Arqueologia (já vem tarde, mas aqui fica)



Ad populum (fonte)

Manuel Maria Carrilho

«As teorias da conspiração são um eloquente exemplo de populismo.»

A BENGALA. SEMPRE achei intrigante a facilidade com que se brande a palavra «populismo» como uma acusação.

Afinal, trata-se de um termo que remete para uma das mais autênticas tradições revolucionárias do século XIX, sintetizando então as melhores esperanças da humanidade em grandes mudanças sociais e políticas. Termo que só começou a ter um sentido pejorativo quando entre as elites e o povo, entre as vanguardas e as massas, se insinuaram o iluminismo natural de uns (das elites e das vanguardas, claro) e a perspectiva da inevitável manipulação de outros (do povo e das massas, evidentemente).

Mas, mais do que intrigante, o que sempre senti como incómodo foi que o uso pejorativo deste termo dominasse com tanta frequência e inconsciência a linguagem, e a acção, de alguma esquerda, seja política ou jornalística. Como se fosse possível haver democracia sem povo...

Penso que ganharemos muito quando se conseguir falar dos problemas do nosso tempo sem o apoio da frágil bengala deste tão ambíguo termo. Para não dizer mesmo que a obrigação talvez seja a de lhe dar um outro conteúdo, mais afirmativo, à altura das suas origens históricas e que aposte mais na efectiva capacidade de transformação das coisas do que não se gosta do que, afinal, na sua vã e desconfiada diabolização.

O ARGUMENTO. Enquanto isto não acontece, não é mau compreender que, no sentido que vem sendo mais utilizado - e nos últimos dias isso tem ocorrido com frequência - tanto há populismo à direita como à esquerda, e que nesta sua acepção mais comum ele corresponde à utilização do que na gíria argumentativa se designa como o argumento «ad populum».

Este argumento consiste sempre, seja qual for a sua forma concreta, no recurso emocional a sentimentos considerados básicos, primários, com o objectivo de suscitar adesões e caucionar conclusões que nenhum raciocínio ponderado sustenta e que nenhuma prova acompanha.

Ou seja, à falta de evidências concretas e de bases racionais, vai-se pelo apelo afectivo e pela vereda imaginária: e é aqui, na sua raiz, que o chamado populismo se encontra com o espírito demagógico e com os tiques da intolerância.

É por isso que as teorias da conspiração - que aludem mas não mostram, insinuam mas não provam - são, em geral, um eloquente exemplo deste populismo, com consequências políticas tanto mais devastadoras quanto menos consciência se tenha deste seu potencial. Como nos últimos dias se tem podido observar com nitidez, às vezes há bem mais populismo em quem o denuncia do que nos que são visados pela denúncia. E quando assim é, a confusão só pode aumentar.

A CRISE. Por tudo isto, é pena que os portugueses não leiam mais António Damásio. Não só porque ele é um dos cientistas portugueses mais respeitados no mundo pela suas contribuições para a compreensão da mente humana. Mas sobretudo porque se lhe devem achegas determinantes para desmontar a ilusão racionalista que, erradamente, tanto marca ainda hoje a visão comum do mundo, em domínios como a ciência ou a filosofia, a arte ou a política.

A ideia central de Damásio é a do decisivo papel das emoções no funcionamento da mente humana, inclusive no que normalmente se considera a sua actividade racional. As emoções, para ele, não são uma fase, ou algo que se deveria superar num suposto uso superior da razão, mas o que inspira e atravessa sempre a actividade mental em toda a diversidade das suas expressões.

A vida política ganharia muito com a compreensão destes dados. Sobretudo se a combinasse com uma nova inteligência do papel dos «media» na vida do nosso tempo, que não os reduzisse às empobrecedoras dimensões da propaganda e da manipulação, atribuindo-lhe, sempre que há crise, todas as dificuldades.

É que as crises não acontecem «por causa dos ‘media’»: elas apenas ocorrem «nos ‘media’», sobretudo quando há palavras que ficam sem mundo, sufocando a pouco e pouco os que as usam, e quando o mundo procura as suas palavras, e quem, finalmente, as diga.

Expresso - 25/10/2003

Publicado por Carlos 01:18:00  

59 Comments:

  1. Observador said...
    Passei por aqui para o convidar a visitar o meu jornal.
    Experimente.
    Vai ver que não custa nada.

    Clique aqui e abra o navegador noutra janela
    zazie said...
    Os media se não percebem do que falam, mais valia que se limitassem a fornecer os factos.

    O exemplo escolhido é perfeitamente infeliz. É tão absurdo falar-se em teoria de conspiração como em teoria de contra-teoria de conspiração.

    A única coisa que o jornalista devia fazer era investigar os factos.
    Como não investigam, atiram contra-teoria de conspiração, para cima da teoria de conspiração.
    zazie said...
    Não temos jornalistas, temos comentadores de banalidades
    zazie said...
    Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
    zazie said...
    Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
    zazie said...
    Na melhor das hipóteses. Na outra, muito comum, temos fabricantes de teorias da conspiração a trabalharem por conta de agendas políticas.

    E a usarem os blogues como megafones
    Carlos said...
    Sinceramente, não percebo os comentários da Zazie. Apenas coloquei aqui um artigo de opinião de Manuel Maria Carrilho, publicado a 25/10/2003, como se constata pelo link da fonte.

    O melhor é aguardar mais um pouco, para ver se percebo.
    zazie said...
    Pois, sabe que isto de se estar ligado à net permite ler muitas coisas ao mesmo tempo.

    Por isso é que às vezes também me rio com aquela barreira fictícia entre quem "está dentro da blogosfera" e quem está fora.

    Estamos todos ligados. O browser até abre várias páginas ao mesmo tempo. Esta e a do DN, por exemplo.
    Carlos said...
    E o que é que uma coisa tem a ver com a outra? Confesso que não cheguei lá
    zazie said...
    e o que eu disse aplica-se ao texto postado e, principalmente, ao itálico:

    "É por isso que as teorias da conspiração - que aludem mas não mostram, insinuam mas não provam - são, em geral, um eloquente exemplo deste populismo, com consequências políticas tanto mais devastadoras quanto menos consciência se tenha deste seu potencial. Como nos últimos dias se tem podido observar com nitidez, às vezes há bem mais populismo em quem o denuncia do que nos que são visados pela denúncia. E quando assim é, a confusão só pode aumentar."

    Seja para levar à letra, seja como metáfora, a verdade é esta- à falta de factos não é por contra teorias de teorias da conspiração ou o inverso que se adianta alguma coisa.
    O problema do jornalismo é recorrer a estes "bordões" de manipulação para desinformar ou levar a àgua ao seu moinho.

    Ficiona-se com argumentos de tragicomédia.
    zazie said...
    Já expliquei. Há-de ter. Se o estou a ler em 2 "locais" ao mesmo tempo, pelo menos uma coisa existe em comum- o autor dos textos.


    Por acaso, o meu computa até é sufientemente potente. Estava a lê-lo em 3 registos diferentes. Um em "papel" outro em blogue; e outro em citação de opinião de outro blogue.

    Estas coisas são assim. Muito engraçadas. Não funcionam pelo "dentro e pelo fora". Funcionam por camadas.
    Carlos said...
    Zazie, o texto, repito, é um artigo de opinião do Carrilho de 2003 que eu, ontem à noite, encontrei por acaso. Resolvi posta-lo, pq lembrei-me do que ele escreveu no livro "Sob o Signo da Verdade", no qual eram afloradas algumas teorias da conspiração. Nada mais.

    A questão que coloca do jornalismo é outra.
    zazie said...
    O facto do texto ser do Carrilho e a história dos jornalistas ser outra não vem ao caso.

    O texto fala de populismo, de jornalismo e de teorias da conspiração. E eu comentei-o.

    Suponho que não escolheu o texto do Carrilho por qualquer facto de fim-de-semana.

    Ou foi? se foi facto de fim-de-semana não se entende. A mim parece-me mais uma citação metafórica a "completar" outras opiniões mais actuais. Outras teorias e conspirações ou contra conspirações.

    Se assim não é. Se o Carrilho vem ao caso por algo de concreto em que ele é o visado, diga-me.
    Carlos said...
    Apenas postei este texto porque me apeteceu. Mais nada! é esta a liberdade que eu tenho no blog. Encontrei, por acaso, o texto, e metio-o aqui. Apeteceu-me. Não há nenhum motivo concreto, real, subjectivo, religioso, futebolístico por detrás da publicação. Apeteceu-me. Achei giro o texto, tendo em conta o que se disse há uns meses do livro do carrilho. Daí o título do post "Arqueologia".

    Está explicado?
    zazie said...
    Ora bem! até que enfim que nos entendemos! o Carlos Postou este texto e salientou os negritos porque sim. Porque lhe apeteceu.

    Eu comentei assim, pela mesma razão. Porque sim. Porque me apeteceu.

    Qual é a crise?

    Também achei giro o texto. E ainda mais giro quando se está a ler outros textos que o Carlos também escreveu porque lhe apeteceu.

    Estamos entendidos?
    zazie said...
    parafraseando-o "é esta a liberdade que eu tenho no blog"
    Carlos said...
    este apeteceu-me e foi fácil. O outro a que, alegadamente, se refere deu muito mais trabalho. Mas se não me tivesse apetecido, tb n o escreveria.

    Estamos entendidos
    zazie said...
    e também acho giro o texto do Carrinho, tendo em conta o que ele disse há uns meses atrás.

    E também o considero um bom exemplo de fossilidade arqueológica.

    Pelos motivos que adiantei logo no meu primeiro comentário. O que importa são os factos. Não são as teorias.

    Que há então de errado com os meus comentários. Até parece que estamos os 2 em sintonia.

    Ambos notámos que, em teoria, é muito fácil falar de populismo de teorias de conspiração. Mas, quando os factos nos tocam, não é com teorias que nos safamos. As teorias tanto "limpam" como "sujam". O que interessa é o que lhe fazem aos factos no meio delas.
    zazie said...
    Pois então já tem a minha dúvida levantada: acerca desta metáfora e do trabalho.
    Carlos said...
    Bem....assunto arquivado
    zazie said...
    Por acaso o assunto só está arquivado para quem o quiser arquivar.

    Pela minha parte até penso que este exemplo poderia servir como “case study” dos meios de informação que temos à nossa disposição.

    Não refiro o caso que não foi postado no blogue por mera coerência ética da minha parte.

    Se não foi postado só o poderia comentar no seu próprio local.

    Engraçado é que o local onde foi escrito não permite comentários nem que se tirem dúvidas. E dúvidas e tentar perceber esse texto é coisa que não falta.

    Ao contrário. No único local onde se pode comentar, a escolha de texto é “filosófica”. Não se refere a nada em concreto- apenas a teorias da conspiração e populismo, pela boca de um filósofo.

    No entanto, basta seguir o fio aos 2 textos e vê-se qual é que é replicado.

    Não é o filosófico aqui da Grande Loja, é o factual qeu o mesmo autor escreveu noutro local.E que tanta coisa teria para se explicar e entender.

    Para que serve então a comunicação directa com os jornalistas?

    Não sei.


    Neste caso, por via da tal coerência ética da minha parte, não me serve para nada. O que gostava de perguntar não posso.
    ........
    No entanto, se tiver pachorra, loo à noite posso deixar o feed back das "leituras" que vão sendo feitas do tal texto bem presente com factos que não se percebem e que nos podiam esclarecer outra coisa bem mais importante:

    a busca da verdade ou a da mentira
    Arid Monk said...
    Nesta estou contigo, zazie...

    Se não for por má vontade, só vejo duas outras explicações para a insinuação de o teor do comunicado da PGR ("A 26 de Junho de 2003 foi feita entrega no DIAP de cinco disquetes que vieram a ser juntas no envelope n.º 9 de um apenso ao processo" e "Desde o respectivo depósito no envelope n.º 9, que teve lugar em 26 de Junho de 2003, aquelas disquetes ficaram ali guardadas e ignoradas, sem que magistrados, oficiais de justiça ou funcionários da PJ tivessem tomado conhecimento dos ficheiros que continham e os tivessem trabalhado, analisado ou descodificado.") contradizer a informação posterior: "num novo ofício enderaçado à PT (n.º 12862), o MP diz que, apesar de já ter sido remetida a identificação e facturação detalhada do número de telefone utilizado por Paulo Pedroso, esta informação apenas tem "dados a partir do ano de 2001", pelo que solicitou os "bons ofícios no sentido do fornecimento de todos os elementos disponíveis a partir de 1998"....

    Alguém julga que somos estúpidos, não sabemos ler, e adoramos teorias de conspiração...
    Carlos said...
    Mas que duas outras explicações? Não percebi

    P.S. - Zazie, tem o meu email, disponível no profile, à sua disposição. Envie o que achar por conveniente que eu leio e respondo. Não sou autista. Não tenho nenhum problema em discutir as coisas.
    Arid Monk said...
    "Mas que duas outras explicações? Não percebi"

    Esta é fácil:

    1) Ou tem má vontade
    2) Ou acha que somos burros, não sabemos ler e adoramos teorias de conspiração
    3) Ou ambas

    capice?
    Carlos said...
    Como é que se sabe que uma disquete apenas tem info a partir de 2001, sem analisá-la?

    (Vejam como sou democrático e estou aqui, enquanto tenho tempo, a discutir as coisas)
    zazie said...
    Carlos,

    Não se trata de mim. Não sou vedeta. Agradeço-lhe a disposição do mail mas a dúvida acerca da outra notícia serviu apenas de exemplo do modo de funcionamento da informação ente jornais e blogues.

    Eu não citei a notícia aqui pelo facto do blogue não ser meu.

    Se o Carlos tivesse achado pertinente tinha-a postado. Fosse igual fosse noutro formato.

    E depois podia haver perguntas e debate e tira-dúvidas.

    Mas a sua escolha dirigiu-se para um post que considera gratuito e nada a propósito de nada, incluindo os itálicos.

    Assim sendo, a opção não é da conta dos leitores mas dos que têm como profissão informá-los.

    Se alguma coisa coloquei em causa foi este critério.

    Se quisesse, bastava-me fazer um post com a outra notícia que não entendi e esperar que alguém se dignasse informar-me.

    A única diferença é que não sou jornalista. Neste caso estou precisamente em pé de igualdade com qualquer leitor de jornal que por acaso também costume usar a net e ler blogues.

    O "case study" a existir está aqui.

    Falamos em directo com quem nos informa mas apenas acerca daquilo que é escolhido para se difundir.
    ........

    Quanto ao resto é mesmo assim: não percebi nada e falei com mais pessoas que leram o jornal e que perceberam tanto como eu.
    Niente. Nem a história nem onde está a mentira.
    Arid Monk said...
    Oh homem... quem não sabe ler é você! (presumo que é só isso...)

    Diz a Procuradoria que meteu "as cinco diquetes" no envelope a 26 de Junho... só por uma das 3 razões acima apontadas é que você pode concluir nunca houve mais disquete nenhuma, informação nenhuma, ofício nenhum, no processo... só por ingenuidade é que se poderia concluir que a Procuradoria ia falar, nesse comunicado, de tudo o que tinha existido ou viesse a poder existir...

    Faltou na notícia (que não imagino ter sido escrita por má-fé) a informação sobre quantas disquetes é que existem in toto nesse famigerado processo!
    Carlos said...
    Vamos lá ver umas coisas (e saliento que estou a reportar-me a factos)

    1 - Em janeiro, Souto Moura disse no parlamento que as disquetes foram analisadas no PJ e ninguém viu nada. Em Setembro, diz que ninguém mexeu nas disquetes e o que foi pra PJ foi um CD.

    2 - No comunicado, é dito que ninguém tocou nas disquetes. O que eu digo no texto é que uma foi "tocada" e é após o "toque" que é pedida mais informação. E, como refiro, as diquetes foram para o tal envelope 9 a 26 de Junho de 2003.

    Isto não quer dizer que os magistrados ou alguém tenha visto os outros números.

    E adianto que antes de escrever o texto, pedi um esclarecimento por e-mail à PGR, dando conta dos dados de que dispunha. Não obtive resposta. Portanto, não posso ser acusado de má fé, má vontade ou que que quer que seja.

    Para quem comprou o DN em papel (o txt não está disponível na Net), por debaixo do txt do Envelope, há outro que diz respeito a um caso relatado pelo DN em Maio. A resposta que obtive da PGR é surreal. E lá fiz a notícia, sem conspirações, má vontade ou o que quer que seja.
    Arid Monk said...
    Chiça ( e desculpe lá aquela da má-fé...foi sem querer... queria dizer má vontade...): A questão é quantas disquetes é que existem na porcaria do processo?

    Sem essa informação, usar o verbo contradizer só se explica por uma das tais 3 razões que apontei...
    zazie said...
    Bem "toque" por toque, hão-de ter sido todas tocadas.Para abrir o correio, pegar na encomenda, abrir o papel e ver o que vem lá dentro.

    Se "tocar" nisto é devassar privacidade de mil e uma pessoas que não têm nada a ver com o caso e de segredos de Estado, então o primeiro a ser preso devia ser o carteiro.

    À parte este pequeno detalhe da qualidade de "toque" que fizeram às danadas das disquetes, falta saber-se se quantas existem no processo. E se a sua existência está conforme ou se foram desvirgindadas e quem foi o fetichista
    zazie said...
    Até porque já tinha sido referido que só a partir de determinada data é que a PT passou a enviar a informação digitalizada.

    A notícia nem sequer prova que a informação anterior foi feita por disquete. Apenas tem como fonte um pedido de facturação e um envio de facturação.
    E nada disso tem qualquer carácter de ilegalidade.
    zazie said...
    Mas, ainda assim, tudo isto até me parece pouco ambicioso. Afinal de contas existe um caso por que uns jornalistas violaram informação que lhes passaram cá para fora e que constava de um processo. Foi acerca disso que se formou o famoso caso da devassa em segunda mão.

    Mas, se a ideia é ir para além do envelope9, partindo do princípio que muito mais coisas escondidas e devassadas hão-de estar nos processos, nem sei porque não alvitram uma outra coisa: que a partir de agora se institua uma comissão mediática para inspeccionar todo o tipo de provas recolhidas em qualquer investigação.

    Assim talvez houvesse mais garantia de vivermos num Estado de Direito.
    Arid Monk said...
    Pois é zazie... é assim que se vê que na realidade só o New York Times é que imprime all the news that's fit to print...
    Carlos said...
    Meu caro Arid,

    Essa do NY Times...podia ter arranjado exemplo melhor...

    Li os comentários e não concordo com muita coisa. Mas, por muito que goste da troca de impressões, sobretudo quando o interlocutor tem uma visão aparentemente oposta, penso que podemos estar aqui até aos 100 comentários e não vamos a lado nenhum.

    Aliás, esta deve ser a primeira vez que discuto um txt do processo da Casa Pia, mas chega-me para perceber que é um assunto que a opinião sobre determinda situação depende do que se acredita sobre o processo no global.

    Bem...o melhor é descontrair colocando uma foto gira no queijo.
    zazie said...
    Pois Carlos, essa de partir do pressuposto que há uma opinião apriorística que justifica a não compreensão de uma notícia tem a sua piada.

    Se fosse comigo, no caso de ter escrito alguma coisa que não se entendesse, limitava-me a explicar. Não ia interrogar todos os leitores acerca de uma qualquer "visão geral" que ultrapassava o caso.

    Chama-se a isto justificar o que se escreve.

    Caso contrário, o seu argumento é válido apenas em sentido reflexo: "não explico porque parto de um pressuposto".

    E, sinceramente, se assim o pensasse, até nem lhe dava crédito para levantar a questão mediática do texto do blogue/versus texto do jornal.

    Nem referi em concreto a notícia. Fiquei à espera que alguém fizesse.
    Arid Monk said...
    Caro Carlos:

    Tem razão numa coisa: Não vamos a lado nehum com esta conversa.

    Mas isso acontece por uma razão diferente da que você dá: Não vamos a lado nehum porque você não sabe quantas disquetes foram apensas ao processo...
    zazie said...
    Remetendo de novo para a simbologia das teorias enunciadas neste post- aqui está mais um exemplo do que eu disse logo no primeiro comentário- o que me interessa saber é se a informação procura clarificar ou enublar ainda mais as coisas.

    Se serve a busca da verdade ou a da mentira.

    O exemplo que foi buscar do Carrilho é até muito útil.

    Mas agora até estou com dúvidas se o lemos da mesma maneira.

    O Carrilho escreveu em 2003 um texto abstracto sobre teorias da conspiração.

    Recentemente, no seguimento das eleições para a CML escreveu um livro onde denuncia sabotagens mediáticas à sua campanhapor via de interesses económicos.

    Para se saber se isto é verdade ou mentira temos apenas os factos enunciados.

    Nunca poderemos saber mais nada contrapondo-lhe outra teoria.

    A verdade está para além dos pressupostos de maquinações que existem nas coisas. Dar-lhes mais importância é apenas sintoma de que não se dá qualquer valor à verdade dos factos. E então, nem sei para que se perde tempo com eles.
    zazie said...
    Eu também posso não saber nada do caso. Mas, mal li a notícia, a pergunta que fiz foi exactamente a mesma do Monk:

    que diabo: se só existe um caso de denúncia no tal envelope 9 porque raio é que se tinha de responder com toda a traquitana que esteja guardada?

    E até fui mais longe- pelo pequeno texto apresentado nem se depreendia que tinha sido cassete- quanto mais do rol da denúncia do envelope em questão.
    Carlos said...
    Cum caraças (perdoem-me o desabafo)

    Acho que ninguém sabe ao certo quantas disquetes, CD's e afins estão no processo.

    Eu não parto de nenhum pressuposto, apenas fui ler o comunicado da PGR, que diz que nenhuma disquete foi analisada (só assim se saberia se o conteudo era a partir de 2001 ou não), eu encontrei uma que, de acordo com o teor do ofício, foi. Se alguém mexeu, é crime? Eu acho que não, mas a questão é: pq não se explica tudo? Caramba! Também se comete algum crime em explicar? Custa muito?

    Depois, em Janeiro o PGR disse que as disquetes foram analisadas. Em Setembro diz o contrário. Teoria da conspiração? Onde? Apenas uma exigência de alguém explicar as coisas de forma clara.

    Por exemplo, estando o processo em julgamento, portanto não sujeito a segredo de justiça (com excepção de matéria da vida privada e identificação das vítimas), a PGR cometia um crime colocasse on-line toda a documentação sobre o caso do Envelope )???? Logo em Janeiro a seguir às primeiras notícias? Isto prejudicaria o inquérito-crime, entretanto aberto?

    Regressando ao princípio? Há mais disquetes do paulo pedroso espalhadas noutros apensos do processo? Sinceramente não sei. Mas se as há, o melhor é ver urgentemente o contêm. Será que isso foi feito?
    zazie said...
    A teoria de que não interessam os factos ou a verdade porque existe sempre um interesse subjectivo a fazer-se passar por verdade foi o argumento usado no debate com o Carrilho.
    Por acaso vi-o pela tv. Não tinha qualquer inclinação nem de simpatia nem de partido nem absolutamente de nada em relação ao Carrilho. Mas, não deixou de ser curioso como os argumentos dos responsáveis dos media e do JPP se entrincheiraram precisamente aí- “ à sim, se não queres ser lobo não lhe vestisses a pele” Queixas-te de te terem usado por venda a outros interesses mas tu é que os compraste para venderes os teus” E por aí fora. Ninguém se lembrou de querer saber se fulano ou sicrano usou, de facto, os media para salvaguardar interesses de especulação imobiliária.

    Imagino que este pequeno detalhe não interessaria para nada se o mundo apenas se dividisse entre quem é do PS ou do PSD ou quem alinha por esta ideologia ou pela oposta.
    O pequeno detalhe que pode escapar a quem vê assim o mundo- com tudo já traçado à partida para determinada “visão que se tem” ou julgamento geral que já se fez, é que também há gente de carne e osso que ainda pensa que combater as falcatruas é mais importante que os votos que x ou y partido ganham em troca.

    O exemplo é absolutamente válido para o “outro” caso em questão. O tal que não vem no post.

    È assim, ainda há carolas interessados apenas na verdade.
    zazie said...
    Carlos: alguém da PT o informou que enviou o tal pedido de factuaração anterior ia em disquete e que, por engano, nessa disquete também ia mais treta encripada em Excel?

    Alguém da PT lhe informou de quantos pedidos foram no total feitos pelos investigadores ao longo de todo o processo?

    Alguém da PJ ou da Procuradoroa lhe informou se guardaram tudo num único envelope amarelo que um advogado passou para os jornais? O tal nº9.

    Alguém lhe explicou que toda a facturação ou chamadas referentes a uma pessoa do processo foram passadas para as 5 disquetes mesmo que tivessem sido enviadas em papel? E depois tudo copiado para um cd?
    Só não lhe pergunto se também contaram que quem matou foi o mordomo, porque aí já me parecia demais
    Carlos said...
    Zazie,

    Diga-me lá: qual a razão para que em Janeiro essas questoes que coloca, e outroas, não tiveram uma resposta não digo imediata, mas breve?

    Sabe pq? Pq em Portugal ninguém está habituado a prestar esclarecimentos claros. É tudo segredo...

    Está a ver....Diga lá que, após a primeira notícia do Envelope (em janeiro) não gostava de ter visto uma resposta a essas suas dúvidas. Eu tb.
    zazie said...
    Mas agora não percebo.

    Então o Carlos ficou ou não ficou a saber para poder escrever a notícia.

    O título é mais ou menos claro. Diz que afinal havia mais uma que foi investigada. Ainda que a seguir coloque o ponto de interrogação. Depois dá exemplos do ofícios pedidos e de informação enviada. Incluindo uma alteração de telefone por via de alteração de morada.

    Pergunto-lhe: quem lhe disse isso, lá na PT, também lhe explicou que enviaram a tal mudança de telefone em disquete e com o engano de ir o maralhal todo com telefone à borla por ser do Estado?

    Contaram ou não contaram?

    Porque, a seguir, o Carlos conta que as do envelope foram "à inspecção" e houve garantia que não descobriram nada; mas há notícia falsa porque houve mais uma que escapou à "inspecção" e também podia estar contaminada.

    Foi isto que escreveu. Apenas lhe perguntei coisas bem concretas- contaram ou não contaram; ia em disquete ou foi folha de papel com tudo certinho e apenas relativo ao sujeito do processo?
    Carlos said...
    Agora percebi o seu último cometário Zazie

    E vou responder


    1 - Ninguém da PT me diise...A informação de que houve uma mudança de titularidade do nº de telefone consta de um oficio enviado pela PT ao MP que está no processo.

    2- Não fui que contei que as disquetes do Envelope 9 foram à inspecção. Foi o próprio PGR que o disse em Janeiro no Parlamento. Veja os jornais dessa altura e veja a nota da PGR de 22 de Setembro.

    Eu digo que há uma disquete do processo que foi analisada pq há um ofício do MP à PT a dizer que a disquete só tem dados a partir de 2001. E pede até 1998. Ou seja, para se saber isto é preciso abrir os ficheiros. Estou errado?

    É óbvio que não escrevi o texto supondo a existência de ofícios. Li-os.

    E continuo a dizer: se, como já se equacionou por aqui, a tal disquete de que falo não foi pro tal 9, então ´no processo há mais uma disquete que pode ter dados de tráfego de outras pessoas. Isto foi verificado?
    Carlos said...
    Zazie, como estou cansado pra caraças, deixo-lhe citações. Omito apenas o n de telefone, pq n sei se ainda está activo ou não. Terá que confiar...

    Ofício da PT (10 de Abril de 2003):

    "(...) junto enviamos uma disquete contendo facturação detalhada do telefone 21xxxxxxxxx"

    Resposta do MP (14 Maio 2003):

    "Apesar de através de V ofício nos ter já sido remetida disquete contendo facturação detalhada e identificação dos titulares do telefone 21xxxxxxx, a mesma apenas contem dados a partir do ano de 2001, pelo que se solicitam os seus bons ofícios no sentido do forneceimento de todos os elementos disponíveis a partir de janeiro de 1998"
    Arid Monk said...
    Meu caro Carlos:

    Diz você "cum caraças" e deixa-me à vontade para dizer "cum catano"...

    Então se ninguém "sabe ao certo quantas disquetes, CD's e afins estão no processo", qual das 3 razões que eu avancei é que o leva a concluir que a "Procuradoria" se contradisse?

    Chiça (desculpe estar-me a repetir): O comunicado fala de 5 disquetes em particular. A notícia fala de "uma disquete" (dou de barato que seja disquete, embora tome nota que a questão da zazie sobre qual o suporte usado nessa informação - a de 28 de Abril - é uma questão pertinente) que pode ou não ser uma das tais do famoso envelope.

    Vou-me repetir ainda mais uma vez: Falta na notícia a informação sobre quantas disquetes existem. Parece que ninguém sabe, afinal. Neste caso, não há maneira de concluir que a PGR "se contradisse" quando garantiu que àquelas 5 aconteceu uma coisa, sem ter dito a ninguém (nem a si, pelos vistos) o que é que foi feito com todas as outras que podem existir (ou não existir, já que ninguém sabe quantas há...).

    Sem essa informação a notícia não vale nada. É boa para ser arquivada no mesmo sítio onde o anterior P.R. gostaria de ver arquivadas (estou certo) aquelas famosas declarações sobre a "Menina Paula"...
    zazie said...
    Ok,

    agora já nos percebemos um pouco mais.

    Resta esta sua dedução: "Eu digo que há uma disquete do processo que foi analisada pq há um ofício do MP à PT a dizer que a disquete só tem dados a partir de 2001. E pede até 1998. Ou seja, para se saber isto é preciso abrir os ficheiros."

    Porque é que para se saber era preciso abrir os ficheiros? Uma disquete não pode vir com informação escrita, incluindo no papel de identificação do conteúdo onde se diz que contem x coisas? tipo- dados de facturação a partir de ano de 2001?

    Parte-se do princípio que alguém envia uma disquete sem etiqueta a identificar o conteúdo?
    Ou uma envelope com cassete sem dizer o que vai?

    Isto pode ser uma pergunta ingénua. Mas colocou-a?
    zazie said...
    ehehe

    agora está-me a dar vontade de rir, porque é verdade que a blogosfera é uma coisa muito gira e muito livre.
    Há uns tempos esta notícia saí no jornal e lia-se e mais nada. Quem fosse mais curioso telefonava a qualquer amigo que pudesse ter nos jornais e perguntava-lhe se tinha entendido mais alguma coisa ou se o jornalista tinha contado algo.

    Agora é bacano, pergunta-se ao próprio.

    E o Carlos está a ser uma simpatia por não se armar aos cucos ou com má fé e já respondeu.
    zazie said...
    Mas ainda não percebi o que é isso do apenso V. também veio cá para fora e só agora é que se lembraram de falar nele ou a única coisa que veio foi um envelope com 5 disquetes acerca do qual se pediram batatinhas e foram dadas respostas e feito inquérito?
    Arid Monk said...
    Carlos:

    Esta é mesmo a minha última intervenção neste post.

    Se você tivesse escrito "parece contradizer", em vez de "contradiz", eu não estaria aqui a fazê-lo ficar "cansado pra caraças".

    Não se esqueça que até os jornalistas deviam aprender a ser cuidadosos na linguagem que usam!
    zazie said...
    O certo é que a Procuradoria só respondeu pelo que lhe perguntaram e mandaram cá para fora.

    E aí não há volta a dar e é impossível vender a ideia que ha´contradição.

    Ou se sabe quantas cassetes e suportes de facturações existem no processo ou apenas se pode falar daquilo que se afirmou. Que havia material com nomes de pessoas do Estado, de segredos da Pátria que tinham sido devassados e espiados.

    Foi esta a notícia e a isto é que também não vejo que agora se diga: mentimos.
    zazie said...
    Mas o Carlos até teve passagens em que usou o verbo no condicional, ainda que o título venha na afirmativa.

    Com a informação que possuía não tinha material para afirmação tão categórica.
    Carlos said...
    Meus caros,

    É só pra dizer que eu não me importo de discutir o que escrevo. Leio as críticas e tento rebate-las. Aliás, e isso dava tema para outra conversa, os blogs desempenham um importante papel no escrutínio do jornalismo. Com calma, serenidade, como foi durante o dia de domingo.

    Abraços
    Toutinegra Futurista said...
    Garanto que estou fora do caso das disquetes. Não fui eu mas acho que sei quem foi. Talvez o Arlindo Talhante: é coisa dele. Eu ainda ando à procura dos chouriços de porco preto para ver se consigo activar a missão em Tegucigalpa. Vamos ver. De qualquer forma, acalmem-se, não justifica. Perante os grandes cenários da conspiração mundial com que diariamente me vejo obrigado a conviver e que acabo por integrar... nem as disquetes, nem o Carrilho importam, caros amigos. Pensem no que se passa na Coreia do Norte. Podia tê-lo evitado mas deram-me ordens para recuar e continuar a missão nas Honduras e... quem sou eu para não obedecer...
    zazie said...
    Tás a ver como leste o envelope ao contrário?

    ehehhe

    e depois a malta é que é desconfiada e tolinha

    ":O))))
    zazie said...
    eu e o Monk devíamos receber pelo menos metade do valor desta nova crónica.

    Vou-me queixar ao sindicato

    ":OP
    zazie said...
    "Ao contrário do que poderia transparecer do texto publicado na edição do DN de 8 de Outubro, a disquete não foi colocada no "Envelope 9", mas sim em outro com o número 6. "

    ehehhe

    teasing...
    teasing...
    Arid Monk said...
    Caro Carlos:

    Só hoje é que li a nova notícia que explica o problema do "6" e do "9" e não posso deixar de o felicitar pelo esclarecimento.

    Acho que lhe fica muito bem ter corrigido a eventual imprecisão da notícia original. Bem haja por isso, e só tenho pena que seja tão raro encontrar quem respeite os leitores o suficiente para se dar a esse trabalho...
    Carlos said...
    Acho que disse, algures por aqui, que não sou autista...Perante as dúvidas, fiz o que devia fazer: perdi 3 noites a ver volume a volume. E lá encontrei uma folha em que se dizia que a disquete que foi analisada foi pro 6.

    Porém, a minha dúvida mantém-se: esta disquete contém ou não facturação do PP? Se contém .....

Post a Comment