'Bilhete de Identidade' - Maria Filomena Mónica
'Morangos com Açucar' - versão para intelectuais

Se fosse uma obra de ficção o 'Bilhete de Identidade' de Maria Filomena Mónica estaria às portas de ser uma autêntica obra-prima. Se. Não é. Falta-lhe em distanciamento, o que sobra em presunção.

É porém um retrato fiel das (auto-proclamadas) 'élites' que ululam, nos dias de hoje, neste país, e é um dos melhores retratos sobre a vacuídade. É uma obra amoral e egocêntrica que retrata um percurso errático, desde um berço dourado, até à idade adulta, de uma menina 'bem', que estava 'predestinada' a estar no topo, 'à sua maneira'.

Durante todo o livro percebe-se que as regras dela, não são as nossas, reles plebeus, como se percebe que a 'lógica' dela não se aplica a nós e vice-versa. Filomena Mónica vê-se, à distância, como parte de uma casta superior, com direitos e deveres diferentes dos demais. É uma obra escrita, na primeira pessoa, por alguém absolutamente incapaz de ter sentimentos mais profundos que não os da satisfação do seu próprio interesse. É uma obra sobre a fachada, a aparência e a traição. Filomena Mónica, involuntariamente, espelha uma certa crise de valores, onde a única coisa que resta, e tida como certa, é, em bom rigor, o status social, custe o que custar.

Mas o livro é muito mais que o retrato mais ou menos fiel da deriva da autora por este mundo, é também o retrato do, 'pequeno', 'mundo' da autora... de famílias 'bem', que se conhecem umas às outras, que casam umas com as outras e que (julgam? que) 'mandam' em Portugal. A 'élite', uma 'aristocracia'. É também o retrato das duas últimas gerações, o qual abarca praticamente toda uma certa burguesia - lisboeta - que não se rebelou contra o Estado Novo, aderindo ao PC, antes 'esperando'. Da deriva à 'esquerda', primeiro, da 'distribuição' pelos diferentes 'partidos' depois, e da deriva (neo)'liberal', por estes tempos. É o retrato das certezas absolutas, dos devaneios absolutos, dos direitos absolutos, da arrogância absoluta, o retrato dos que nasceram 'bem', e dos que, de 'fora', tudo fizeram para se 'integrar'.

Um destes dias Vasco Pulido Valente (que a par de António Barreto é das duas únicas pessoas - referenciadas na obra - que me merecem solidariedade e compreensão, até mesmo pena) queixava-se, a propósito das presidenciais, acidamente do fim de um mundo, do fim de uma certa 'aristocracia' (que Soares representaria). É esse o 'mundo' que Filomena Mónica retrata. Um mundo onde o que conta é uma hipotética 'cultura', a par da mais cruel, e frívola, das desumanidades.

Uns
são, ou continuam, de esquerda, Sampaio esteve no lançamento, outros de quem der mais, outros, ainda, dizem-se de direita, como a nova coqueluche da direita-grunge, Rui Ramos, uma absoluta nulidade com direito a citação no prefácio, mas a praxis é sempre a mesma - a absoluta arrogância, a absoluta altivez, as absolutas certezas, e 'clichés', de quem se julga mais que os outros, o absoluto determinismo. Mais 'democrata', mais 'culto', mais 'humanista', mais 'relacionado', mais 'tudo'.

Sobre o precedente aberto por Filomena Mónica de escaqueirar no prelo a sua vida intíma, citando sem pudores terceiros, muitos ainda vivos, não vou perder tempo. Isso é lá com eles, mas não venham é depois esses mesmos a propósito de outros temas berrar contra a devassa da vida privada...

Literariamente continuo a preferir Ian McEwan, mas vale a pena ler o livro, auto-retrato da autora pretensamente 'à inglesa', mas com toques de um absoluto calvinismo, uma espécie de 'Morangos com açúcar' para intelectuais de pacotilha, escrito com o tradicional, e provinciano, complexozinho de ser 'português'. É que é mesmo um retrato.

Publicado por Manuel 19:41:00  

20 Comments:

  1. Luis M. Jorge said...
    O seu texto é arguto, sentido e bem escrito. Tirando a palavra "berrar" e "complexozinho", que talvez pudesse substituir por algo mais interessante, não lhe tirava nada.
    Pedro M said...
    "(...)não sabes que és apenas mulher(...)"

    Marco Paulo (o das canções)
    Illdependent said...
    Era uma excepcional cronista no Público e por vezes no suplemento Mil Folhas.
    Não tem aparecido ultimamente.
    Vou comprar o livro, com algum sacrifício monetário, e lê-lo com grande avidez.

    Afinal se todos gostassemos do amarelo o que seria do azul.
    aNtonio said...
    « What... is your favourite colour?
    GALAHAD: Blue. No, yel-- »

    :)
    nao li nem lerei tao cedo mas deverá serr o livro do ano em Pt. Na blogoesfera é! E pelo que vejo aparenta-se com a autora, gera reacções apaixonadas, nao parece deixar ninguem indiferente.

    (e se me permite, bela prosa Manuel.)

    homemDASneves
    zazie said...
    hummm... não vou comentar porque não li nem sei grande coisa sobre ela. Mas fartei-me de rir com a nulidade do Rui Ramos representante da direita grunge. Esta sim, foi na mosca e é de antologia ":O)))
    Pedro Nogueira said...
    Até que enfim alguém capaz de ir contra a maré da lambebotice auto-instituída na blogosfera dos ultimos dias. Fresco e bem escrito, tal como o também brilhante texto de João Pedro George no blogue Esplanar. Dois posts para respirar ar puro e abrir a janela, que de unanimismos bacocos e acríticos isto já se estava a tornar irrespirável.
    Olindo Iglesias said...
    Post brilhante. Já há muito que não lia algo tão bom. Fiquei com imensa curiosidade em ler o livro.

    Quanto à autora e sobre as crónicas que escrevia/e no Público posso apenas dizer que me ficou na memória uma que escreveu sobre o Alentejo. Foi uma ode à estupidez.
    Khibli said...
    Exactamente: "Post brilhante. Já há muito que não lia algo tão bom."

    Não fiquei foi com curiosidade nenhuma em ler o livro...pelo contrário.
    josé said...
    k:


    Como ando a ler o livro,ontem li algumas páginas.
    Tenho que dizer que gosto do que vou lendo e não costumo ler tudo o que me aparece.
    O livro, à partida, corresponde de algum modo ao que esperava. Mas temo que não cumpra a promessa que depositei ao comprar: ler algo que me elucidasse um pouco mais acerca dos meandros sociais dos anos sessenta e início dos setenta, de uma certa intelectualidade lusa.
    Tirando os aspectos intimistas e pessoalíssimos da autora como sejam a descoberta que fez, já nos anos recentes de que a mãe fora registada como... filha de mãe incógnita, por motivos que a autora se põe depois a especular, sem grande interesse a não ser, talvez, para ela própria e para os seus, tirando isso, como dizia, deveria sobrar uma análise menos perfunctória e mais interessante do meio social em que se moveu.
    Veremos se tal se confirma, sendo certo que pelas críticas que vou lendo, nos blogs( particularmente no Esplanar), tal pode muito bem não se confirmar.
    Logo se vê.
    eugenio said...
    Quem te dera a ti ter a "pinta" da Filó!
    Passarinha said...
    eu conheço a filha da Mena, eu conheço! até é jornalista!
    Maria said...
    Ó Manuel...Que parvoíce de crítica! Resumir assim deste modo negativo e míope esta obra só demonstra má fé, e um complexada inveja.
    O livro é interessantíssimo sobretudo como crónica de alguns meios (bem diversos) da sociedade portuguesa.
    maria said...
    Até aconselho a ler esta crítica para ter consciência do que lhe passou completamente ao lado.
    Pedro said...
    Comecei à pouco a ler o livro em causa. Não conhecia a autora (e continuo a não conhecer), mas sabia ser uma personagem polémica, embora não soubesse as razões.

    O livro, que só lê quem quer ( pelos comentários parece existir pessoas obrigadas), é um interessante relato de uma parte da sociedade portuguesa, numa determinada época. E como retrato, está sxempre sujeito às opiniões dos habitantes de um pais de treinadores de bancada. O que se lamenta, é não existirem opiniões que não sejam facciosas. São, antes, e sempre, sectaristas.

    Neste caso vejo que a maioria, por não pertencer às classes sociais visadas, optou pela critica pela negativa. E quando se critica pela negativa, nada de bom se vê no objecto da critica.

    Para legitimar estas criticas, as mesmas deveriam ter em conta os aspectos positivos, se assim podemos chamar, que qualquer classe social possui.

    Mas não interessa, claro. Á imensa classe média, não interessa o parágrafo em que a autora justifica a sua aceitação na "Parada" pelo facto dos filhos das familias ricas e aristocráticas que a componham, terem uma educação austera, onde não havia excesso de dinheiro, nem roupas de marca, nem esbanjamento. Obviamente este parágrafo, não interessa, a uma classe média que se passeia nas suas camisas Saccoor, que dá aos filhos playstations, mp3, etc etc, que vai passar férias ao Brasil, que anda de BMW pago a 72 meses....
    nini said...
    Só há pouco tempo li o livro e de facto é o retrato de uma sociedade queiroziana. A tal srª Filomena Mónica devia ter vergonha de mostrar tanta mediocridade e é bastante interessante constatar que os ditos intelectuais de esquerda que lutavam contra o fascismo, viviam à custa dos subsídios da ditadura.CONCORDO INTEIRAMENTE COM O TEXTO publicado pelo sr. Manuel
    Joana said...
    Meu caro,

    Este livro demonstra ser uma obra auto-biográfica, não um documento histórico. Como tal, é normal que a autora fale da classe a que pertenceu e não a outra qualquer. São claras algumas dificuldades que esta passou – e penso que se Maria Filomena Mónica estivesse tão preocupada com o status social não revelaria com tanta facilidade "os podres" da classe social, e também da própria família às quais pertencia.

    Amigo, deixe-me que lhe diga, cada pessoa tem um lugar nesta vida (nem todos somos ricos, nem todos somos pobres) e o senhor parece não ter qualquer tipo de sentimento tolerante relativamente aos outros. Se há quem tenha preconceitos no que diz respeito às classes mais desfavorecidas, também há quem os tenha relativamente aos mais endinheirados – uma pessoa pobre não é sinónimo de uma pessoa sem princípios, mas alguém que poderá viver acima da média também não terá de ser necessariamente rotulado como fútil. E neste sentido, Mª F. Mónica merece um aplauso da nossa parte!
    ana said...
    eu gostei muito de ler o livro, acho a FM uma mulher de coragem, com defeitos, como todos, mas com mts qualidades. Admiro pessoas que como ela sabendo de antemão as criticas desagradáveis que vão ter, avançam e fazem aquilo que acham que devem fazer... Não se pode agradar a toda a gente (felizmente)
    zonafinal said...
    O Netmax permite o envio de SMS para vários pontos do mundo e com informação de relatório! Mas o melhor é que é gratuito!

    http://www.zonafinal.com/netmax
    alex said...
    Folheei, há dias, no Pingo Doce de Setúbal, o livro de que fala e ao fazer a pesquisa do mesmo encontrei o seu comentário.`
    Na página 47, na qual a senhora faz o elogio da estúpida criada que, depois de morta, se descobre que fazia parte da família, encontrei a seguinte frase: "Fomos nós, os «seus» meninos, a levantar-se.
    Não me parece que alguma vez eu fosse ler esta coisa, mas após o seu comentário...nem pensar!
    Um abraço
    Abel
    The girl said...
    Deves ter problemas mentais sérios. E ao ler este texto tive tanta pena tua! Coitado! Escreves como reles que és!

Post a Comment