A centralização dos interesses

Rosado Fernandes, em entrevista ao O Diabo, o único jornal português contra a corrente do unanimisno de bloco central e que acolhe opiniões e notícias contra o situacionismo vigente, diz coisas interessantes.

Rosado Fernandes, é um cosmopolita como Eça o foi. Português de gema, conservador, resistiu ao internacionalismo proletário do PCP, trabalhou a terra, ligou-se à terra portuguesa e com mais de 70 anos, continua lúcido, numa simplicidade desarmante. O seu livro de memórias, publicado em 2006, chama-se Memórias de um rústico erudito ( livros Cotovia e de autor, 2006)

Na entrevista ao Diabo, diz assim, sobre a corrupção, o tráfico de influências, o nepotismo e outros favorecimentos generalizados e publicamente reconhecidos como impunes:

Não me parece que possam ser os Governos os motores de qualquer alteração substancial, na medida em que escolhem exageradamente gente dos partidos sem olhar a competências, instalam familiares, por falta de educação, em lugares importantes, invocando a confiança de que deve dispor, e despendem os dinheiros públicos em carros luxuosos, refeições pagas com cartão de crédito do Estado, dispõem de polícia à porta, quando só alguns dos seus membros, em cargos de maior risco, deveriam ter essa protecção. Pagam com dinheiro público viagens não justificadas pela sua importância política em que atulham os aviões de amigos e dos chamados assessores.”

Sobre a anomia reinante nas instituições reguladoras e de controlo e supervisão ( por exemplo a PGR ou o Banco de Portugal):

“ Devido ao descuido intencional, para não ferir susceptibilidades de gente importante, tem-se fechado os olhos, “porque não é oportuno”, a muitos factos gritantes, como seja a riqueza acumulada, em lugares oficiais, em poucos anos, sem que haja uma herança, uma sorte grande, ou qualquer acontecimento que comprovadamente mostre que tanta fortuna de algum lado provém. O Bloco Central que podemos chamar de “Negócios” goza de uma impunidade total, como se viu pela última decisão política de recusar a investigação de fortunas acumuladas sem motivos óbvios. Ora “quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lado lhe vêm”, diz o povo e é verdade.”

Neste clima deletério que percorre o ambiente de take over do BCP, pelo Governo actual, por interpostos apaniguados de partido, estas palavras fazem todo o sentido e formulam a questão como deve ser colocada: quando acabará a promiscuidade entre determinados indivíduos dos partidos de bloco central, com os negócios que envolvem o Estado?

Um dos defensores da solução aparentemente inevitável que liga os actuais governantes e seus interesses de grupo- alguns inomináveis- é muito naturalmente, Vital Moreira, o apaniguado-mor dos interesseiros deste governo, centralizados numa retórica de esquerda, sempre apregoada para dar colorido psico-sociológico, aos permanentes movimentos de capitais, em favor dos mesmos de sempre: os interessados de todos os quadrantes.

Vital Moreira que se afirma sempre de esquerda, é actualmente e desde Março de 2006, vogal, “independente”, do Conselho Geral e de Supervisão, da EDP. Os outros vogais, tidos como independentes, são, respectivamente:

Presidente- António de Almeida. Vice-Presidente Alberto João Coraceiro de Castro Vogais António Francisco Barroso de Sousa Gomes; Carlos Jorge Ramalho dos Santos Ferreira; Diogo Campos Barradas de Lacerda Machado; Eduardo de Almeida Catroga; José Maria Espírito Santo Silva Ricciardi; Manuel Fernando de Macedo Alves Monteiro; Manuel Menéndez Menéndez; Mohamed Meziane; Vasco Maria Guimarães José de Mello; Vital Martins Moreira; Vítor Domingos Seabra Franco; Vítor Fernando da Conceição Gonçalves; Rui Pena (Presidente da Mesa da Assembleia Geral)

Nestes nomes se concentra de modo exemplar, toda a simbologia do Bloco Central de interesseiros. Há gente do PS, do PSD, do CDS e do antigo PCP que nunca abandonou a lógica de pensamento leninista, como é- hélas- o caso de Vital.

Destes nomes, quantos se falaram já, para integrarem a futura composição dos órgãos sociais do BCP? Tirando o facto óbvio de um dos vogais tidos como independentes, deste órgão social de uma das mais importantes empresas portuguesas, públicas, precisamente Carlos Jorge Santos Ferreira, ser também o candidato à presidência da Administração do BCP, temos por exemplo:

António de Almeida. Quem é? Não sei obrigatoriamente, como muitos portugueses não sabem, mas faz parte daquele naipe que convive bem com o poder central. Umbilicalmente ligado a Moçambique, escreveu um livro em 2006, com um título especioso: “Croniqueiros & Politiqueiros”. Uma das passagens reza assim: “Muitas vezes sou crítico relativamente às coisas que se passam no País, mas é apenas pela raiva de reconhecer que somos capazes de fazer melhor, tão capazes como os melhores, mas que nos deixamos arrastar por uma atitude de faz que anda mas não anda e que desagua na fatalidade, na descrença, na inveja, na calúnia, numa esperteza saloia que todos vêem, mas que fazem de conta que não percebem.

Alberto João Coraceiro de Castro? Alguém sabe, exactamente, quem é? Quem deve saber, é Paulo Teixeira Pinto, que o indicou para um cargo importante, na Administração do BCP- na altura em que ainda o podia fazer , em Julho do ano corrente.

António Francisco Barroso de Sousa Gomes? Este, vem de longe. Deputado socialista pelo círculo de Bragança…em 1976! Ministro da Habitação e Obras Públicas em 1978 ( PS), ministro do Plano logo a seguir e depois um sem número de cargos de relevo e consonante com o pedigree.

Diogo Campos Barradas de Lacerda Machado? Em Setembro de 2005, foi designado como um dos membros da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA). Também, curiosamente, membro designado de um Conselho Geral e de Supervisão do BCP ( em Julho de 2007) e da “board of directors”. Para acalentar o lado empresarial, é presidente da Assembleia Geral da Reditus. O que é a Reditus? Ah! É uma pequena empresa de outsourcing de serviços e soluções de engenharia e mobilidade, onde também trabalha o prof. Doutor Nogueira Leite. O Governo conhece, com toda a certeza…

Eduardo de Almeida Catroga. É preciso apresentação detalhada, para além do facto de ter sido indicado o seu nome para presidente da mesma CGD de onde agora sai o tal Santos Ferreira? Este, nem precisa de links.

José Maria Espírito Santo Silva Ricciardi? Este, é da “privada”. É da comissão executiva do BES. Também prescinde de links.

Manuel Fernando de Macedo Alves Monteiro? Vogal não executivo da AICEP, presidida por Basílio Horta. Nomeado por este governo, em Outubro de 2007, com efeitos a partir de Julho deste ano.

Manuel Menéndez Menéndez? Não sei quem é, mas temo saber, porque o Google sabe muito bem. Espanhol, claro.

Mohamed Meziane? Outro que prefiro apenas indicar o link.

Vasco Maria Guimarães José de Mello? Este, merece respeito. Descende de Carlos Magno. Como milhões de outros, aliás, embora anónimos. É presidente do grupo José de Mello. Da privada, portanto.

Vítor Domingos Seabra Franco? Este , é da Casa Pia. Perdão: do clube Atlético da Casa Pia. Director e especialista em revisão de contas, parece que também é professor no ISCTE. Candidato natural, neste governo, a uma série de cargos e comendas, porque tem o perfil exacto.

Vítor Fernando da Conceição Gonçalves? Professor do ISEG, administrador da PT multimédia, é também presidente da Comissão de Auditoria da EDP.

Rui Pena? Um simples advogado, de um escritório que conta também com outros simples advogados, como por exemplo José Luís Arnaut, expoente do Euro e dos estádios de futebol deste país.

Esqueci-me de propósito, do último. É Vital Moreira. Tudo o que o mesmo possa escrever sobre BCP, regulações, modelos de governo dualista das ep´s, transparência, CGD, EDP e outras empresas monopolistas do Estado, vale o que vale. Em independência individual do poder político actual ou mesmo futuro, perante estas companhias e outras ainda ( Pina Moura por exemplo), vale menos que zero. Em termos de coerência com ideias passadas e ditas de “esquerda”, como ainda gosta de se anunciar, vale o mesmo que a hipocrisia.

Estes nomes e esta empresa- a EDP- são apenas um símbolo: o da organização do Estado Português para produzir e/ou distribuir, neste caso, um bem essencial: a energia. Outras há, com maior âmbito de promiscuidade e com ainda maior falta de vergonha, na separação do que é público, daquilo que é privado e com intuito exclusivamente lucrativo. A sua enumeração e elenco, levaria dias de compilação. Talvez que o trabalho de um certo especialista contratado pelo ministério da Educação, um tal J.Pedroso, fosse bem melhor aplicado do que no que andará a fazer,mas enfim.
O grau de náusea ao ler estas coisas e ao pesquisar isto, que revela o nível de oligarquia que se atingiu em Portugal, atinge o máximo de nojo, com certas hipocrisias que perpassam por discursos de eficiência económica, escritos em artigos de opinião e veiculados por certos jornais com nomes económicos.
Se isto revela o capitalismo português actual, podemos todos dar razão a Eça: isto é uma choldra! E que dura há tempo demais.

Diante destes nomes de uma excelência inaudita e de uma capacidade singular, um outro me ocorre: Bertoldt Brecht, o comunista anterior ao nazismo que escreveu um poema no qual glosava a infinita dificuldade de governar. "Como é difícil governar!", começava assim, para terminar a escrever que ...
"É só porque toda a gente é tão estúpida que há necessidade de alguns tão inteligentes.
Ou será que governar só é assim tão difícil porque a exploração e a mentira
São coisas que custam a aprender?"

Publicado por josé 16:44:00  

13 Comments:

  1. Jose Silva said...
    Caro José,

    Com que então também descobriu as «máfias» do Centralismo !

    Bem vindo ao clube !

    Está a ver como o PdC é um homem Santo ?
    josé said...
    A única coisa que tenho contra o PdC é o de se fazer acompanhar por energúmenos. Voluntariamente.

    Mas tem razão, muma coisa: alguns deles, são-no muito menos do que outros que aí ficam, mas só falam com punhos de renda.
    Laoconte said...
    Mas como o dinheiro público dá para distribuir por todos, tudo se funciona na mais sã camaradagem dentro do código de honra.
    CCz said...
    Caro José:

    Gostava de dizer qualquer coisa decente, mas fiquei sem palavras... só me lembro da música de Tchaikovsky - a Abertura 1812, associada ao final do filme "V de Vendetta" e desta conversa de Pedro Arroja acerca das indicações do Catecismo: http://portugalcontemporaneo.blogspot.com/2007/08/resistncia-opresso.html

    Noutros contextos e noutras latitudes, foi de certeza este tipo de estórias, que croiu grupos como os talibans.
    pintoguedes said...
    Caro José, não sabe quem é Alberto Coraceiro de Castro? É o amigo mais intímo do Sr. Ministro das Finanças e é Prof. de Economia na Universidade Católica -Porto- onde preside ao repectivo departamento.Já foi convidado para Ministro das Finanças no tempo do Eng. Guterres mas recusou pois não estava para ir para o pântano.
    josé said...
    pintoguedes:

    continuo sem saber. Só sei que nada sei, a propósito de como aqui se chegou.
    Palpita-me que o grau universitário, tem sido o degrau para se chegar ao poleiro.

    Mas porquê, santo Deus?! Porquê?
    Porque é que um tipo que sabe ensinar finanças públicas, há-de ser um bom ministro sei lá de quê?!

    Porque é que não serve um Vara, por exemplo, já que parece ser um competente executivo?!

    Isto está um caos. Um pântano, voilà!
    josé said...
    Note que só ainda vamos no Conselho de Supervisão. O que supostamente deve controlar os passos da Administração, na gestão da coisa pública.

    Reunem-se de três em três meses ( nota-se logo no blog da causa nossa)e como é evidente, o resto dos boys and girls, "andam por aí".

    Uma pergunta: no tempo de Salazar e Caetano, também era assim?

    Não era pois não? Bem me parecia porque é que estes antifascistas, execram tudo o que lhes possa tirar o bem-bom...
    lusitânea said...
    Eu até admito que o pessoal se sirva e nalguns casos serve-se gulosamente, mas que dibo o que chateia é não se verem resultados nenhuns cá para baixo...
    Este socialismo se Estado patrocinado pe União Nacional de Esquerda só é bom para os próprios.Eu só gostaria de ver alguém vir dizer-nos "olhem aqui temos uma coisa em que somos bons, melhores do que os outros..."mas a realidade é que temos tudo o que os outros têm, mas com um pequeno defeito:nada funciona...
    Nuno Nasoni said...
    Caro José, desta vez foi mesmo ao cerne da questão :)
    Já agora, a chave para compreender António Almeida é mesmo Moçambique - onde surgiu uma forte ligação a outro Almeida que por lá andou.
    Nuno Nasoni said...
    Caro José, desta vez foi mesmo ao cerne da questão :)
    Já agora, a chave para compreender António Almeida é mesmo Moçambique - onde surgiu uma forte ligação a outro Almeida que por lá andou.
    Nuno said...
    Carissimo,
    Sobre a actual postura progressista, de "esquerda", de Vital Moreira, gostaria de lhe lembrar uma introdução ao tema "Financiamento de Ensino Superior" para que tinha sido convidado. Foi, salvo erro em 2002 ou 2003, era ministro Pedro Lince que também estava presente, e passou-se no auditorio da sua Faculdade de Direito em Coimbra. A sua frase inicial foi esta: "O Ensino Superior é um investimento pessoal, e os investimentos pessoais são pagos pelos proprios ..." Claro que o Ministro Pedro Lince fartou-se de tirar notas ... Finalmente há quem diga que o Vital foi quem engendrou a lei, que se mantém e hoje gera um propina das mais altas da Europa. É, em média, cerca de 15% das despesas de um estudante no Ensino Superior! Quem tal afirma apresenta uma indício muito forte! O valor inicial foi calculado para blindar a lei de uma objecção de inconstitucionalidade por parte do Tribunal, é a actualização pela inflacção da propina de 1942. Foi do mais cínico e reaccionário que tenho ouvido sobre esta questão. É claro que "essa esquerda" nem se importa de ir buscar um padrão de Salazar, aquele "eminente promotor" da educação e ensino no nosso país!
    Um abraço,
    Nuno
    josé said...
    nuno:

    E o que tem a dizer sobre as "associações privadas sem escopo lucrativo" que sustentam o CEDIPRE; o CEDOUA e ainda outros grupos de professores e associados que em regime liberal, praticam livremente o ensino de pós-graduações universitárias, nas instalações da Universidade pública, com propinas de alto gabarito, apoios de instituições privadas (?) como a ERSE e com um protocolo com a própria universidade que ninguém conhece?
    Nuno said...
    Carissimo José:
    Situações do tipo que refere são conhecidas no meio. Os jornais de "referência" , onde eles escrevem e "ganham milhões" ! ... não lhe pegam. Só se for o pessoal dos blogs ... que é livre! E se alguem quiser começar, pode começar por averiguar quantas unidades de investigação é que as Faculdades de Direito do país também são unidades da FCT (Fundação para a Ciência e Tecnologia) e porquê.
    Um abraço.

Post a Comment