L de Leituras

muito recomendável esta entrevista de Chris Hedges (Pulitzer/2002) à Salon. O título - 'I don't believe in atheists' - a premissa - 'New Atheists s are as dangerous as Christian fundamentalists'. À atenção dos Vital Moreira deste mundo...


Publicado por Manuel 18:55:00  

5 Comments:

  1. RCruz said...
    Ok, muito bem...mas o que são os "New atheists"? (Provavelmente têm alguma coisa a ver com os "New Order".)
    zazie said...
    Esta entrevista é bem importante para se perceber esse fenómeno de racismo contra os muçulmanos na Dinamarca e na Holanda.

    É este ateísmo militante e ideológico que ultrapassa as dicotomias esquerda e direita e que, não tarda nada, é uma nova variante de nazismo.

    Ainda por cima o monstro já foi criado, com essa política de porta-aberta à imigração.
    miguel said...
    Nós ocidentais estamos com uma estranha tendência autodestrutiva.
    Somos muito acutilantes na autocrítica.
    Não consigo discordar de Hedges, contudo o demónio não vive só no ocidente.
    zazie said...
    Mas ninguém disse isso. Não se trata de tendência auto-destrutiva porque a imbecilidade já foi criada com a política de porta aberta.

    Agora o que se passa é a natural desintegração. Porque nunca na História houve qualquer exemplo de integração que não gerasse sentido inverso. Como o colonialismo acabou o monsto da integração planetária está aí.

    O que o Hedges aborda é este fenómeno do ateísmo militante feito ideologia. E é claro que, a par com os problemas de imigração, este ateísmo militante pode ser o rastilho para o barril de pólvora.

    Ainda por cima conseguem fazer a ligação entre o conflito de Israel e palestinos com os imigrantes locais que basta serem berberes ou tunusinos para se tornarem no "inimigo islâmico". Este Geert Wilders mais a sujeita da Somália, na Holanda trabalham para isso.
    miguel said...
    Frisei que não discordo da análise, pelo menos sigificativamente.
    Contudo, Hedges conhece bem a problemática da crise do médio oriente. O que quis focar é que segue o padrão comum de não elaborar com o mesmo desassombro sobre a génese do fenómeno da violência islâmica e das suas estratégias.
    Quando alguém o faz é com pinças. É inegável o receio e o tabú.

Post a Comment