todos diferentes, todos iguais

Segundo o Portugal Diário foi criado em Oeiras um grupo de trabalho com o objectivo prático de 'branquear' a imagem do ' tio' Isaltino de Morais a nivel nacional e internacional. Da troupe constam o professor catedrático e presidente do Instituto Nacional de Administração, Luís Valadares Tavares, que a coordenara, os sociais-democratas Luís Todo Bom - que será o vice- coordenador do organismo - e Mira Amaral, os socialistas Maria de Belém Roseira, Vítor Ramalho e José Lamego. O presidente da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), Armindo Monteiro, e o democrata- cristão Telmo Correia contam-se entre os elementos que integram o organismo. António Coutinho, presidente do Instituto Gulbenkian Ciência, o general Tomé Pinto, ex-comandante da GNR e especialista em novas tecnologias, o ex-ministro da Educação David Justino e o sociólogo Nelson Lourenço integram igualmente o Conselho de Reflexão. José Tribolet, do Instituto Nacional de Engenharia de Sistemas e Comunicações, o escultor Francisco Simões, e Britaldo Rodrigues, cabeça-de-lista do movimento "Isaltino, Oeiras Mais à Frente" nas últimas autárquicas completam o organismo, acrescentou à Lusa fonte da autarquia de Oeiras.

Há uns meses, poucos, decorreram as autárquicas. Muitos clamaram contra 'certa' tipologia de candidato, mas já passou. A história é sempre escrita pelos vencedores e a estes todos gostam de se associar. Note-se que é, para o caso, irrelevante saber se Isaltino será alguma vez repreendido pela justiça, porque o problema não é, nem nunca foi, primeiramente judicial mas politico, e por ser antes de tudo político seria preciso (de)marcar as águas. Mas não se separam, porque 'custa', e custa, e depois é sempre mais confortável dizer que a culpa toda é da justiça, que não criminaliza 'aquilo' que as élites da sociedade bem pensante teimam, sistematicamente, em desculpabilizar. Sim, porque para heróis, bastam os outros.

Publicado por Manuel 20:07:00  

4 Comments:

  1. lapis rabugento said...
    A coisa é simples de explicar.

    Alguns pseudo-jornalistas, de conluio com alguns agentes da PJ, inventam crimes, uns para venderem jornais e não serem despedidos, outros para mostrarem serviço ao chefe.

    Depois, como não há crime para investigar ou para condenar, os pseudo-jornalistas e outros ingénuos ficam tristes por não terem nada mais para se entreterem nas conversas de café ou nos blogs.

    Tão simples quanto isto.
    FORMIGA BARGANTE said...
    A coisa é simples de explicar.

    O "lapis rabugento" recebe uns euricos no fim do mês e, entretanto, passa o dia a escrever estes "belos" pedaços de prosa "bem pensante".

    Tão simples quanto isto.

    P.S. Ou então é burro, não recebe os tais euricos e faz tristes figuras.
    Paciência.
    Antonio Balbino Caldeira said...
    Parece que há, por aí, um defensor da pedofilia que, não satisfeito da apologia do horror, ainda é ladrão. Vai daí, falsifica e rouba identidades.

    Foi lá à minha caixa de comentários tentar provocar a cizânia com a Grande Loja, a propósito de um post que colocámos quase à mesma altura, com base na notícia do PortugalDiário.

    Depois veio aqui largar postas de pescada rançosa.

    Não funcionou. Mas valeu para mais um registo de um crime (Ip/data-hora guardado).

    Um abraço para o Manuel e a solidariedade para mais esta saraivada de ataques pedófilos.
    Tonibler said...
    Branquear??? Porquê branquear?? Estou enganado ou o Isaltino venceu de facto as eleições? Pois, é, caro Manuel, estas coisas da democracia pluralista continuam a fazer-lhe uma grande confusão...

Post a Comment