Uma referência

Independentemente dos juízos de valor que se façam (tendo em conta os dados disponíveis, que serão sempre insuficientes), Rui Costa Pinto tem sido, ao longo do dia de hoje, uma referência para qualquer jornalista. Desde a manhã, tem defendido o seu trabalho, publicado hoje na Visão e agora está na SIC-Notícias num debate com os leitores. Parabéns!

Publicado por Carlos 17:33:00  

9 Comments:

  1. Anónimo said...
    Parece ter qualquer coisinha contra o governo. No blog é só dizer mal. Dor de cotovelo, talvcez e necessidade de protagonismo.
    crítica said...
    Pois é, e necessidade de vender a Visão, que anda com as vendas um bocado por baixo. Ora façam o favor!
    Anónimo said...
    e se ele tiver alguma razão?
    Anónimo said...
    Misérias do jornalismo lusitano (a propósito do caso «Visão»/serviços secretos)

    De facto, qualquer semelhança entre o jornalista Seymour Hersh, do NYTimes e da The New Yorker, e o Sr. Rui Costa Pinto é pura coincidência. Aquele, investiga e denuncia «escândalos» dos serviços secretos, com base em factos - e sobretudo em trabalho. Já o Sr. Pinto, qual «abutre preguiçoso», espera sentado à mesa da redacção por um qualquer telefonema de uma «fonte» despeitada(o) que lhe entregue, travestido de «notícia», um boato que queira «plantar» através de um «idiota útil» que se julga Bob Woodward. Enfim, o velho «estilo Paula Serra» não desapareceu. É agora praticado com mais afinco e menos talento.
    josé said...
    O jornalista Rui Costa Pinto publicou há tempos na revista Visão um artigo sobre uma cooperativa de habitação de magistrados)( e não só) em Cascais.

    Os factos, mesmo verdadeiros, podem ser contados de modo a parecerem outra coisa do que aquilo que são.

    No caso concreto, não cheguei a perceber a intenção.
    Vi nomes expostos, sem interesse algum, a não ser o voyeurismo habitual.
    Vi um nome que me suscitou curiosidade, pela semelhança notória com outro que conheço bem. Ainda hoje não sei qual a intenção na publicação de tal notícia.

    Mas deve haver...só que nãos e adivinha nem se explica.
    É esse o problema do jornalismo tipo 24Horas e esperava que a Visão e o jornalista em causa, tivessem outro profissionalismo e empenho.
    Ainda vão a tempo.
    Anónimo said...
    E confrangedor que ninguém,jornalistas,comentadores,políticos,dirigentes,pareça saber do que fala nem ter consciència da verdadeira delicadeza desses assuntos.
    Desiludido com o ser humano said...
    Em resposta a "Misérias do jornalismo lusitano":
    Nem mais, acertou mesmo na mouche. É de rir à gargalhada a tentativa dessa "referência" de arrepiar caminho depois de ter percebido que estava a fazer de caixa de correio de certas pessoas. Ser porta-voz de ressabiados, ainda por cima mal informados, é considerado jornalismo de investigação em Portugal? Por este andar amanhã voltamos a ter um escândalo à la lista dos espiões do Veiga Simão. E o sentido de Estado meus senhores? Nunca se viu tamanha irresponsabilidade, agora vale tudo para promover os interesses pessoais?
    Anónimo said...
    Ven. Carlos: quando O RCP for uma referência do nosso jornalismo, deixo de comprar jornais...
    Carlos said...
    Qualquer pessoa pode deixar de comprar jornais, seja porque motivo for. Mas, não é comum ver-se um jornalista a dar a cara pelo trabalho que publica. Quando podia perfeitamente esperar até à proxima semana e escrever novamente.

Post a Comment