too little, too late

O pacto para a Justiça, algo que naqueles moldes nunca deveria ter acontecido sequer, morreu formalmente hoje. Too little, too late. Nestas coisas a ingenuidade (e não foi a ingenuidade a causa - descansem...) nunca serve de desculpa.

N.A. esta constatação não é particularmente dirigida à São Caetano à Lapa, é mais para as bandas de Belém.

Publicado por Manuel 17:40:00  

1 Comment:

  1. Antonio Balbino Caldeira said...
    Tempo, Manuel. Uma questão de tempo. Ou de "oportunidade".

    Disse alguém que a traição em política não era uma questão de carácter, mas de tempo. Aqui nem sequer a princípios. Trata-se de aplicação imagética da ductilidade, que não resiste, todavia, à analise da corrupção moral.

    Entre Cavaco e Sócrates não há a menor intimidade, sequer circunstancial. Há um apagamento - até a humilhação de concordar com a colaboração silenciosa de Cavaco enquanto Sócrates se aguentar nas sondagens. Depois, quando Sócrates cair, Cavaco há-de vir explicar a mudança de atitude.

    Não me agrada a ductilidade oportunística, nem sequer em nome de reformas que nem são, reformazinhas que adima soluções. Cavaco - o das reformas estruturais - sabe. Finge porque segue regras de táctica política contemporânea - "go with the trend". Tenho, no entanto, como certo, que não evitará o juízo da promiscuidade, quando julgar poder mudar de rumo.

Post a Comment