Subsídio à fisiopatologia do prurido provocado pelo anonimato em alguns meta-políticos

«Vê-se que o espaço público falta cruelmente em Portugal. Quando há diálogo, nunca ou raramente ultrapassa as "opiniões" dos dois sujeitos bem personalizados (cara, nome, estatuto social) que se criticam mutuamente através das suas crónicas nos jornais respectivos (ou no mesmo jornal). O "debate" é necessariamente "fulanizado", o que significa que a personalidade social dos interlocutores entra como uma mais-valia de sentido e de verdade no seu discurso. É uma espécie de argumento de autoridade invisível que pesa na discussão: se é X que o diz, com a sua inteligência, a sua cultura, o seu prestígio (de economicista, de sociólogo, de catedrático, etc.), então as suas palavras enchem-se de uma força que não teriam se tivessem sido escritas por um x qualquer, desconhecido de todos. Mais: a condição de legitimação de um discurso é a sua passagem pelo plano do prestígio mediático - que, longe de dissolver o sujeito, o reforça e o enquista numa imagem "em carne e osso", subjectivando-o como o melhor, o mais competente, o que realmente merece estar no palco do mundo.»

GIL, José, "Portugal, Hoje: o Medo de Existir", 2004, Relógio D'Água Editores, pp. 30 e 31

Publicado por Nino 22:02:00  

3 Comments:

  1. zezepovinho said...
    Ora deixemo-nos de tretas limianas que não interessam a ninguém nem sequer ao menino Jesus, e falemos do que é realmente importante:

    Turismo: Sócrates diz que investimentos de 677 M€ são sinal de confiança.

    O primeiro-ministro, José Sócrates, afirmou esta segunda-feira que os empreendimentos do Pinheirinho e da Costa Terra, no concelho de Grândola, que representam um investimento global de 677 milhões euros, constituem um «sinal de confiança na economia e no país».

    Uma fábrica de investimento privado, este governo. Já vai com milhares de milhões em carteira, e isto apenas em nove meses úteis de governo, se descontarmos o primeiro mês para arranjar os gabinetes e mais férias e meses de verão com seca extrema e incêndios colossais.

    Finalmente Portugal tem um Governo a sério, que decide e faz andar tudo para a frente. É o Governo menos burocrático de que há memória em Portugal.

    E o mais interessante é que faz isto tudo com a prata da casa, sem consultorias milionárias dadas aos amigalhaços nem propaganda de bloguistas idiotas como estes limianos. Um achado, este primeiro ministro.

    Que mais querem, seus velhos do restelo que se coçam pelas esquinas da maledicência?
    E olhem que eu não sou socialista nem sequer próximo do PS. Só que penso pela minha cabeça, e não por cartilhas ideológicas nem por histórias passadas mal contadas.

    Vamos para a frente, deixem-se de choradinhos. Os choradinhos são para os jornalistas e bloguistas, para venderem papel e prosápia.

    Levantem-se e sejam portugueses de antes quebrar que torcer, como parece ser este primeiro ministro. Se o Cavaco não atrapalhar e antes ajudar, e não andar a fazer fretes à pesada dos interesses que se comem uns aos outros e por isso mesmo empatam tudo que é para ninguém se ficar a rir (como tem acontecido sempre que o PSD e o PP vão para o poder), tudo bem, venha de lá essa cavacada.:-)
    Blogger said...
    É só descobrir quem é o branco e quem é preto.
    Acabei de ler este comentário que completa o que diz o post:
    http://cocanha.blogspot.com/2006/01/los-de-la-rollona-tragi-comdia-de.html#c113734923245449798
    Olindo Iglesias said...
    Embora esse extracto seja bom, o livro é uma merda indescritível. Há muito tempo que não lia nada tão mau!...

Post a Comment