50.000 mortos depois...

Segundo a edição online do Expresso, o presidente da Comissão Europeia, Durão, aliás, José Barroso, afirmou que o seu apoio, enquanto primeiro-ministro de Portugal, à invasão do Iraque, resultou de informações que não se vieram a confirmar, eufemismo em que se refugiou para não dizer que foi enganado.

Num programa da RTL, Barroso afirmou o seguinte: «A decisão que tomei, e que muitos governos tomaram, foi baseada em informações que tínhamos recebido e que, depois, não foram confirmadas: que havia armas de destruição maciça; Tínhamos documentos que nos foram dados. Foi com base nessas informações que tomámos aquela decisão».

Segundo se depreende da notícia, o antigo PM não esclareceu quem lhe terá dado essas informações e documentos, mas todos nos lembramos que, depois de uma deslocação a Washington, o antigo PM declarou na AR que estava na posse de documentos que provavam, sem margem para dúvidas, a posse de armas de destruição massiva por parte do Iraque.

Todos nos lembramos, também, de o ver a pôr-se em bicos de pés e de ter arrastado o nome de Portugal para essa aventura belicista, com a famigerada cimeira das Lages.

Na entrevista à RTL o antigo PM não esclareceu se extrairá qualquer consequência do logro em que reconhece ter caido, provocado, subentende-se, pelo seu amigo George, o tal a que ontem o Hugo Chavez chamou os bois pelos nomes.

O José Barroso disse também que «A História fará o balanço".

Eu, no tocante à criatura, há muito que fiz o meu: é preciso descaramento!

Publicado por Nicodemos 17:56:00  

4 Comments:

  1. tina said...
    Se está assim tão preocupado com o número de mortos, então congratule-se pelos milhares que Saddam deixou de matar entretanto. E que 50 000 são apenas uma pequena percentagem daqueles que ele matou.
    sniper said...
    Tina, este Nicodemos é incomentável. O climax deste postal é a referência a esse grande democrata, o Hugo Chavez. Ainda estou em choque. Começo a desconfiar que este blog é a Grande Loja do Partido Comunista Português, e não a do Queijo Limiano. Pobre queijo; não merece tal sorte. Vou refletir.
    Bart Simpson said...
    Bush não cola e apenas diz asneira. Faz borrada e não pede desculpa. manda matar e esconde a própria arma.
    Sim, antes Chavez que George!
    sniper said...
    Bart, você e o Nicodemos são os campeões dos lugares comuns. Como é boa a vidinha em Portugal, sentadinhos no sofá, nesta aparente sensação de segurança e paz. Tudo bem; estou esclarecido. Quanto ás eleições na Bielorrússia,( situação muito mais importante e decisiva que os presentes acontecimentos em França ), também devem achar que a oposição está feita com a CIA e com o Bush....

Post a Comment