As elites fidalgas

Rei morto, rei posto. Vasco Graça Moura, sucede a EPC, como rémora do politicamente correcto, na perspectiva situacionista de quem pretende conservar o que tem de seu. Compreende-se e… quem pode levar a mal?

Só mesmo aqueles que têm o mesmo direito de beneficiar das prebendas e privilégios de um Estado que é mesmo de todos.

É por isso que tem lógica completa, este motete sem música, pilhado aqui.

Pois se é

A mama que faz o fidalgo

acima dos outros fulanos,

democratize-se a chupeta

deixem-nos chupar na têta

que logo fidalgos ficamos

O artigo de VGM sobre as elites do PSD, hoje no D.N., não passa de uma pilhéria. Um escrito de silly season. Se as deixasse no limbo, ainda escapavam ao ridículo. Assim, obrigam-nos a lembrar quem tivemos no tempo das vacas gordas do cavaquismo, a orientar o destino da Pátria e olhar para o país que nos deixaram.

Se forem essas, as elites que agora se reclamam, será caso para repensar o conceito de elite. Vasco Graça Moura, até cita dois dicionários para lhe captar o sentido exacto. “ Os melhores e mais notáveis”. Ora bem. Quem são eles, afinal?

Quem definiu as bases para a educação nacional que temos? As elites do PSD. Quem definiu as prioridades de investimento público, nos anos a seguir ao maná da CEE? As elites do PSD. Quem privatizou empresas, entregando o que o Estado socialista pilhara, aos mesmos de sempre e que estavam já velhos de saber olhar apenas para si mesmos?

Foram as elites do PSD.

Quem moldou o Estado a que chegamos, nestes últimos vinte e cinco anos? As elites do PSD.

Claro que nestas elites, se encontram em amálgama natural, as elites do PS. Tão poucas eram que foram cooptadas de modo consensual.

Destas elites, dispensamos todos as respectivas benemerências. Todos, não. Vasco Graça Moura e uns tantos, precisam delas como de pão para a boca. Literalmente.

Publicado por josé 13:11:00  

3 Comments:

  1. Arrebenta said...
    Incêndios na Grécia: um Golpe de Estado em surdina?...

    http://asvicentinasdebraganza.blogspot.com/2007/08/sonata-quase-uma-fantasia-sobre-um-tema.html#links
    Arrebenta said...
    Vou dedicar um texto a este, do José.
    Força, dá-lhes!...
    MARIA said...
    Efectivamente VGM não podia ter sido menos feliz na adjectivação do seu escrito, impressionando a superficialidade da abordagem do tema, mesmo tratando-se de um texto seu.
    Se a elite se constitui por "notáveis", explique s.f.f., VGM ,onde está a circunstância notada ou notória...
    O que é tristemente notório neste PSD, é ninguém se fazer notar pela diferença e pela especial qualidade e andarmos nós aqui, tempos intermináveis, sempre alternando entre estas figurinhas de tão pobre notoriedade e valia política...
    Tudo parece socretizado... isso é que parece notório...
    Saudações
    Maria

Post a Comment