os bikinis do PGR

O Sr. Procurador Geral da República, imparável na sua inesperada e involuntária demanda de reabilitação da imagem do antecessor, balbuciou este fim de semana, a propósito da onda de crimes violentos, que a insegurança não estava a aumentar, simplesmente a tipologia de crime tinha 'evoluído' não havendo pois motivo para alarme. Azar dos Távoras, horas depois mais um desgraçado abatido era tiro, à porta de casa, a sexta morte por tiros, em apenas quatro meses, na zona do Porto. Sem alarmismos, claro está, apetece recordar a Pinto Monteiro as palavras sensatas de um professor de Estatística, nos bancos da Universidade, há muitos anos atrás - as estatísticas, às vezes, são como uma mulher em bikini - mostram tudo, menos o o essencial. Ora, o essencial é que desde os tempos loucos das FPs que não se via nada assim.

Publicado por Manuel 15:56:00  

11 Comments:

  1. Dr. Assur said...
    Este comentário foi removido pelo autor.
    Dr. Assur said...
    Este comentário foi removido pelo autor.
    Dr. Assur said...
    Este comentário foi removido pelo autor.
    Dr. Assur said...
    Acresce que o "director Nacional da Polícia Judiciária manifestou-se hoje convicto de que a situação de crimes violentos no Porto "vai parar" e que as investigações estão "bem encaminhadas "...
    Carlos Medina Ribeiro said...
    OS MINIMIZA... DORES

    Na tropa, existe uma coisa utilíssima chamada RDM (Regulamento de Disciplina Militar), que tem a grande vantagem de ajudar as hierarquias a desenrascarem-se quando não sabem lidar com os problemas.

    E lembro-me sempre dele quando vejo governantes que, confrontados com realidades desagradáveis, recorrem aos três verbos

    Relativizar,
    Desvalorizar,
    Minimizar...
    luis said...
    Esta mania dos lisboeteiros, de tentar a todo o transe, fazer passar a ideia "da violência natural dos "indígenas" do Porto e arredores", já começa a fazer-me perder a pachorra a mim e a muita gente. Mas não morrem pessoas abatidas a tiro e até em explosões de automóvel em Lisboa, em maior número que no Porto? Vão lá ver as estatísticas do ministério da administração interna. Não foram há poucas semanas alvejados 2 seguranças à porta de uma discoteca em Lisboa, que ficaram entre a vida e a morte e só não morreram por mero acaso? Não morreu há poucos dias o dono de uma discoteca/bar em Lisboa na explosão do seu automóvel? Mas porque é que a violência da noite lisboeta (que é pior em quantidade e qualidade que a do Porto) nunca merece destaque nos posts deste blog? E porque é que é sempre tratada como uma banalidade típica de uma grande metrópole (que Lisboa nem sequer é) pela comunicação social, enquanto a ocorrida no Porto lhe é dado um ênfase não sei quantas vezes superior? Gostava de ver Lisboa afogada em violência ao nível de Joanesburgo ou Medellín, aí a comunicação social portuguesa/lisboeta ia ter de forçosamente dar grande destaque a essa enorme violência e iam deixar o Porto e as suas gentes em paz definitivamente.
    josé said...
    luis:

    Essa guerra Lisboa-Porto, não interessa nada de nada. Lisboa fica a 3 horas do Porto, de carro e em andamento médio, a respeitar todos os limites de velocidade.

    Isso chega para dizer que Lisboa é a nossa capital. Uma cidade muito bonita que quem vive no Norte deveria visitar mais vezes.

    O Porto, agora, tem este problema específico e não devia ter, se as polícias tivessem feito o seu trabalho e o SIS em vez de andar a ver terroristas da Alqaida e da Eta se preocupasse em saber quem atentava verdadeiramente contra a segurança nacional.
    luis said...
    josé:

    Interessa, a pessoas como você e alguns outros membros deste blog interessa. Só assim se explica que ignorem completamente a violência que tem ocorrido e está a ocorrer em Lisboa, e dêem uma ênfase desmesurada a qualquer acto de violência ocorrido no Porto. A natureza e as origens da violência são precisamente as mesmas, nas duas cidades, e vocês fazem de conta que não são, só para terem um pretexto para "demonizar" algumas pessoas e instituições da cidade do Porto, de uma forma sórdida e absolutamente especulativa. Já acenaram com o "futebol", num dos posts sobre a violência da "noite" portuense. Está-se mesmo a ver qual é o vosso próximo passo. Aliás, já o deram há uns meses atrás, agora é o 2º episódio dessa vossa fixação. Se querem "armar" em isentos sejam isentos primeiro.
    Rui Freitas said...
    Ora, nem mais!
    A onda de crimes violentos que assola as "noites" portuguesas... "vai parar"!
    Quando e como, é que não se sabe!
    Tudo começou com um "roubo por esticão". Será? Seria?
    Somos um "povo de brandos costumes"
    Até quando?
    Paulo said...
    Quando é que esses grupos organizados deixam de se preocupar com quezílias pessoais e começam a pensar na Pátria e a fazer uma limpeza geral do peixe graúdo?
    Aí certamente os políticos já não deviam achar tanta graça. O cidadão comum então é que ficava mesmo descansado.
    A Bem da Nação!
    josé said...
    luis:

    A SIC acaba de transmitir um programa sobre este assunto.

    Precisamente, sobre Lisboa, todos foram unânimes em dizer que ainda não têm este problema que se verifica no Porto.

    O bairrismo é bonito, mas funciona como um toldo na objectividade.

Post a Comment