Cá não é lá

Em França, o Sindicato da Magistratura, de esquerda, e ainda três dos principais sindicatos dos funcionários judiciais, ( USAJ, CGT, CFDT) bem como o Conselho Nacional dos barristas, representado cerca de 46 000 advogados franceses, apelaram à greve, amanhã, dia 29 de Novembro, para protestar contra o mapa judiciário, gizado pela ministra da Justiça ( Garde des Sceaux) francesa, Rachid Dati.

O principal sindicato da magistratura, a União sindical dos magistrados, apoia indirectamente o protesto, apelando a uma mobilização nacional, de protesto localizado nas jurisdições, rejeitando no entanto, a greve.

O mapa judiciário proposto pela ministra, reduz alguns tribunais de Instância na região de Paris e outros no resto do país. 13 de 76 Tribunais de Instância, na região de Paris e Versailles, serão extintos, bem como outros em várias regiões da França. Para os que protestam, a decisão foi tomada com régua, compasso e máquina calculadora.

Faz lembrar um certo governo de esquerda, deste lado dos Pirinéus, não faz?

Então, porque é que os juízes deste lado, se julgam mais independentes que os do lado de lá, tomando a noção de soberania, de um modo que não lhes dá qualquer margem para o protesto grevista ou sequer o apoio a um protesto localizado e de manifestação visível, como esta, nos Tribunal de Paris, por estes dias?

Nota: nos comentários anónimos a esta imagem e notícia, o costume: as "corporações", a "esquerda", etc. Os chavões habituais. A cassete emprestada...

Publicado por josé 19:21:00  

1 Comment:

  1. Tiago Carneiro said...
    Para este excelente blog que adoro visitar cá vai mais um prémio.

    Já estás nomeado.

    Continuem o bom trabalho.
    Abraço
    Tiago
    http://democraciaemportugal.blogspot.com

Post a Comment