Momento mágico aquele a que ontem se assistiu na Igreja da Trindade, no Porto. Três coros amadores com um total de cerca de 100 elementos, um deles composto por crianças, dois cantores líricos e uma pequeno grupo de músicos profissionais a apresentar a Missa das Crianças do Compositor John Rutter. A organização coube ao Coral do ICBAS – UP. Saúda-se este agrupamento pela ousadia de, pela primeira vez em Portugal, apresentar uma das obras que nesta quadra provavelmente mais se ouvirá em países com cultura de influência cristã, o que deveria fazer corar de vergonha instituições ditas profissionais que só carburam a milhões de Euros e, mesmo assim, com resultados aquém dos alcançados por estes Amadores.

Nota: concerto com entrada gratuita.

Publicado por contra-baixo 22:25:00  

3 Comments:

  1. FORMIGA BARGANTE said...
    Meu caro contra-baixo

    Desculpe, mas você é um "chato".

    Logo na noite em que a Casa da Música se transformou "numa discoteca de propostas inovadoras.900 pessoas assitiram no sábado" (título do Públicop de hoje), lá vem você, armado em desmancha-prazeres falar dessa pessegada chamada a Missa das Crianças, cantada ainda por cima por 3 coros amadores e ainda com crianças?

    Nas eternas disputas Porto/Lisboa, o "ganda Porto" tinha que ficar à frente da capital.

    Em Lisboa, estas novas tendências da música apresentadas em festivais tipo "Best.Off" ficam-se pelo Lux (com excelente programação, diga-se), discoteca/bar e tudo mais, privada, e com risco do proprietário, Manuel Reis e por alguns outros espaços alternativos, tipo Zédosbois.

    No Porto, carago, Casa da Música é que é !

    Temos que mostrar aos nabos dos mouros que somos oa "maiores", topas ?

    Agora a sério, meu caro contra-baixo.

    Tal como noutras áreas (estou a lembrar-me dos Museus)o que os programadores profissionais querem é satisfazer os seus pequeninos egos e "arrecadar" o máximo de euricos possiveis. Isto é tudo tão pacóvio, que o jornalista do Público, Pedro Rios, ao desenvolver a noticia do festival da Casa da Música, fica em transe porque "os músicos passeavam livremente pelos diferentes espaços". Este Pedro Rios ainda deve viver na idade das cavernas, e não assistiu, certamente, às Festas da Música, por exemplo, para verificar como toda a gente circula entre toda a gente. E não é nada de especial.

    Claro que o coral do ICBAS-UP (já para não falar do site, muito bem feito) deveria fazer corar de vergonha muito boa gente ligada à "cultura". A começar pela Ministra e por todas as "alhadas" que consente no seu ministério.

    Mas não coram porque perderam a vergonha, há já muito tempo.

    Mais uma razão para não ficarmos calados, certo?
    Arrebenta said...
    Super Mário, ou a Vã Glória de Levar nos Cornos :-)

    Nada melhor para medir a vitalidade de um político do que o seu à-vontade, ao levar nos cornos.

    Fantástica, aos 80 anos, a longevidade política do nosso Bochechas, o terceiro melhor ícone mundial de Portugal, depois da Amália e do Eusébio.

    Força aí, seu maganão!...
    Os caceteiros voltaram à rua:
    está na hora de repor a Liberdade!...

    SOARES É FIXE!...
    rb said...
    Resta só acrescentar que o maestro do coro do ICBAS é António Sérgio Ferreira, a quem aproveito para felicitar vivamente por mais este trabalho, contra a corrente.

Post a Comment