Nem pensar!

O ministro Mário Lino encontra-se neste momento a dar explicações na RTP1, numa entrevista de telejornal.
Mostraram-lhe os dois vídeos com imagens polémicas, relativas a duas das suas declarações que têm sido geralmente tomadas como anedóticas. Uma, sobre a margem sul; outra sobre a sua particular inscrição na Ordem dos Engenheiros. Depois da sugestão repetida do entrevistador, - José Rodrigues dos Santos- nesse sentido, o ministro admite facilmente que as interpretações dadas às palavras que proferiu, podem ser exactamente aquelas que todos compreenderam e que têm provocado riso geral. Até os plagiadores fedorentos pegaram no assunto...

Sobre a intervenção polémica em que se declarou alegremente ( é a palavra, ao ver o sorriso maroto que acompanha a expressão e a gargalhada que imediatamente provocou), engenheiro, sublinhando a inscrição na Ordem, Mário Lino declarou agora, urbi et orbi, que nessa altura, nunca lhe passou pela cabeça estar a gozar com a licenciatura do primeiro ministro.

Lembro-me de um antigo ministro de Cavaco Silva, Carlos Borrego e que numa infeliz tirada discursiva sobre os hemofílicos, contou uma anedota anódina. Foi imediatamente demitido, porque a TSF passou vezes sem conta a tirada fatal.
Agora, mesmo com imagens a desmentir na cara o próprio ministro, o mesmo ainda tem a lata de declarar que nunca lhe passou pela cabeça o efeito da declaração jocosa...

Publicado por josé 20:15:00  

7 Comments:

  1. Kruzes Kanhoto said...
    Não, por favor não demitam este homem. Nem o Pinho da Economia, nem a Directora Regional de Educação do Norte, nem mais uns quantos que andam por aí!

    E depois quem é que nos vai divertir?! Estes estarolas são o máximo!
    Luís Bonifácio said...
    Até Mário Lino, um mau comediante era aquele que ao ver que ninguém se ria, tentava pateticamente explicar a sua piada. Após Mário Lino, o mau comediante é aquele que após conseguir a tão desejada gargalhada geral tenta explicar a piada.
    RCruz said...
    Parece-me exagerada a comparação entre o humor mórbido de Carlos Borrego e Mário Lino. Mesmo que Mário Lino estivesse a parodiar a licenciatura de Sócrates...mesmo após a metáfora do deserto acerca de qualquer coisa que se assemelha a um...deserto prefiro a descontração, quiçá inconsequente de Mário Lino.
    timshel said...
    eu penso que esta entrevista foi particularmente grave

    http://timoteoshel.blogspot.com/2007/05/medo.html
    josé said...
    timshell:

    Já li e concordo com a ideia do medinho de perder o tachito de governante-ministro que dá mais estaleca do que qualquer outra ocupação profissional.
    Concordo ainda com a ideia de que o que Mário Lino fez, foi uma espécie de confissão em que pediu perdão publicamente do que dissera desbocadamente.

    E acrescento: eu até achava piada a este Lino porque me parece um tipo autêntico e politicamente incorrecto.
    Agora, depois desta baixesa moral, perdeu o meu pouco respeito, totalmente: é um medroso e um cobardolazito que perante o perigo de perder o tacho por dizer aquilo que pensa verdadeiramente, esconde-se numa mentirola que nem sequer tem sustentação.

    Uma tristeza e um modo de ser. Mas, na verdade , o que é que se deveria esperar de uma pessoa que acordou subitamente para a liberdade em 89?
    josé said...
    baixeza.
    rb said...
    A mim parece-me que a piada à inscrição na Ordem não era bem para o PM mas sim para aqueles que o atacaram violentamente, como "cães a um osso", por ele ter utilizado o título de Engenheiro na sem biografia sem estar(devidamente)inscrito na Ordem. Um autêntico crime de lesa-pátria.
    Acho que era mais isso ou então o humor do ministro é muito mais profundo do que a minha humilde compreensão pode atingir.

Post a Comment