a táctica e a estratégia

O Rui Costa Pinto chama a atenção para o timing do aumento dos combustíveis, hoje ocorrido, e derivado do aumento do imposto sobre os produtos petrolíferos, previsto no último OE. Implicitamente, Costa Pinto acha que tal timing, 'escolhido' pelo governo, não beneficiará 'o governo, os socialistas e os candidatos que pertencem ao seu universo político' (sic). Recorde-se que Soares, o candidato 'oficial' do PS, hoje apareceu ao lado de oito, oito, ministros, ponto. Por uma vez (ok, duas... aquela de propor Maria José Morgado para PGR também foi fresca...) parece que o filme está a passar todo ao lado do Rui. Em primeiro lugar, convém recordar que grosso modo não houve uma oposição 'dura' e consequente ao último OE, fora das portas desta Loja. O PSD votou contra, é certo, mas logo a seguir apareceram uma série de notáveis alegadamente cavaquistas a defender a abstenção, que fragilizaram qb a posição do PSD. Em segundo lugar, não há, no PSD e no PP, fora as divergências - apontadas como 'pontuais' - na Ota, no TGV e nas SCUTs, uma alternativa política clara, em termos de modelo e de propostas concretas, em especial em matéria económica, que leve o eleitorado, em particular o que votou Sócrates, a querer penalizar o Governo, por hipoteticamente ver em Cavaco um travão a determinado tipo de iniciativas. Em terceiro lugar, se estas propostas beneficiam alguém, beneficiam é Alegre, Jerónimo e Louçã, três personagens que nunca se preocuparam muito em fazer bater o seu discurso, e as suas propostas, com a realidade concreta. Para terminar, uma nota breve sobre os motivos : ao fazer o aumento agora Sócrates conta com o silêncio tácito de quem lhe interessa, ponto. Se este silêncio ensurdecedor, e distópico, que só distancia uma vez mais eleitores e eleitos, a prazo, é bom ou não, face por exemplo às dramáticas declarações do Presidente do Automóvel Clube de Portugal, Carlos barbosa, ao qual só faltou apelar à insurreição civil, é outra história, mas esta gente nunca se preocupou com a estratégia... é só tácticas.

Publicado por Manuel 19:46:00  

2 Comments:

  1. xatoo said...
    Mario Soares continua o mesmo trapaceiro de sempre!

    Acaba marcado por esta prestação, para defender as clientelas do PS,,, prestou-se a um embuste de que até o vulgar homem de rua já se apercebeu.

    Venha então a deriva autoritária cavaquista. Cá estaremos.
    zezepovinho said...
    Este governo já demonstrou várias vezes que não governa para eleições nem é eleitoralista.
    E já demonstrou que é o mais corajoso de todos, ao proceder a reformas profundas, algumas já em marcha e outras anunciadas.
    Este governo e este primeiro ministro são um achado providencial.
    Com uma cadência impressionante de reformas e de investimentos, vai mudar Portugal para décadas.
    Sócrates é de facto um verdadeiro estadista.
    Nunca pensei que fosse o que está a mostrar ser.

Post a Comment