os desígnios do Senhor são (mesmo) insondáveis



Depois da morte de Arafat, do AVC de Sharon, da vitória do Hamas, e da mais que provável eleição de Netanyahu, só faltava que acontecesse alguma coisa de grave a Daniel Barenboin, o maestro judeu que bateu o pé à proibição de se tocar Wagner em Israel e que criou uma orquestra composta por jovens músicos oriundos deste país e da Palestina, demonstrando que por via de uma linguagem universal como é a música se podem conciliar antagonismos. Definitivamente, Deus não deve querer nada com o Médio Oriente.

Publicado por contra-baixo 11:57:00  

1 Comment:

  1. Pedro M said...
    Talvez o problema deva ser abordado de outra maneira...

    http://wip.warnerbros.com/lookingforcomedy/trailerplay.html?id=lookingforcomedy&type=windows&speed=300000

Post a Comment