Uma lei jovem


A reacção dos partidos políticos ao acórdão do Tribunal Constitucional que elencou ilegalidades e irregularidades nas contas da campanha eleitoral para as legislativas de 2005 é simplesmente patérica, reveladora do sentimento de impunidade que por aí anda. O que, em síntese, se disse foi: "Ah e tal, a lei é jovem, a malta não estava preparada". Ou seja, o legislador redigiu uma lei que depois não soube (ou não quis) aplicá-la. Esta é a única conclusão lógica, porque seria completamente estapafúrdio pensar que a lei foi, propositadamente, feita daquela forma de modo a abrir espaço para as desculpas que nos últimos dias se ouviram. Impensável!

Publicado por Carlos 13:42:00  

1 Comment:

  1. cantinflas said...
    Belo exemplo. Se for eu a não cumprir a lei, quer ela seja jovem ou idosa, levo por tabela, mas eles, os legisladores, não. Dir-se-ia que são imunes à lei. E depois querem eles que eu me desloque às mesas de voto, mas eu faço como eles, só que, sem batota, falto mas não assino o livro de ponto.

Post a Comment