As cantigas de amigo

A discussão aberta sobre o MP, situa-se já no âmbito das pelejas medievais. O PGR, um suserano do “órgão de supervisão”, definiu-se como vivendo em meio feudal e logo surgem os trovadores e cavaleiros andantes. Uns a cantar loas ou a recitar cantigas de escárnio e maldizer; outros, cavalgando em defesa de damas obscuras e virgens púdicas, contra os castelos que defendem o último reduto do Estado: a legalidade e a igualdade dos cidadãos perante a lei.

O último a aparecer, é o cavaleiro Júdice que escreve hoje no Público, que “Pinto Monteiro, com coragem e determinação, decidiu que tinha de limpar os estábulos”. Triste figura!

O advogado José Miguel Júdice, armado em donquijote de entalados em processos penais, entende o MP como uma espécie de coudelaria real, onde o suserano vai buscar o cavalo ou égua que lhe agradar para a caçada a encetar.
Talvez por isso, este cavaleiro, em tempos suserano de uma Ordem que nunca lhe obedeceu, e ainda o processou por declarações públicas, entende que o assunto é de estrebaria e de bosta para limpar.

Tirando estes jogos florais, que pretende exactamente, Júdice, com estas arremetidas periódicas? À semelhança de um Rodrigo Santiago, de um Proença de Carvalho e de outros, como um Eurico Rangel, talvez instalar um entendimento da hieraquia mais consentâneo com ideias que peregrinam. Por exemplo, um que lhes permitisse substituir um João Guerra, quando este ou outro como ele, fossem pouco flexíveis aos interesses da alta cavalaria.
Este entendimento singelo e fácil de alcançar, é o que falta para fazer companhia a recentes alterações da lei, aplaudidas de pé, por tais cavaleiros. Tal seria suficiente para acabarem as investidas contra os castelos de defesa da legalidade e a estrebaria passar a salão de baile, com trovadores e poesia em cantigas de amigo.

Publicado por josé 14:42:00  

3 Comments:

  1. Dylan T. said...
    É o que se chama uma flexibilidade em diagrama.

    Dylan T.
    zazie said...
    Que grande lata.
    Apatricio said...
    boas jose, obrigado " pelo desenho" que me fez, pelo menos sempre se chama os bois pelos nomes.
    Sabe é que não gosto de as pessoas deixarem as coisas no ar, e como sou um simples ignorante que procura perceber o que o rodeia, acaba, por vezes, precisar que alguem perca o seu precioso tempo a ensinar/explicar as dúvidas. Pela sua resposta parece ser uma pessoa que tem muito gosto em ensinar quem quer aprender, que é o meu caso. Assim deixo-lhe um abraço e um muito obrigado pela explicação, como irei dar mais atenção aos seus textos, por certo as duvidas irão aparecer...espero poder contar com a sua preciosa capacidade e dedicação a este simples leitor.

Post a Comment