministra da Educação. Não perguntou e Medina Carreira não respondeu.

Respondo eu, sem procuração de espécie alguma, mas grande medo de me enganar: uma nódoa, grave, no Ensino.

Medina Carreira, sendo pessoa educada e com maneiras publicamente pacatas, não diria isso, mas usaria um eufemismo.
Mas aqui, pode-se escrever mais à vontade...

Publicado por josé 21:30:00  

27 Comments:

  1. a.leitão said...
    Medina Carreira já nos habituou a uma frontalidade, coisa rara nestes tempos, que o honra e que o credibeliza.
    Pena é que as TVs generalistas não o ponham a falar nos horários nobres. Tá bom de ver que a promiscuidade no submundo político-empresarial não lhe deixa espaço.
    Quanto à educação é de todo conveniente para os políticos que temos criar um povo acéfalo
    Karocha said...
    José
    Se conseguir ponha o vídeo da entrevista, ando à procura e não encontro.
    E que o meu filho é economista,trabalha no ramo e pensa e escreve o que o Medina Carreira diz, aliás quando foi jornalista da "Carteira" escreveu um artigo notável sobre a segurança Social, artigo de capa.
    Se souber o mail do Drº Medina Carreira e o puder dar agradecia.
    http://subleglibertas.wordpress.com
    Cumprimentos
    MDB
    rodmor said...
    O José é um desmancha-prazeres. Por acaso também vi a entrevista. Sentado no sofá e a beber um café, pensei, o Medina Carreira está a falar só para mim, como eu o entendo, como eu subscrevo o que ele está a dizer. E está a falar só para mim porque, a estas horas, o pessoal da pesada e da ligeira, ou já mudaram de canal ou estão vociferar impropérios ao entrevistado, como é da praxe aqui no burgo, quando alguém demonstra ter capacidade de análise superior à nossa. Afinal éramos dois, ilustre administrador do Queijo Limiano, duvido que houvesse muitos mais a ver o programa, e não havia porque, «por supuesto», estavam a ouvir os filhos reclamar por causa da empregada, auxiliar de cafetaria lá na escola, que faltou à distribuição das senhas para os meninos se empanturrarem de bolos e Coca-Cola num dos intervalos da manhã.

    Cumprimentos,
    josé said...
    karocha:

    Espero que o Administrador do blog ( não sou eu), possa responder ao pedido.

    Fica aqui o endosso,embora o mesmo ande um pouco desaparecido...
    josé said...
    O melhor exemplo do que Medina Carreira queria dizer, está a dá-lo agora esse misterioso candidato-mistério do PSD, Morais Sarmento, em entrevista a Ana Lourenço.

    Uma entrevista totalmente vazia, com recados subtis, mas desprovidos do mínimo interesse, para quem espera ouvir coisas de valor e interesse.

    Morais Sarmento, é advogado da PLMJ. Saiu da firma, como advogado associado aos demais. Entrou no governo de Santana e reentrou na firma já como sócio de capital.

    Perguntem-lhe porquê.

    Morais Sarmento é a última pessoa que deveria ser chefe de um governo qualquer.

    Safa!
    Karocha said...
    Obrigada José
    Karocha said...
    Eu estou a ouvir José!
    Sem comentários...
    josé said...
    Quando ao que escreve rodmor:

    É impressionante, como as pessoas, na generalidade, assumem o discurso corrente do poder, como se fosse o discurso da verdade.

    Há poucos Medinas Carreiras, até nos blogs.

    O exercício crítico, é assim uma coisa a modos que.
    Os directores de informação das tv´s são o que são e foram escolhidos a dedo, com muito cuidado, para não atropelar os poderes constituidos.

    Nenhum se atreve a fugir de um certo mainstream que por exemplo, uma Manuela Moura Gueses consegue. Falta-lhe agora o carisma suficiente, com aquelas plásticas horrorosas que a desfeiaram por fora, mas não por dentro.

    É pena.
    josé said...
    Nos EUA, uma revista de actualidades, a Vanity Fair, anualmente publica uma lista daqueles que considera serem as figuras do establishment.

    Já me lembrei de fazer o mesmo aqui. Falta-me o tempo, mas um dia, tento-me.
    Karocha said...
    Faça José, fico à espera...
    Joao Quaresma said...
    Só um pequeno reparo, sobre o Magalhães: eu sou da geração do bisavô do Magalhães: o ZX Spectrum 48K, com teclas de borracha, que se ligava à tv e que demorava 30 minutos para carregar um jogo a partir de um leitor de cassetes. Eram montados na fábrica da Timex, no Barreiro. Pois bem, boa parte dos engenheiros informáticos de hoje foram parte das crianças dos anos 80, que cravaram ao pai um 48k para jogar. Com isto quero dizer que apesar das negociatas e mentiras, dos jogos e da pornografia na internet, e dos que forem parar ao lixo com poucas semanas, ou revendidos a adultos, o Magalhães é uma boa ideia. Antes colocar as crianças em frente de um computador com acesso a informação, do que em frente de alguma playstation minima garantida ou coisa do género.

    Entre mortos e feridos alguém se há de safar. Tivessem os trogloditas mentais que estão no poder passado algum tempo a aprender a usar um 48K e este país estaria menos terceiro mundista.

    Em tudo o resto estou 100% de acordo com o Dr. Medina Carreira.
    Ricardo said...
    Caro João Quaresma.

    Eu também sou dessa geração e também tive o meu ZX Spectrum. A diferença é que só o podia ligar depois de cumprir com as minhas obrigações para com a escola (vulgo TPC's) escritos à mão e não feitos no computador.

    E o acesso à internet não proporciona só informação, há muita desinformação à mistura. E crianças com 6 ou 10 anos de idade ainda não sabem distinguir uma coisa da outra.

    Quanto à entrevista em si, 100% de acordo também.
    lusitânea said...
    Na educação "inclusão" significa nivelar por baixo.Então com a africanização em marcha acelerada vamos ter boas hipótreses em África para onde nos conduzem...
    * said...
    A educação é um embuste... E o resto, entretenimento?
    Saudações do Grémio*, extensivas a MCarreira.
    miguel said...
    Podem ver Medina Carreira aqui,
    http://br.youtube.com/watch?v=a-i14_ndADs
    miguel said...
    Encontram as três partes aqui,
    http://br.youtube.com/results?search_query=medina+carreira&search_type=&aq=f
    JPG said...
    Gravei e publiquei a entrevista de ontem. Enfim, a maior parte da.
    Luís Pereira said...
    Este Senhor (sim por extenso, porque este merece) é o Obama Português. Dizem que é pessimista??? Para mim é motivador “Change We Can”, mas antes de mudar encara a realidade, o que muitos não fazem, ou não interessa fazer…
    Gostaria de poder perguntar a este Senhor porque não cria um partido, ou melhor, movimento cívico, porque a definição de partido já esta tão impregnada de nojo que é errado a usar.
    Podia-se criar um blog para a troca de ideias com Medina Carreira….começar o movimento de mudança.. isto enquanto a net é livre…
    Fernando Martins said...
    Ainda bem os Senhores Medina Carreira e José não deixam passar uma!

    Eu diria ainda mais coisas, mas sou funcionário público e, dependendo do meu salário para viver, não quero ser charruado...
    J Lourenço Gonçalves said...
    Este senhor está senil!!!!
    rxc said...
    O comentador luis pereira não poderia estar mais enganado. Ou não conhece o prof. Medina Carreira ou não conhece o senador Obama. Se quer comparar com alguém que fala a verdade, nua e crua, experimente comparar com o Dr. Ron Paul, congressista texano e que esteve na corrida para ser o candidato republicano à Presidência.
    Gabriel Órfão Gonçalves said...
    Medina Carreira deveria ser Primeiro-Ministro. Num país com cada vez mais homens com M grande, Medina Carreira é dos poucos que os tem no sítio. Como o Medina Carreira, que escreve preto no branco que as crianças têm é de aprender a ler, contar, e escrever quando vão para a escola, há poucos. A maior parte dos nossos governantes é doutor em "parvoíce pegada" e fez a agregação em "balelas p'ra inglês ver". Hoje em dia uma licenciatura não vale nada; quem a faz tem o mestrado automaticamente assegurado e quanto ao doutoramento, bem, nem digo nada, com medo de ter capacidades premonitórias. Proponho nova terminologia "à Magalhães": aliciado, amestrado, e adulteramento (em vez de, respectivamente: licenciado, mestrado, e doutoramento). Pessoas com a 4ª classe do antigamente têm mais rapidez de raciocínio que muitos jovens hoje na Faculdade. A maior parte não sabe calcular 21% de 1000 euros... Coitados! Se souberem, é porque acertaram por acaso na "fórmula de 3 simples". Palavrões, é um em cada duas palavras - uma vergonha! Os paizinhos não são muitos diferentes: em Lisboa não há passeio que não tenha um carro em cima ou não seja a ETAR dos canídeos - uma vergonha inenarrável, indigna de uma Nação como Portugal. Tudo é feito com cunhas, e quem proclama alto e bom som que não entra em esquemas é visto como anormalóide. Um dia isto vai mudar, ai vai, vai. Cidadãos honrados, uni-vos!
    J Lourenço Gonçalves said...
    Medina Carreira foi há muitos anos anos Ministro das Finanças e foi um "flop"
    josé said...
    Tal como Silva Lopes e outros que se lhes seguiram.

    Quem mandava não eram eles: era o Soares e assim.
    E depois o FMI por causa de gente assim. Assado.
    João Mendes said...
    Sobre a entrevista do Prof. Medida, quase que dizia que não tenho capacidade para comentar tão ilustre opinião, mas ainda deixo aqui um breve comentário:

    Vimos, o Prof. Medina no seu melhor, a falar de como vamos mal no nosso País, na educação, na economia etc.

    Daqui lanço um repto, ao Prof, Medina, que tal avançar para uma candidatura a Presidente da Republica e a todos que acreditamos nele pelo menos vamos já garantir o nosso Voto, neste Homem de coragem.
    João Mendes said...
    Sobre a entrevista do Prof. Medida, quase que dizia que não tenho capacidade para comentar tão ilustre opinião, mas ainda deixo aqui um breve comentário:

    Vimos, o Prof. Medina no seu melhor, a falar de como vamos mal no nosso País, na educação, na economia etc.

    Daqui lanço um repto, ao Prof, Medina, que tal avançar para uma candidatura a Presidente da Republica e a todos que acreditamos nele pelo menos vamos já garantir o nosso Voto, neste Homem de coragem.
    João Mendes said...
    Sobre a entrevista do Prof. Medida, quase que dizia que não tenho capacidade para comentar tão ilustre opinião, mas ainda deixo aqui um breve comentário:

    Vimos, o Prof. Medina no seu melhor, a falar de como vamos mal no nosso País, na educação, na economia etc.

    Daqui lanço um repto, ao Prof, Medina, que tal avançar para uma candidatura a Presidente da Republica e a todos que acreditamos nele pelo menos vamos já garantir o nosso Voto, neste Homem de coragem.

Post a Comment