um apelo

Este domingo o meu voto vai, naturalmente, para Anibal Cavaco Silva. Longe de ser um candidato perfeito, que não os há, mostrou ao longo dos últimos anos ser o menos imperfeito dos políticos portugueses. Mas não é para dizer que vou votar em Cavaco que escrevo este post, é para apelar aqueles que não indo votar em Cavaco, jamais e em tempo ou caso algum, para que não fiquem em casa, e para que votem em... Mário Soares. Não sou daqueles que irresponsavelmente ache que a disputa entre Soares e Alegre é um mero problema interno do Partido Socialista, porque não o é! Com ou seu eleição à primeira volta, e eu admito como muito plausível uma segunda ronda, a pior coisa que podia acontecer à democracia portuguesa era uma nulidade absoluta, simpática mas sem qualquer ideia na cabeça vir a ficar em segundo lugar numas eleições presidenciais. Para pesadelo já bastou o Dr. Lopes. Eu posso não gostar de Soares, não gosto, posso não concordar c0m quase tudo o que diz, e não concordo, posso até achar esta candidatura fora de tempo, acho, mas em Soares há uma lógica, um fio condutor, , para o melhor e para o pior 'política'. Manuel Alegre representa o que de pior pode acontecer numa democracia moderna - por ficarmos descontentes com a política entregarmos a 'alma' ao primeiro demagogo que aparece numa esquina. Podia ter sido de outra forma, mas nesta campanha, sobretudo nos debates, deu para perceber que, no fundo, o poeta não passa de um actor, a representar um papel.

Publicado por Manuel 21:44:00  

17 Comments:

  1. Tonibler said...
    CAvaco é um problema de segunda-feira.

    ALEGRE PRESIDENTE!
    Libório said...
    Caro Manuel quero aqui opinar no seguinte:
    1º Todos os candidatos querem a ilusão do poder que é uma sensação inexplicavel pelos vistos.
    Mario soares serviu Portugal mas serviu-se a ele principalmente em termos de interesses.
    Acho que Manuel Alegre teve a coragem de ir sem aparelhos partidários e isso por si só ,é muito interessante.
    Cavaco silva pela sua personalidade não será um bom presidente,eu conheço-o e ele não é um homen de intervenção,é o que chama-mos um homen muito isolado e que se isola muito.
    Resumindo, venham os outros!!!
    Estou a brincar mas a decisão realmente não é façil.
    Libório said...
    Caro Manuel quero aqui opinar no seguinte:
    1º Todos os candidatos querem a ilusão do poder que é uma sensação inexplicavel pelos vistos.
    Mario soares serviu Portugal mas serviu-se a ele principalmente em termos de interesses.
    Acho que Manuel Alegre teve a coragem de ir sem aparelhos partidários e isso por si só ,é muito interessante.
    Cavaco silva pela sua personalidade não será um bom presidente,eu conheço-o e ele não é um homen de intervenção,é o que chama-mos um homen muito isolado e que se isola muito.
    Resumindo, venham os outros!!!
    Estou a brincar mas a decisão realmente não é façil.
    Bart Simpson said...
    não concordo minimamente. com soares ou cavaco, ficamos na mesma.

    já foram poder, durante muito tempo e numa determinada altura em simultâneo, e onde é que está o tal futuro que prometeram?

    tretas. eu não vou em tretas.
    lapis rabugento said...
    Concordo consigo, sr. manuel.

    Foi um dos seus posts mais esclarecidos que li até hoje nesta Loja, mesmo discordadndo de si algumas vezes.

    O caudilhismo fora de partidos fortes é perigoso.
    O pior que pode haver para uma democracia é haver caudilhos não enquadrados por partidos fortes.
    E se não são enquadrados é porque nenhum partido lhe deu credibilidade... o que já de si é um mau sintoma.

    Pobre povo o que vai no primeiro que aparece, como muitas vezes acontece na América Latina e noutros países politicamente pouco evoluídos.

    Nos países evoluídos os candidatos estão sempre enquadrados por partidos fortes. Um partido forte é o melhor vigilante de um candidato. Se ele fugir ao ideário do seu partido, retira-lhe o apoio. E esse candidato, ou forma novo partido forte, se tiver apoio consistente e um ideário bem definido, ou esvai-se em nada por falta desse apoio e ideário bem definido.

    Já tivemos péssimas experiências em Portugal para termos aprendido a lição. Que nos custou muitos anos de atraso.
    Votar em Manuel Alegre, pessoa com quem até simpatizo, pode custar mais alguns anos de crise a Portugal. Se ele fosse o candidato enquadrado e apoiado pelo seu partido, tudo bem, seria uma garantia de estabilidade política para o país, quer ganhasse ou perdesse a eleição. Assim, concorrendo fora do seu partido e contra o candidato oficial apoiado pelo seu partido, mostra grande falta de coragem para aceitar a disciplina do seu partido, ele que é um alto dirigente do PS e que devia ser o primeiro a dar o exemplo, para exemplo do país. Como pode um candidato como Alegre recomendar disciplina e organização aos portugueses se ele é o exemplo acabado da indisciplina e da desorganização dentro do seu partido, e de que é o único responsável?

    Alegre, com a sua iniciativa unilateral, está a construir um bairro da lata no eleitorado do PS...

    Durante a campanha eleitoral, Alegre pareceu-ne concorrer apenas para se vingar da derrota que sofreu quando concorreu para Secreatário Geral do PS. Alegre quer desforra da sua derrota contra Sócrates. É um mau motivo para ser candidato.

    Vou votar em Cavaco Silva, mas também recomendo ao povo de esquerda, em especial aos eleitores do PS, que não querem Cavaco Silva, que votem em Mário Soares, se não querem uma crise política e governamental de consequências imprevisíveis, precisamente num momento em que Portugal mais precisa de estabilidade política para sair da grave crise económica em que se encontra.
    Isabel Magalhães said...
    Eu também voto no Professor Cavaco Silva.
    antónio larguesa said...
    deve estar a precisar bem que lhe abram os olhos para atribuir a demagogia a Manuel Alegre...
    Cavalo Marinho said...
    Caro Manuel:
    Soares representa a política no estado (e estilo) "puro e duro".
    Todos lhe reconhecem o que fez pela democracia em Portugal e a sua aversão pelos "dossires".
    Mas, já o escrevi no meu blog, estou convencido que a justificação para esta serôdia candidatura se resume à candidatura de Cavaco e ao prazer que lhe daria derrotá-lo.
    Boa reflexão a todos.
    Post Scriptum: Não sei se voto em Cavaco.
    Em Soares não voto de certeza.
    Nino said...
    Como votante de Cavaco, reconheço que a quase certa capitulação de Soares face a Alegre constituirá um sinal de esperança de que existe um espaço público fora dos partidos. Alegre sobeja de integridade, ao contrário de personagens eminentes de partidos afastados somente da ribalta autárquica quando a sua credibilidade ficou entalada na opinião pública. Alegre a vice-presidente...
    Narciso Pesaroso Onofre said...
    dia de reflexão... até em


    http://rprecisionooriginal.blogspot.com/
    DJ Oração said...
    Eu acho que ao votar Soares, está-se a dar a vitória a Cavaco à segunda volta, se houver esta. Quem é o descalabro, Louçã ou a dupla do Senso Comum Alegre&Jerónimo?
    Têm medo do Louçã, mas olhem que o debate entre Louçã e Cavaco, também foi sereno, respeitador. Cavaco queixa-se da falta de actividade mental dos Portugueses (desde as empresas aos particulares), dos políticos profissionais (que não têm outra profissão para sua independência, e claro para o bem dos outros cidadãos)... A única parte em que Louçã e Cavaco discordam é a nível ideológico, um defende que se devem apoiar os agentes dinamizadores da economia, o outro não esconde a sua acção frente à fractura social. Ambos concordam que criar riqueza, não pode ser com a actual cultura empresarial e particular, da xulice do estado, e da xico-espertice super espalhada por este país fora, que a única coisa que sabem fazer, é queixarem-se constantemente dos políticos (porventura só deve haver políticos em Lisboa!!!). Há pessoas capazes, e Cavaco escolhe esses para executar programas, e eu também concordo com isso, e Louçã como pessoa inteligente e culta que é, também não pensa o contrário, estas pessoas são verdadeiramente Patriotas. Todos aqueles que vencem na vida, sem criarem riqueza para a pátria, influenciam negativamente a tão já famigerada crítica aos políticos, e aos patrões. Porque são todos iguais, pura mentira. Quem foi Sousa Franco ou no plano diplomático Aristides Sousa Mendes?
    Se são do PS e querem fazer voto de protesto,não votem numa pessoa que ganhou muitos votos de militantes do PS para as eleições internas (há máquina ou não há???) frente a José Sócrates. Votem fora do partido. Para protestarem contra a irresponsabilidade das obras faraónicas do novo aeroporto e do TGV (obras públicas geralmente é igual a Derrapagens=pagar 2x pelo mesmo=xulice). Se alguém me conseguir explicar de que forma isso gera ou facilita mais as exportações, eu desde já agradeço.
    pedro silva said...
    "o poeta não passa de um actor a representar um papel"...

    Por oposição a cavaco que não representa o papel do homem que não fala, não expressa opiniões, apenas paira acima dos comuns mortais e apenas diz que os portugueses o conhecem?
    DJ Oração said...
    Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
    Spin Doc said...
    Desta vez nem vou comentar...” É esta a posição que a apresentadora Merche Romero assume perante os novos rumores de que mantém uma relação amorosa com o futebolista Cristiano Ronaldo.
    DJ Oração said...
    Cavaco não é a favor das reorganizações. Das ligeirezas. É melhor cortar o mal pela raiz. Mas quando o mal que até se consegue combater (coragem, decisão, força) se faz pela via terceiro-mundista dos trabalhadores (onde está a avaliação? Tratar todos por igual? O mérito?), algo de mal se passa (Só os salários, as horas de trabalho, facilitar despedimento). Se há trabalhadores incompetentes, o patronato tem o dever de os por de lado, e que o estado os apoie a sobreviver. A incompetencia aliada à xico-espertice, impera nas empresas e no estado. A única coisa que de bom tem surgido em Portugal são empresas como a YDreams, Chipidea, MULTIWAVE, entre algumas outras que merecem ser apoiadas, acarinhadas pelo estado e por Todos os Portugueses. Estas empresas não são brincadeiras, como a palhaçada dos apoios do programa PRIME, que esbanjou dinheiro na grande maioria das vezes, em empresariado, que tinha tudo menos novidade, construção civil, talhos, cafés, tretas, enfim o costume. Portugueses, patriotas, temos de suportar as pessoas postas de lado pela sociedade, como a novidade, a aversão ao risco deve ser combatida pelo estado e pelos Portugueses. TODAS MAS TODAS AS PME'S que proponham ideias e modelos de negócio diferentes, devem ser acarinhadas. É aí que hoje se ganha a independência de um país Caso contrário existirão sempre delegados de negócios em Portugal (claro que são Portugueses!!!) que dominarão o estado e a economia.
    Pedro Luna said...
    A minha previsão:
    CS - 53 %
    MA - 19 %
    MS - 13 %
    JS - 6.5 %
    FL - 6.0 %
    GP - 2.5 %

    Abstenção - 34.5 %
    DJ Oração said...
    A minha previsão:
    CS <51 %
    MA - >15 %
    MS - >17 %
    JS - 8 %
    FL - 10.0 %
    GP - 2.5 %

    Abstenção - 30 %

Post a Comment