"Anjos na América"



A não perder, hoje, às 22h30 na 2:


Publicado por Manuel 21:34:00 0 comentários Links para este post  



"O Khadafi dos pneus"

Em mais um exclusivo mundial, a Grande Loja apresenta uma rara foto de Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, a entrar nos estúdios da SIC, sem ser convidado...



O líder da águia pôs a nú, há poucos dias, a sua verdadeira face - a de um ditador sem qualquer nível; para cúmulo, incitou os seus correligionários a escorraçarem um repórter de imagem da SIC que se limitava a fazer o seu trabalho em Faro, num acto público no qual se encontrava LFV. Uma vergonha...

Publicado por André 20:48:00 0 comentários Links para este post  



"A febre de sábado à noite"




grande
filme...


Publicado por Manuel 20:26:00 1 comentários Links para este post  



pasteis de Belém...

pensamento do dia...


Todos são iguais, mas uns são mais iguais do que outros.


George Orwell, "O triunfo dos Porcos"



Publicado por Manuel 19:36:00 6 comentários Links para este post  



piranhas pias...



Piranhas. Thai authorities warned the flesh-eating fish may have been released into Bangkok's waterways, as dealers dumped their stocks to avoid a crackdown on trade in exotic species. (AFP/File/Daniel Janin)

Amanhã é o Dia Mundial da Criança.

Publicado por Manuel 17:04:00 26 comentários Links para este post  



"Abortion soars in quest for perfect babies" - e cá será diferente ?...

Daily Mail


Those with conditions that can usually be corrected medically - such as deformed feet and cleft lips and palates - are instead being terminated.

And the number of abortions of Down's syndrome babies now outstrips live births, despite the fact that those with the condition can live a long and fulfilling life. As screening techniques improve, the trend is likely to grow - horrifying pro-life campaigners.

'These figures are symptomatic of a eugenic trend of the consumerist society hell-bent on obliterating deformity - and at what cost to its own humanity? ' said ethicist Jacqueline Laing, of London Metropolitan University. 'We are obliterating the willingness of people to accept disability. Babies are required to fit a description of normality before they are allowed to be born.'

The figures for 2002 - the latest available - from the Office for National Statistics show more women than ever are choosing to terminate babies with potential handicaps, with such abortions rising 8 per cent in a year.

It has renewed fears that strict laws on termination due to disabilities are being flouted by doctors.

The 2002 figures show five babies were aborted because they had deformed feet, and a sixth because of a cleft lip and palate.

In 2000 and 2001, nine babies were aborted due to cleft lip and palate, while a further two were aborted for cleft lip alone.

Church of England curate Joanna Jepson, who has spearheaded calls for an investigation into the abortion of a 28-week-old unborn baby with cleft palate in Herefordshire in 2001, said: 'These statistics are horrifying and show the highly consumerist attitude which is now pervading human relationships.

'I don't think anyone had any idea that so many babies had been aborted for cleft lip and palate. The fact that two were aborted for cleft lip alone is a slur on people with the condition'.

'I cannot believe the medical profession are standing by decisions to abort babies for these reasons.'

Delayed motherhood may be partly responsible for rising birth defects, because women over 40 have the highest risk of congenital abnormality in their babies.

Doctors say improvements in technology, such as ultra-sound and blood tests, have helped increase the number of babies diagnosed with abnormality before birth. But a number are disturbed that abortions are being carried out on the grounds of the baby's serious disability when in fact it has a correctable condition such as feet abnormality or cleft lip.

Ground E of the Abortion Act makes termination legal up to nine months if a child has a serious risk of physical or mental abnormality.

A total of 1,863 pregnancies were ended in 2002 on this basis - up 8 per cent from the 1,722 carried out in 2001, according to ONS data from the National Congenital Anomaly System.

Experts say it is likely that many exceeded the 24-week limit for terminations for socalled 'social' reasons. Most of the estimated 185,000 abortions in Britain every year are on 'social' grounds.

Two doctors must judge that the risk to the woman's physical or mental health of continuing the pregnancy outweighs the dangers of termination.

In reality, this means women who do not want to have a baby are able to easily terminate it. Only around one per cent of abortions are carried out beyond the 24-week limit, generally due to deformities.

Terminations for chromosomal abnormalities, including Down's syndrome, rose by 17 per cent - from 591 in 2001 to 691 in 2002.

There were more babies with Down's aborted than born with the condition in 2002, with 372 terminations compared with 329 births.

The NHS was last year told to offer Down's screening to women of all ages - including those in younger age groups with lower risks of the condition - prompting fears that figures for last year will be even higher.

The charity LIFE said it fears women may come under increased pressure if their unborn babies are judged to have special needs.

Trustee Nuala Scarisbrick said: 'This is straightforward eugenics. The message is being sent out to disabled people that they should not have been born. It is appalling and abhorrent.'

Campaigner Patrick Cusworth said: 'Such statistics are an indictment of a society which places a conditional value upon its citizens, based upon how "useful" they may prove to be in later life.'

Consultant obstetrician Maggie Blott said although the reasons for the increase in Ground E abortions are not clear, it may be partly due to screening and partly to older mothers.

Women aged 40 to 44 have the highest rate of abnormalities such as spina bifida, heart defects and Down's syndrome in live and still births, at 160 per 10,000. This compares with 107 per 10,000 in those aged 25 to 27.

Mrs Blott, of the Royal Victoria Infirmary in Newcastle upon Tyne, said: 'You have to give women a choice and most people feel screening is a good thing.

'If a baby with a heart problem is diagnosed before birth, doctors can be ready when it is born and ensure it gets the best treatment'.

'Some serious abnormalities do not become apparent on ultrasound until later in the pregnancy - these include some kidney problems'.

'It is likely that most of the abortions in this report were after 24 weeks, because before that, you could get an abortion without needing a reason such as a physical deformity'.

'I personally don't think cleft lip counts as a serious abnormality. The Abortion Act is very clear that is has to be life-threatening really, and nobody could describe a cleft lip as life-threatening. The same goes for deformities of the feet.'

Anne Weyman, chief executive of the Family Planning Association, said techniques to detect foetal abnormalities have become very sophisticated, giving women more information on which to base decisions.

'Ending a wanted pregnancy because of serious foetal abnormality is a difficult decision for the woman,' she added. 'It is vital she receives support and guidance to make the right decision for her and her family.'


Publicado por Manuel 14:10:00 2 comentários Links para este post  


One of two African lion cubs, right, relaxes in the lion yard with its mother, Precious, at the Fort Worth Zoo, Monday, May 24, 2004, in Fort Worth, Texas. The two 6-week-old cubs weigh about 12 lbs. each and are the first pair of lion cubs born at the zoo in almost 20 years. The cubs names will be determined through an online poll. (AP Photo/Fort Worth Star-Telegram, Ron Jenkins


Publicado por Manuel 13:17:00 1 comentários Links para este post  



A entrevista de Pinto Nogueira

Pinto Nogueira, colaborador desta Loja, dá hoje uma entrevista extensa ao Primeiro de Janeiro.

O que diz Pinto Nogueira, merece ser lido com atenção. É raro um procurador-geral adjunto, portanto um magistrado do Ministério Público, falar publicamente sobre problemas de justiça.

Mais raro ainda, é fazê-lo com desassombro e tocar em pontos sensíveis e polémicos, exprimindo opiniões, sem receios de reprimendas, abertas ou veladas - que as há! As magistraturas, como corpo fechado e cujos membros com alguma notoriedade são poucos e conhecidos de todos, são hiper-críticas das performances dos pares.

Os juizos de valor sobre este ou aquele que se atreve a escrever ou falar em público, é muitas vezes expendido com uma grande ligeireza de apreciação e segundo critérios da maior subjectividade, sem grandes fundamentos que não vão muito além do "emprenhar de ouvido" e que aliás negam, na sua própria essência, o que é próprio das magistraturas: efectuar julgamentos justos, de comportamentos alheios.

Estes julgamentos de carácter, algo frequentes na magistratura, pois toda a gente, "off the record", comenta o perfil deste ou daquele, num exercício de notável e velada hipocrisia, atingem as raias do paroxismo nas alturas em que algum dos pares ofende ou lesa a majestade de um superior de Conselho ou de Supremo. Esse "crime" que vigorou durante séculos e já expurgado dos códigos penais republicanos, continua a vigorar como ofensa, punível com grave sanção disciplinar.

O magistrado que nele incorra, começa por ser apodado, entre os pares, de "tolo". Pudera! Não há maior tolice, de facto, entre oficiantes do mesmo múnus, do que atentar contra a majestática honra de quem manda, mesmo cingido à lei.

A magistratura tem, assim, algo de importante a aprender com Pinto Nogueira, neste aspecto. A liberdade de expressão de opinião, entre magistrados devia ser um direito adquirido e pacífico. Aparentemente, não é. Poucos são os que se atrevem a pôr o nome a descoberto, depois de escreverem algo, mesmo que seja sobre a justiça ou os problemas judiciários e que não seja no âmbito de um colóquio ou de uma conferência, por isso mesmo caucionados pelo contexto.

Na televisão, vemos por vezes magistrados a falar sobre assuntos judiciários. São quase sempre os mesmos e ainda assim, parecem escolhidos a dedo, para mostrar o exemplo do que não deve ser um magistrado a comunicar sobre um assunto supostamente da sua competência.

A dificuldade em topar alguém com conhecimento, saber geral e ponderação, para não falar de imagem, é notória.

Tal fenómeno de rarefacção, atinge particularmente os escalões intermédios e superiores da magistratura.

Nunca se viu um procurador-geral distrital, de Lisboa, Porto, Coimbra ou Évora, figuras máximas da hierarquia do MP, logo a seguir ao procurador-geral, a falar na televisão; a escrever nos jornais ou a ser entrevistado. Não falam abertamente nos media. Geralmente, são citados nos jornais, mas o público em geral não lhes conhece o nome; não sabe distinguir as funções e não obtém deles os esclarecimentos que às vezes se impõem.

A imagem da PGR tem estado centralizada na PGR e na figura do PGR. Será esta a melhor forma de comunicar ao público em geral o que se passa, com assuntos que a toda a gente dizem respeito?

O secretismo deve ser a regra e a reserva o mote?

É por estas e por outras que o protagonismo de Pinto Nogueira é louvável e pelo que se pode ler na entrevista, exemplar.

Venham outros!

Publicado por josé 10:10:00 1 comentários Links para este post  



A GALP, as Europeias ou porque é que a linha recta não é necessariamente a mais curta distância entre dois pontos...

Um passarinho contou-nos que poderá ser o grupo do Norte o primeiro a ser chamado para negociar com o Estado a compra da GALP mas que não deverá ser este, contudo, o consórcio vencedor.

Entre 2 piu-pius pareceu-nos ouvir o anglicismo "timing".



E então se fez luz - as eleições europeias. É que convirá fazer uma escolha a 2 tempos.

Alguém para acalmar os ânimos aos eleitores mas que possa, após eleições, ter que desistir tão só porque o que quereria comprar (controlo da GALP)não será aquilo que o Governo quer agora vender.



Advinhar-se-ia facilmente quem seria então a sortuda "" escolha que substituiria imediatamente os "primeiros".

Publicado por Manuel 16:52:00 1 comentários Links para este post  



Paulo "Coyote" Portas acusou sábado à noite Sousa Franco de ser

o pai, a mãe, o avô, a avó, o gato e o periquito do défice

Aguarda-se que o líder do CDS/PP nos esclareça sobre qual o papel desempenhado por Pina Moura...

Publicado por Manuel 13:31:00 1 comentários Links para este post  



"Com as Gaivotas"


Contente de me dar como as gaivotas
bebo o outono e a tarde arrefecida.
Perfeito o céu, perfeito o mar, e este amor
por mais que digam é perfeito como a vida.

Tenho tristezas como toda a gente.
E como toda a gente quero alegria.
Mas hoje sou dum céu que tem gaivotas,
leve o diabo essa morte dia a dia.

Eugénio de Andrade, “Os Amantes Sem Dinheiro” (1950).


Publicado por Gomez 09:49:00 1 comentários Links para este post  



Conde d'Abranhos - Sequestrado desde 6 de Abril!


Temia, temia. Recordam-se V.Ex.ªs daquele imbróglio de 6 de Abril?

Cometi então a imprudência de anunciar o meu entusiasmo pela divulgação da vida política e obra mundana do último dos Abranhos e que se espreme no seu patritótico nome - Paulo Orquídea Ferreira Abranhos. Imprudência! Logo pela noite, eu, seu modesto secretário, seria alvo de uma daquelas armadilhas de que apenas um abstencionista não suspeita - o sequestro.

Sim, um sequestro!

«Senhor K. Zagalo, aceita ir por oito dias à Madeira, só uns oito dias?»

A voz do homem, confesso, inspirou-me confiança e, eu que nunca coloquei um pé na Madeira, mal esboçei metade de uma inadvertida anuência, fui interrompido por aquela voz:

«Oito dias, oito dias apenas. O Senhor K. Zagalo terá lá todas as condições para escrever sobre o senhor conde, como aí o Governo da República jamais lhe permitirá!».


Fiquei mudo. Mas como partir, onde ficar, como?

«Tem voo marcado esta noite e viajará acompanhado pelo Presidente»


E foi assim que eu, K. Zagalo, que me tinha por homem experiente e medidor de perigos, apesar de temer as represálias se por acaso ousasse revelar a alma e os propósitos do Estadista Paulo Orquídea, fui forçado a uma longa viagem até ao Vanuatu, nos antípodas!

Pois estas são as minhas primeiras palavras depois de um longo e penoso sequestro. Libertei-me por aquela espécie de casamento que o milagre faz com a artimanha e que, sublinho, eu vi que o Presidente consegue magistralmente como se fosse uma exacta reprodução de um pastorinho de Fátima com voz de trovão. Vou contar tudo, mas não resisto a dizer-vos desde já que, a 6 de Abril, parti com a sensação de me apartar de uma Pátria de tanga muito embora julgasse que o destino seria a Madeira, mas que, hoje, de regresso a 30 de Maio, Portugal me parece um Vanuatu em pantanas.

K. Zagalo
Secretário do MI Sr. Conde de Abranhos,
Sócio efectivo da Academia Lusófona dos Pontos Focais da Ilha de Fernando Pó.
Rua do Espeto
6700-980 Lisboa

Publicado por Conde 08:16:00 0 comentários Links para este post  



"Política à Mocada"


Luciano Alvarez, in Público

Em 1975, durante o PREC, alguma direita mais radical alinhada com a "Maioria Silenciosa", trouxe ao debate político a moca de Rio Maior. Um pau maciço, com uma ponta mais larga cravejada de pregos e que era a arma que essa direita imbecil entendia ser a melhor para combater os comunistas.

Trinta anos depois, numa campanha para as eleições europeias, o Bloco de Esquerda (BE) reinventou a moca. Os cartazes que já estão afixados, pelo menos em Lisboa, mostram um padeiro sorridente (alguma da malta que, em 1975, se passeava pelas ruas com a já referida moca também sorria) com um rolo da massa na mão direita e uns pães tipo cacete na outra. "Estás farto? Vota em quem lhes bate forte. Bloco de Esquerda. Na Europa como em Portugal", está escrito no referido cartaz.

Qual é a primeira conclusão que se pode tirar deste placar? A política, a forma de fazer política do BE, é a da mocada e da traulitada (espera-se que só verbal). "Na Europa como em Portugal".

Numa campanha em que PSD-CDS e PS têm apostado em imagens futeboleiras para fazer campanha, o BE apresenta agora o rolo da massa contra os cartões vermelhos e amarelos, os apitos e os cachecóis. Num momento de crispação verbal na política portuguesa, o BE cava o fundo do poço prometendo que vai bater forte (espera-se que só por palavras). "Na Europa como em Portugal".

"É uma imagem", dirão os bloquistas. Pois é e bem verdadeira. É a imagem de quem acha que a política se faz à cacetada (deseja-se que apenas com o verbo), que vive de "sound-bytes".

É lamentável que uma força política que no início até trouxe algumas ideias novas ao debate político, aposte, agora que alcançou algumas cadeiras do poder, numa forma miserável de intrevir no debate democrático. Que entre no vale tudo que tantas vezes criticou aos outros.

Acharão que têm graça?


Publicado por Manuel 06:19:00 0 comentários Links para este post  



Umberto Eco - "As pessoas são más para a televisão"

Publicado por Manuel 03:53:00 0 comentários Links para este post  



em Portugal não disto...

Segundo o JN ...


A operação "Júpiter", que tinha por objectivo demonstrar presumíveis pagamentos e subornos do laboratório GlaxoSmithKline (GSK) a milhares de médicos (para que estes receitassem os medicamentos daquela empresa), denunciou finalmente 4.713 pessoas,entre as quais 4.440 médicos implicados no caso.

Ao fim de dois anos, uma equipa coordenada pelo inspector-chefe de Verona (Noroeste de Itália) da Polícia Fiscal, Guido Papalia, conseguiu recolher provas que acusam médicos especialistas e de clínica geral, assim como trabalhadores do sector farmacêutico. Na totalidade, foram denunciados 2.579 médicos de clínica geral, 1.738 especialistas, e cerca de 200 empregados da filial italiana da Glaxo.

A GSK é acusada de oferecer incentivos aos médicos, tais como convites para "falsos congressos" com todas as despesas pagas em vários pontos do Mundo, com o propósito de eles receitarem os seus produtos. A investigação começou na região de Veneto (que tem Veneza por capital), quando a Polícia Fiscal descobriu que a contabilidade da GSK registava avultadas verbas destinadas a promoções. Eram cerca de cem milhões de euros só para o período 2001-2002.

As Finanças de Verona acusam a GSK de ter desembolsado um milhão de euros por ano para que os médicos receitassem determinados fármacos, cingindo-se apenas ao catálogo da empresa.

A Polícia revelou que todas as comissões e presentes eram controladas por um sistema informático denominado "Júpiter", que registava o "rendimento" de cada beneficiário e o valor do "prémio".

N.A. O título é dedicado à Procuradora Geral Adjunta Cândida Almeida...

Publicado por Manuel 00:01:00 0 comentários Links para este post  



31/05/2004 - "The Day After Tomorrow"


Publicado por Manuel 21:31:00 1 comentários Links para este post  

Vasco Valdez considerou «inadmissíveis os processos de intenção» de que o novo director-geral dos Impostos (quadro do BCP) irá favorecer o grupo BCP e a insinuação de que poderá acumular o cargo público com trabalho naquele banco. Apesar da indamissibilidade desses mesmos "processos de intenção", o mesmo Vasco Valdez não se coibiu de defender que o novo director-geral dos Impostos deve abster-se de decisões em matéria fiscal que digam respeito a empresas onde o grupo BCP tenha participações qualificadas registadas. Mais, chegou ao ponto de afirmar que «Do meu ponto de vista, ficam de fora as empresas em que o BCP tenha participação qualificada».

Há várias conclusões a reter destas nada inocentes declarações de Valdez. Em primeiro lugar a profunda deslealdade que elas demonstram do SEAF para com Paulo Macedo já que uma coisa é termos um comunicado do ministério das Finanças em que se diz que Paulo Macedo não tratará de assuntos relativos ao BCP, outra completa e totalmente diferente é o secretário de estado da tutela vir dar "opiniões" (!) sobre o âmbito do conflito de interesses que atingirá ou não Paulo Macedo. Em segundo lugar, estas declarações provem de alguém que sempre gostou de ser Director Geral dos Impostos na sua vertente mediúnica, leia-se por telecomando, pelo que não podem deixar de ser interpretadas como um sério "aviso" a Paulo Macedo que se vê assim com cada vez menos margem de manobra, e cobertura, para agilizar a máquina fiscal. Para terminar não deixa de ser curioso que o mesmíssimo Vasco Valdez o tal que agora opina sobre as incompatibilidades funcionais de Paulo Macedo seja o mesmo que não viu em si próprio, em tempo oportuno, qualquer incompatibilidade aquando do affair Benfica...

Noutra frente o PS e o PSD entenderam-se quanto ao dossier secretas. A solução, como não podia deixar de ser, é no mínimo imbecil. Na componente política, deixaram de fora o Presidente da República, o que no mínimo é uma desilegância, e arranjaram um organigrama que na prática continua a dar para tudo e na componente operacional não resolveram nenhum dos problemas de fundo. Há boa maneira portuguesa, e na prática, aquilo a que se assistiu foi, apenas e só, foi à contratualização de uma privatização - pura e dura - dos serviços de informação por parte do bloco central. Obviamente, vai acabar mal.

Publicado por Manuel 19:35:00 0 comentários Links para este post  



«Isto»


Comício ou não, o «Congresso» do PSD da semana passada demonstrou à saciedade o absoluto esgotamento do partido. Tirando uns milhares de carreiristas, já ninguém se interessa por aquilo e cá fora já ninguém espera nada daquela gente. O que não seria mau se o PSD fosse um caso único. Mas não é. À Direita, o CDS consegue conservar a custo uma existência fictícia (porque está no governo), mas não pode resistir a uma eleição em que se apresente sozinho. Paulo Portas passou o prazo de validade: o menino-prodígio não cresceu (ou cresceu mal) e os meninos velhos não têm graça. À esquerda, Guterres liquidou o PS, que hoje anda por aí como a alma penada em que, de facto, se tornou. O «Bloco de Esquerda» já não tem a mais vaga relevância e perdeu o valor de novidade: a repetição da asneira cansa e não leva longe. E o pobre PC continua a morrer devagarinho, sem barulho e sem esperança. Há quem pense que se trata de uma «questão de homens», como antigamente se dizia. Engano. Santana Lopes não vale mais do que Durão Barroso; nem Sócrates muito mais do que Ferro. E Paulo Portas reduziu o CDS à sua (inaceitável) pessoa. Quanto ao resto, à segunda linha, não se vê (e não por acaso) um só político com alguma autoridade e algum futuro. Entrámos no deserto ou, mais precisamente, na crise do regime. Sem a «Europa», mais tarde ou mais cedo, mais cedo do que tarde, aparecia em cena o tradicional remédio para problemas desta espécie: o partido anti-partidos, provavelmente «presidencialista» e amante do «consenso» (da união nacional). Com a «Europa», as coisas não são tão simples. Donde não se segue que, sob outras formas, não suceda o mesmo (como sucedeu em Itália). O sentimento de que «isto» não é aguentável começa a chegar a toda a parte. E abre a porta a quase tudo.

Vasco Pulido Valente

Publicado por Manuel 13:30:00 3 comentários Links para este post  



"o inimigo do papa"

Procura-se... vivo ou, de preferência, "morto"...



Chama-se Roman Abramovich, é russo, e anda a aproveitar os rios de dinheiro que ganhou com o petróleo e outras negociatas igualmente lodosas para desestabilizar por completo o mercado financeiro do futebol europeu.

O Papa das Antas está fulo com ele - já lhe roubou o mister e o mais provável é que ainda lhe vá roubar mais uns dois ou três craques da bola.

Esta Venerável Loja, que em tempo oportuno já felicitou o FC Porto pelo fantástico êxito na Champions, tem sabido umas coisas muito curiosas sobre o que está a passar na casa azul e branca...

Parece que a festa do título europeu foi estragada pelo ambiente de... cortar à faca que se viveu nas horas seguintes ao final do encontro. Pinto da Costa não suportou o facto de Mourinho ter aberto o livro logo depois do final do encontro e recusou-se a falar aos jornalistas (alguém se lembra de um presidente de um clube que acaba de ser campeão europeu não querer celebrar o facto falando aos meios de comunicação social?)

PC e Mourinho nem se falam e o presidente quer demarcar-se por completo daquilo que Mourinho fez. Mesmo que isso custe perder os louros de tantos sucessos em tão pouco tempo. O futuro técnico do Chelsea teve medo de enfrentar os pedidos dos adeptos e não se dignou a festejar na cidade invicta o feito europeu.


foto registada há um ano, na final de Sevilha...


A vida dá muitas voltas mas o futebol, de facto, dá ainda mais...

Publicado por André 03:11:00 2 comentários Links para este post  



aguarda-se impacientemente mais um comentário sensato de Figueiredo Lopes...


MARTIN Kallen, responsável da UEFA no Euro-2004, percebeu nos contactos com as autoridades policiais que «em Portugal é fácil pôr uma bomba num estádio porque podemos sempre encontrar uma pessoa corrupta».


Publicado por Manuel 00:39:00 0 comentários Links para este post  



A prothonotary warbler comes in for a landing with food for its offspring that wait in its nest inside the gourd, Friday, May 28, 2004, in Sopchoppy, Fla. (AP Photo/Phil Coale)


Publicado por Manuel 23:59:00 2 comentários Links para este post  



"A Ministra de Estado e das Finanças"


António de Oliveira Salazar (AOS) foi ministro das finanças e presidente do Conselho de Ministros (CM) já não se sabe por quanto tempo. A muitos, pareceu-lhes uma eternidade.

Como aldeão que era e democrata de gema, sempre utilizou, mesmo com o que chamava de "adversários políticos" uma terminologia correcta, educada, polida.

Jamais se dirigiu à sua Assembleia Nacional (AN) sem tirar aquele chapéu grotesco que sempre trazia, ou entrando de botas nos passos perdidos de São Bento (SB).

Enquanto ministro das finanças, tinha destas a ideia de uma mercearia, onde, à noite, se esconde o apuro diário. Escondia esse dito, em forma de barras de ouro, nos cofres do Banco de Portugal (BP).

Era um rural respeitador das ideias alheias, cultivava as diferenças e nunca chamou a polícia, mesmo política, para qualquer tipo de repressão a quem pensava ou agia de modo diverso do seu. Em suma, um humanista.

Desde António Oliveira Salazar que o país não era bafejado por um ministro das finanças tão poupador, tão zeloso dos dinheiros públicos e que nunca por nunca tivesse vendido a nacionais e estrangeiros uma parcela, por mais minúscula, da fazenda pátria.

É a actual ministra das finanças, não sei se públicas se privadas, pois não está ainda esclarecido se trata daquelas ou destas.

Manuela Ferreira Leite, que é a ministra de quem se fala, tem sobre António Oliveira Salazar, e desde logo, uma incomensurável vantagem - faz, pelos seus dotes físicos, inveja a qualquer Claudia Schiffer já em franca decadência.

É uma ministra simpática, sempre pronta a responder com amabilidade à Comunicação Social - nunca se lhe topam quaisquer tiques desabridos ou de autocracia, o que não seria de estranhar se se pensar na escola política de onde surgiu. Superou-a.

Tem, como todos nós, uns pecadilhos fiscais - aqueles três mil contos que se esqueceu de declarar ao seu ministério e aquele Director-Geral que ganha, não se sabe como, e com que fundamento legal, uns módicos 30.000 euros mensais.

É ainda ministra de, ou do, Estado, mas aqui não se sabe quais são as suas funções, dado que sempre nos fala de dinheiro, de défices, de poupanças, de negócios públicos e privados, de como conseguiu, com sua acção regeneradora, evitar que a União Europeia (UE) nos levantasse um processo de contra-ordenação por incumprimento culposo das regras do mealheiro.

Como toda a gente, Manuela Ferreira Leite, de quando em vez, perde a tramontana, sobretudo com gente que, sendo de outra religião partidária, não entende o que ela diz. Não entende ou não quer entender.

Nessas ocasiões, como ministra do Estado e do Dinheiro, assiste-lhe o direito de deixar cair o que, em António Oliveira Salazar, seria um dislate despropositado, mas nela se deve ter como desabafo, ante adversários que querem é prejudicar o seu labor, não cumprindo a máxima da sua filosofia política e que se sintetiza em

...deixem-nos trabalhar...

Vai daí que, respeitando embora aquilo que ontem era a Assembleia Nacional e hoje a Assembleia da República, com as adequadas e essenciais diferenças, a Srª Ministra perdendo, mas logo encontrando, o perfil adequado às altas funções do Estado que é seu, em se voltando para um habitante desta última, que teimava em questioná-la, teve, forçosamente, de lhe dizer...

...O senhor não merece o ordenado que recebe...


o senhor não sabe do que está a falar

.
...pergunta é de um ignorante...


É de não questionar que se a ministra disse que o deputado, porque de deputado se tratava, não merece o dinheiro que recebe, é verdade, pois o Dinheiro que o deputado recebe não é do país, mas da ministra e ela é quem diz quem merece e quem não merece o dinheiro que paga...

E se a ministra, que é também ministra do Estado, afirma que o deputado não sabia o que dizia e era ignorante, só pode ser verdade, pois é o ministro de Estado quem decreta quem é e quem não é ignorante.

Problema é saber se a ministra das finanças e do estado, quando deixar de o ser, aceita as regras que ora impôs ao deputado e não vai antes a correr ao DIAP participar por injúrias de um ministro de estado e das finanças que lhe entregue tais terminológicas prendas.

Ponto final.

Alberto Pinto Nogueira


Publicado por josé 18:57:00 11 comentários Links para este post  



A British firm specializing in exotic food will sell half a ton of big-bottomed, toasted Colombian ants -- best harvested in cemeteries -- to Europe, Australia and the United States, after they became the rage in Britain (AFP/HO/File)


Publicado por Manuel 16:58:00 0 comentários Links para este post  


Os funcionários do fisco estão revoltados. Dizem que há entre eles funcionários tão ou mais competentes.

Abriu uma vaga no BCP. É mandar o curriculum senhores ...

João Miranda


Publicado por Manuel 15:45:00 1 comentários Links para este post  



um pequeno grande passo ...


A pena de multa sexta-feira aplicada aos arguidos do caso de «insider trading» na fusão BCP/BPA superou as mais valias ilícitas obtidas com o negócio, algo que acontece pela primeira vez num julgamento desta natureza.


Publicado por Manuel 14:19:00 0 comentários Links para este post  



A cópia do dia

Vital Moreira, escreveu sobre a nomeação do novo director geral das contribuições e impostos.

Em atenção aos fundamentos e importância do escrito, fica aqui uma cópia parcial, presumindo a autorização, já costumeira na blogosfera.


Ilegal, inconveniente e insustentável
  • 1. Uma nomeação ilegal
    Ao contrário do que sustentou o Ministério das Finanças, seguido por alguns comentadores, a nomeação do novo Director-Geral dos Impostos, "requisitado" ao BCP, é francamente ilegal.

    Na verdade, a única base legal disponível seria um diploma de 1974, de um dos governos provisórios, que permitiu ao Governo requisitar excepcionalmente às empresas privadas gestores e técnicos para a Administração pública. Todavia, essa figura excepcional pressupõe:
    • a) a verificação dos requisitos da requisição administrativa de bens ou pessoas privadas, ou seja, a existência de uma necessidade urgente e transitória da Administração que não possa ser satisfeita pelos seus próprios meios;

    • b) em princípio, não pode exceder 180 dias, salvo acordo da empresa e da pessoa em causa (e claro, mediante fundamentação do prolongamento);

    • c) o vencimento corresponde à remuneração do cargo em causa, podendo porém a empresa requisitada pagar a diferença de vencimentos ao seu trabalhador, se o desejar.

    Independentemente da duvidosa conformidade constitucional deste regime excepcional, ele não pode ser utilizado fora das suas condições e termos, justamente por ser excepcional.

    Ou seja, não pode ser utilizado como modo de preencher normalmente uma necessidade permanente da Administração, como é o cargo de director-geral. No caso concreto, o Ministério das Finanças não justificou a necessidade e a urgência de uma requisição ao sector privado nem a necessidade de o fazer por 3 anos.
    Quanto ao vencimento, seria ilegal abonar ao requisitado mais do que o vencimento de DG, tal como seria ilegal se a Administração viesse a compensar o BCP pela diferença que este resolvesse abonar ao seu empregado requisitado.

    A este propósito cabe referir a flagrante ilegalidade de um caso precedente, no Ministério da Defesa, em que um elemento requisitado à PT continua a ser remunerado por inteiro por esta, sendo ela depois reembolsada pelo Ministério por toda a importância paga (aliás de montante desconhecido!). Trata-se de um cambalacho sem o mínimo fundamento legal. O recurso à requisição não pode importar um acréscimo de despesa do Estado com o cargo em causa.

    A lei é clara quanto ao limite da remuneração a pagar pela Administração, e tratando-se de uma lei especial, só poderia ser derrogada por outro lei especial, que não existe.


Publicado por josé 10:22:00 0 comentários Links para este post  



The youngest planet ever detected -- a baby less than one million years old -- may be orbiting a young star in the constellation Taurus, scientists using NASA's Spitzer Space Telescope reported on May 27, 2004. In this artist's conception, the possible newfound planet spins through a clearing in a nearby star's dusty, planet-forming disc. The possible infant planet was spotted circling a star known as CoKu Tau 4, some 420 light-years away, according to astronomer Dan Watson of the University of Rochester, New York. REUTERS/NASA/Handout


Publicado por Manuel 00:19:00 1 comentários Links para este post  



divagações sobre uma máquina fiscal ...

Manuela Ferreira Leite, Ministra de Estado e das Finanças, anda de repente nas bocas do mundo. Sempre andou mas, agora anda mais que o habitual.

É a novela atribulada do salário do novo Director da DGCI, é a questão do "esquecimento" da ministra, etc. etc, etc.

Mas esqueçamos por momentos o presente, e os presentes e façamos uma pequena viagem de um passado não muito distante...



... e fixemo-nos num nome - Armindo Lopes Ribeiro, o ex-responsável da DGCI.

É ou não verdade, que independentemente de todas as considerações que se possam fazer sobre o salário do novo responsável máximo da DGCI, já o seu antecessor, com um salário base inferior, ganhava bem mais do que o Presidente da República e até acumulava as benesses da DGCI com as do Tribunal de Contas, ao ponto de até receber o equivalente ao subsídio de residência dos juizes?

Em tempos foi anunciada com pompa e circunstância a constituição de uma task-force para combater os grandes casos de fuga e evasão fiscal. Ora que andou a fazer durante este tempo todo essa mesma task-force, quais foram os critérios que levaram à seleção dos seus membros, e que resultados apresentou até hoje ?

, algures, algum registo do trabalho efectuado por essa tal task-force que permita aferir da objectividade, e seriedade, dos seus critérios ? Se não há, porquê ?

E esses critérios eram definidos por quem, e com que bases ? E quem controlava ?

Imagine-se, por absurdo e em tese, que um belo dia - já agora lá para 2002, e só para chatear, o sistema informático da DGCI tinha miraculosamente "sorteado" o nome de Manuela Ferreira Leite para ser ela própria, já ministra, vitima de uma fiscalização à sua declaração de IRS (e damos o nome dela como exemplo porque é a ministra da tutela). Se tal, por absoluto absurdo, tivesse acontecido, e atendendo a que os computadores ainda não tem - nem neste cenário - vontade própria, e não havendo, neste cenário absurdo, nenhuma razão lógica para que tal fiscalização acontecesse quem na DGCI, em tese, teria possibilidade e interesse em forçar e parametrizar as variáveis tais que tal evento pudesse vir a ocorrer (isto, no tal cenário, claro está) ? Já agora, fenómenos deste género nunca aconteceram a ninguém, pois não ? E se, por absurdo, aconteceram como foram, ou deviam, ser interpretados?



Deixando o abstracto e voltando a factos concretos foi pública e notória a falta de comunicação, a partir de determinada altura, entre Vasco Valdez, secretário de estado da Administração Fiscal, e o demitido Armindo Lopes Ribeiro. A certa altura o então responsável da DGCI chegou mesmo a ser formalmente impedido de nomear novos subdirectores-gerais, acto que rapidamente "contornou" reformulando as delegações de competências já existentes.

No entanto muita água veio ainda a correr até que Armindo Ribeiro fosse finalmente substituído. Face a um tão pouco discreto desaguisado com a tutela o que segurou Armindo Ribeiro tanto tempo ? A sua especial competência ? a lei da gravidade? a dificuldade em encontrar um sucessor ?

E porque foi incapaz Vasco Valdez de convencer Ferreira Leite da urgência de remodelar Armindo Ribeiro ? Será que algumas alminhas menos piedosas viram no motivo das falhas de comunicação entre Valdez e Ribeiro, questões mais ou menos pessoais e com pouco a ver com o superior interesse do Estado, e por isso as terão desvalorizado ou menospreszado ?

Já agora, Manuela Ferreira Leite é mesmo a Ministra das Finanças?


Publicado por Manuel 20:52:00 1 comentários Links para este post  



é preciso regressar ao futuro...


Publicado por Manuel 18:25:00 0 comentários Links para este post  



"Carta à Senhora Ministra das Finanças"




Ex.ma Senhora Ministra das Finanças

O signatário, O Jumento de nome, burro por opção profissional e funcionário público de profissão, vem muito respeitosamente colocar-se à disposição de Vexa no esforço que está a desenvolver para a modernização da Administração Pública, que só é viável com gente competente com a que tem andado a contratar.

Tendo consciência que o meu vencimento representa um duplo peso para Vexa, já que sendo baixo denuncia a existência de um funcionário burro, inútil, preguiçoso, incompetente e potencialmente corrupto, e porque apesar de reduzido e congelado esse vencimento é um peso incomportável para o seu esforço de consolidação das contas públicas, venho propor-lhe uma alteração do meu vínculo contratual.

Assim, o O Jumento compromete-se a encontrar emprego no sector privado negociando um ordenado compatível com o seu real valor; uma colocado numa empresa privada, de preferência um grande grupo financeiro, a senhora ministra compromete-se a requisitar-me a custo zero, negociando com o meu patrão a melhor forma de o ressarcir do custo do meu vencimento no emprego de origem, que continuará a processá-lo e a aumentá-lo sempre que o meu patrão entender que estou a fazer um bom trabalho.

Com esta solução a senhora beneficia de múltiplas vantagens:

Consegue reduzir o número de funcionários públicos e a consequente redução da verba orçamental destinada a vencimentos, com reflexos a longo prazo na Caixa-Geral de Aposentações; só não obtém ganhos da ADSE porque graças a Deus estou de boa saúde, apesar de nos últimos tempos, sabe-se lá porquê, andar com algumas crises nervosas. Além disso reduz o risco de corrupção, um dos males que prometeu combater, e que começa a ser urgente mostrar resultados.

Consegue substituir um gandulo, incompetente e potencialmente corrupto funcionário público por um profissional imbuído dos valores da iniciativa privada que Vexa tanto aprecia, imprimindo novo dinamismo aos serviços públicos.

Como a solução encontrada para pagar a despesa suportada pelo meu patrão vai consubstanciar uma operação do tipo prestação de serviços, traduzir-se-á num aumento líquido da receita fiscal por via da aplicação de IVA, pelo IRS aplicado a um vencimento substancialmente superior, pelo IVA sobre o meu consumo acrescido graças à melhoria da minha situação salarial, pelo imposto automóvel porque finalmente vou poder mudar de automóvel, pelo imposto sobre o património porque agora vou poder ter mais um filho porque já vai ser possível mudar de casa. Perderá montantes de menor importância já que me vendo livre da sua forretice vou deixar de ter menos stress e, em consequência disso, fumar menos. Como vou fazer um filho também perderá quantias pouco significativas relativas ao iva sobre a aquisição de preservativos que vou poder deixar de usar.

E garanto-lhe senhora ministra que até vou votar no João de Deus Pinheiro e, se for necessário, até ofereço ao homem uma almofada do género das usadas pelos barbeiros quando cortam o cabelo aos putos, para que o ilustre euro-deputado quando se sentar no euro-hemicíclo consiga alcançar o tampo da sua bancada.

Com os melhores Cumprimentos.

O Jumento

Publicado por Manuel 17:48:00 3 comentários Links para este post  



estranhezas...

A edição do Jornal de Negócios citando fontes oficiais - repito oficiais - afirma peremptoriamente que parte do seu salário enquanto novo responsável pela DGCI seria pago pelo seu antigo empregador.



O Ministério das Finanças desmente, de uma forma frouxa, e...
precisa que todas as questões fiscais que envolvam aquele banco [o BCP] "serão decididas pelo secretário de Estado dos Assuntos fiscais, Vasco Valdez".


Uma dúvida se coloca desde já - porque é que só agora é que a questão da metodologia da resolução do potencial conflito de interesses é explicada...

Entretanto fica-se a saber que hoje mesmo ...
O Conselho de Ministros aprovou hoje a alienação de 35% a 65% do capital da OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal, anunciou hoje o ministro da Defesa, Paulo Portas. A privatização das oficinas de manutenção aeronáutica irá realizar-se «por negociação» com os consórcios interessados, acrescentou a mesma fonte.(...)

Em conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, Paulo Portas defendeu que a privatização será feita por negociação, «porque é melhor forma de defender o preço e o projecto industrial para modernizar a OGMA industrial para modernizar a OGMA»

Será curioso observar como vão ser definidos quais os consórcios "interessados", e interessantes, e a forma como vai decorrer a tal negociação.

Para não variar, a Grande Loja, calejada pelo que se está a passar com a GALP, estranha o uso da palavra consórcio logo desde o primeiro instante...

Publicado por Manuel 15:54:00 2 comentários Links para este post  



a cópia do dia...


Negócios

Passo a passo, a política vai desaparecendo do nosso espaço público. A integração europeia, tema entre todos político, quase não é abordada pelos partidos (falta agravada pelos entraves colocados à participação de Manuel Monteiro em debates, calando um eurocéptico de direita com quem seria útil discutir). O governo retrai-se de promover ideologicamente as reformas que lança, limitando-se a posições defensivas. E os partidos da oposição, com excepção do Bloco de Esquerda (que pode dizer o que lhe apetece), evitam também o debate político, que parece ser-lhes incómodo. Ficam, assim, as querelas em torno de pessoas - daí a obsessão com as eleições presidenciais ou fascínio da comunicação social pelas remodelações governamentais. E ficam, sobretudo, os negócios.

A curiosa forma como saiu o ministro Theias deixou entrever o peso dos interesses económicos na condução dos assuntos de Estado. Nada de novo, com certeza: sempre existiram governantes a encarar o poder como meio de enriquecerem. Mas a importância do Estado para os negócios privados é hoje enorme, bem maior do que há cinquenta ou cem anos. Mesmo depois das privatizações, o Estado ainda gasta quase metade da riqueza nacional. E pode impedir ou autorizar muita coisa.

Os interesses económicos dividem transversalmente os partidos e ligam personalidades de diferentes quadrantes. A vítima é a transparência. A vida pública torna-se opaca, afastando o cidadão comum, que suspeita dos governantes. Daí a interrogação que paira: será que a maior parte da energia e do tempo dos governantes é gasta em avançar ou travar o negócio A ou B? Esta suspeita combate-se com política - mas da autêntica, não com cortinas de fumo para disfarçar interesses.

Francisco Sarsfield Cabral

Publicado por Manuel 14:05:00 0 comentários Links para este post  



Um pequeno sermão...

Antes, porém, que vos vades, assim como ouvistes os vossos louvores, ouvi também agora as vossas repreensões.

Padre António Vieira


O presidente da Associação Sindical dos Investigadores da PJ dá, esta quinta-feira, à Visão uma entrevista de leitura obrigatória, para se perceber como funcionam os mecanismos da investigação criminal em Portugal.



Esta entrevista terá, entretanto, que ser contextualizada com outra dada á mesma revista pela coordenadora do DCIAP, Cândida Almeida.

Mas, o que diz Carlos Anjos...

  • Constatamos que as opiniões de Souto Moura não coincidem com as de Cândida Almeida

  • Há vários departamentos da Judiciária que têm problemas com o DCIAP

  • Além do caso da Casa Pia, nos últimos tempos houve dois processos avocados pelo MP: Isaltino Morais e António Preto. Vamos ver o resultado

  • [A operação "Apito Dourado"] é uma vitória dos operacionais e do magistrado titular do processo (Carlos Teixeira)

  • Claramente. As pessoas podem ter ambições pessoais. O que ninguém tem o direito é de trazer conflitualidade para a investigação criminal
    Respondendo à questão...
    Então o problema está em Cândida Almeida e não noutros departamentos do MP?


Publicado por Carlos 12:24:00 1 comentários Links para este post  



"Medalhem o Cronista"


Se o JN não estivesse aqui em frente, ante o meu nariz (sou narigudo),não cria, é que não acreditava mesmo. Li, reli, voltei a ler e a reler, na busca de encontrar o sentido do texto.Seria mesmo aquilo que me perpassava pela mona? Era mesmo. Infelizmente.

Artur Costa (AC), no JN de 27 de Maio, sugere, se não mesmo propõe, ainda que não muito às claras, um louvor para os que, como ele, no silêncio dos gabinetes, trabalham em processos, são isentos, imparciais, independentes.

São os magistrados, judiciais, é claro. A ideia, ígnita que é, não é, todavia, nova. De todo.

O que ora AC acaba por propor não se sabe a quem, foi concretizado, há umas semanas atrás, pelo presidente da relação de Guimarães que, em letra de forma, publicou no DR um louvor aos magistrados pelo seu bom comportamento "qua tale".

Tais "louvores", sob o meu ponto de vista de magistrado herético, que cultivo a independência sem louvores e a isenção como método de trabalho, a humildade como forma de servir os meus concidadãos, passe sempre a imodéstia e os erros, constituem uma afronta a quem se diz e é magistrado de profissão. Um magistrado não é um militar à espera das medalhas de comportamento exemplar no campo de batalha.

Magistrado que não cultiva o que AC entende digno de louvor, não é digno desse nome, mas não ultrapassa os limites exíguos de um mangadalpaca, com o respeito que é devido a quem exerce, com dignidade, este múnus.

AC pode trabalhar 48 horas por dia, ser isento, imparcial, independente. É para isso que a Comunidade lhe paga. Por isso que atoniza que tenha subscrito a crónica que subscreveu.

Não tenho o espaço adminículo que AC tem reservado nos jornais semanalmente. Todavia, para escrever o que escreveu, mais lhe valera estar calado e pousar a caneta.

Conheço AC há mais de trinta anos, trabalhei com ele 17/18 anos no mesmo gabinete e nunca, em qualquer momento,me dei conta que precisasse de "medalhas", "reconhecimentos públicos", que fosse possuído de um ego tão minúsculo que tenha de ser preenchido por um qualquer louvor publicitado numa obscura página de um obscuro DR que só os da casa lêem.

Suponho que foi Karl Marx quem referiu que o homem é torneado à medida das suas relações de trabalho. Se é assim, agora por mais esta razão, e a adicionar a tantas outras, deixo, uma vez mais, os meus sinceros, honestos e públicos agradecimentos ao CSM, por me ter graduado em lugar que, evidentemente, não me permite ser conselheiro ávido de louvores.

Terá AC atentado nos louvores a dar aos que sofrem de desemprego, aos que trabalham em condições indignas, aos que se deslocam pagando bilhete de transporte indignos, sem transporte gratuito no ALFA, aos que só encontram mulher e filhos no fim de semana e se instalam em pensões rascas por não terem ajudas de custo?

Ou só no STJ se trabalha? Dantes, AC pensava nisso. Asseguro.

O Terreiro do Paço não é o Mundo. A orbe terrestre não está limitada aos processos do STJ por mais relevante que, aí, seja o labor que se leva a efeito.

Alberto Pinto Nogueira


Publicado por josé 11:46:00 1 comentários Links para este post  



"O senhor DGCI"


Mangadalpaca ficou hoje, finalmente (e julga que cabalmente), esclarecido acerca da «engenharia jurídico-financeira» que o Governo artificiosamente engendrou para «requisitar» ao Grupo Millenium-BCP o actual Director-Geral das Contribuições e Impostos, não perdendo este o nível remuneratório que vencia ao serviço do dito grupo.

Sobre as razões da demissão ou renúncia do ex- Director-Geral não importa divagar. E sobre os aspectos éticos e políticos da nomeação do actual, o Professor Marcelo Rebelo Sousa já disse tudo no Jornal da Noite da TVI de domingo passado.

Interessa, apenas – e Mangadalpaca ousa pensar que interessará a muitos portugueses – questionar os critérios de nomeação de pessoas do sector privado para cargos de alta responsabilidade da Administração Pública, no caso, na Administração Fiscal.
Não está em causa a competência e qualificações técnicas do recém designado Director-Geral. Nem está em causa aludir ao exponencial aumento de nomeações por critérios de ordem política para cargos da Administração Pública.

Seria, porventura, discutível se não haverá funcionários com níveis de qualificação equiparáveis nos diversos departamentos do Estado para o desempenho do cargo ou se nem sequer terá sido feito um esforço nesse sentido. Dê-se de barato que é a pessoa mais qualificada para o lugar.

Porém, uma perplexidade não pode deixar de ser notada.

Mangadalpaca foi informado que o dito Director-Geral continuará a ser parcialmente (e generosamente) pago pelo grupo Millenium-BCP, sendo o diferencial do seu antigo vencimento pago pelo Estado, uma vez que continuará a prestar serviços ao dito grupo empregador, esporadicamente.

Parece que o diferencial pago pelo Estado será muito inferior ao que continuará a ser pago pelo grupo Millenium-BCP ao Director-Geral.

Seria, contudo, de extrema importância que fosse esclarecido o significado de «serviços esporádicos» e o âmbito de tais serviços.

Será conveniente que alguém num cargo de tamanha relevância – num momento em que o País se defronta com o magno problema do cumprimento dos critérios de convergência e do pacto de estabilidade orçamental possa servir, simultaneamente o Estado e um grupo financeiro privado?

E será prudente não estabelecer publicamente critérios de actuação desse alto responsável «requisitado» ao sector privado?

Que empregador privilegiará o Director-Geral? O que lhe paga generosamente ou o que lhe paga o montante diferencial? Se houver conflitos de interesses, invocará ele escusa ou considerar-se-á impedido de intervir em qualquer eventual contencioso entre a Administração Fiscal e o grupo BCP-Millenium?

Em homenagem ao propalado princípio da transparência da Administração Pública teria sido desejável que esta nomeação não tivesse ocorrido. Tendo-o sido, é inequívoco que a mesma está originariamente fragilizada, afectando inexoravelmente o propósito e intuito da mesma.

Isto passa-se num Ministério dirigido por uma Ministra que quis dar exemplo da austeridade e probidade necessárias no desempenho de cargos públicos e de contenção no plano da despesa pública.

A mesma Ministra que se desgostou pelo facto de um outro Director-Geral tirar dois dias da semana para um fazer doutoramento (investindo porventura em áreas que seriam do interesse dos próprios serviços da Administração Fiscal), autoriza (e requisita), agora, outro Director-Geral a trabalhar, esporadicamente (note-se), para o maior grupo financeiro privado – por acaso o segundo grupo financeiro do País (a seguir ao grupo CGD).

Não foram estes governantes que disseram que «A mulher de César não lhe basta ser séria; é preciso parecê-lo»?


Mangadalpaca


Publicado por josé 11:14:00 3 comentários Links para este post  



"A Tanga, o Fio Dental e a Retoma"


Chegou a Retoma.

Passados dois anos e meio em que os lusos se indumentaram resumidamente de tanga, depois de fio dental impúdico, que fazia inveja a qualquer exposição solar do Rio de Janeiro, Durão Barroso (DB) anunciou, de uma cidadezinha desconhecida da Germânia, a capacidade organizativa, empreendedora do rectângulo que ainda é, parcialmente, dos descendentes de árabes, visigodos e celtas.

Passou-se finalmente da discussão à execução que é o que distingue a retoma da sua pré-retoma. Associou-se-lhe o Presidente da República (PR), este teorizando as virtudes futeboleiros do norte e aconselhando os sulistas-elitistas a seguir-lhe o exemplo de equipa com garra, bem organizada e com uma equipa de técnica invejável.

Ficaram por promulgar, através de Decreto-Lei (DL), as glórias e os relvados das mesmas, pois o país é hoje, e será nos próximos tempos, um imenso relvado de futebol em que quem é patriota se deve rever.

Já disse aqui que o barrosismo é uma filosofia política que se sintetiza em transmudar tudo e todos numa bola de futebol, as cabeças devem acomodar-se ao feito dessas bolas. Ser redondas.

Manuela Ferreira Leite (MFL) perdeu aquele ar autoritário e desdenhoso com que fala na Comunicação Social (CS) e que lhe advêm dos tiques adquiridos no tempo em era membro de um Governo cujo chefe nunca se enganava e raramente tinha dúvidas.

Com a retoma do futebol, tornou-se democrata, quase populista, e segue de metro ou autocarro para o Ministério das Finança (MF), depois de ter cedido o seu gabinete ministerial ao Director -Geral dos Impostos (DGI).

Um gestor privado que vai dirigir a "res publica" em moldes privados...Por isso que MFL, dona que é dos nossos impostos, decidiu, como ministro do Dinheiro Público, pagar a um privado uma quantia que nem o PR recebe - só, mesmo assim, 25.000 euros mensais.

Que representa isso com o êxito da retoma internacional provinda do futebol com riscas azuis e brancas?

Carlos Tavares (CT), ministro da economia, que traçou com todo o pormenor tantos programas económicos de salvação nacional que já nem ele sabe o que está em vigor, pode finalmente, em bicos de pés, sair daquela situação deprimente de pedir, mendigar, voltar a mendigar e a pedir, aos ditos empresários que não se estabeleçam no leste que deixem as empresas no país. Pode agora exigir, exibindo a Bola às riscas e com o aval da UEFA e,
por maioria de razão da EU. Que o que cá está, cá fique. E fica.

Já não pela força política de CT, mas antes pelo beatério de Bagão Félix (BF). Este, com vários dribles futebolísticos, desde a liga dos campeões ao sacrossanto euro, vai manter os quinhentos mil desempregados, as pensões degradadas e os apoios sociais chorudos às famílias desempregadas e doentes. Consola-as com umas missinhas de domingo em que o FCP faz de Igreja Universal na terra que foi de Camões e de que este, com certeza, hoje muito se ufanaria.

Celeste Cardona (CC) ministra de um extinto ministério que se diz de justiça, por fim, vai levar a efeito tudo quanto é necessário para se ter um "colinho" para todas as criancinhas desamparadas. Para tornar célere a dita cuja justiça, a hipotética ministra vai pagar horas extra a tudo quanto é funcionário e magistrados. Em nome da grande indústria nacional que se passou das cervejas, do vinho do Porto, da Lisnave, para o futebol, onde o Estado nada investe, como é sabido, nem em dinheiro, nem em impostos que devia receber e não recebe.

Marques Mendes (MM), que adquiriu uns sapatos de tacão alto para o efeito, na Assembleia da República (AR), em nome do governo que nos desgoverna, fará, em tom patriótico e exaltado, tipo parlamentar da 1ª República, um discurso inflamado, exaltando este povo que conseguiu, numa só noite, o que demorou anos a conseguir. Vai propor um voto de louvor ao FCP.

Os deputados, alguns a contragosto por causa de questões que nada têm a ver com objectivos eleiçoeiros, vão votar, por unanimidade.

O país, pela mão redonda de uma bola de futebol, entrou na retoma, deixou a tanga e o fio dental.

Alberto Pinto Nogueira




Publicado por josé 09:06:00 0 comentários Links para este post  



slate - "Feed the Worms Who Write Worms to the Worms"


Publicado por Manuel 00:58:00 0 comentários Links para este post  



FC Porto, o novo campeão da Europa!

Em mais uma lição táctica próxima da perfeição, José Mourinho provou dotes de excelência e é o novo treinador campeão da Europa.



A Grande Loja felicita o FC Porto pela fantástica vitória desta noite. O FC Porto volta a ser campeão europeu, 17 anos depois, com um triunfo concludente. Ganhar uma final por 3-0 não está ao alcance de qualquer um.



O jogo não foi muito bonito e o Porto entrou um pouco nervoso. Mas o golo obtido por Carlos Alberto deu uma vantagem preciosíssima ao Dragão. Na segunda parte, os portugueses estiveram melhor. Deco soltou a magia e assinou uma jogada de mestre, no 2-0, com a ajuda da chave do jogo, que saiu do banco - Alenitchev (devolveu o meio-campo ao Porto e desequilibrou com o seu talento).



Vítor Baía foi... enorme.

Parabéns ao Futebol Clube do Porto!

Publicado por André 22:23:00 3 comentários Links para este post  



Campeões da Europa




Publicado por Manuel 21:49:00 0 comentários Links para este post  

A malta d' O Acidental anda entretida a dissertar sobre Carmen Cass, candidata ao Parlamento Europeu pelo PPE (grupo que integra o PSD e o CDS/PP).



Vasco Rato e Paulo Pinto Mascarenhas entretêm-se a escrever um para o outro sobre a supermodelo. Mas, sinceramente, a mim não me convencem.

Publicado por Carlos 16:54:00 0 comentários Links para este post  



Barroso e a descoberta da pólvora...

Parece que o nosso Primeiro considera que "É desonesto intelectualmente e insuportavelmente arrogante" e que "não merece qualquer resposta" quem põe em causa a trasparência daquilo a que eufemisticamente se chama "concurso" com vista à compra de 33,34 ou 47,61 por cento do capital da GALP Energia.

Mais, o mero questionar já é dar azo à "insinuação e à calunia".

Para atestestar da credibilidade e honorabilidade do Consórcio Carlyle, o nosso Primeiro não arranjou melhor do que recordar que o embaixador Frank Carlucci "foi condecorado pelo Presidente da República". Ora aí está, como é que ninguém se lembrou disso antes ? O Embaixador Jorge Ritto também foi...

Publicado por Manuel 16:25:00 4 comentários Links para este post  


Roses are red? : Model Joanne Armes, who is covered in body paint, poses with the new apricot-colored Rose named the 'Royal Parks' near one of the garden show pieces at the Chelsea Flower Show in London. (AFP/Jim Watson)

Publicado por Manuel 16:09:00 0 comentários Links para este post  

Agora que se sabe que a preocupação de alguns dos concorrentes, escolhidos a dedo, ao bolo da GALP é a de evitar que o Estado tenha prejuízo (!) ao revender a parcela da ENI Spa talvez fosse pertinente esclarecer de que falou Durão barroso com Frank Carllucci quando este foi recebido oficialmente em São Bento...

Publicado por Manuel 15:14:00 2 comentários Links para este post  



"Discurso do Estado da Nação"


No nosso partido político cumprimos o que prometemos!
Só os tolos podem acreditar que
não lutaremos contra a corrupção.
Porque se há algo certo para nós é que
a honestidade e a transparência são fundamentais
para alcançar os nossos ideais.
Demonstraremos que é uma grande estupidez achar que
o futebol continuará a influenciar o governo como noutros tempos.



Asseguramos sem sombra de dúvida que
a justiça social será o principal objectivo das nossas acções.
Apesar disso, ainda existem idiotas que fantasiam que
se possa continuar a governar com as artimanhas da velha política.
Quando assumirmos o poder, faremos o impossível para que
se acabem os privilégios e as negociatas.
Não permitiremos de modo nenhum que
continuem as listas de espera nos hospitais e
que as nossas crianças morram de fome.
Cumpriremos os nossos objectivos mesmo que
os recursos económicos se esgotem.
Exerceremos o poder até que
Compreendam que
Somos a 'nova política'.

Volte agora a ler o mesmo texto, mas de baixo para cima

Publicado por Carlos 14:24:00 0 comentários Links para este post  



"O direito de Graça"

Vasco Graça Moura reincide hoje no Público, apresentado-se como escritor e fiador de campanha alheia e pouco alegre sobre o assunto das sevícias no PREC. Fala em conversa fiada, mas a sua memória do tempo e o saber de causídico, parecem em falha para abonar a fiança.

Desta vez, que quer dizer o escritor Vasco Graça Moura, para além do já dito?

Aparentemente, e em primeiro lugar, rebater quem lhe fez notar que há um contra-relatório de 1977 a dizer que o documento de Novembro de 1976, é um “nada jurídico”...

” Ninguém sabe o que seja um "nada jurídico". Toda a gente sabe o que é um indício. E toda a gente sabe que um indício não é um "nada jurídico". É um ponto de matéria de facto a averiguar por quem de direito.


diz o escritor Vasco Graça Moura

Quanto a isto, deve dizer-se que os autores do anátema do “nada”, no Contra-Relatório de 1977, são eminentes juristas, alguns já falecidos e cujo acantonamento à esquerda, mesmo assim, não os desviaria da atenção a prestar a esse “nada”.

O “nada” tem a dimensão da noção de nulidade processual que qualquer jurista percebe e alcança e eles, como os outros, eram, a meu ver, igualmente “probos, experientes e respeitados” e supõe-se que o escritor Vasco Graça Moura facilmente o reconhecerá.

E porque será tal relatório um “nada jurídico”,ou seja, uma colecção de nulidades processuais?!

Os tais juristas o disseram então e agora se torna muito mais perceptível para quem tenha tomado atenção aos jornais dos últimos meses - há diligências de prova em processos de natureza penal que estão sujeitas a rigores processuais cuja inobservância as atira para o “nada” jurídico! As violações de direitos, liberdades e garantias, de arguidos, já vigoravam em 1975 e 1976, após a aprovação da Constituição, de Abril desse ano!

Qualquer pessoa, agora, percebe que a obtenção de provas a partir de indícios, está sujeita a regras. Provas e meios de prova definidos na lei processual penal, mesmo num RDM militar. Se tais provas e meios para as conseguir não foram recolhidas ou não o foram como deveriam ser, o documento e os factos que deles constam, redundam nesse “nada jurídico” , porque estão feridas de nulidades e irregularidades processuais, mesmo que isso redunde em desespero forçado de quem queira fazer justiça serôdia, como parece ser o caso e por motivos ínvios, e quiçá, à boca da urna eleitoral.

Assim, ao escritor Vasco Graça Moura, jurista também, será de exigir maior rigor conceptual nestas coisas e por outro lado, uma prévia análise histórica, dar-lhe-ia o retrato completo de uma situação confusa no que se refere à divisão de poderes e ao exercício do poder judicial, nesse contexto.

Em 1975, 1976 e ainda por alguns anos, houve um Conselho da Revolução não eleito pelo povo e com um RDM do tempo do Salazar e uma definição de infracções militares demasiado abrangente e sem fronteira. O que se passou em 1974-75, até ao 25 de Novembro, foi um Processo Revolucionário, que decorria sob patrocínio de alguns militares, com documentos e contra documentos, em que ajustavam relações de poder e força e em que todas as semanas havia novidades para o Expresso, o O Jornal, a Opção, o Jornal Novo, O Sempre–Fixe, O Tempo e até O Diabo, temporariamente e desterrado, glosarem.

O cronista Vasco Graça Moura, tem de saber que foi assim, pois fez parte do IV Governo Provisório, de Vasco Gonçalves , em 1975 e do VI, de Pinheiro de Azevedo, em 1976. Foi ainda director do primeiro canal da RTP, em 1978 e durante dez anos, de 1979 a 1989, administrou a Imprensa Nacional.

É regular colaborador de jornais e revistas e escreveu livros. Em suma, não será demais, o pedido de memória histórica mais precisa e contextualizada...

Por outro lado, se quanto à averiguação da responsabilidade criminal, ao tempo e mesmo à serôdia reivindicação da sua actualização, estamos entendidos, ainda há outro assunto de monta e a montante - as amnistias sucessivas!

É sabido que o “direito de graça” é um obstáculo à punição de culpados. Diz o professor Figueiredo Dias, citando os seus estimados e habituais autores alemães que o direito de graça é “uma válvula de segurança do sistema”. Que quer isto dizer? Pois, que tal direito de graça é ...
um acto de magnanimidade ou de tolerância, à severidade da lei, nomeadamente perante modificações supervenientes, de carácter excepcional, das relações comunitárias ou da situação pessoal dos agraciados.

Direito Penal Português, Editorial Notícias, 1993)

O mesmo autor cita outros ( Eduardo Correia e Taipa de Carvalho), para dizer também que
a legitimidade das medidas de clemência deve afirmar-se sempre e apenas quando ocorrerem situações em que a defesa da comunidade sócio-política seja mais bem realizada através da clemência do que da punição

Foi exactamente isso que sempre se proclamou aquando das generosas amnistias e perdões que foram sendo concedidas ao longo dos anos, desde 1974 a esta parte!

Em várias ocasiões, particularmente aquando das amnistias de Abril de 1979, Julho de 1982 e Junho de 1986, tais propósitos foram proclamados abertamente, na Assembleia da República, pelos representantes do povo português que aprovaram essas leis de clemência e graça que têm como característica principal o “apagar” os crimes .

O escritor Vasco Graça Moura não pode ignorar este aspecto do problema, sob pena de negar a sua qualidade de jurista e por isso, não lhe adianta afiançar os que se opõem ao “branqueamento da História”, utilizando para isso, armas jurídico–penais.

O branqueamento jurídico-penal já ocorreu, foi há muito tempo e a responsabilidade pelo mesmo é exclusivamente dos políticos!

Esse braqueamento, aliás, não é exclusivo deste caso. Também ocorreu no dos bombistas do PREC e no dos elementos da PIDE/DGS, antes deles, e depois no dos elementos das FPs/25 e ainda noutros que foram branqueados por prescrição e sem necessidade de amnistia. Refiro-me ao caso dos deputados viajantes para nenhures...

E parece-me lamentável que quem anda sempre a lamentar o discurso contra os políticos, apodando-o de populista, venha agora com esta conversa fiada e de tiros para o pé.

Assim, esgotada esta preocupação de recorte pseudo jurídico e de reivindicação serôdia de sanções penais, mesmo simbólicas, que restará de válido no requisitório do Relatório de Sevícias?

A meu ver, apenas o aspecto documental e histórico! E aí, o eventual branqueamento, pelos vistos, pode acontecer e por isso se esperaria um contributo decisivo de quem escreve para a história.

Contudo, curiosa e ironicamente, quem tem o dever de escrever com esse rigor histórico, ou porque presenciou os acontecimentos, ou participou neles ou eventualmente guardou documentos, e é curioso, dedica-se a pescar responsabilidades e a exercitar retórica sem finalidade definida que não seja uma aparente mesquinhez eleitoraleira e para abafar guinchos de adversários políticos.

Publicado por josé 13:47:00 3 comentários Links para este post  



Telmo e as alucinações

Telmo Correia quer equiparar os manifestantes nas galerias do Parlamento, aos hooligans desportivos, impedindo-os de assistir aos trabalhos parlamentares por determinado período.

O deputado Telmo Correia não terá bem percebido no rídiculo da situação e da infantilidade de racicíonio com que brindou todo um país.

Em primeiro lugar, não devem existir, muitos portugueses, que assistam aos trabalhos parlamentares, ou melhor que alguma vez tenham enfrentado o dilema de escolher, entre os trabalhos parlamentares e os treinos dos juniores de um clubezeco lisboeta qualquer.

Por muitas razões e a primeira salta à vista de todos, à hora que os trabalhos começam, os portugueses que têm emprego, estão exactamente a trabalhar. Os outros nos jardins a jogar às cartas. Isto porque o sistema político se afastou dos seus eleitores.

Em segundo lugar, comparar, os manifestantes no hemiciclo, com os hooligans desportivos, deve ser certamente, um abcesso cerebral que urge ser corrigido.

A Assembleia da República, deve ser um local de respeito, pois é o local onde se tomam muitas vezes as mais importantes decisões para o país. Foi lá que o CDS/PP, por exemplo disse que o

“IVA era um imposto socialmente injusto”

e foi também lá que, quando formando governo, votou a favor do orçamento de estado onde o mesmo IVA já era essencial para a retoma.

O hemiciclo é por si só um local de respeito, onde, os espectadores, devem respeitar o silêncio, ainda que certamente muitas vezes lhes custe, dada a densidade de asneiras por metro quadrado que ali são produzidas. Mas pelo que sei, actualmente existem punições para aqueles que manifestem nos claustros uma conduta não condizente com as regras em vigor, que podem ir até 3 anos de prisão.

Mas Telmo Correia, não se sabe com que motivações, não percebe que desta forma estará a limitar o livre acesso dos cidadãos à Assembleia da República. Nunca na vida pensei em concordar em alguma coisa com os meninos do partido d 'O Avante. A seguir segue-se o quê ? A proibição de estacionar em frente ao Largo do Caldas ? A proibição de manifestações na rua em dias de sessões no Parlamento ? Aos manifestantes prevaricadores é lhes cancelada a assinatura compulsiva do canal Parlamento?

Ao contrário dos manifestantes na Assembleia, que por vezes, não respeitam o lugar onde se encontram, são os próprios deputados, que começam por não respeitar a Assembleia da República. Deputados que falham as sessões quase de uma forma contínua. Deputados houve que assinaram livros de ponto para meia hora depois serem apanhados na Portela a apanhar aviões para Londres. Deputados há que vão a feiras de enchidos e depois dizem que estiveram a trabalhar pelo Desenvolvimento Regional. Deputados que não permitem quórum nas votações que tal obrigam. Deputados que deixam as decisões do país para ir relatar o Euro-2004?

Na lógica de Pitagóras, perdão Telmo, se os manifestantes são hooligans, os deputados que assumem comportamentos acima referidos são equiparados a quê ?

No dia que o Telmo vir um hooligan pela frente perceberá que o mais radical dos manifestantes de um qualquer sindicato não passa, com o devido respeito, de um mero agitador de bandeiras.

Depois, caro Telmo, para quem vem de longe, o bilhete de circo é sempre mais barato, lá na aldeia.

Não tenho dúvidas que no futuro, ao lado da palavra plasticina, num qualquer dicionário de sinónimos, surgirá CDS/PP.

Publicado por António Duarte 13:30:00 0 comentários Links para este post  

Da Lusa...


"Face ao teor da notícia, procedeu-se a uma análise exaustiva da contabilidade nacional do partido, tendo-se constatado a existência de alguns cheques do militante António Cruz Silva, todos de reduzidos montantes, que nada têm que ver com o financiamento do partido", refere o comunicado oficial do PSD.

Os cheques daquele deputado destinaram-se "ao pagamento de quotas ou à aquisição de material de campanha", adianta o comunicado, salientando que "de todos eles foi emitido o respectivo recibo, que consta igualmente da contabilidade do partido".

"Não estamos perante uma situação especial ou extraordinária", sublinha ainda o PSD, explicando que "da contabilidade do partido constam muitos outros cheques de muitos outros militantes, destinados a proceder a pagamentos de idêntica natureza".

Em primeiro lugar é de frisar que com mais dois ou três comunicados destes Miguel Relvas não chega a aquecer o lugar. Em segundo, e à estrita luz dos regulamentos do PSD - e no que diz respeito ao pagamento de quotas - cada militante apenas pode pagar a sua quota (isto desde os tempos de Rui Rio, secretário-geral, e com vista a evitar a existência de militantes nominais e quotas pagas por atacado) pelo que, das duas uma, ou Cruz Silva pagou uma quota, ou donativo, individual muito alta, o que convinha esclarecer, ou José Luis Arnaut por muitas piruetas que tente dar pactuou de facto com práticas estatutariamente manifestamente ilegais, que desvirtuam a democraticidade interna (ao permitirem artificialmente o empolamento do peso de determinadas estruturas em detrimento de outras)...

Aguardam-se desenvolvimentos.

Publicado por Manuel 12:38:00 0 comentários Links para este post  



"À descoberta da paternidade"

Do incursões com a vénia devida...


Na página 37 da edição do dia 22 de Maio de 2004, numa pequenina notícia de canto, o jornal Público dá-nos conta de que em Itália foi introduzido no mercado, presume-se que em regime de livre acesso, um “Kit” de teste de paternidade biológica.

O promotor, claro está, divulgou e salientou as vantagens que, em seu entender, o uso do “Kit” pode proporcionar, omitindo por completo as suas mais que prováveis catastróficas consequências.

Imagine-se o descalabro, quando os pais começarem a descobrir que os filhos não são herdeiros do seu património genético (leia-se espermatozóides), mas antes do de estranhos, mais ou menos próximos, que, com as respectivas mães, resolveram presenteá-los com uns bonitos “ramos de flores”.

E o que será dos filhos, quando perceberem que afinal não o são do pai que têm, mas de um qualquer desconhecido amante ou amigo ocasional das mães.

Adeus estabilidade familiar e conjugal. Até sempre averiguações oficiosas de paternidade e presunção “pater is est”. As impugnações da dita ao assalto do poder judicial.

Ao ler a notícia, lembrei-me do episódio ocorrido em França há poucos anos, quando a respectiva indústria farmacêutica e o correspondente comércio patentearam e pretenderam pôr à venda um “Kit” de finalidade semelhante.



O Governo francês, como sempre retrógrado, conhecedor de uma estatística fiável que apontava índices de infidelidade conjugal das francesas na ordem dos 80%, para prevenir as certas, dolorosas e desastrosas consequências sociológicas, mesmo uma acentuada desagregação e rápida degradação do tecido social gaulês, resolveu o mal pela raiz: pura e simplesmente, proibiu por decreto o fabrico e a comercialização do anunciado “kit”, tão milagroso quanto destruidor.

Os italianos, pelos vistos mais confiantes no amor cego e único das respectivas mulheres, não se importam de correr o risco.

E neste rectângulo do “macho latino”, será que os níveis de confiança também são assim tão elevados, ao ponto de a introdução do método se antever extraordinariamente facilitada, mesmo ardentemente desejada?

A ver vamos.

Até lá, viva a biologia.

Ruvino.

Publicado por Manuel 11:24:00 0 comentários Links para este post  



Não há coincidências...

Numa altura em que vem à praça perturbadoras notícias, envolvendo PS e PSD, e que lançam (ainda mais) sérias suspeitas sobre o (ir)regular funcionamento do nosso sistema político António Pires de Lima, ex-bastonário e advogado de Paulo Portas, assina hoje no DN uma elíptica mas lancinante defesa da honra de Adelino Salvado, Director Nacional da Policia Judiciária, sendo que pelo meio ainda tem tempo para subtilmente tirar o tapete a João Correia, um dos actuais candidatos a futuro bastonário da OA, e mandar umas bicadas no MP. Depois de nos presentear com uma visão edílica do modelo de funcionamento da PJ, o singular personagem remata a sua prosa assim ...

Talvez, então, a sociedade portuguesa ficasse liberta da juvenil ingenuidade, algumas vezes a aparentar mero capricho, que tem sido o espectáculo público que vai conduzindo a justiça para a completa descrença de que se aproxima.

É uma pena Pires de Lima não ter elaborado sobre o que entende pela tal "singular ingenuidade". Talvez Pires de Lima considere "ingenuidade" querer consertar este "país", talvez Pires de Lima considere "ingenuidade" e ousadia acusar e ir atrás dos ricos e poderosos, talvez Pires de Lima considere "ingenuidade", sem meios nem recursos, querer combater a corrupção, o tráfico de influências e afins... Mas nunca saberemos porque Pires de Lima, o lúcido, o calejado e nada ingénuo, se nos esqueceu de explicar.

Pela parte que me toca, apesar de já ter cabelos brancos, eu gosto, e quero mais, muito mais, da tal "juvenil ingenuidade", porque é essa ingenuidade que evita a completa descrença na justiça.

Porque obviamente um realista, como quiçá Cunha Rodrigues, jamais teria investigado Paulo Portas, Valentim Loureiro ou o Processo Casa Pia...

... e Pires de Lima nem sequer faz a apologia do realismo a não ser que em Portugal este seja apenas e só um sinónimo de um certo cinismo conformista e resignado.

Publicado por Manuel 10:05:00 1 comentários Links para este post  



Especial Final da Champions (IV)

Um duelo de personalidades - Mourinho vs Deschamps

É um dos embates mais interessantes da final que dentro de poucas horas decorrerá em Gelsenkirschen. Serão, nos dias que correm, os dois treinadores mais cobiçados do futebol europeu. Curiosamente, são tão parecidos e, ao mesmo tempo, tão diferentes...



José Mourinho, 41 anos; Didier Deschamps,35 anos
Representam ambos a mesma geração, mas o caso do francês é ainda mais impressionante do que o do português. Se o Monaco bater o FC Porto na final, Deschamps entrará para a história como o treinador mais novo a conquistar um título europeu (nasceu a 15 de Outubro de 1968, enquanto Mourinho tem como data de nascimento o dia 26 de Janeiro de 1963).



Mourinho é obsessivo, perfeccionista, brilhante.
Deschamps é discreto, rigoroso e metódico.

Ambos tiveram uma ascensão meteórica enquanto treinadores. Mourinho já era treinador principal do Benfica aos 38 anos, e do FC Porto aos 39, depois de ter sido adjunto de Sporting, FC Porto e Barcelona entre os 29 e os 36 anos.

Deschamps manteve o balanço de uma carreira de futebolista muito regular. Não terá uma inteligência tão viva como Mourinho, mas compensa com um profundo conhecimento técnico da matéria. Deschamps apresenta 30 por cento de teoria e 70 por cento de prática; Mourinho alia a teoria a aspectos de domínio psicológico, factores que compensam o facto de nunca ter sido jogador de futebol profissional.

Deschamps foi internacional pela selecção francesa por mais de 100 vezes, tendo feito parte da brilhante equipa gaulesa que juntou o título mundial (98) ao título europeu (2000). Era o capitão dessa equipa inesquecível, o patrão de um meio-campo de respeito. Aprendeu a moldar-se a uma máquina naturalmente vencedora nos anos que passou na Juventus e passou por escolas futebolísticas de referência, como o Nantes e o Marselha.

Vai ser um duelo de personalidades diferentes no perfil e no percurso — mas parecidas no que prometem para o futuro.

Publicado por André 09:53:00 0 comentários Links para este post  


Neuroscience still does not know the neural basis of morality.

Patricia Smith Churchland, Ph.D., May 2002

Publicado por off-line 19:11:00 0 comentários Links para este post  



A Chinese gliding frog sits in a display at the American Museum of Natural History in New York on May 25, 2004. 'Frogs: A Chorus of Colors', an exhibit featuring more than 200 live frogs representing 24 species from around the world, opens at the museum on May 29. The Chinese gliding frog is indigenous to southeastern China and Myanmar. REUTERS/Peter Morgan

Publicado por Manuel 18:13:00 0 comentários Links para este post  



"Les maudits."

George W. Bush, sem querelas, é o presidente dos USA a quem o Olimpo prendou com mais visíveis dotes políticos. Na pátria da "democracia" conseguiu, perdendo nas urnas de voto, ser eleito. Superou mesmo o presidente Kennedy.

Bush não é apenas um génio da política interna do Império, é um teórico, um filósofo profundo dessa política. Gerou, deixando Kant, Hegel ou mesmo Marx roídos de inveja na tumba, uma deslumbrante filosofia política - a teoria do eixo do bem e do mal.

O bem, nessa filosofia, é a Microsoft com todas as suas vigarices internas e internacionais, os depósitos gigantescos dos Bin Laden nos USA, os Apaches bombardeando terroristas iraquianos num pecaminoso casamento, os crimes contra a humanidade cometidos no Afeganistão, em Guantanamo, no Iraque e em Israel e outras manifestações constantes do cardápio de filosofia de Bush.

O mal é, por definição, o contrário do bem, o que não deve ser feito - A ONU exigindo contas ao bem, a França e a Alemanha discordando, Zappatero mandando o Império às favas, aquela percentagem de energúmenos terráqueos que não se assumem do lado do bem.

A pátria de Afonso Henriques, que começou na traição do filho à mãe, não podia senão alinhar ao lado do bem, sobretudo porque benzida, ao longo dos séculos, por tudo quanto é beataria a que nem o Marquês expulsando a jesuitaria, J. António de Aguiar com nome de mata-frades ou Afonso Costa que deles fez funcionários públicos, foram capazes de pôr fim.

No Império para consumo interno, o bem toma a designação adminicula de barrosismo que é uma forma canhestra de uma ancestral maneira de tudo saber e de nunca se enganar - o cavaquismo.

Mas o bem doméstico está agora fixo numa ilha atlântica, onde reina a maior democracia, porque as câmaras municipais são todas da confraria reinante. E daí que os padres do continente já queiram transformar este numa ilha, embora o território não se fique cercado de água por todos os lados.

Se o território fosse como a ilha, era a democracia completa, o BEM estava realizado ao modo doméstico - todos pensávamos do mesmo modo, ou seja, todos pensávamos bem.

A questão é que, no território onde se situa a sede da confraria, há quem pense de outros e muitos modos, com forte sotaque de oposição ao bem e que teime em ficar no mundo condenável e condenado do mal. São os ressabiados, os antipatriotas, os que querem perturbar esse desígnio nacional, ainda maior que todos os descobrimentos de Portugal e Espanha: o futebol. Não entenderam, nem nunca entenderão que o futebol, como indústria, gera emprego, trabalho, aumento de salários, equilíbrio das contas públicas e privadas. São antipatriotas. Querem boicotar, querem os salários que lhes são devidos, querem greves políticas. São os Malditos.

A confraria, sempre apregoando o bem, perde a paciência com o mal, perde o verniz democrático, insulta, injuria, amedronta, mas vai esquecendo que o mal, no caso, os valores democráticos não são dados pelo bem, que é a confraria, mas antes são valores adquiridos pelo património cultural, por lutas de dezenas de anos, de séculos, lutas onde a confraria não estava, pois que, nessa altura, pertencia, ao mal.

E deste modo, para consumo cá em casa, a teoria do bem e do mal, travestiu-se numa óptica maniqueista de teor futeboleiro - bem é o futebol, mal é tudo e são todos os que desligam do futebol, os que preferem cinema ou manifs.

O que demonstra à saciedade que o barrosismo é uma teoria filosófico-política superiormente elaborada no rolar de uma bola de futebol, portanto, e ao menos, mais pacífica do que a de Bush. Mas não lhe fica acima em elaboração intelectual.

Alberto Pinto Nogueira

Publicado por josé 16:07:00 6 comentários Links para este post  



uma boa notícia...

Segundo o Público Alberto João Jardim, o esclarecido déspota madeirense - misto de Hugo Chavez e Fidel Castro de pendor social-fascista - esclareceu - à saída de uma missa - que caso Pedro Santana Lopes não avance nas presidenciais, ele próprio será candidato contra... Anibal Cavaco Silva.

Esta Venerável Loja desde já agradece o autêntico serviço público que Jardim involuntariamente presta - de ao mesmo tempo que reduz para valores abaixo de zero as probabilidades de Santana ter condições para poder ser candidato presidencial, reforçar ainda mais a credibilidade da candidatura de Cavaco Silva.

Por muito alegre que esteja, Alberto João Jardim jamais será candidato presidencial.

É demasiado cobarde e orgulhoso para se apresentar a uma eleição onde apanharia a maior banhada de todos os tempos. O que é pena; pena porque talvez se reestabelecesse a normalidade democrática na Madeira, e pena porque uma humilhação pública ao ego do personagem só faria - como agora se diz - bem à nossa auto-estima.

Entretanto Santana diz ao 24 Horas que o carro em que anda não é dele (pudera)...

Tudo isto horas depois de Durão ter sido eleito com 100% dos votos... Q.E.D.

Publicado por Manuel 11:01:00 0 comentários Links para este post