um manifesto

É verdade, ninguém vai votar neste ou naquele candidato presidencial, por causa do seu manifesto eleitoral. Dito isto, o Manifesto Eleitoral de Cavaco Silva, que podia muito bem ser assinado por Alegre ou Soares, enferma de um vício substantivo grave. Vamos por partes, Cavaco Silva, depois de ter abandonado a chefia do governo, chegou onde chegou, quer nas sondagens, quer na imagem que dele tem os portugueses, não por ser politicamente correcto, ou um a espécie de guardião do regime, mas porque os portugueses se habituaram a ver nele alguém que falando pouco, quando falava, falava de questões importantes, sem paninhos quentes e independentemente destas agradarem ou não ao 'sistema'. É essa a imagem que os portugueses tem mais presente de Cavaco, alguém que, estando na política, não se rege pela lógica rasteira desta, e se limita a ser igual a sí próprio. É pois algo penoso ver agora Cavaco pintado como o maior gardião dos lugares comuns do regime, 'embrulhado' até como mais soarista, na acepção delicodoce da palavra, que o próprio Dr. Soares. No seu manifesto Cavaco só tinha que dizer que respeitava a natureza semi-presidencial do regime mas, que, quanto ao resto, esta precisava de ser aperfeiçoada, comprometendo-se, uma vez eleito, a não só não inviabilizar o debate necessário como a impulsioná-lo, sobre a reforma do sistema politico, a reforma administrativa, etc, à semelhança do que defendeu aliás Gomes Canotilho há 2 semanas atrás. Cavaco não precisava, nem havia necessidade, de aparecer, à imagem e semelhança de Soares, como guardião de todos os axiomas do regime, inclusivé dos mais obtusos. As luminárias, especialistas em 'comunicação', que convenceram Cavaco de que é 'assim' que ele chega a Belém, prestaram-lhe um péssimo serviço. Porque, é antes 'assim' que se dá espaço a Soares, e seus acólitos, quando estes dizem que Cavaco é politico... como 'eles', até usa as mesmas 'agências de comunicação' que 'eles' (a LPM que fez a campanha de Sócrates), com toda a carga que isso implica. A mais valia de Cavaco é nunca, no melhor e no pior, ter sido igual aos outros, pelo que se estranha que o queiram apresentar agora como uma espécie de primeiro entre iguais. A sorte de Cavaco é mesmo os portugueses conhecerem-no.

Publicado por Manuel 18:35:00  

3 Comments:

  1. pisca-pisca said...
    OS PORTUGUESES CONHECEM (MUITO BEM) CAVACO

    Quando Maria de Lurdes Pintasilgo foi primeira ministra de um governo da iniciativa de Ramalho Eanes, antes de sair do seu posto resolveu aumentar as pensões sociais de certas camadas de pensionistas. Foi um aumento considerável.

    Sá Carneiro, na altura a preparar a AD, criticou fortemente esse aumento. A AD ganhou a seguir as eleições e foi para o governo, com Cavaco Silva em ministro das Finanças. Não tardou muito e fez novo aumento dessas pensões, o que fez com que num só ano essas pensões tivessem aumentado cerca de 45%. Começou aqui o descalabro despesista do Estado.

    Mas, como o preço do petróleo entretanto tinha subido muito, de 12$/barril, para perto de 40$/barril, e como Sá Carneiro faleceu no acidente de Camarate, e era depois Pinto Balsemão o primeiro ministro, Cavaco Silva, prevendo mau tempo no canal para a economia mundial e portuguesa abandonou o barco da AD e recusou ser ministro do governo de Balsemão. Este ficou amuado e com o tempo se veria que nunca lhe perdoou este abandono do barco em pleno naufrágio.

    A AD, esfrangalhada por lutas intestinas e pela crise económica que levou o país à beira da bancarrota, acaba por perder as eleições em 1983 e dá lugar a um governo de salvação nacional presidido por Mário Soares, com Mota Pinto em vice-primeio ministro. Foi o governo do bloco central.

    Mário Soares teve de recorrer ao FMI para resolver a situação, com a ajuda do seu ministro das Finanças, Hernani Lopes. Em 1985 as contas públicas estavam recuperadas e o caso deu brado nos meios financeiros internacionais. Portugal passou a ser um exemplo de bom aluno do FMI.

    Mas esta recuperação das finanças públicas custou popularidade a Mário Soares e ao PS, que na altura fez outra grande reforma, a do arrendamento, matéria tabú para os governos anteriores. E o PSD, com Cavaco Silva, sobe ao poder.

    Iniciava-se na altura a recuperação da economia mundial depois do choque do petróleo de 1980/81, com a descida forte do preço do petróleo. Cavaco Silva, bem infomado sobre os ciclos económicos, viu que teria um período de vacas gordas para fazer figuraço, até porque Portugal se preparava para entrar na CEE e iria receber chorudos fundos comunitários.

    Cavaco Silva passou então a governar com três Orçamentos, o geral do Estado, o dos fundos comunitários e o das privatizações da banca, seguros, etc.

    Foi um fartar vilanagem, dinheiro a rodos para distribuir pela clientela, incluindo centenas de milhares de funcionários públicos. O despesismo estatal no seu melhor! Fez obras, sim senhor, incluindo o CCB, que era para custar 6 milhões de contos e custou 40 milhões, segundo se disse na época. O rigor cavaquista no seu melhor!

    Anos depois vem a guerra do Golfo, com implicações económicas fortes a nível internacional, e Cavaco Silva, prevendo período de vacas magras e já com ele em andamento, resolveu abandonar o barco e parar de governar e entregou o testemunho ao seu ex-ministro Nogueira. Este perdeu as eleições para Guterres e em 1996 iniciava-se a recuperação da economia mundial. Foi um bom período para Guterres, que continuou o despesismo de Cavaco Silva, já que este último tinha deixado o campo minado por sistemas automáticos de aumento da despesa pública, o MONSTRO cavaquista de que viria a falar Miguel Cadilhe, além de milhares de contratados a recibos verdes no aparelho do Estado, que Guterres teve de integrar nos quadros do Estado para não ter de mandar para a rua gente que há anos não fazia outra coisa senão trabalhar para e dentro do aparelho de Estado.

    Foi este o percurso do despesista Cavaco Silva, o que como ministro das finanças da AD aumentou num ano, pela segunda vez, milhares de pensionistas, e o que, como primeiro ministro, aumentou a despesa pública de tal ordem que os défices públicos da sua governação, se limpos das receitas extraordinárias, subiram tanto (chegou a 9% do PIB) que o actual défice das contas públicas é apenas mais um no oceano despesista inventado por Cavaco Silva nos longínquos tempos da AD e continuado nos tempos em que foi primeiro ministro, depois da recuperação heroica dos tempos de Mário Soares e Hernani Lopes, nos anos 1983-85.

    É neste despesista disfarçado de rigor que devemos votar para PR? Desculpem, se quiserem propor Hernani Lopes para PR, podem contar com o meu voto. Mas como ele não aparece a candidatar-se a PR, vou votar em quem o ajudou a salvar Portugal da bancarrota provocada pela AD de Cavaco Silva. E esse alguém é Mário Soares.

    Estes os factos. E eu voto em factos, não em mitos e miragens. Mário Soares tem um brilhante CV em controlo da despesa pública (governos de 1977/78 e 1983-85). Cavaco Silva tem um brilhante CV no descalabro das contas públicas.

    Qualquer economista, se intelectualmente honesto e conhecer um pouco da nossa História recente, rejeita liminarmente este embuste chamado Cavaco Silva. Se ele for presidente da República, como pode ele pregar moralidade económico-financeira quando ele foi e é ainda o pai do MONSTRO? Monstro que agora Sócrates se esforça por abater com as reformas profundas que está a fazer.

    Para os mais novos aqui fica a radiografia do embuste chamado Cavaco Silva.
    pisca-pisca said...
    TODOS O CONHECEM

    São evidentes as vantagens para Portugal do candidato Mário Soares sobre um candidato apoiado pelo PSD e CDS. Senão vejamos:

    a) Muito maior experiência de Mario Soares, em especial na cena internacional. Se for preciso abrir uma porta em qualquer lado em favor de Portugal, o peso de Soares é muito maior do que o de Cavaco Silva. Mesmo na direita europeia, pesa mais Soares do que Cavaco.

    b) Soares tem experiência interna em matéria de crises e de como as ultrapassar. Foi em dois govermos presididos por ele, em 1977/78 e em 1983/85, que o FMI ajudou Portugal a ultrapassar duas graves crises financeiras do país. Cavaco, ao contrário, foi o perdulário nos anos dos seus governos que conduziu o país para o buraco em que estamos. Soares equilibrou as finanças públicas (com a ajuda de Vítor Constâncio, primeiro, e Hernani Lopes, depois), Cavaco desequilibrou-as, por não conseguir conter o apetite dos seus companheiros de partido. Os défices reais (sem receitas extraordinárias) dos anos da governação de Cavaco Silva são pavorosos e alguns foram superiores aos de hoje, herdados da péssima governação de Durão Barroso e de Santana Lopes.

    c) Muitos apoiantes de Cavaco Silva julgam que se ele for eleito poderá encetar reformas do nosso sistema político e administrativo. Nada mais ilusório, pois quem tem poderes para tal, nos termos Constitucionais, é a Assembleia da República e o Governo e partido(s) que o apoia. Ora, o governo actual é do PS, que tem apoio maioritário na AR. Portanto, se o governo quiser encetar reformas profundas, como já está a fazer, terá em Mário Soares um interlocutor mais compreensivo do que em Cavaco Silva, pois este pertence a uma família política diferente da do executivo e que nunca esteve para aí virada.

    d) O actual governo está a levar a cabo um conjunto de reformas de fundo importantes. Se Cavaco Silva for eleito, por pressão de lobies ligados aos partidos que o apoiam, poderá tender a ceder a essas pressões, acabando por boicotar a acção do governo e da maioria da Assemblea da República. Cavaco Silva, em vez de ser a solução, seria parte do problema. E não se diga que Cavaco Silva não é pessoa para se deixar pressionar porque o seu passado deixa antever isso mesmo. Não se deixará pressionar pela oposição nem por comentaristas agressivos, mas é-o pelos seus apaniguados mais espertos, como demonstra o lixo todo de corrupção que se desenvolveu ao longo dos seus mandatos como primeiro ministro, precisamente envolvendo altas figuras do seu partido. Alguém se esquece do que foi o Fundo Social Europeu, entregue a figuras gradas do PSD estrategicamente colocadas em certas empresas e organismos do Estado? Fez na altura Cavaco Silva alguma coisa para evitar essa corrupção? Soares sim, deu provas de combater a corrupção, tendo criado um Alto Comissariado contra a corrupção quando foi primeiro ministro pela primeira vez, chefiado por Costa Brás, o qual teve uma acção importante no combate à corrupção.

    e) Cavaco Silva é um candidato que divide os portugueses, ao contrário do que querem fazer crer alguns dos seus apoiantes. Cavaco nunca terá boa imagem dentro do mundo do trabalho. Carvalho da Silva e Proença, os dois líderes mais representaivos das duas confederações sindicais estiveram presentes na apresentação da candidatura de Soares. Isto diz muito da simpatia que Soares goza no mundo do trabalho. E Cavaco Silva? Ora, estando o governo a proceder a reformas profundas, algumas manifestamente impopulares para certos sectores da população, na presidência da república quere-se alguém que tenha uma base social de apoio forte no mundo do trabalho. Neste contexto, é evidente que Soares e Sócrates congregam em ambos essa maior base social de apoio, o que tornará muito mais fácil fazer as reformas de que o país precisa. Por estas razões principais, as classes médias e uma certa tecnocracia do país, se forem inteligentes, votam em Mário Soares. Não que Cavaco Silva não seja de per si um homem inteligente e íntegro, mas está rodeado de sanguessugas corporativas que se degladiam entre elas para ver quem apanha o melhor bocado. Soares pode ter atrás de si poetas, pintores, artistas, escritores, gente de letras e de ciência que mal conhece a tabuada das finanças e da economia. Embora também tenha com ele ilustres economistas e gestores. Cavaco Silva tem à sua volta duas classes de gente: os revanchistas de antigamente e as sanguessugas insaciáveis. Na sua corte, pouco sobra para gente de bem. O resto, ou são eleitores indiferenciados ou gente que sonha com outro país que nunca existiu nem jamais existirá. Soares é o realismo político. Já deu provas disso como presidente da república e como combatente contra o descalabro das finanças públicas. Cavaco é um mito, que falhou mais rotundamente exactamente onde alguns julgam que ele é mais fiável - nas finanças públicas. E não sou eu que o digo, foi o ex-ministro de Cavaco Silva, Miguel Cadilhe.

    f) Finalmente, o posicionamento de Soares e Cavaco perante o combate ao terrorismo e o mundo islâmico. Cavaco Silva apadrinhou Durão Barroso – era o seu delfim - , que por sua vez apadrinhou Georg Bush e Blair na desastrada invasão e ocupação do Iraque. Em questões de guerra, um líder não se pode enganar de inimigo nem de estratégia. Soares não se enganou, bem antes da invasão do Iraque já ele dizia que seria um erro trágico, não só para os Estados Unidos, como para todo o ocidente. Cavaco ficou calado, que o mesmo é dizer que concordou com Durão Barroso e com a opção política e militar de Bush e de Blair. O tempo deu completa razão a Soares e descredibilizou por completo Barroso e Cavaco Silva. Erros deste calibre podem sair muito caros a Portugal, como foram os atentados em Madrid e Londres e muitos outros evitados in extremis em vários países europeus.

    A idade avançada de Soares e a sua larga experiência internacional não são um problema. Ao contrário, são uma componente preciosa da chave da solução. Que os portugueses não devem desperdiçar.
    PM said...
    Discordo em parte da análise deste post. E apoio Cavaco Silva porque na actual situação económica, num país carente de reformas profundas é a única individualidade com peso político de ser alavanca reformadora do Governo, travão de despesismos inúteis, conselheiro nas medidas duras. Cooperante estratégico do Executivo. Interventivo, contudo, na definição de uma "banda de flutuação" de políticas que caberá ao Governo decidir e implementar, na certeza que a saída para fora desse espaço encontrará, nas competências constitucionais do PR, importante travão. Por isso o seu Manifesto, polémico, não sendo um programa de Governo, define, em parte, os limites ideológicos concedidos. Pode ter "aparência" mais, algum "establishment" em demasia, mas a verdade é que sem cartas na manga, Cavaco disse ao que veio e porque veio. E ninguém poderá dizer depois que não sabia. Ainda bem.

    Pedro Martins
    www.mudar-de-vida.blogspot.com

Post a Comment