Bem-vindos à mais louca corrida do Mundo

A Grande Loja inicia hoje um acompanhamento permanente à corrida para a sucessão de George W. Bush como Presidente dos EUA.

A precisamente dois anos de distância das presidenciais (vão ser em Novembro de 2008), lançamos, desde já, uma short list de dez nomes (cinco democratas, cinco republicanos) de onde deverá sair, com quase toda a certeza, o Presidente que governará a América até Janeiro de 2013.

Assim, no campo democrata:

-- Hillary Rodham Clinton, senadora por Nova Iorque, 59 anos
-- Barack Obama, senador pelo Illinois, 45 anos
-- Al Gore, vice-presidente dos EUA entre 1993 e 2001, 58 anos
-- John Edwards, candidato a vice-presidente dos EUA em 2004, 53 anos
-- John Kerry, candidato a presidente dos EUA em 2004, 62 anos

No campo republicano:

-- John McCain, senador pelo Arizona, 70 anos
-- Rudy Giuliani, antigo mayor de Nova Iorque, 62 anos
-- Condoleeza Rice, secretária de Estado, 52 anos
-- Jeb Bush, governador da Flórida, 53 anos
-- Mitt Romney, governador do Massachussets, 59 anos

Nos próximos meses, dedicaremos um texto especial a cada um destes dez nomes, com o seu passado, os trunfos e fraquezas de cada um, a fim de anteciparmos o processo que será acelerado durante o ano de 2007, mas que já arrancou: o do posicionamento dos potenciais pretendentes nas primárias que decorrerão a partir do Outono do próximo ano, quando faltar um ano para as eleições presidenciais.

É óbvio que há uma certa margem de risco em assumir esta escolha de dez nomes, dado que alguns eventuais candidatos ficaram de fora. Mas tendo em conta os dados já existentes, seria uma enorme surpresa se o próximo Presidente dos EUA não fosse um dos dez nomes acima elencados.

Mesmo assim, e quase por… descarga de consciência, aqui ficam a lista dos excluídos, ficando desde já aqui feito um direito de reserva: se, por um acaso nada provável neste momento, o evoluir da corrida revelar como plausível que o investido de um dos campos vier a ser algum dos nomes colocados neste rol de outsiders, obviamente que o colocaremos no lote principal, e faremos, em relação a ele o mesmo texto biográfico a que os outros terão direito. A ideia é conferirmos aos leitores da Grande Loja a mais completa informação possível sobre aquela que será, certamente, a mais longa e mais cara corrida eleitoral da história das democracias.

Aqui vai então uma lista de outsiders, com outros dez nomes repartidos pelos dois campos:

Democratas:
-- Tom Vilsack, governador do Iowa
-- Wesley Clark, terceiro classificado nas primárias de 2004
-- Russ Feingold, senador pelo Wisconsin
-- Mark Warner, governador da Virgínia
-- Bill Richardson, governador do Novo México

Republicanos:
-- Newt Gingrich, antigo speaker do Congresso, durante a «Revolução Republicana» dos anos 90
-- Haley Barbour, governador do Mississipi
-- Sam Brownback, senador pelo Kansas
-- Elisabeth Dole, senadora pela Carolina do Norte
-- Dick Chenney, vice-presidente dos EUA

Mas insistimos: só um terramoto político faria alcandorar para o topo da corrida algum destes dez nomes. A corrida está lançada e há posições já definidas na grelha:

-- do lado dos democratas, Hillary é, claramente, a front-runner, embora já tenha tido uma vantagem mais confortável. O relançamento de Barack Obama (que primeiro disse que não ia avançar em 2008 e, recentemente, admitiu candidatar-se) baralhou as contas e confirmou a enorme popularidade do senador pelo Illinois, que reúne juventude, apelo ao sonho americano (um descendente de escravos que pode chegar ao cargo mais poderoso do Mundo), brilhantismo oratório e intelectual com uma imagem positiva e moderada, uma mistura pouco habitual em políticos que provêm de minorias sociais.

Al Gore é uma incógnita: continua a dizer que não tem uma nova candidatura como prioridade e isso talvez o prejudique nos números disponíveis até agora. Se, nos próximos meses, der um sinal mais claro de que também é candidato, talvez se aproxime de Hillary e Obama, naquele que seria um interessante cenário a três que, a confirmar-se, afastaria as hipóteses de nomes como Kerry, Edwards ou Wesley Clark.

Mas se algum dos três mais fortes democratas neste momento (Hillary, Obama e Gore) não for a jogo, abre espaço a Kerry ou Edwards que, apesar de virem com o rótulo de perdedores contra Bush em 2004, têm um trunfo que, na hora da verdade, não será de desprezar: o de terem reunido mais de 55 milhões de votos, de longe a maior votação num candidato do Partido Democrata na história eleitoral dos EUA.

A última sondagem sobre a nomeação democrata, feita pelo Pew Research Ccenter, revelou o seguinte:

-- Hillary Clinton, 39
-- Barack Obama, 23
-- Al Gore, 10
-- John Edwards, 10
-- John Kerry, 7
-- Outros candidatos+não sabe+não responde, 11

Do lado republicano, prefigura-se uma luta a dois entre McCain e Giuliani. Até há cerca de um ano, McCain seria a escolha natural: esteve quase, quase a bater Bush nas primárias de 2000, que abriram caminho ao actual Presidente. Goza de altos níveis de popularidade em sectores fora do Partido Republicano, mas tem dois grandes problemas: a idade (se for eleito, terá 72 anos quando tomar posse, pelo que completará o previsível ciclo de oito anos de um Presidente já na casa dos 80) e o facto de pretender enviar ainda mais tropas para o Iraque (o que o coloca, claramente, em contra-corrente com o actual paradigma de retirada).

Rudy tem capitalizado a imagem deixada de «superMayor» durante o 11 de Setembro e também terá a seu favor o facto de, desde aí, não ter sofrido o desgaste de popularidade de cargos executivos. É um republicano moderado, que entra bem em algum eleitorado democrata, e não deverá ser menosprezado. Mas se conseguir a investidura será uma surpresa, porque não é tradição que alguém fora da Casa Branca, do Senado, do Congresso ou do governo de um Estado consiga chegar a Presidente.

Condoleeza Rice poderia ter esperanças de se intrometer nesta luta a dois, mas a progressiva degradação da imagem da Administração Bush quase retira à partida as ambições de uma candidatura saída da actual Casa Branca. E a verdade é que Condi é o único com alguma popularidade na actual Administração.

Aqui vão os números mais recentes da corrida republicana:
-- Rudy Giuliani, 27
-- John McCain, 26

-- Condoleeza Rice, 20
-- Mitt Romney, 7
-- Outros+não sabe+não responde, 20

As eleições intercalares aceleraram o processo de mudança que se adivinha em Washington. Mesmo que vença o candidato republicano em 2008, ele será bem diferente de Bush. Tanto McCain como Rudy são mais moderado, mais centrais se assim quisermos chamar, pelo que obdecerão, certamente, a um esquema de funcionamento mais pragmático.

Mas falta saber que bissectriz encontrarão os democratas para voltarem à Casa Branca. Qualquer um dos três mais fortes tem fragilidades que, no caso de serem investidos, serão exploradas ao limite pelos republicanos: Hillary é mulher, já teve uma imagem excessivamente esquerdista e, agora, exagera na preocupação em mostrar-se à vontade num mundo de homens, insistindo em temas como a Defesa, as Forças Armadas e a Segurança; Obama é negro e uma corrida à Casa Branca levantará temas nunca até agora debatidos entre candidatos à Presidência; Al Gore nunca se libertou do estigma de 2000, em que tinha tudo para vencer de forma confortável.

Todos os meses, até Novembro de 2008, a Grande Loja fará actualizações dos números e publicará retratos personalizados dos protagonistas.

Publicado por André 02:18:00  

2 Comments:

  1. D' Aziscas said...
    Grande post!
    Vou copiá-lo agora, guardá-lo e relê-lo daqui a dois anos.
    ARL said...
    Excelente post, mas a precisar de actualizações. Warner e Feingold já anunciaram formalmente que não vão concorrer às Primárias. E Evan Bayh, senador do Indiana, merece ser incluido na lista, nem que seja dos outsiders.
    Do lado Republicano, acho que não seriam despropositadas menções ao Bill Frist, ex-líder da maioria no Senado, e também a Tom Tancredo, congressista do Colorado que goza de grande popularidade entre os "Buchanan Republicans".

Post a Comment