melhor é impossível

João,

Num plano meramente prático, o tom e o teor da decisão anunciada hoje por Manuel Alegre são óptimas notícias para Cavaco Silva. Do filme Soares sai não só indelevelmente manchado (a recandidatura de Mário Soares “não é saudável para a República” afirmou Alegre...) como uma certa margem de eleitorado descontente, romântico mas com o coração à esquerda, acabará, desencantado, ou por ficar em casa, ou por se virar para a candidatura do BE, impelindo-a porventura, se a derrota de Soares se tornar antecipadamente excessivamente óbvia, a ir até ao fim [ou, mais improvável, a BE e PCP abdicarem em favor de uma candidatura de Alegre, que representaria a esquerda pura, face à manifesta impotência de Soares], e até, alguns, por se virarem para um Cavaco, convenientemente distanciado do PSD. Quanto a Sócrates ainda tem que ficar grato por Alegre não lhe rachar o PS... por agora.

Publicado por Manuel 20:53:00  

17 Comments:

  1. Anónimo said...
    Está a ver a coisa ao contrário. Com a desistência de Manuel Alegre a candidatura de Mários Soares vai congregar toda a esquerda e direita moderada à volta dele, na primeira ou na segunda volta. Por isso foi uma má notícia para Cavaco Silva, que deve ter rezado para que Alegre avançasse.
    CR said...
    Caro anonimous,

    Alegre tendo criticado Cavaco por um suposto défice cultural, o grosso das suas profundas e contundentes críticas foram dirigidas a Mário Soares e ao PS. Acusou Soares e o PS de métodos e pressupostos com um claro défice republicano e de ética. Apresentou inúmeros argumentos, claros e objectivos, que demonstram o défice de lógica e de vantagens, numa candidatura de Soares para Portugal, para a república, para a democracia e para a sociedade.

    Depois de tudo isto Alegre conclui que mais importante do que revitalizar a sociedade, a república, a cultura verde-rubra, a língua de Camões, o sistema político, e sei lá mais o quê (tudo argumentos utilizados pelo poeta na sua intervenção), importa não ser o responsável por dividir a esquerda e o seu partido!?!?!?!?!?!?!?!?

    Pois é, para a “esquerda” que temos tudo serve para impedir a “direita” de chegar ao poder, seja ele qual for. A esquerda, para si própria, é mais importante que a república, é mais importante que Portugal. Ou optamos por eles ou em alternativa pelo bicho papão (ou o boogey man, se estivermos a falar do George W.).

    Por tudo isto aposto todo o € que tenho nos meus bolsos em como hoje a candidatura de Cavaco Silva subiu uns pontos nas sondagens.

    Ao menos isso.
    Anónimo said...
    CR eu não estou a defender Mário Soares, apenas digo que foi má notícia para Cavaco Silva a desistência de Alegre.

    "Depois de tudo isto Alegre conclui que mais importante do que revitalizar a sociedade, etc......., importa não ser o responsável por dividir a esquerda e o seu partido!?!?!?!?!?!?!?!?"

    Tem aqui a prova da má notícia para Cavaco Silva, e é você que o diz, confirmando o raciocínio de Alegre.
    Isto não quer dizer que Soares vá ganhar, mas objectivamente a desistência de Alegre foi de facto uma má notícia para Cavaco Silva, em minha opinião.
    António Viriato said...
    A pífia conclusão do discurso de Alegre, com alguns bons apontamentos pelo meio, significa o seu fim político definitivo, ponto final da rábula da «candidatura de esquerda». Entre ser fiel à sua consciência de cidadão patriota, preocupado com o rumo do presente regime, ou solidário com a sua confraria partidária, Alegre fez a sua opção por esta última. Já o mesmo faziam os políticos da chamada 1ª república. E assim, de confraria repetidamente consolidada, lá foram continuamente delapidando todo o crédito político que o povo lhes havia conferido, deixando-o pronto para uma qualquer solução, democrática ou não, como acabou por acontecer... A História só não se repetirá, pelo resseguro político de Bruxelas em que nos acoitámos. A que preço nos vai isto ficando, estamos vendo...
    chuta pro tecto said...
    Não considero pífia a intervenção de M.A., ressalvando as últimas linhas em que a clareza ficou para as calendas Gregas.
    M.A. teve a virtude de chamar os bois pelo nome e dizer aquilo que os Socialistas se recusam a admitir, se nada for feito a democracia está em perigo.
    Anónimo said...
    Sempre votei À esquerda.agora não.
    Anónimo said...
    Chame-mos os bois pelo nome, Mário Soares mete nojo. Já chega.
    Anónimo said...
    Se o "animal político" bater a caçuleta, quem se segue? O peixe de "Águas profundas".
    comentador irritado said...
    É evidente, como diz hoje Vital Moreira, que a direita está preocupada com a desistência de Alegre e a candidatura de Soares. É evidente que Alegre vai apoiar Soares (conheço-o bem). Acho qu Cavaco não tem grandes hipóteses, pois ninguém que habitualmente vota num Presidente de esquerda votará nele.
    Olindo Iglesias said...
    O Manuel Alegre mostrou aquilo que sempre foi... nada!

    Acho absolutamente extraordinário ouvir alguém dizer que a República não tem donos, que estamos em fim de regime, que é preciso mudar, fazer e acontecer, que assim não podemos continuar, etc, etc e....

    Chegada a hora desiste para não divir a esquerda! Absolutamente fantástico! O cúmulo da palhaçada! Vocês ainda acham que Portugal tem salvação com gente desta laia?
    Pedro M said...
    Aguardei o discurso com alguma expectativa, confesso. Mas cedo tive a confirmação que era igual aos outros.

    1.º Diz que Portugal não é apenas números. Isso é expressão comum de quem coloca a emoção e as "políticas" acima da realidade crua da economia e de orçamentações responsáveis;

    2.ª Elogiou Sampaio. Esta diz tudo.

    3.ª Falou de "combates" e "batalhas". Engraçado quando vindo de um desertor. Um desertor como comandante em chefe?
    "Ai é um lutador...". Sim, lutador de paleio. Já temos que chegue.

    4.º Abusou de conceitos abstractos que jão não dizem nada a ninguém e mostra como vive no mundo das ideias, dos conceitos, das teorias. Isto associado ao elogio a Sampaio mostra bem os reais valores que defende. Conversa, conversa, conversa.


    Já não há lugar para isso. Espero que o próximo presidente - que conto que seja Cavaco - mate definitivamente esta III República, e que não se torne eventualmente no seu último presidente, até porque não temos tempo para isso. Seria inclusivamente trágico, com as coisas a continuarem neste caminho.
    Pedro Sá said...
    Em caso de morte do Presidente da República, o Presidente da Assembleia da República é Presidente interino até à tomada de posse de um novo Presidente eleito nos termos constitucionais.
    caiano said...
    Pedro M
    E o senhor o que é?
    Não sendo desertor, é o quê.
    Nas mesmas condições ficava a combater os turras e a gritar "Angola é nossa! Salazar! Salazar! Salazar!". Não era?
    Pedro M said...
    Caiano, a história fará a justiça das minhas palavras quando as paixões e o histerismo desaparecerem, assim como os responsáveis pela destruição de um Império, de uma Nação e os cúmplices pela morte e miséria de milhares de pessoas. Só com tempo e cultura é que as pessoas tomarão consciência da traição de 74/75.
    Temo que se esteja a preparar outra, mas isso é outra história.
    E já agora assumo que sou democrata convicto. Mas não é por isso que vou legitimar traições feitas alegadamente - e à posteriori - em nome da "democracia".
    E por aqui fico.
    Tonibler said...
    Pedro M:

    Não discordando de si na questão da descolonização (nem percebo como alguem friamente poderia discordar) não me parece minimamente relevante que ideias sobre economia tem o MA. PR é uma questão de unidade nacional e de respeito. Nisso, Sampaio merece os elogios e também nisso MA seria muito melhor que Cavaco. Que Soares nem falar.

    A questão do desertor, essa é muito mais complicada. Foi de facto desertor. Deveria ter sido ou não, levava muito mais ecrán...
    Anónimo said...
    Pedro M

    Alegre não foi um desertor. Foi preso por ter ideias diferentes do governo ditatorial da altura e por isso foi obrigado a sair do país.

    Salazar e o seu regime é que foram os únicos culpados da descolonização que aconteceu. Tudo o resto foi consequência lógica e previsível. Só os burros é que não entendem. Até De Gaule o entendeu em França.
    Anónimo said...
    Sócrates deveria recear que Alegre "rachasse" o PS?
    Então não foram a votos há meia dúzia de meses e o Alegre não conquistou uns sólidos 16% ????
    Convenhamos que como rombo talvez o do Cavaco/PP seja maior, não...?

Post a Comment