O novo sócio

"Pedro Mexia é subdirector da Cinemateca". A notícia é do Público de hoje. E o subdirector nomeado , pelo poder político do momento, considera a escolha "um desafio irrecusável".

No Sábado, no mesmo Público, o novel subdirector, citava Groucho Marx, para ilustrar uma crónica sobre Camilo, em que este recusava uma nomeação, por causa de uma votação com favas contadas.

"Groucho Marx disse que nunca faria parte de um clube que o quisesse como sócio, mas também ninguém faz parte de um clube onde o recusam."

Exactamente.

Ou, como se pode ler na mesma crónica:
"Eu não faço parte de academias nem clubes restritos, e por isso nunca fui votado para coisa nenhuma. E, no entanto, recebo com frequência bola preta de alguns figurões que não me admitem numa qualquer imaginada corporação a que nunca me candidatei".

Assim, ainda ficamos melhor entendidos.

Evitar críticas ao poder constituído, ( e muito menos pessoais) atirando para onde dói mais, nunca deu maus resultados. O poder, a esses, nunca os manda à fava...

Publicado por josé 15:50:00  

2 Comments:

  1. Pois said...
    Parece-me notar um tom amargo no seu postal.
    O mesmo tom que usou quando escreveu sobre o cargo (chamemos-lhe assim) de Ricardo Bexiga.

    Não precisa.
    O José conhece as regras de admissão no clube.
    Já mostrou que não as aceita.
    Be cool!
    Arrebenta said...
    Faz parte da estratégia do Senhor Sócrates testar a insubmissão das franjas. É um teste como qualquer outro. Qualquer dia, temos os "Gatos Feodrentos"-- outros que tais -- no Governo, aliás, já lá estão, a imitar os "Gatos Fedorentos", mais o advogado dos próprios.
    É a Páscoa :-)

Post a Comment