CONVERSA DA TRETA

Em França, o poder cedeu à rua. Em Itália, um chocho institucionalista, que reina vagamente sobre uma confusão partidária, vai "chefiar" um governo. Por cá, a propaganda continua. O mundo está perigoso.

Publicado por João Gonçalves 11:34:00  

13 Comments:

  1. Clara said...
    "O poder cedeu à rua"? Você deve ser daqueles que acham que "a rua", como você diz, é a escumalha, que não tem direito a pronunciar-se. Quanto à Itália, um "chocho"?!? Voc~e deve ser daqueles que preferiam o Berlusconi, ditador, malcriado, grosseiro e, pior do que tudo, incapaz de governar a Itália. "Propaganda"?!? Você deve ser daqueles que, irritados pelo facto deste governo estar a fazer aquilo que os governos de direita não souberam ou não foram capazes de fazer, resolve "classificar" todas a smedidads tomadas cvomo "propaganda" Essa técnica já é velha, meu caro.
    Cãocompulgas said...
    Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
    e-konoklasta said...
    Se não acordou com os pés de fora, o melhor é ir dar banho ao cão... a blogosfera está no seu pior...
    maloud said...
    O mundo fica perigoso, quando metemos tudo no mesmo saco. Os franceses chamam a isso depreciativamente amalgame. Em português não resulta tão bem.
    e-konoklasta said...
    Ó "amigo" Gonçalves,

    Fiquei a pensar nas asneiras que disse "et je reviens à la charge". Então o poder, eleito pela "rua", impõe o que entende e mais ainda, e a "rua" teria de ficar impávida e serena... O que se passou, foi uma demonstração de democracia directa, pelo braço de ferro... e valeu a pena. Todas as gerações estiveram envolvidas e solidárias, contra elites políticas e económicas sofregas de enrrequecimento e poder.
    Os portugueses deveriam refletir sobre o que se passou...a este ritmo, o liberalismo económico acaba por estampar-se contra a parede, porque não a vêem... Dentro de alguns anos não haverá muita gente, por falta de rendimentos condignos, para consumir tudo o que se irá produzir com tanto desenvolvimento de produtividade...
    J.M.P.O said...
    "Rua" penso que a definição desta palavra, tendo em conta o contexto, quer dizer povo, ou plebe? Parecido mas diferente; a plebe obedece ao Soberano enquanto o povo elege os seus representantes para legislarem "de acordo com a vontade geral". Apesar da vontade geral ser um mito, o poder politico deve-lhe um minimo de respeito senão, para o que é que serve o sufrágio?
    O "chocho institucionalista" não é uma espécie de Lili Caneças aspirante a Mussolini... A propaganda cá chama-se demagogia politica ( convivemos com ela há já muitos anos). conversa da treta é a sua postagem....
    sniper said...
    João Gonçalves, pelos vistos Portugal está recheado de bons comentadores de política internacional, com mais ou menos saudades do tempo do PREC. De facto, o poder cedeu à rua, mas pior que isso foi o facto do PM francês não ter apresentado imediatamente a sua demissão. Em França o poder e a rua estão de facto amálgamados. Se o governo fosse minímamente profissional e coerente a saída era imediata, dada a aparente importância do tema em debate. Como é hábito, tudo isto vai ter custos, e os franceses são especialistas em pedir todo o tipo de ajudas à CE, que podem passar pelo não pagamento de multas e outras sanções à CE, por mau desempenho orçamental, usando fundos para tapar com a peneira a sua incompetência e arrogância governativa, com muita chantagem à europa à mistura. Itália? A memória é curta quanto ao " Bom Prodi ". Chocho? Diria frouxo, sem a conotação adicional que os brasileiros dão à palavra. A Itália é um saco de gatos, com as mais assustadoras assímetrias sociais e económicas na europa, situação esta "alimentada" criminosamente por todo o tipo de governos. Todos ganham.., desde a Máfia aos governantes, os contribuintes da CE a pagar... Espero que o Prodi não se reforme na Tunísia...
    PlanetaTerra said...
    ///

    DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO:

    --- A Europa está sob o domínio de um MONTE DE BANDALHOS ( vulgo Parasita Branco -> a MAIORIA do europeus ) que pretende andar no Planeta a CURTIR À CUSTA DOS OUTROS:
    -->> Exemplo 1: O Parasita Branco ( a MAIORIA dos europeus -> um MONTE DE BANDALHOS ) pretende andar no Planeta a Curtir a abundância de mão-de-obra Servil...... APESAR DE... o Parasita Branco nem sequer constituir uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!
    -->> Exemplo 2: O Parasita Branco ( a MAIORIA dos europeus -> um MONTE DE BANDALHOS ) pretende andar no Planeta a Curtir a existência de alguém que pague as Pensões de Reforma...... APESAR DE... o Parasita Branco nem sequer constituir uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!

    --- NOTA: Como seria 'imoral' serem estrangeiros a pagar as pensões de reforma ao pessoal... o Parasita Branco adoptou um TRUQUE ENGENHOSO: ---> o Parasita Branco alterou a Lei da Nacionalidade... e vai gerindo a atribuição da Nacionalidade aos imigrantes ( e filhos de imigrantes )...
    [ nota: assim sendo, já ninguém pode andar por aí a acusar... que... as pensões de reforma do pessoal... estão a ser pagas por estrangeiros... ]


    --- Já não há pachorra para aturar este MONTE DE BANDALHOS ( vulgo Parasita Branco -> a MAIORIA do europeus ) que pretende andar no Planeta a CURTIR À CUSTA DOS OUTROS......
    --- Reivindica o LEGÍTIMO Direito ao Separatismo!!!
    DIVISÃO--50--50

    ///
    esgoto said...
    era o que faltava agora: racismo de sinal contrario!
    C. Marques Pinto said...
    Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
    C. Marques Pinto said...
    OS FRANCESES E A CULTURA “BOTTOM-UP”

    Em 1789 a França da Revolução e a inteligentsia que a partir dela se formou, vieram querendo impor ao mundo, de cima, a igualdade. Não há igualdade na natureza, como Darwin bem demonstrou, mas antes a luta constante pela adaptação à sobrevivência. O mundo faz-se pois nessa luta, a partir de baixo, na recusa de vanguardas iluminadas, na luta pela diferença, pelo desigual, pela sobrevivência, pelo continuado aumento do saber. Mas, a par disso, a noosfera requer a solidariedade, a integração dessas diferenças, para que os homens posam construir um futuro cada vez mais complexo, mas também mais harmonioso. Mostra-o a TV, possibilita-o a internet. A luta do homem, hoje e nos tempos vindouros, é a luta pela integração do que é diverso, a construção harmoniosa do todo e não a busca da igualdade de per si.

    Nesta justa medida, estão desadequadas as culturas que assentam na realidade e na divindade como coisas reveladas, de fora, como é o caso da França, de grande parte dos países latinos e dos países do norte africano. Atrasarem-se mais ou menos face à evolução do planeta restante, está nas mãos dos seus jovens; o que, nos casos para já conhecidos, parece apontar para um cada vez maior atraso.
    Vida Involuntária said...
    Só faltava o Darwin e as "evidências naturalistas". Bahh!!! Num tempo em que o genoma humano está a caminho da descodificação, se fazem clones e as culturas humanas, estão felizmente a controlar os primitivismos naturais, ainda há quem só leia por cartilhas de darwinismos recessos.
    Devia acabar-se sim com o europa-centrismo, com a oligarquia dos grandes trusts e trastes económicos, cujos números são superiores ao PIB de muitas nações. Ensinar ética e justiça às criancinhas em vez de religiões merdosas, endinheiradas e hipócritas.UTOPIA, não é meus caros?
    Mas aqui há uns sécuilos quem diria que iamos usar telemóvel, tele-comandos, pílulas do dia seguinte, mulheres nas universidades, transfusões de sangue sintético, etc
    VIVA, VUVA A UTOPIA!
    Mais Notas Soltas said...
    A França não cedeu à rua, abaixou-se e agachou-se perante um grupelho de inúteis que querem imitar os papás e mamãs. Quando a fome lhes bater à porta (que os árabes e negros já lhe batem nos crâneos...) hão-de chorar e pedir ajuda aos EUA..

Post a Comment