toma lá, dá cá

O affair Eurominas continua a dar que falar. Hoje, na TSF está um espantoso resumo das declarações de José Lamego, na comissão parlamentar de inquérito. Reguila, Lamego por um lado considera 'justa' a indeminização, mas por outro lembra alegadas pressões do Governo da África do Sul, as quais testemunhou, e que terão condicionado a decisão final. Torna-se patente que o problema é muito mais que jurídico-formal, e mais da estrita ética política. Lamego tomou conhecimento das pressões, enquanto membro do Governo, e em vez de recordar a um país estrangeiro a independência dos tribunais e da justiça portuguesa, onde as pretensões da Eurominas jamais teriam provimento que fez ? Patriota, saiu do Governo e passou a defender os interesses, a alegada chantagem, de uma potência estrangeira. Edificante. Só falta saber, continua a faltar saber, que parte dos milhões pagos à Eurominas foi de facto parar à África do Sul, e que parte ficou, pelo caminho, nos bolsos dos patrióticos advogados, e intermediários... É a única parte que interessa aliás...

Publicado por Manuel 19:49:00  

5 Comments:

  1. zezepovinho said...
    Ouvi as declarações de Lamego e de Vitorino na AR. Claras, sem argumentos contra.
    O caso Eurominas foi uma vergonha para Portugal e Cavaco Silva, um parolo provinciano, o responsável dessa vergonha.
    Carlos Medina Ribeiro said...
    Hummm... Parece tratar-se do mesmo Lamego-Constitucionalista-no-Iraque...

    Se assim é, deve perceber de legalidades.
    Carlos Medina Ribeiro said...
    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
    josé said...
    Nós por cá, já suspeitávamos que o papagaio ou catatua nonó, tinha poiso no Parlamento. Fica confirmado.
    Regougue sempre.
    Carlos Medina Ribeiro said...
    O «DN-online» de hoje referia-se ao caso Eurominas de um forma deliciosa.
    Prevendo que possam retirar o texto, fiz um "print screen", que pode ser visto em:

    http://sorumbatico.blogspot.com/2006/01/desleixo_18.html

Post a Comment