se a moda pega...

Segundo a TSF a Câmara Municipal de Coimbra aprovou uma postura municipal que visa impedir a circulação de resíduos industriais perigosos para co-incineração na cimenteira de Souselas. Não vale a pena entrar em grandes detalhes - desta, de uma espécie de embargo legislativo local a legislação upstream, nem o outro, o da Madeira, se tinha lembrado. Concorde-se ou não com a co-incineração, esta medida peregrina tomada pelo dr. Encarnação é tão só um dos maiores atentados ao Estado de Direito dos últimos tempos, nem mais, nem menos, e pode tornar-se um precedente grave, muito grave. É o País, e os políticos, que temos.

P.S. De que é que o PSD está à espera para se demarcar de tão peregrina medida ? de voltar a ser governo, quando outros lhe fizerem o mesmo ?

Publicado por Manuel 14:58:00  

4 Comments:

  1. António P. said...
    O PSD ? Existe ?
    Cumprimentos
    Luís Bonifácio said...
    E o que acontece a uma empresa em Coimbra que gera resíduos perigosos?
    Vai armazená-los nas suas instalações aumentando o risco de um Acidente grave?
    Ou a postura apenas se aplica a resíduos com destino a Souselas?
    E neste último caso os residuos perigosos gerados por uma empresa dentro de coimbra (Óleos usados por exemplo) deixaram de ser perigosos por postura camarária?
    Arrebenta said...
    Direitos Cívicos

    É uma questão pessoal, evidentemente: o homenzinho não me inspira qualquer simpatia, suponho que por se parecer fisicamente com o mafioso do Dias Loureiro, ora parecer-se com um mafioso... etc., etc., etc, mas... -- e agora vem esse importante "mas" -- ele decidiu fazer frente à tarada da Socratina, e fazê-lo por meios decentes e civilizados, o célebre "direito à indignação", tão propalado pelo Soares Velho, resolvendo proibir, nas suas -- dele -- vias municipais, a circulação de resíduos tóxicos.

    Eu sei que um obcecado não recua, e a Sonsa do Largo do Rato é menina de ir carregar jumentos -- não faltam, entre os seus assessores e conselheiros... -- albardá-los com resíduos tóxicos, e levá-los para Souselas, contornando o boicote, pela berma da estrada.

    Obviamente, isto é a hipótese da Hora dos Comprimidos, tão sagrada como a noite da desova das tartarugas atlânticas, mas também é verdade que o Cavaco antigo, o outro, o Primeiro Cavaco, ainda cheio de arrogância e adrenalina, e não o calhambeque patético e deslumbrado, que, diariamente, ora nos aparece nos rodapés dos noticiários, também caiu, um belo dia por teimosia, no garrafão de uma ponte.

    Era uma boa, uma excelente, notícia que os Portugueses da Zona Centro me poderiam dar, para este Outono a vir: areia na engrenagem da Prepotência, uma escândalo mediático, uma rasteira e um jeitoso cair de fuças, no chão, de uma teimosia que já não respeita nada nem ninguém.

    Força, aí, rapaziada!...
    alexandre said...
    Mas, então, a Câmara não é um orgão eleito, como o Governo, pelo povo ? Não é esse o critério ? Se calhar algumas estão a lembrar-se, com pena, de que poderiam ter evitado a saída das maternidades caso proibíssem a circulação, em estradas camarárias, de ambulâncias transportando parturientes para fora do concelho. Seria uma decisão democrática, não é ?

Post a Comment