O colapso das nossas referências. O que se seguirá? Um "filme" sobre o rancho "Ponderosa"?

Publicado por Carlos 14:52:00  

14 Comments:

  1. irreflexões said...
    Ok,

    Estou curioso. O que virá, de facto, a seguir?
    esgoto said...
    talvez remakes em versão paneleira de todos os filmes feitos até agora...
    GoNgAs said...
    o colapso? LOL, se calhar antes deste filme existir não havia homossexualidade! E que tem homossexualidade a ver com "colapso das referências"?....
    josé said...
    O tempore! O mores!

    Dantes, o homosexual escondia-se no biombo do canastrão das fitas. Monty Cliff; Rock Hudson et al.
    Até ao final, queriam parecer o que não eram e só nessa altura, para surpresa geral se descobria o mistério que desiludia as fãs, para gáudio de quem sentira ciúmes pela preterição nas fantasias.

    Agora, é ao contrário.
    Os putativos mariconsos podem nem o ser de facto e nem se importam pela exposição.
    Lembro que a primeira vez que Elton John assumiu publicamente a sua condição de rabejador respeitável, foi numa entrevista à Rolling Stone, em 1977. Cujo director, aliás,casado e com filhas, assumiu a condição idêntica, anos depois, para surpresa de quem lia os artigos insuspeitos.


    PS. Os mais sensíveis que me perdoem a linguagem, mas nisto ainda sou um pouco reaccionário. E não pretendo ser hipócrita, por aqui.
    Ainda sou dos que se incomoda a ver dois seres do mesmo género a fazerem de conta que o não são.
    Tonibler said...
    Cowboys paneleiros??? A culpa é de quem vai ver tamanha enormidade e dar dinheiro para isso. Boicote já! Quem fôr ver este filme é tão rabiló como o gajo que o fez!
    sara said...
    viva a falta de cultura e as mentes fechadas! mas que comments são estes? só reflectem um enorme preconceito e falta de consideração para com as pessoas! terá essa furia, raiva, algo de suspeito?
    sinceramente, já esperava algo parecido, já que esta é uma sociedade com algumas limitações em relaçao a esse campo. no entanto, achei estes comentários demasiado retrógrados.
    resta dizer que nao sou homosexual, apenas nao aponto o dedo aos que o são, pois respeito acima de tudo o ser humano e os seus sentimentos. nunca ouviram aquela máxima: cada um é como é. ou: todos diferentes, todos iguais?
    a nossa liberdade acaba onde começa a do próximo, apesar de haver liberdade de expressão, e de cada um poder dizer aquilo que bem entender.. penso que, moralmente, devem haver determinados principios.. respeito meus "amigos"!!
    Coutinho Ribeiro said...
    Eu não fui o filme nem me aprece que vá.
    Vejamos: eu não tenho nada contra os homossexuais. Nem a favor. Acho que é problema deles, não meu. Ou melhor: passo a ter alguma coisa contra quando o problema passa a ser meu. Explicando: eles que se entendam. Mas cheteia-me um pedaço aquela necessidade tremenda que eles têm de estar sempre a atirar-nos à cara a sua condição (ou lá como se diz...). Como se, no fundo, estivessem a atirar para cima de nós uma qualquer pretensa supremacia. Explicando melhor: o problema passa a ser meu quando não respeitam o meu espaço. E me atacam, como um atacou não há muito, num bar do Porto que por acaso frequento. Não gostei que o rapaz me tivesse tirado o cigarro da boca e me tivesse metido a mão no peito quando eu ia a passar, na minha vidinha, sossegado. É claro que eu já não estou no tempo de andar à bofetada. Mas não sei como resisti. E se tivesse dado um par de estalos? Homofóbico, gritariam.
    É que eu, à cautela, não vou aos sítios onde eles são maioritários. E, se fosse, não ousaria meter-me com eles. Por isso, acho que deviam ser mais comedidos. É que, com estas e com outras, eles que erem casar e adoptar crianças, qualquer dia ainda vão reivindicar a possibilidade terem filhos bilógicos.
    Vá: agoram insultem-me.
    Conselheiro said...
    Ora bem, eu, que até nem sou dessas coisas, não me importava de entrar numa ménage à trois com os dois cowboys... E esta, hein?
    Ou antes: e agora, José? Achas que passei no exame pra paneleiro?
    josé said...
    Ó Conselheiro:

    Cada um deve poder comer do que gosta.
    Se V. gosta de empurrões e bafo nas costas, amanhe-se como puder.

    Mas não venha pedir-me conselhos que mesmo não sendo examinador de inseminações ou ...achegador de parelhas, sempre prefiro como odor,o da bella dona!

    Não há curva como a da mulher; nem recta como o segmento que as trespassa.
    O resto são caminhos perdidos.
    Puf said...
    Sempre estranhei e desconfiei daqueles homofobicos que não encaram de forma natural as opções dos outros desde que não colidam com as suas. E principalmente os Zés machos para quem a homosexualidade, é apenas a masculina. Há um ditado que diz: quem desdenha...
    Pedro M said...
    Puf, eu também sempre estranhei e desconfiei dos que querem estar bem com deus e com o diabo e são incapazes de fazer escolhas claras.

    Sara, descobrirás por ti mesmo o valor do que estás a dizer - Se estiveres atenta ao se se passa à tua volta, bem entendido.

    Estes nihilistas adolescentes...
    Anónimo said...
    Igualmente nada tenho contra ou a favor das escolhas de cada um, contudo essa discussão é transversal na nossa vida. Por mim, quem faz a sua existência determinada por uma questão sexual, passou ao lado da vida. Sou casado e pai de filhos, o sexo é importante, mas não é, nem de perto nem de longe, o vector fundamental.
    sara said...
    nao percebi o que quiseste dizer, Pedro M
    Anónimo said...
    Vão ver que isto vai dar ideias a um genial cineasta luso: um grupo de pegadores de touros com dopis moços de forcados maricas E o IPACA - aínda é este o nome? - a pagar com o nosspo dinheirinho...

Post a Comment