Pela despenalização da interrupção voluntária da pequena infância

A luso-descendente Dina Rodrigues, de 25 anos, e quatro alegados cúmplices foram ontem formalmente acusados no tribunal sul-africano de Wynberg, Cidade do Cabo, do assassínio de uma criança de seis meses, em Junho último. Para além deste crime, a arguida, que se encontra detida, responde também por conspiração e por intimidação de testemunha.

Segundo o Ministério Público, Dina Rodrigues terá pago uma quantia em dinheiro a quatro suspeitos, um dos quais de apenas 16 anos, para que fossem a casa da mãe da bebé Jordan Leigh-Norton, sob o pretexto de entregar uma encomenda, e matassem a criança, deixando rastos e provas que levassem a polícia a crer que se tratou de um assalto com consequências imprevisíveis.

Os quatro homens amarraram os pés e as mãos de um tio da criança e uma ama, as únicas pessoas que se encontravam em casa na altura do ataque, furtaram alguns bens e esfaquearam mortalmente a bebé no pescoço.

Diário de Notícias

Publicado por Nino 19:48:00  

8 Comments:

  1. FORMIGA BARGANTE said...
    se o Ninno não fosse parvo, o que gostaria de ser ?
    Nino said...
    Papa-formigas.
    Mano Pedro said...
    Papa-formigas, não!

    Interruptor voluntário de formigas...
    naoseiquenome usar said...
    Está tudo doente!!!!!!!!
    FORMIGA BARGANTE said...
    eu já desconfiava: com que então papa-formigas?

    O Freud poderia dar uma ajudinha...
    Teófilo M. said...
    Existem, de facto, aberrações que só por existirem, fazem-me acreditar, cada vez mais, que Deus não existe, pois ao criar o homem à sua semelhança, teria de criar uma obra em que a imperfeição pudesse ter limites, e pelo que se vê, não o terá conseguido fazer.
    Mano Pedro said...
    Amigo Teófilo (amigo de Deus), começa a ser grande a sua Fé, pois que acredita "cada vez mais" que Deus não existe...
    Teófilo M. said...
    Mano Pedro,

    fé vou tendo, agora acreditar é que já é mais complicado.

Post a Comment