sem comentários

TAP e Varig: negócios da China

O grupo Docas, do empresário Nelson Tanure, apresentou uma oferta de compra pelo controle da Varig, que está em recuperação judicial. Com entrada de Tanure, a TAP deverá desistir da compra da VarigLog e VEM já que o negócio só lhe seria vantajoso se participasse da segunda fase do processo de recuperação, ou seja, se adquirisse o controle da Varig. Para manter o negócio, a transportadora portuguesa, que tem preferência, precisa cobrir a oferta do grupo de Docas, que chega a 130 milhões de dólares. Se não o fizer, a TAP terá direito a uma indemnização de 12.500 milhões de dólares. Os executivos da Varig querem derrubar o pagamento dessa multa, já que a transacção durou menos de um mês e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) financiou 2/3 da operação. Ou seja, a proposta inicial da TAP feita há um mês pela VarigLog e pela VEM (na qual, recorde-se, a companhia portuguesa dispenderia directamente apenas 3,1 milhões de dólares), poderá constituír um verdadeiro negócio da China para a empresa, ou não estivesse Stanley Ho a puxar os cordelinhos.

Publicado por Manuel 22:58:00  

1 Comment:

  1. lapis rabugento said...
    Ninguém entende esse negócio, consegue ser mais intrincado do que o da Galp.

Post a Comment