Dia da restauração





Poder-se-ia comemorar hoje o dia do vestuário, da hotelaria ou da banca, mas optou-se por conservar o termo tradicional, a fim de não ferir susceptiblidades.

Publicado por Nino 19:17:00  

5 Comments:

  1. Pedro M said...
    http://arraiamiuda.blogspot.com/

    "Morra a Espanha e Viva El Rei D. João IV, foram as primeiras palavras que se ouviram nas ruas de Lisboa, quando foi conhecido pela população o levantamento que acabou com a monarquia dos Habsburgos espanhóis.

    Trezentos e sessenta e cinco anos. Tantos quantos dias tem um ano, são os anos que passam hoje, da revolução que retirou do poder a dinastia austriaca/castelhana, que ocupava o trono do Reino de Portugal desde 1580.

    1 de Dezembro, é uma data para recordar. Recordar pela revolução em si - naturalmente - pelas pessoas que de forma determinada se dispuseram a acabar com o anacronismo do dominio castelhano sobre Portugal, mas também para pensar.

    Pensar nas causas e nas razões, que sessenta anos antes estiveram na origem do fim da dinastia de Aviz, e da sua substituição por uma dinastia estrangeira, que a continuar no poder colocaria em causa a própria existência de Portugal como país, com a sua autonomia, a sua cultura, e a sua lingua próprias.

    Que ninguém duvide, e que n~
    ao haja dúvidas. A continuação da dinastía dos Habsburgos espanhóis, acabaria por liquidar Portugal e as suas características próprias, das quais os portugueses se orgulham, mesmo sabendo, que não são tão ricos ou tão "finos" quanto outros povos da Europa.

    Não esqueçamos 1580, quando o país se encontrava deprimido, doente, desorientado. O país não tinha rumo, e as elites agiram de forma indigna, e imoral. Venderam Portugal, e prostituiram-se por 30 dinheiros, numa situação que em muito nos recorda o que hoje ocorre.

    Sessenta anos depois, foram essas mesmas elites, que finalmente entendendo o seu erro, percebendo o que as esperava nas mãos de um estado centralizado, que decidem mudar de campo e voltar a implantar uma monarquia com um rei português.

    As elites que venderam o país, e depois deram um golpe para o libertar. Venderam a honra para evitar a guerra, e para beneficio próprio. Ficaram sem honara, e acabaram por ter a guerra na mesma.

    Mas o povo, esse, teve que amargar os sessenta anos de opressão (a que os nobres escaparam), e ainda mais vinte e oito anos de uma guerra longa e sangrenta, contra um país que embora enfraquecido, continuava a ser muito mais poderoso que Portugal.

    Acaba sempre por ser o povo a pagar os erros catastróficos das elites, quando elas esquecem a sua condição de elites de uma nação, e a sua capacidade para definir rumos, para se transformarem em meros espectadores.

    Hoje como ontem, há sombras no horizonte, e essas sombras falam castelhano. Como no passado cantam como as sereias da mitologia. O seu cantar é apetecível, parece bom e sensual, mas oculta no meio das suas estrofes melosas um abismo tenebroso, onde caem todos os marinheiros que não sabem aprender as lições da História.

    Lembremos que as elítes, quando deviam guiar o país, o desgovernaram e o entregaram aos estrangeiros.
    E lembremos todos aqueles que morreram durante os 28 anos de guerra que se seguiram a 1640.
    É acima de tudo a esses que devemos o nosso direito de falar a nossa lingua, sem ter que pedir desculpa por sermos portugueses."
    OLima said...
    Pelos vistos o dia terá sido patrocinado por laboratórios e farmácias :)
    António Viriato said...
    Infelizmente o hábito de brincar com coisas sérias, o tom jocoso com que muitos tratam a efeméride, que hoje se assinala, é sintoma do grande definhamento que a consciência nacional sofreu nestes últimos decénios. A que porto nos levará este espírito leve e despreocupado, indiferente ante o seu rico passado histórico, que se instalou na mentalidade dos portugueses de hoje ? Que outro povo, na Europa ou noutro continente, manifesta tanta inconsciência ou tanta indiferença pelos temas da sua soberania ? Pensai nisto, antes de entrardes em certo tipo de brincadeiras ...
    Engenheiro Bertinho said...
    a "restauração" a q te referes eu comemoro todos os dias :)

    ...quanto a brincar com coisas serias, nao vejo qual o problema... continua a brincar q fazes bem :)


    http://penso-logo-resisto.blogspot.com/
    Pedro M said...
    "...quanto a brincar com coisas serias, nao vejo qual o problema... continua a brincar q fazes bem :)"

    Não se brinca com os moribundos!

Post a Comment